Livros e Documentos Esotéricos
CLXV
O Símbolo CLXV

Prólogo

Temos que ser muito práticos no que diz respeito ao Gnosticismo, porque no decorrer destes longos anos desde que o nosso Avatara V.M Samael Aun Weor esteve fisicamente conosco, muitos se deram a tarefa de estudar os livros e de esquadrinhar os escrito deste e de outros Mestres que aqui estiveram conosco, alguns ainda se lançaram a ensinar estes ensinamentos, mas ousamos afirmar que realmente muito poucos se deram a tarefa de viver de verdade este ensinamento, porque é algo interior que só encontramos quando esquadrinhamos nossa própria Alma.

Temos muitos estudantes gnósticos hoje em dia que se tornaram materialistas, ateus, céticos; Todos estes estudantes aceitam o V.M Samael, quiçás o V.M Lakhsmi, aceitam as práticas como teoricamente verdadeiras, mas sempre negam que alguém possa ter resultados com ela. Nossa função como Estudantes é motivar a outra pessoa para que busque em si estes conhecimentos e pela prática conheça tudo aquilo que o Mestre relata, de outra forma são somente teorias.
Por isto que dizemos que a Gnosis é a síntese, porque não precisamos negar nem afirmar, senão que viver estes ensinamentos, isto nos ensina a Gnosis. Não duvidamos nem cremos, senão que experimentamos e comprovamos, e a isto convido todos.

Aqui o que faremos é desvelar um símbolo muito antigo, dotado de muita força, utilidade e valor.. esperamos que o leitor possa aproveitar estas informações e fazer uso disto na prática, quiçás lhe dê um ânimo para suas práticas de Despertar da Consciência, de Meditação e de Saídas em Astral, porque isto não são coisas para um futuro distante, digo, afirmo e reafirmo que já tinha sucesso com minhas práticas em Astral desde que conheci a Gnosis e nunca me falharam a ajuda dos Elementais e dos Mestres.. e aqui não é questão de crer que um é especial e outro não, é questão de sermos práticos e encontrarmos os motivos que nos impedem disto.

A Maioria dos Iniciados provavelmente teve ou terá suas práticas mais intensas pelas alturas da Sétima Iniciação de Mistérios Menores, mas isto não quer dizer que não tenha condições de ter seus resultados antes disto, que não possa escutar suas instruções de lábios à ouvidos de seu Gurú nos Mundos Internos, que não possa se liberar do Eu mediante a vontade e submergir mesmo que por alguns instantes na dita inefável do que são as regiões mais sublimes do Ser.
Isto é uma questão de vontade, de ação e claro de saber ser humilde e igualmente ter méritos para isto, mas todos podemos e os Mestres nos convidam a isto.

Os Mestres nos dizem muitas vezes, que as pessoas pedem ajuda, que rogam, que imploram e que até fazem parte do trabalho, mas na hora em que o Mestre chega a pessoa não pega a mão, isto é, não faz o esforço final para que se dê o resultado e aí se perde todo o esforço de ambas as partes. Sabem pedir mas não sabem receber a ajuda e é lamentável.

Temos que aprender a não pensar, temos que desenvolver isto que se chama intuição, a intuição se manifesta quando uma pessoa se dá a tarefa de não pensar... neste não pensar, se desintegram todos os problemas e toda a mecânica da vida, nestes estados conseguimos igualmente mesmo que em parte isto que é a Iluminação, nos integramos com nossa Consciência e damos um passo firme frente a expressão do Ser..

Há tantos detalhes e tantas ferramentas possíveis para que uma pessoa chegue a estas experiências, que só me resta reafirmar que estudem as Obras dos Veneráveis Mestres, porque todas as chaves, todas as ferramentas que necessitamos estão ali, e por fim que pratiquem, que levem isto a prática, que façam suas vocalizações, suas runas, suas meditações, sua transmutação, sua morte psicológica, tudo.. até o fim das suas existências, e verão o quão transformativo e sublime é o ensinamento Gnóstico.

O Gnóstico tem todas as chaves, tem toda a orientação, toda a informação que necessita, se uma pessoa não sai em Astral hoje em dia, é porque não quer.. Temos as fórmulas para preparar o corpo, temos as chaves para liberar a mente, temos a metodologia para criar e utilizar um corpo Astral Solar, temos tudo.. se temos Karma negociamos com as Runas ou em Astral, com as práticas que os Mestres nos ensinam.
E Se crêem que isto não funciona, é porque não fazem, não culpemos os Mestres por nossas incapacidades, senão que vençamos isto e modifiquemos nossa natureza interior.


O Início

Muitas pessoas imaginam que só terão acesso ao Ser, ou a expressão do Ser, no ápice das iniciações maiores, mas nossa essência como consciência é um desdobramento do Ser, e em nosso interior habitam uma grande quantidade de partes autônomas que em conjunto são a viva expressão deste Íntimo, em nós.
Cada pessoa deve dar-se a tarefa de sempre procurar estar conectada com estas partes autônomas, estar exercendo e expressando a consciência que tenha livre, assim vamos conseguindo lograr avanços neste trabalho de integração com o Ser.

O Nosso Ser nos entrega muita informação por meio de nosso Gurú, que é este Sagrado indivíduo que tem a tarefa de nos acompanhar e nos ajudar nesta penosa estrada que é a Iniciação. Então tendo gravado ou não na memória, todas estas instruções deste bendito Gurú, todas as instruções de cada um dos graus que tenha recebido desde os mundos internos ficam gravados na consciência, e por isto necessitamos exercer esta consciência.

Em uma meditação tive os primeiros contatos com o CL e XV e com o símbolo 16890, o que aqui relato é o resultado de diversos estudos físicos, meditações e verificações Astrais que pude realizar no decorrer dos anos após esta descoberta.
O Ano deste contato com o símbolo foi no final de 2004, após uma atividade gnóstica conhecida como Saudação à Aurora.

CL = 150
XV = 15

Algumas pessoas crêem que o Arcano 15 é o Diabo, já que se representa com uma figura não humana e antropomórfica; no entanto afirmamos que o 15 é algo divino e se relaciona com a nossa Organização.
Se estudamos os Arcanos anteriores, vamos ver que o 12 é o Sacrifício pela Humanidade (O Apostolado) 13 é a Morte Psicológica (A Imortalidade), o 14 é o Trabalho Alquímico (A Temperança)..obviamente o 15 é o Andrógeno Divino, e nos assinala a necessidade de organizar todo este trabalho realizado, para que no 16, não seja o Iniciado que seja fulminado e sim as impurezas que lhe restam.

O Arcano 15 é um grande divisor de águas de nosso Trabalho, recordemos que 6 (1+5), nos assinala a Alma (O Enamorado), dizer 150, assinala elevar o 15 a outra esfera, a outro nível.. é um quinze potencializado, diremos.


O Mistério 15 e os números CLXV

A Via-Sacra tem seus quinze momentos ou estações, inicia com a condenação de Jesus e vai até sua ressurreição no 15. Veja que aqueles três dias que o Cristo passa no sepulcro, equivalem a 84 horas na terra (Soma 12), mas aonde o Cristo estava que é em Plutão, são 78 horas (15 a soma), e vejam que o 15 (1+5) encontramos o 6 que é o símbolo da Alma. Os Próprios 78 Arcanos do Tarot, remetem ao Mistério 15 (7+8), disto vemos que há uma infinidade de 15 que podemos encontrar e estudar em separado. A Pistis Sophia que é o Quinto Evangelho, a Biblia dos Gnósticos, diz assim: "o Cristo após sua cristificação tinha 7800 (7+8+0+0 = 15) míriadas de Luz."

CLXV = 165, se observarmos em separado o significado de cada número, teremos O Mago, o Amor e a Lei.
É Muito significativo dizer 165, pois vemos que são três números e isto nos indica algo.

O "1" é o Pai e nos indica a morte psicológica, o "6" é claro nos assinala o Cristo como Amor e o Sacrifício pela humanidade, o "5" como Lei se refere ao respeito a Lei Divina e aos mandatos em relação a Alquimia e na formação dos Corpos e do ascenso do Kundalini.
A soma destes números 1, 6 e 5, nos assinala o 12, que é o Apóstolo, é aquele que cumpre com estes três fatores.
Veja que o Apóstolo não é aquele que ensina, o Apóstolo é aquele que chega a perfeição da vivência e tem a solvência moral, e o conhecimento prático de causa para poder ensinar, esta é a primeiro verdadeiro estágio que o estudante gnóstico deve chegar, ser um Apóstolo.

Em nosso Trabalho interno, vamos nos deparar com partes autônomas que tem diferentes funções em nós, cada uma destas partes realiza parte de um Magistral trabalho, para que possam juntamente ao Cristo viver este maravilhoso drama iniciático dentro de nós e por consequência por meio da pessoa em sua vida.
Lucas é o nono apóstolo que surge e este é quem carrega em si a responsabilidade pela interpretação destes Mistérios, algumas pessoas realmente tem decorado o significado dos números, sabem decór tudo que se pode saber destes números, mas Lucas vai muito além disto e em nada se relaciona com este conhecimento meramente intelectual, pois ele é a parte conscientiva que faz a interpretação dos números.

Se somarmos os números de 0 a 9 com seus inversos, vamos ver que o resultado é sempre 9, o que nos assinala que a soma de duas forças sempre se relaciona com a Nona Esfera que é o Sexo.
Necessitamos sempre de 3, é o número chave em tudo. Pai, filho e Espírito Santo; Positivo, Negativo e Neutro; Luz, Calor e Som; Matéria, Energia e Consciência... assim uma interminável lista de tríades, desde elementos materiais até espirituais necessitam do 3.

0 1 2 3 4 5 6 7 8 9
9 8 7 6 5 4 3 2 1 0 +
---------------------
9 9 9 9 9 9 9 9 9 9

Outra coisa que podemos observar e resulta muito interessante, exatamente porque não tem relação com a lógica formal materialista, senão que com a Lógica Dialética, é que podemos inverter os números no sentido de girar eles. Alguns números invertidos (girando eles) continuam números, alguns mantêm o valor, outros alteram o valor, outros perdem o valor, tudo isto se mostra muito significativo na Lógica Dialética.

O Número "0" continua sendo "0"; O Número "1" apesar da grafia continua sendo "1"; O Número "8" permanece sendo "8".
O Número 7, juntamente com os números "3" e "4" (3+4 = 7), notoriamente tem relação com estes primeiros, já que são três, más invertidos não se tornam números.
Já o "6" e o "9" quando invertidos se tornam seus opostos (6=9 e 9=6).
Por fim o "2" e o "5", invertidos aparentemente não se tornavam números, mas se observarmos cuidadosamente o traço do 5, vemos que se assemelha a um S, um S invertido continua sendo S, igualmente o 2, claro que pela grafia notava que eram números de uma segunda instância horizontal.

Assim separamos os números em quatro tipos distintos, os que se mantém, os que se invertem, os que quase se invertem e os que se perdem invertidos.

Então vamos ver que encontramos "0, 1, 8" e "6, 9" como números mais importantes, já que são os que tem propriedades de estabilidade e de inversão.
0, 1, 6, 8, 9... vemos que estes números tem um significado muito especial.

O número "8" certamente nos recorda o infinito, igualmente nos recorda daquele ensinamento que fala que o círculo superior é a Mente e o inferior o Coração, ou Coração e Sexo como em alguns textos;

O "8" certamente nos indica o equilíbrio, é comumente associado as Divindades e há muitas práticas de Meditação e de Saídas Astrais que se utilizam deste magnífico símbolo.

O "6" e o "9", vemos que nitidamente são complementos, se juntarmos bem estes dois números vamos encontrar o 8, igualmente o 6 e o 9 nos assinalam os Mistérios do Yin-Yang, bem como o signo de Peixes e outros como a Roda de Samsara.

O "1 e o "0", certamente são significativos ao extremo, pois simbolizam os dois Opostos Absolutos, o Bem e o Mal, o Homem e a Mulher, junto ao "8", encontramos a trindade, pois o 8 indica a união e o resultado desta soma. Vejam que 108 são as existências humanas que temos direito para lograr a Revolução, este escape da Roda de Samsara (69).
Este número encontramos nas contas do colar de Buda, no significado das cento e oito voltas ao redor da Vaca Sagrada.

Outro bom exemplo é que o "1" e o "0" são nitidamente a representação a conexão sexual do membro masculino (1) e feminino (0). O Número 1 atravessando o 0 nos traz novamente a imagem do 8 que é o resultado desta soma visual.

Observem bem estes números e verão que são criaturas vivas, nos mundos internos, se uma pessoa consegue em Samadhi penetrar nas regiões do Íntimo, o que verá não será outra coisa senão a realidade desta vida numérica expressa por meio de tudo.
Toda a Consciência, toda a Vontade, todos os Pensamentos, todos os Sentimentos, todas as coisas Vitais e Físicas, podem ser expressas por meio dos números, pois tiveram origem pelos números.
Mesmo no físico já temos uma idéia que é assim, pois nossa idade é medida por números, as distâncias são números, o corpo tem um número de ossos, um número de dentes, de órgãos, tem certa quantidade de células, de átomos, de cromossomos.
O Número por si só é anterior as palavras, pois as próprias palavras tem origem nos números. Por isto este agrupamento de números é tão significativo, pois expressa muitas coisas, e muitos conhecimentos que hoje temos.

Este Símbolo CLXV, é uma dádiva que pude perceber e entrego na esperança de que seja um estímulo, um sinal de que todos temos condições de acessar estas grandes verdades ocultas por detrás do véu dos Arcanos (Mistérios).
Compreendo perfeitamente que estes mistérios não podem ser transmitidos em um discurso, mas quiçás algumas pessoas possam vivenciar isto em suas meditações ou em outro tipo de experiências internas.

Denominamos CLXV o Símbolo abaixo ilustrado, porque assim vimos quando em Meditação.

Outros significados do símbolo

A Divindade, tem diversas manifestações em todas as esferas, desde o mundo físico até os planos mais elevados. Pelo exercício da Gnosis podemos comprovar os diversos planos ou dimensões existentes, desde o físico que temos todos contato por meio de nossos cinco sentidos físicos, como o plano vital, o plano astral, o mental, etc...
Claro que estas dimensões superiores somente são comprováveis no sentido mais prático por meio dos sentidos ocultos, mas não é difícil compreender tudo isto com uma mente inspirada e lógica no sentido mais completo da palavra.
Além do Mental, ainda existe o corpo da Vontade, o Corpo da Consciência e o Íntimo (Alma Humana, Alma Divina e o Real Ser Interno).

Dizemos isto, pois os números estão relacionados diretamente com isto que está muito além deste quatro corpos de pecado que primeiramente citamos. O Que temos abaixo do mundo de Átman (Íntimo), é a cristalização destes números nas diferentes camadas ou regiões internas até chegar ao físico.
Toda matéria física é composta por elementos numéricos como podemos observar na Tabela Periódica; Vou apenas citar dois casos como Pt (Platina) que tem número atômico 78, formado por 78 prótons, 78 elétrons e cuja massa atômica é 195. Observem que 7+8 = 15, 1+9+5 = 15. O Outro caso é do S (Enxofre) que tem número atômico 16, massa atômica 32, formado por 16 prótons e 16 elétrons. 16 é a Torre Fulminada, é o pior presságio que se pode haver, pois não significa a morte do corpo, senão por diversas vezes, o fracasso da Alma; a massa atômica 32 (3+2 = 5) nos leva ao 5 que é O Jerarca, a lei, o rigor... costuma simbolizar guerra, justiça. Mas o que quero dizer com isto é que recordemos que o Enxofre é comumente associado a criaturas nefastas e muitas vezes utilizado até mesmo para repelir tais forças ou energias (e até forças positivas).

Uma vez aprofundado o significado dos números no nosso cotidiano, nos voltamos a atenção mais uma vez para o símbolo que queremos explicar.
Como havia dito anteriormente, este conjunto de 5 números nada mais é do que uma fórmula para compreender com perfeição boa parte dos mistérios e funcionalismos existentes e até mesmo autenticar outros símbolos e ensinamentos.

Um exemplo interessante é um relacionamento perfeito, neste encontramos um homem (1 - Que representa o falo), uma mulher (0 - Que representa o Útero), unidos pelo Amor (6) e pelo Sexo (9), notem que o Amor flui em direção Mulher>Homem e o Sexo em direção Homem>Mulher, denotando que o instinto básico de cada um predomina algo diferente mas que se necessita ambos. o 8 ao centro indica que existe o equilíbrio entre os elementos.
Se vamos observar um Casal que esteja trabalhando na Obra, vamos ver que estes são os dois elementos básicos do trabalho, que haja a atração sexual (ter o impulso e que o outro seja seu complemento), e que haja o Amor que é este elo Espiritual que une o casal, sem este Amor, o Kundalini não conseguiria progredir e muito menos este casal estaria apto para um trabalho, igualmente se não houvesse atração e impulso sexual.

Outro exemplo interessante que não pode deixar de ser citado é a Roda de Samsara. Vou citar aqui de forma breve o que é e como funciona para que os que não conhecem possam ter uma noção e até buscar mais informação a respeito. A Roda de Sansara é a representação do caminho que passamos desde que saímos do Absoluto (Deus imanifestado) e chegamos até aonde estamos hoje, no reino Humano; O Processo se dá da seguinte forma, saímos do absoluto e ingressamos nesta assim denominada roda, pois de forma representativa subimos de forma evolutiva pelo lado esquerdo desta roda, passando pelos reinos, mineral, vegetal e animal até nos tornarmos homens; do outro lado da roda está a parte involutiva do processo, aonde passamos pelo reino animaloide, vegetalóide e mineralóide. A Diferença entre os reinos evolutivos e involutivos é que a alma nestes reinos passa por processos diferentes e vive em distintas partes, assim podemos dividir os minérios, vegetais e animais em evolutivos e involutivos. O Reino Humano é o topo desta roda, é o local aonde temos a chance de revolucionar, fugir da mecânica da roda que forçosamente tenta nos levar à involução, a involução é a eliminação dos defeitos psicológicos e memórias criadas durante a vida humana, para que possamos mais uma vez passar pela evolução e no reino humano novamente tentar Revolucionar. Aqui findamos nossa explicação extremamente reduzida e simplista visto que não é nosso foco no momento.

Mas voltando ao assunto numérico que estamos nos propondo a explicar, podemos comprovar a roda do sansara através da fórmula inicialmente proposta. O Número "0" é o inicio onde a Mônada (Alma) ingressa na roda do sansara, ela evolui no 6 que mostra a direção como flui, é a preparação para o reino humano. O Reino humano é representado pelo 1, nele temos 108 existências (1 0 8) que nos recorda que temos duas opções, revolucionar (7 - vai ser citado mais tarde quando a fórmula for demonstrada completamente) ou seguir pela involução que é representado pelo 9, retornando assim ao 0 aonde podemos dependendo do número de voltas da roda, subir mais uma vez pela evolução ou retornar ao absoluto. O número 8 nisto tudo simboliza principalmente o movimento mas está intimamente relacionado com os que abandonaram a roda e renunciaram ao Absoluto.

Continuando com mais dois casos Gnósticos, podemos citar as Cadeias Gnósticas e a própria Espada Gnóstica em seu formato tradicional.
As cadeias que são realizadas no meio gnóstico seguem este mesmo principio numérico desta fórmula. É necessário pelo menos um Homem (1) e uma Mulher (0) no caso de casais sabemos que há a possibilidade de cadeias cruzadas, que são simbolizadas pelo 8 e o 6 e 9 indicam o fluxo da energia durante a cadeia, que flui rotativamente em sentido anti-horário se observado de cima (no casal flui em meio ao sentido das mãos, entrega pela direita e recebe pela esquerda). Mesmo que hajam mais pessoas e seja feita a cadeia convencional, o fluxo de energia continua sendo demonstrado pela fórmula, a única alteração do fluxo da energia é durante a pronúncia do Mantra Aum, que em vez de ser em sentido horário e centrípeto (para o centro), ocorre no sentido anti-horário e centrífugo (para fora). Claro que isto só pode ser comprovado clarividentemente ou com algum outro sentido interno.


Igualmente se observarmos o fluxo em relação a cadeia e a Divindade que está sendo trabalhada, vamos ver mais uma vez o símbolo, aonde o "1" representa a divindade, o "0" as pessoas, o "6" são os pedidos, o "8" é a vibrante harmonia entre o que dizem e o que sentem, pois sem isto não estariam fazendo corretamente a cadeia, isto que tem faltado para muitos Iniciados, esta harmonia representada pelo "8", e o "9" são os resultados ou os eflúvios que a Divindade entrega a estas pessoas.
Claro que durante o Aum se inverte todo o fluxo de forma que se abram certas regiões da atmosfera e se chegue tudo isto que ficou acumulado até o Exército da Voz.

As cadeias mais fortes claro são igualmente explicadas por este símbolo, se de três, vemos que o 8 passa a ser esta terceira pessoa, e se fazemos intercalando um homem e uma mulher, vamos encontrar o "1" e o "0" constantemente, por consequência potencializando terrivelmente a cadeia.


Já a Espada Gnóstica Padrão, segue mais uma vez a regra destes mesmos números, a Lâmina (1), é o principio ativo aonde impulsionamos a força, e por onde se expressam os resultados internamente.
A s guardas Direita apontando para o Alto (6), esquerda apontando para baixo (9), representam o Sol e a Lua, as forças que em nós estão intimamente relacionado com Ida e Pingala, um branco e o outro negro. Não é difícil de compreender isto, se diz que a Espada é a Coluna do Iniciado, o símbolo da guarda da espada não é outra coisa senão as duas Testemunhas do Apocalipse.
A Empunhadura com sua proteção (0), veja que o "0" indica a força passiva ou negativa, então vemos aqui como a Defesa natural daquele que empunha a Espada, o 8 logicamente é a união das partes e a força que move a espada (A Pessoa).


1 = Lâmina
6 e 9 = A Guarda da Espada e note que faz exatamente o apontamento das direções dos números.
0 = Empunhadura e a proteção
8 = Junção das partes.*

Há muitas outras singularidades na disposição destes números como por exemplo a Runa NOT;

Podemos representar igualmente como uma Balança, sendo o 0 a base, o 8 a haste e o Juiz, o 1 o marcador, o 6 e o 9 os pratos; Há outros números no símbolo completo que podemos já observar com o simbolismo da Balança. Vejam que o 6 representa a Alma, na balança representa o Coração que é a Alma, o que é pesado no simbolismo egípcio quando da morte de uma pessoa, são suas ações, se seu coração é mais leve do que uma pluma.
O 5 é o próprio coração, pois é o assento do Kaom interno, vejam que a soma do 6 e do 5 é 11. No 9, encontramos a Pluma que é representada pelo 2, e mais uma vez a soma 11 entre o 2 e o 9.
Da morte temos três possibilidades como já sabemos, na verdade mais mas vamos explicar estes três. o 3 representa que tivemos mais boas ações que más ações e temos o direito ao Nirvana, o 4 indica que tivemos más ações em demasia em relação as boas ações, então vamos ao Abismo. O "0" nos demonstra que fomos nulos no sentido de que equilibramos as boas e más ações e que vamos de imediato a uma nova matriz humana.
Estes três caminhos se relacionam com os caminhos naturais. Na parte superior vemos o 7 (em baixo 3 + 4 = 7), este sete se relaciona com o Triunfo na Obra, o 1 nos indica claro o Medidor da balança, igualmente indica uma pessoa que esteja no caminho reto.
Vejam que Anubis com sua mão puxa o 9 para baixo, fazendo com que o Coração fique mais acima do que a pena. Isto indica que a pessoa humana está disposta a pagar suas dívidas e não protesta frente a lei. Então claro o Karma não lhe pesa, porque não está identificado com seus agregados que são os culpados pelos crimes, e como está eliminando os criminosos dentro de si , se faz isento de culpa.
Com isto afirmamos que toda pessoa que esteja de verdade trabalhando a Lei não tem porque lhe mandar ao Abismo, porque se não protesta frente os fatos da vida e vive uma vida plena no sentido de realizar uma Obra (Os Três Fatores e tudo mais que advém disto), está de verdade sob a proteção da Lei.

 

O Desdobramento dos Arquétipos Divinos

Vejam, vocês diriam que a Runa Not se parece com a Espada Gnóstica? Ou que a Espada Gnóstica se relaciona com a forma com que as energias percorrem uma Cadeia?
Claro que não, porque isto são formas, as formas sejam elas físicas ou internas como no caso da ENERGIA das cadeias, são desdobramentos daqueles números que antes falávamos e tem relação com aqueles mundos mais sublimes.

Há Regiões aonde existem os Arquétipos Divinos, estes sim, observados desde seus princípios vamos encontrar similaridades por onde se manifestaram. A Trindade é um Arquétipo Divino, desde o Simbolismo do nome até suas cores, atributos e funções.

Este Símbolo CLXV, se desdobra e se manifesta em muitas coisas que já foram ditas e que ainda serão, porque é a manifestação interior e superior destas que muitas vezes representamos por meio de suas formas.
Vejam, os Maçons tem como Símbolo um Esquadro e um Compasso, qual a relação entre este símbolo e o Ying-Yang? Se Aplicarmos o Símbolo CLXV, encontramos a solução deste enigma.

Irmãos, faço este parênteses, porque quero que entendam e se escrevo estas coisas é porque preciso que entendam, que a Gnosis não é compreendida ou vivenciada pelo pensamento formal, muito menos pelas emoções que esta humanidade tem, nem mesmo as mais sublimes.
Necessitamos dar um basta, dar um fim a este nosso inimigo de séculos, não aceitar mais com que sejamos escravos de pensamentos e sentimentos desordenados que tão somente fazem com que esta pessoa humana sofra, e se afaste cada vez mais de seu Pai e de sua Mãe internos.
Muitos reclamam que não são iluminados, mas crêem de verdade que a iluminação é uma luz que vem do céu e toma a pessoa e isto não é assim. Temos que aprender a eliminar o Eu de verdade, a silenciar estes eus pensadores, a calar estes Eus emocionais... assim desenvolvemos em um primeiro momento este Sentimento Inspirado, este Pensamento Inspirado, aí sim fazemos algo útil para nossa iluminação.
Como uma pessoa pode esperar ser clarividente se não elimina seus defeitos? Se pelo menos não se dá a tarefa de fazer uma organização de seus sentidos. Não precisamos fazer o impossível, mas façamos o que nos épossível, de momento a momento, e logo se verão fazendo o impossível, assim é porque assim nos demonstraram os fatos e os Veneráveis Mestres que já estiveram conosco.
Primeiro a quietude (porque é forçado), depois o silêncio (porque compreendeu que não adianta pensar), então desperta a intuição (que é o primeiro nível de clarividência), e posteriormente advém a Iluminação (O Samadhi (Êxtase Místico, seja por meio da dimensão que for, 4a, 5a, 6a, 7a Dimensão), o estado de Turya... etc...
Para que a intuição se manifeste necessitamos ter uma mente em silêncio sem a interferência de defeitos, com isto a pessoa é capaz de ser livre e aceitar não só as coisas agradáveis do caminho como as fatalidades que não podemos evitar. Esta intuição é quem nos diz que tudo ficará bem, e que por pior que a mente possa imaginar que seja, sempre há um Ser olhando por nós, sempre há hierarquias a nos guiar, e que com a morte, todas as vaidades e dificuldades do mundo desaparecem, mas nossa Alma continua e de acordo com a vida que tivemos selamos nosso destino.
Nada é fácil e tudo nos custa, mesmo estes estados vem e vão de acordo com as condições de nosso trabalho, manter estes estados sempre ativos é algo impossível, porque o Ser necessita fazer suas cristalizações e criações e não podemos nos por a gastar energias com o que não necessitamos em determinado momento.
Muitos irmãos crêem que com a Transmutação e com os Graus conforme ascendem iniciáticamente se farão Despertos ou Iluminados, que estarão sempre dispostos, mas toda esta cristalização dos corpos internos, este ascenso do Kundalini, esta manutenção da consciência em cada corpo e em cada nível, se faz muito custosa e isto com certeza cada um comprovará na prática.

Falamos da Maçonaria, mas não estamos fazendo alusão as instituições Maçônicas fisicas como conhecemos, senão a Mistérios que de verdade se ocultam sobre véus os quais os atuais Maçons lamentavelmente não são mais capazes de penetrar, o que em sua síntese é a própria Gnosis.
A Maçonaria tem como símbolo maior o Esquadro e o Compasso com a letra G em seu centro; Bem sabemos que o Compasso Simboliza o Espírito e as coisas Divinas (1), o Esquadro representa a matéria e as coisas Humanas (0), já o 6 e o 9 representam a perfeição de equilíbrio entre a Matéria e o Espírito, que vou explicar mais adiante. O G de Gnosis, Gênesis, etc... é representado pelo 8. O G é representado pelo Oito, porque é por meio deste Conhecimento, por meio da vivência deste conhecimento interior que vamos avançando no caminho e nos fazendo perfeitos.
Não sei hoje em dia como é ensinado na Maçonaria Tradicional e em seus ritos fisicamente falando. Mas na Maçonaria Esotérica dos Mundos Superiores (Astral, Mental, etc), o símbolo Maçônico é demonstrado de 3 formas distintas. Para os Aprendizes, o Esquadro fica totalmente a frente do Compasso, representando a busca pelas coisas divinas mas mesmo assim a deficiência da mesma e um caminho totalmente material, exatamente porque vivem nas teorias e na prática não abandonaram seus vícios e costumes, nem se dão a tarefa de viver aqueles ensinamentos.
Quando se tornam Companheiros, o Compasso toma a frente com suas duas pontas, deixando para trás o Esquadro, simbolizando que seus esforços o afastaram demais do mundo, e sua busca pelo Espírito acabou o desequilibrando por sua ainda não Maestria. Compreendam que isto apesar de ser um desequilíbrio é um passo necessário para dar rompimento com certas características da vida do iniciado, sem isto difícilmente ele se libertaria de costumes, manias, vícios e tantas coisas que anteriormente carregava; igualmente neste trabalho indica que está tentando vivenciar e praticar tudo o que aprendeu com todas as suas forças.
Já o Compasso com o lado Direito por cima do Esquadro e o Esquadro com a parte Esquerda por cima do Compasso denota o equilíbrio do Grau de Mestre, pois aprendeu a viver entre estes dois mundos. A Própria entrada no Templo de acordo com os Graus Maçônicos tem íntima relação com o que aqui foi explicado.

Algumas pessoas irão se assombrar que no Grau de Mestre não esteja totalmente o Compasso sobre o Esquadro, mas é que necessitamos da vida, uma vida sabiamente vivida e guiada por princípios espirituais, isto é a Obra, se fosse para uma pessoa viver apenas na Espiritualidade Divina e sem um Corpo Físico, não teria nascido; Então fica claro que a Maestria éobviamente a Guiatura pelo Espírito, mas dando a matéria, as pessoas, as situações, seu justo argumento.

Outro símbolo bastante antigo e muito conhecido que pode ser comprovado e até corrigido através da Fórmula que propomos é o Yin Yang, comumente representado pela luta entre o Tigre(Yang) e o Dragão(Yin). Não vou discutir os infinitos mistérios da senda do Tao (Que é a própria senda Gnóstica), mas vou tentar me aprofundar nos significados deste símbolo para poder expressar os números através dele. Para alguns esoteristas o símbolo é explicado da seguinte forma: Yang é o poder criador associado ao sol, ao masculino, já Yin corresponde a terra, o feminino; são duas forças complementares que compõe tudo que existe e permitem o equilíbrio e delas surge todo movimento e transformação e um dá origem ao outro. O Ponto Branco no Preto bem como o ponto Preto no Branco representam que toda vez que cada uma das forças atinge seu ponto extremo, manifesta dentro de si a semente de seu oposto.
O Trecho acima representa o que se popularmente acredita significar e ser este símbolo , no entanto mediante o estudo do símbolo junto a fórmula proposta, encontramos outra forma e significado um pouco distintos.

Em algumas imagens, o Yin (Preto) está em baixo, para representar a inércia e o repouso. No entanto isto está incorreto. O Yan (Branco - 6) tem seu inicio em Baixo, então sua parte maior fica em baixo. o Yin(Preto - 9) é localizado acima. Como saber onde é o inicio é o que alguns podem se perguntar, mas podemos argumentar isto baseado nas nascente e nas corredeiras das águas, a maior parte da água fica na nascente e quanto mais longe da mesma mais escassa será, tanto em quantidade como em pureza, em comparação com a sua origem (dentro da terra).

Por analogia, podemos recordar da roda de samsara aonde iniciamos lá em baixo no reino mineral e vamos evoluindo, por fim, cheios de defeitos psicológicos no reino humano, entramos na decadente involução com o objetivo de eliminar os defeitos e poder ascender mais uma vez. Pois quando ingressamos no reino mineral, somos dotados de uma imensa pureza representada por Yang e conforme vamos subindo, vamos nos aproximando de Yin e no reino humano o que nos resta é apenas Yan aprisionado, durante a involução de Yin, Yan vai ressurgindo. O Que citei aqui é apenas uma de observar o símbolo e uma vez demonstrado um outro ângulo de visão vamos retornar aos números e o símbolo .
Yang o Tigre, é representado pelo número 6, o Amor, a Alma. Yin o Dragão é representado pelo numeral 9, O Sexo, o Eremita. O Número 8 se torna nitidamente visível se olharmos fixamente e com cuidado, sendo exatamente este enlace e movimento do símbolo no sentido horário; já o número 0 é representado pela totalidade do símbolo e o 1 a separação entre o Yin e Yang.


A Meditação e a Saída em Astral

A Meditação é uma ferramenta indispensável para qualquer pessoa que almeje seu Despertar, na meditação nos encontramos com o Ser, com a Mãe Divina, com os Mestres da Loja Branca, com os Elementais e com todas estas forças e princípios sem os quais não conseguiríamos realizar uma Obra.
Temos que procurar Meditar sós, não digo que a Meditação em Grupo não seja útil ou benéfica, claro que é, mas poucas vezes vamos conseguir ter um resultado tão profundo se estamos limitados pelo tempo ou por posturas específicas que nos impõe.
Claro que a meditação em grupo com pessoas que consigam atingir o devido estado gera uma egrégora muito forte que os envolve e os beneficia na meditação. Mas dependendo de nosso objetivo continua não sendo tão interessante. Veja que não só a meditação mas todas as práticas, temos que fazer além de em grupo, sós.. nisto inclua a Meditação, a Transmutação (de Solteiro, claro.. pois o Arcano sempre se realiza o Casal a sós), os Jejuns, as Runas, as Orações e tudo aquilo mais que nos cabe fazer em determinados momentos ou sempre durante nossa vida iniciática.

O Grupo é útil para desenvolver a vontade no sentido das práticas, mas se faz indispensável a pessoa realizar isto por sua própria vontade e esgrimindo seu esforço individual, sua Vontade, em prol de seu Ser e de sua Consciência.

A Saída em astral mesmo consciente pode ser feita para dentro ou para fora, se for feita para o Astral interno, podemos ver, conversar e compreender cada defeito e virtude em nós.
O Motivo de explicar do Astral Interno e o Circulo Astral Consciente da Humanidade Solar, é que quando os praticantes logram se desdobrar conscientemente, por diversas vezes vão parar exatamente no Astral Interno, pois não possuem o veículo Solar para se locomover conscientemente pelo Astral Externo. Sem um corpo Astral Solarizado, a locomoção pelo Astral externo se torna praticamente impossível.
Claro que tudo é possível no sentido de que os Elementais da Natureza nos ajudam, que os Mestres nos ajudam... mas vejam que no passado já fizeram esta experiência com muitos iniciados, tiravam todos em Astral, levavam a Templos da Loja Branca, faziam cadeias e experimentos desde o Astral... e todos estes iniciados se extraviaram, se perderam.
Acreditaram ser grandes, inflaram o peito, e claro caíram lamentavelmente e se extraviaram no caminho. Realmente nós como pessoas, mesmo os mais adiantados, somos muito débeis, uma pessoa sem seu Ser não é nada, a razão de Ser da pessoa humana sempre deve ser seu Ser, suas partes autônomas, sua parte espiritual. Não digo que a pessoa humana não tem seus méritos porque tem, mas a pessoa como pessoa não é nada, é um átomo de pó que se perde em um universo infinito de Sóis e Estrelas.

De qualquer forma há que salientar que o Astral Interno, assim como o Externo possui os mesmos elementos, criaturas, pessoas, templos só que em menor escala e poder. Quando se desdobra no astral interno conscientemente pode se encontrar diversas pessoas conscientes ali, que são os átomos desta pessoa em você e claro épossívela comunicação, mas a lembrança só ocorrerá se entre o átomo da pessoa que há em você tiver a devida integração com o Individuo exterior.
Conseguimos atuar telepáticamente não somente porque enviamos ondas a esta pessoa, senão porque temos dentro de nós um átomo vibracional daquela pessoa, é como saber o telefone de alguém ou o endereço no mundo físico.

É por isto que temos que eliminar de nós o Eu, eliminar estes átomos negativos que temos.. só somos atacados porque estas Entidades externas tem algo dentro de nós que permite com que se aproximem... exatamente esta energia vibracional afim.
Eliminando o que temos em comum, não nos encontram, assim nos fazemos invisíveis para os Tenebrosos.

No Caso do Astral Interno, vejam que muitas vezes sonhamos com pessoas conhecidas e se questionamos se recordam de terem sonhado conosco, irão negar, pois não ocorreu nesta Astral Mundial, senão que dentro da pessoa. Então mesmo uma pessoa consciente no Astral, pode que não esteja se locomovendo pelo Astral Externo, senão por este mundo interior.
Não nos é permitido contar a maior parte de nossas experiências mas para deixar claro este ponto se faz necessário relatar algo objetivo neste sentido.
Estava consciente no Astral, já havia deitado (no físico) com o Anelo de me encontrar com meu Real Ser e fazer alguns questionamentos sobre certos eventos que vinham acontecendo e que pelo bem da Obra necessitava elucidar definitivamente sem rodeios.
Já encontrara muitas vezes meu Guru no Astral mas meu anelo este dia era de encontrar o Ser, pois meu Guru andava muito ocupado com outros afazeres e sempre que nos encontrávamos já sem perder tempo dava suas instruções e nos jogava de volta ao corpo físico (para trazer as recordações ao físico), digo isto porque no passado todas nossas inquietudes podíamos questionar ao Guru e era bastante proveitoso.
Bem, neste dia estava lá em Astral e como havia me proposto quando ainda no físico me recordei de meu Anelo em me encontrar com o Ser e fiz a devida prática para tanto. Roguei ao Ser, e a Bendita Mãe Kundalini que me levassem até a Santa Igreja Gnóstica dos Mundos Superiores, para que de lá me levassem até meu Ser ou algum Mestre servisse de intermediário já que compreendo que o Ser é algo muito distante de nós pelo estado que nos encontramos.
De imediato senti algo se mover em minha coluna e logo uma luz.. instantaneamente me vi rodeado por algumas pessoas que me recepcionavam naquele Templo, confesso que me pareceu muito estranho aquele lugar, pois não era como nenhum Templo que já havia visto (Diferente da Igreja do Astral Externo), enfim falei de meu Anelo de me encontrar com meu Ser para lhe questionar sobre alguns detalhes que necessitava muito saber e não tinha acesso pela consciência.
Após me mostrarem o lugar e me apresentarem a alguns seres que ali estavam, me mostraram uma grande porta como destas das Catedrais, e me disseram que não poderia entrar ali.
Ahh não tive dúvidas, corri e abri as portas com imensa alegria de poder me encontrar com o Ser, e com espanto me deparo dentro daquele templo destruído e com as Três Fúrias, ali estavam os Terríveis Judas, Pilatos e Caifás interiores, o Ser não se fazia presente naquele momento... Claro que fiquei de imediato abalado por observar desde o Trono até toda a construção muito danificada pelas Fúrias (Má Vontade, Desejo, Má Mente), uma das Três fúrias ainda me questionou quando me viu sobre aonde se encontrava o Cetro de Poder, e me fazendo de desentendido indiquei que buscassem debaixo do Trono, e tão logo pude me escapuli do Templo.
Claro que o que relato não ocorreu no Mundo Astral Mundial, e sim dentro de mim mesmo, apesar de consciente, o que vi e o que relato são vivencias interiores de meu Astral Interior. Claro que todas aquelas partes autônomas lutavam pela reconstrução deste Templo, eram partes do Ser, cada uma delas. Vejam, pedi que me levassem a Igreja Gnóstica destes Mundos Superiores, e me encontrei exatamente neste lugar, ali aonde se reuniam dentro de mim todas estas partes autônomas que não são mais do que as Virtudes que vão se liberando.
O Mais interessante é que ao sair do Templo (aonde estavam as três fúrias), vi uma Virtude parada em frente a porta, e me disse, "Necessito uma audiência com o Ser", veja... ali estava a mesma parte autônoma que me impulsionara a esta jornada, cara a cara comigo. Então claro lhe disse que ali dentro não estava o Ser, mas quiçás ao entrar ELE estivesse lá.

Vejam que muitas experiências, sejam elas conscientes ou simbólicas como são os sonhos premonitórios (aonde vemos partes fixas ou variáveis do futuro), acontecem dentro de nós mesmos, igualmente podemos viver isto fora. Todas estas experiências são partes de nosso aprendizado e de nosso esforço por encarnar e nos integrar com estas Virtudes. Devemos esquadrinhar não só este Astral Externo, senão que este mundo interior, pois de nada vale ficarmos passeando por um belo Astral Externo, se dentro de nós não somos capazes de reconstruir este Templo que está em ruínas.
No Astral temos condições de observar e perseguir nossos defeitos, claro que não podemos lutar contra as Três Fúrias, nem mesmo com as Sete Cabeças de Legião (5a de Maiores), mas podemos sim desintegrar este exército que são coordenados por estes Sete Generais Negros.

A Melhor forma de perseguir um defeito é trabalhar com a meditação sobre os eventos do dia antes de Sair em Astral (seja consciente ou sonhando), pois se compreendemos o Defeito e lhe tiramos força no sentido de remover ele de vez de nossos sentimentos, de nossos pensamentos, se pedimos a Mãe que o Desintegre, a Mãe persegue ele não só aqui, mas lá nos mundos internos e lhe cutuca literalmente, porque vai despedaçando o defeito.
O Resultado é que o Eu enfraquecido luta por sua vida e nos tenta durante o sono, aí se faz necessária toda expressão de nossa Consciência para não nos identificarmos com o defeito, e por consequência se possível pedimos ali mesmo a Desintegração daquele defeito, cara a cara com ele.. se é um sonho, podemos acordar e repetir a prática à Mãe que Desintegre este defeito o qual já compreendemos e não aceitamos mais sua existência.
Vejam irmãos, a luta contra o Eu fazemos vinte e quatro horas do dia, vinte e quatro, não oito, não dez, não doze, vinte e quatro horas. A Vida passa muito rápido e temos muito o que eliminar, de nada nos serve limparmos o sepulcro por fora como diz o Mestre, se continuamos negros por dentro.


Continuando com o Símbolo numérico, temos que compreender que existem Mistérios que são limitados a um período de tempo (mistérios que só são válidos em determinados momentos da humanidade ou épocas como de descenso a matéria e ascenso ao espírito)) e Mistérios que pode se dizer são mistérios de Base, estes sempre são válidos.

Uma vez iniciei uma Meditação neste Símbolo em questão e dele vi os números formando o Cristo, em sua Cruz. Claro que isto não me espantou tanto já que se nota que são em formato de cruz, mas o que me causou espanto foi ver o que surgiu depois disto.
No principio os números 18069 formaram o Corpo do Cristo na Cruz, O "1" a Cabeça, o "8" o Corpo, o "0" os pés, o "6" e o "9" os braços.
Após isto sim vi algo mais além, vi mais cinco números além destes cinco primeiros (75234), o 7 apareceu na cabeça e logo vi se transformar em uma Coroa de Espinhos, o 2 e o 5, vi se transformarem em cravos e tão logo transpassaram as mãos do Cristo, (5 no 6, 2 no 9), o "3" e o "4" se transformaram em um único cravo que transpassaram os dois pés de Nosso Senhor o Cristo. Passado algum tempo vi sua ferida fatal sendo aberta, de dentro para fora, mais uma vez assinalando o 8.

5+6 = 11, 9+2 = 11. 3 + 4 = 7, e o próprio 7 da coroa.
"Meu número é 11, como é o número de todos aqueles que me seguem" - Ritual Gnóstico

Os números tem vida e eles nos falam sobre muitas coisas. 165, 1 Simboliza o Mago, exercendo o Amor (6) e a Lei (5).
O Mago (1) Exercendo apenas o Amor (6) equivale à Fragilidade, a torre de babel (16), pois sua construção não terá uma base sólida e será destruída.
O Mago (1) Exercendo apenas a Lei (5) equivale a Paixão (15), é muito perigoso se valer apenas da Lei, se é movido pela cegueira e se é julgado pelo mesmo julgamento que damos.
Não é ao acaso aquele trecho ritualístico que diz: "Amor é lei, porém amor consciente", se decompormos numericamente vamos encontrar 6=5 ~ 165.
Porque o Amor é a própria Lei, porém há que haver consciência (O Mago) para determinar a dosagem de ambos.
Se observarmos o número 65 por exemplo, vamos ter Kabalisticamente "A Aprendizagem", que é o processo para o surgimento do 1, pois se está incompleto. Somente quando houver 165 haverá 12 (1+6+5) que é o Apostolado e que por meio deste chegamos ao Espírito Santo (3) que é igualmente a representação da tríade divina.

Os números não são físicos, não são vida como conhecemos, não são sentimentos e nem sequer o pensamento, estão mais além da vontade pois são o que são, inclusive estão mais além da própria consciência, eles são a própria representação do Deus particular de cada homem. Não digo com isto que devemos adorar ou idolatrar os números, mas que aprendamos a falar com eles como falamos com os nossos semelhantes, assim aprenderemos a falar com nosso Deus interior. Podemos orar a Deus com palavras, mas só pode ouvir Deus aquele que escuta o que os números tem a dizer.


As Duas Árvores do Éden e o Mistério da Trindade

Toda exaltação (1) é precedida por uma terrível humilhação (0), aquele que se exalta (6) será humilhado (9) e aquele que se humilha (3 4)será exaltado (7) diz a liturgia.
Os Números nos demonstram a equação da vida e do equilíbrio universal das coisas, eles não julgam nem se preocupam, simplesmente falam silenciosamente o que deve ser dito sem qualquer culpa ou equívoco em sua explicação.
Na vida existe o Bem como força universal de Misericórdia, existe o Mal como a Justiça incorruptível que cobra de cada um na medida exata de seus atos. Os acontecimentos que ocorrem com as pessoas e o próprio mundo são frutos desta Justiça universal que cobra as dívidas de cada criatura, pedindo dele a justa ação que equilibre suas ações ou dá o devido castigo pela sua incapacidade ou recusa de equilibrar-se espontaneamente. Veja que muitos se perguntam porque a Divindade permite estas coisas, a resposta é "porque é necessário", ou se mantém o universo como um todo ou ele seria destruído por este desequilíbrio. O Bem e Mal Universal são isto... cabe ressaltar neste momento que mais além do Bem existe um outro Mal e mais além do Mal um outro tipo distinto de Bondade.
Apesar de entendermos a Justiça como Má no sentido que nos dá estes castigos pelas ações, é graças a isto que vemos que algo está errado, e temos a graça de pagar de outra forma.

Aceitar o Pólo positivo é fácil, aceitar o Pólo negativo é igualmente fácil, o complicado e no que consiste REALMENTE a Obra é o Mistério Alquímico da mescla correta em nós disto que é a Justiça e a Misericórdia. O Que cito aqui é um ponto crucial para o momento atual que vivemos, pois já vivemos a bondade inocente e incoerente da inocência e já experimentamos a maldade tanto a das sombras do equivoco e do erro como a maldade da justiça extrema que prega Olho por Olho e dente por dente, sem margem para a divina compaixão.

Meditando sobre as dualidades e a fórmula inicialmente citada, vamos igualmente nos deparar com a Árvore do Bem e do Mal. "Lúcifer, a serpente tentadora disse a MULHER, quando no Éden, se comerdes da Árvore do Bem e do Mal terá os olhos abertos, sereis iguais a Deuses, conhecedores do Bem e do Mal."

Não entrarei no mérito do significado das Árvores do Bem e do Mal bem como da Árvore da Vida, mas a fórmula das árvores é a mesma.
Uma Árvore necessita em sua constituição física um Tronco que serve de ligação entre a parte que fica interna na terra e sua parte superior que se eleva ao céu. Quanto mais altos os ramos e folhas mais profundas suas raízes, quanto mais larga sua copa por maior largura irá se estender suas raízes.

Vejamos a dualidade da árvore que necessita de dois alimentos um que provém do céu, do Sol (6) e um que provém da obscura e decomposta terra (9). Os Ramos e folhas (1) buscam o alimento do sol, já as raízes (0) se nutrem do solo. Eis aqui o mistério de Abraxas, eis aqui o Mistério dos Deuses, o próprio mistério das duas Árvores do Éden. A Flor nutre a Alma(5) e o Fruto nutre o Corpo (2).

As Próprias duas árvores vemos que se polarizam e que podem ser observada sua relação pelo mesmo símbolo. Se observarmos qualquer relação existente por meio deste símbolo vamos poder compreender a correta relação. Se Observamos uma Árvore comum do ponto de vista que ela é o "0", e o "1" é o Sol, vamos compreender a relação do Sol com a planta e assim podemos proceder com qualquer coisa.

O FRUTO É A MESCLA DA FORÇA ASCENDENTE DA TERRA, COM A FORÇA DESCENDENTE DO CÉU. O Cristo é a mescla entre a Luz e as Trevas, a Justiça e a Misericórdia. Pistis-Sophia é exatamente isto, o Poder que emana da Terra com a sabedoria descendente do Céu. Um Deus não é mais Luz que Trevas e nem mais Trevas que Luz. Com isto não nos referimos da Maldade dos homens nem da bondade dos homens, falamos de atributos Divinos no sentido mais completo da palavra.

Na Própria Trindade se encontram as três forças universais de Afirmação (1) o Pai, de Negação (0) o Espírito Santo e de Conciliação (8) o Cristo. As palavras do próprio Cristo foram: Sejais puros como a pomba mas sábios como a serpente.
Ninguém vai ao Pai senão pelo Mistério da Cristificação que é a união deste enxofre que ascende do Tártaro e do Mercúrio que descende das regiões celestes.


George Washington - National Museum of American History (1832)


HCOFNe

Vemos que os números se relacionam intimamente com a matéria física, podemos representar este Símbolo por meio do peso atômico dos elementos.

Símbolo
Número Atômico
Elemento
H
1
Hidrogênio
C
6
Carbono
O
8
Oxigênio
F
9
Flúor
Ne
10 (0)
Néon
N
7
Nitrogênio
B
5
Boro
He
2
Hélio
Li
3
Lítio
Be
4
Berílio

 

Fórmula Básica: HCOFNe (16890);
Fórmula Completa: NHBCOFHeNeLiBe (7156892034);

Hidrogênio (1):
O Hidrogênio é o mais abundante dos elementos químicos, constituindo aproximadamente 75% da massa elementar do Universo.
As Estrelas na sequência principal são compostas primariamente de hidrogênio em seu estado de plasma. O Hidrogênio elementar é relativamente raro na Terra.

Carbono (6):
Pode ser encontrado na natureza em diversas formas alotrópicas: carbono amorfo e cristalino, em forma de grafite ou ainda diamante.
O carbono é um elemento notável por várias razões. Suas formas alotrópicas incluem, surpreendentemente, uma das substâncias mais frágeis e baratas (o grafite) e uma das mais rígidas e caras (o diamante). Mais ainda: apresenta uma grande afinidade para combinar-se quimicamente com outros átomos pequenos, incluindo átomos de carbono que podem formar largas cadeias. O seu pequeno raio atômico permite-lhe formar cadeias múltiplas; assim, com o oxigênio forma o dióxido de carbono, vital para o crescimento das plantas; Fornece, através do ciclo carbono-nitrogênio (C6H7), parte da energia produzida pelo Sol e outras estrelas.

Oxigênio (8):
É um dos elementos mais importantes da química orgânica, participando de maneira relevante no ciclo energético dos seres vivos.

Flúor (9):
É o mais eletronegativo e reativo de todos os elementos, Em sua forma ionizada (F–) é extremamente perigoso, podendo ocasionar graves queimaduras químicas se em contato com tecidos vivos.
Inclusive em ausência de luz e baixas temperaturas reage explosivamente com o hidrogênio. Jatos de flúor no estado gasoso atacam o vidro, metais, água e outras substâncias, que reagem formando uma chama brilhante. O flúor é o halogênio mais abundante da crosta terrestre

Néon (10 [0]):
É o segundo gás nobre mais leve, apresentando um poder de refrigeração, por unidade de volume, 40 vezes maior que o do hélio líquido e três vezes maior que o do hidrogênio líquido. Na maioria das aplicações, o uso de néon líquido é mais econômico que o do hélio. O néon líquido é comercializado como refrigerante criogênico.

 

Nitrogênio (7):
O Azoto, Nitrogênio.
Forma cerca de 78% do volume do ar atmosférico.
Alguns compostos de nitrogênio já eram conhecidos na Idade Média: os alquimistas chamavam de aqua fortis o ácido nítrico e aqua regia a mistura de ácido nítrico e clorídrico, conhecida pela sua capacidade de dissolver o ouro.

Boro (5):
Não foi encontrado boro livre na natureza.
Fibras de boro são usadas em aplicações mecânicas especiais , como no âmbito aeroespacial.

Hélio (2):
O hélio tem o menor ponto de evaporação de todos os elementos químicos, e só pode ser solidificado sob pressões muito grandes
É o segundo elemento químico em abundância no universo, atrás do hidrogênio

Lítio (3):
O lítio (grego lithos, pedra).
É o metal mais leve, a sua densidade é apenas, aproximadamente, a metade do que a da água. Tem elevado calor específico, o maior de todos os sólidos.
É um metal escasso na crosta terrestre, encontrado disperso em certas rochas, porém nunca livre, dada a sua grande reatividade. É encontrado, também, em sais naturais, águas salgadas e águas minerais.
Desde a Segunda Guerra Mundial, a produção de lítio aumentou enormemente, sendo obtido de fontes de água mineral, águas salgadas e das rochas que o contêm.

Berílio (4):
É um elemento alcalino-terroso, bivalente, tóxico, de coloração cinza, duro, leve, quebradiço e sólido na temperatura ambiente.
O berílio ou glucínio (do grego doce). O berílio e seus sais são potencialmente cancerígenos.

Para compreendermos a ligação entre o elemento atômico e a fórmula em si , vamos observar que os elementos representados por mais de uma letra todos se encontram na parte inferior e esquerda da fórmula, indiciando exatamente a negatividade: Ne, He, Li e Be. Apenas o Flúor não é representado por duas letras.

Interessante que o aumento do Lítio esteja associado a Segunda Guerra Mundial, é muito comum que os Deuses se utilizem da humanidade de forma a causar eventos para equilibrar o planeta no sentido mais atômico da palavra. Estes eventos sem sombra de dúvidas estão relacionados ao aumento do Lítio no Planeta.
É um elemento escasso exatamente porque no momento do planeta não estão ingressando novas almas no ciclo de evolução Terrestre.
Já o Berílio que fica a sua direita, tem coloração cinza que nos remete ao Averno, é um elemento cancerígeno que nos traz a recordação exatamente a falta de trabalho no fator alquímico e a involução.

Veja que o Néon(10) assim como o Hélio(2) são elementos usados para o resfriamento, sendo obviamente o Ne de maior resfriamento. Hélio está no Período 1 assim como o Hidrogênio (1), indicando a possibilidade de retorno do Averno mesmo sem ter tido passado pelos processos de involução, o Hélio ali posto indica exatamente o Deus Sol que dá a esperança aos condenados.

O Flúor(9) diz-se ser o mais reativo dos elementos (e eletronegativo), o flúor é o halogênio mais abundante da crosta terrestre exatamente por representar o Averno e o processo de decomposição não só do corpo mas dos defeitos psicológicos.

O Carbono(6) está intimamente ligado aos princípios evolutivos e criativos da natureza, na Terra sua principal ligação é com o Oxigênio (8) e tem relação com as plantas, já ligado com o Hidrogênio (1) está ligado diretamente com a força Solar, que é exatamente o trabalho de revolução o que permite que haja o Nitrogênio (7).

Não é ao acaso que o Hidrogênio (7) seja tão raro na terra, ele tem relação exatamente com as Estrelas, com aqueles que escaparam da mecânica da vida e conseguiram a liberação, é a força criadora do universo, apenas 25% do universo não contém Hidrogênio.

Por fim o Oxigênio (8) no que se diz respeito a tudo isto, é o elemento mais importante dos organismos, por isto indica o equilíbrio, é um dos alimentos energéticos do organismo humano e de diversos seres vivos.

O Ciclo conhecido como CNO (Carbono-Nitrogênio-Oxigênio), é a reação que converte Hidrogênio (7) em Hélio (5), esotéricamente é o processo em que um iniciado Auto-Realizado ingressa nos infernos da natureza com o objetivo de trabalhar ali conscientemente, resgatando Almas.

Há Elementos como a Água (H²0), vemos que a água é formada pelo 1 + 8, que representa a parte superior do símbolo CLXV, que se refere exatamente ao momento em que o homem pode escapar da roda do Samsara e se tornar um Deus, Anjo, Arcanjo, etc...água é associada a muitos ritos sagrados como o Batismo, lavatório de pés, o próprio lavatório das mãos como símbolo de que é inocente. A Água é Vida, se sabiamente usada vai levar ao 7 (8-1) ou se usada de forma errada vai nos levar ao 9 (8+1) que é a involução.
Outro Elemento interessante de se citar é o Gás Carbônico (CO²), ele é feito da união do Carbono e do Oxigênio isto é, o 6 e o 8 e fica a esquerda exatamente por representar a natureza e a evolução. Veja que a própria fotossíntese se utiliza o Gás Carbônico no processo de transformar a Energia Solar em energia química. Já os Animais e o Homem fazem o processo inverso, pela respiração obtém o Oxigênio e liberam o Gás Carbônico.

Assim como é encima é embaixo e assim como é fora é dentro; Conhecendo plenamente um, conheceremos todos.
Quando ingressamos no Absoluto tendo realizado a Grande Obra, reduzimos cada um de nossos Corpos Solares a um Átomo semente para quando venhamos mais uma vez ao mundo existencial, estes são Carbono, Oxigênio, Nitrogênio e Hidrogênio. C. O. H. N.
C. (Vontade Consciente), O. (Mente Cristo), H. (Físico Solar), N. (Astral Solar).


A Gnosis e os Pilares do Conhecimento

GNOSE ou Gnosis bem sabemos que é uma palavra grega que remete a Conhecimento. Se ensina no Gnosticismo que a Gnose (Gnosis) possui quatro pilares que são a sustentação de todo conhecimento humano. Vamos entender melhor sobre a Gnose e os tais quatro pilares.
Existem no conhecimento dois pilares Brancos e dois pilares Negros, dizemos que são brancos ou negros exatamente porque se referem a matéria ou ao espírito.

O símbolo Maçônico que citamos no inicio da desvelação do símbolo CLXV, é a Gnose em si , inclusive pode ser representada por uma bússola como ferramenta de encontrar e seguir o caminho que sempre aponta a uma mesma direção. É a Rosa dos Ventos.

Para entender os pilares precisamos da fórmula completa que se utiliza dos números 5, 2, 3 e 4.
Há quatro ramos dos quais se derivam todo conhecimento humano, são eles: Religião (5), Filosofia (2), Ciência (3) e Arte (4);

Representamos a Religião e a Filosofia acima, pois são Divinos, já a Ciência e a Arte são humanos.
Do Ponto de vista da Grande Obra, há que se ter um equilíbrio entre estes quatro Pilares. Se a Religião não é comprovada pela Ciência, isto é, se não levamos a prática e não vivenciamos estes fatos Divinos, se tornam simplesmente teoria. A Ciência sem a Religiosidade cai no materialismo e só consegue perceber o meramente físico. Veja que não estamos falando da ciência materialista, aqui a ciência tem relação com a prática e a vivência nua e crua destas verdades, do experimento devidamente vivenciado.
O 3 fica sobre o 5, porque nos indica que é crucial que haja a Religiosidade, mas sem a vivência, não é nada, então há que haver a vivência, antes ter as virtudes que compreendê-las. Mas se faz importante a compreensão para que não se percam.
A Religião é este retorno do Homem para Deus, esta integração da pessoa humana com sua Divindade, e isto sempre fazemos com fatos, sem fatos, sem ações não acontece nada, por isto nos assinala o mundo físico para estas ações.

Ao Lado direto do símbolo vemos exatamente a Filosofia e a Arte, a Filosofia é certamente a arte da Razão Objetiva, daqueles que desafiam toda a lógica do conhecimento humano e abarcam temas complexos que muitas vezes é impossível adentrar apenas se utilizando da nossa mente, senão que precisam de uma terrível inspiração uma incrível concentração e Consciência Desperta. A Filosofia seria estéril se não tivéssemos uma forma Artística de manifestar ela fisicamente, os próprios livros são frutos da Arte e não da filosofia, as grandes obras sejam elas pinturas ou esculturas são todas obras de Arte, a filosofia em si não corresponde ao meio físico, senão que é livre em seu movimento, capturar a Filosofia é transformar ela em Arte.
Claro que a Arte separada da filosofia é um desastre, o filósofo que não é um artista é um sonhador alguém que muito sabe mas nada vive; já a arte separada da filosofia traz a vida coisas horrendas para a consciência humana, é o que mais abunda nos dias atuais, criação de mentes desconectadas de uma centelha divina.

Claro que a Gnose em si , precisa dos quatro pilares, precisamos ser Religiosos no sentido de realizarmos uma Obra e não apenas buscarmos mas seguirmos os desígnios da Divindade, precisamos ser cientistas no que diz respeito a questionar, pesquisar, estudar e vivenciar tudo o quanto aprendemos, necessitamos da filosofia para encontrar respostas que estão muito mais além da mente e dos desejos, para não apenas complementar o sentido religioso mas dar ênfase a Obra de cada um de nós e por fim expressar de forma artística, utilizando-se claro os Dons que cada pessoa vai recebendo de seu Ser, conforme vai progredindo no trabalho Esotérico da Revolução da Consciência.
Observem que a parte inferior do Símbolo temos o 0 que é o Esquadro, nos indica o trabalho sobre os Defeitos, no centro vemos o encontro do Esquadro e do Compasso que nos assinala a Alquimia (O 8, igualmente vemos que 6 + 9 = 15, que é o trabalho sobre a Paixão, que é a Alquimia), a mescla do mercúrio, a fabricação dos corpos para podermos seguir adiante. Por fim o Espírito o 1, nos assinala o Sacrifício pela Humanidade, pois é a expressão do Divino em nós, nossas virtudes.

Ainda citando os quatro pilares, podemos ver que da Ciência tem muitos aspectos como a Matemática a Física; da Arte podemos citar a Música, o Teatro, a Escrita; A Religião teve no decorrer das eras muitos nomes e formas de se ensinar, como o Cristianismo o Budismo e tantas outras; A Filosofia teve muitas variantes e linhas de pensamento como o Platonismo.

Hoje em dia é difícil achar pureza em qualquer uma destas quatro vertentes do Saber humano. Claro que com os atuais sistemas de ensino e a vida moderna que levamos a consciência se expressa cada vez menos e até mesmo dentro das instituições Gnósticas se prioriza sempre a padronização, obediência e não a expressão consciêntiva do individuo, coisa que precisa seriamente mudar se é que anelam o Despertar.
Apesar das instituições e das formas físicas de Religião, Filosofia, Ciência e Arte, precisamos encontrar estes pilares dentro de nós, cada pessoa em si tem um caminho diferente dos demais e precisa verdadeiramente se integrar com estes pilares, somente assim surge a Gnose dentro de nós, esta Gnose (Rosa dos Ventos) é o verdadeiro guia até nosso Ser, e somente assim logramos o Despertar e a vitória definitiva na revolução de nossa consciência e demais processos desta Grande Obra.


Desdobramentos e Números

O Símbolo CLXV como desdobramento o vemos em muitos objetos, mas não é somente o Objeto mas a ligação entre os Objetos. Além disto pelo mesmo símbolo verificamos a ligação entre um mesmo objeto em diferentes dimensões.

Perseguindo o 1, vamos em direção ao Espírito, pelo 0, descemos a matéria. Perseguindo este 1 nos mundos internos, podemos chegar até a porta do Absoluto. Uma vez dentro, aponta para o centro do Absoluto.
O Que vemos é que tudo está interligado, observando por exemplo um casal unido sexualmente, vamos encontrar "1" o Falo, "0" o Útero, o "6" como óvulo ou libido, dependendo se está apenas transmutando ou gerando uma nova vida física, e por fim o 9 como o Espermatozóide.

Se Perseguimos o 1, vamos observar o órgão reprodutor masculino. Os Testículos liberam o espermatozóide de acordo com a excitação do falo. Claro que esta produção tem intima relação com a excitação do membro, a liberação igualmente no caso do Arcano se dá de acordo com a Lei, etc. ao centro entre o testículo e o Falo vemos o 8, isto indica a relação com a coluna vertebral, que no caso é a saída desta energia por meio da Transmutação.

O que podemos observar é exatamente o que fica demonstrado no desenho abaixo, o símbolo CLXV que está sobre o imperador representa exatamente a coluna vertebral completa com suas 33 Vértebras, sendo o 1 a cabeça e o 0 o cóccix o 6 o 8 e o 9 indicam o fluxo das energias e seus canais: Ida, Pingala e Shushumna. Se adentrarmos a coluna vamos ver detalhadamente que cada uma das 33 vértebras é exatamente composta pelo símbolo CLXV aonde 0 é a ligação com a vértebra anterior, 1 é a ligação com a próxima vértebra 6 indica a ascenção a próxima vertebra e 9 o recuo.
Do Cóccix vemos o símbolo CLXV, se a energia se projeta ao 1 isto é em direção ao espírito, há a transmutação e o ascenso dos vapores sexuais até a cabeça, caso haja a queda sexual, surge então a cauda de satan o órgão kundartiguador.

No caso da coluna vertebral é interessante ressaltar que as 33 vértebras são exatamente os 33 Graus da Maçonaria Esotérica. As iniciações são medidas na coluna. o 6 e o 9 são exatamente as exigências de cada canhão da coluna, o 6 ocorre no Astral e o 9 no físico, se passamos nas exigências seguimos o 1 até a próxima vertebra.

Biblicamente lemos o seguinte: "Aqui é preciso entender: quem é esperto, calcule o número da Besta; é um número do homem; o número é seiscentos e sessenta e seis."
Vale a pena citar um fato interessante relatado pelos V.M que é exatamente que os Demônios tem Asas voltadas para cima como as que representamos os Anjos, exatamente porque não podem descer mais, senão voar para cima.. já os Deuses mais elevados tem Asas de Morcego, pois não podem mais subir além de onde estão senão que baixar.
Neste caso o 6 e o 9 são exatamente isto, o único caminho possível a seguir para cada um deles.
Para os Demônios e a própria humanidade o 6 é a única saída, 666 é o número da besta exatamente porque estão caídos e o único caminho é levantar três vezes a serpente.

O Ponto de apoio é o círculo do número, a ponta é a direção que flui. Se apresentamos a serpente enrolada na cabeça de um homem como nos egípcios a parte arredondada fica exatamente na parte inferior formando um 6. Já a cauda de Satan se projeta desde o cóccix aonde a serpente está enrolada três voltas e meia, claro que tendo sua parte enrolada encima forma nitidamente o 9.

O Ser, a Integração e a Obra

Sempre que fazemos nossas práticas, como de meditação por exemplo, ou se rogamos ao nosso Ser algo, vemos que o "1" representa a Divindade, o "0" o homem, com a nossa ação, isto é, com esta inspiração, com estes estados superiores, damos nosso passo frente ao Ser, e isto nos assinala o "6", o Ser dá igualmente seu passo (se é a vontade dele), e isto assinala o 9, com isto se faz fecunda qualquer prática, seja de Meditação, Saída em Astral ou qualquer outra coisa que se esteja propondo realizar.

Como Homens (e mulheres), temos que ter certa postura frente a Divindade, exatamente para que durante uma meditação por exemplo, haja esta integração, claro que podemos fazer nossa parte e o Ser não querer que dê resultado naquele momento, ou não poder dar o seu passo. Sem claro citar o trabalho psicológico, o merecimento pelo sacrifício e a energia pela transmutação para que tudo isto possa acontecer.

Quando das Iniciações Maiores, é muito comum que ao Despertar o Kundalini (em cada um dos Corpos), se sinta aquele arrombamento espiritual durante alguns dias ou até semanas e depois isto some, exatamente porque esta energia tem que ser preservada para as novas criações que se estão fazendo, o Ser (Juntamente com a Mãe, com o Guru) canaliza isto para as criações que necessitamos. Por isto algumas vezes não temos resultados com alguns práticas mesmo adiantados no trabalho, porque a Energia é guiada para certas criações específicas que o Ser determina.

Se observarmos a Grande Obra, precisamos de quatro aspectos para que ela seja fecunda, sem qualquer um deles não nos Auto-Realizamos e por consequência se forma um Hanasmussem.

Estamos nos referindo aos Três Fatores de Revolução da Consciência. Vejam que se não é a Vontade do Ser que se faça uma Obra, se vai ao Abismo da mesma forma, porque há que haver este equilíbrio.
Precisamos exatamente do sacrifício para termos méritos para eliminar os defeitos, precisamos destes mesmos méritos para podermos transformar o chumbo dos corpos lunares em corpos Existenciais de Ouro. Claro que tudo isto ocorre exatamente sob a orientação do Ser.
Com a Morte psicológica conseguimos trabalhar na Alquimia sem a interferência dos elementos negativos que prejudicam a transmutação e até impedem que ela ocorra, da mesma forma com a morte e o despertar da consciência sabemos como fazer corretamente o sacrifício pela humanidade. É o Ser que nos guia para compreendermos qual elemento psicológico eliminar de forma a vencermos no trabalho.
O Nascer Alquímico é o que fornece a energia para a Morte Psicológica e igualmente a intrepidez para enfrentar as multidões.
Entendam que ao morrer psicologicamente nos purificamos para expressar o Ser, com o nascer criamos os corpos para sua expressão e com o sacrifício obtemos o merecimento para que isto ocorra. Claro que de nada serve fazermos tudo isto se não é vontade nem o momento dele se expressar.


Se observarmos um Templo Esotérico vamos encontrar esta fórmula para compreender não apenas o funcionalismo do Templo mas a disposição dos objetos e das pessoas.
Primeiramente temos que tomar como base o sentido do 6 e do 9 para posicionarmos o 9 na parte externa do templo e o 6 na região interna, poderíamos colocar o 0 "0" para fora e o 1 para dentro sem alterar necessariamente o entendimento mas vamos explicar assim exatamente por serem diferentes percepções de um mesmo assunto. Já dentro do Templo há necessariamente duas colunas J Branca e B negra, indicados exatamente pelos valores 1 e 0. o 6 e o 9 além claro de indicar o profano que não conhece os mistérios do templo bem como o Iniciado nos Mistérios, representa os dois guardiões, o primeiro junto a coluna branca representado pelo 9 com sua lâmina apontando para o 0 e na coluna negra e o 6 apontando para o 1 sua lâmina.

Dentro do templo vemos que os homens se colocam a esquerda e as mulheres a direita exatamente devido a polaridade dos números, o 1 e o 0 indicam o caminho dentro do templo até o Altar.

Dos participantes do Ofício, temos o "0" como a Grei o povo em geral, como mediadores entre o 1 que é a Divindade e o "0" que representa o povo temos o 6 e o 9 que são o Sacerdote e a Ísis.
Podemos citar a própria unção eucarística aonde o 1 é a Divindade, o "0" é o Sacerdote, o 6 e o 9 são o Pão e o Vinho respectivamente.

O Sacerdote se integra com a Divindade e consagra o Pão e o Vinho, vemos que para se completar a transubstanciação precisamos destes quatro elementos, se retiramos o pão ou o vinho, se retiramos a presença da Divindade, o Oficiante, ou o fato de que estes elementos precisam estar integrados, não ocorre a Transubstancialização do Pão em corpo do Cristo e o vinho em sangue do Cristo.

Vemos que para que a Divindade chegue até o Povo precisamos de dois aspectos importantes que são o Ensinamento como conhecimento e da Liturgia, isto é representado pelo Pão e o Vinho, como Poder e Sabedoria.

O V.M. Samael quando criou as Instituições Gnósticas as criou em número de Cinco. As vezes se explica como uma Pentalfa e certamente está correto.


O Desequilíbrio do Símbolo e as Catástrofes

O Desequilíbrio da harmonia deste símbolo vemos que causam catástrofes, se observarmos uma Cadeia, se não há a harmonia, se não há a devida observação do que está se pedindo, uma integração com isto, não se cristaliza, e até se potencializa negativamente.
Igualmente em um Casal, se não há Amor, ou se não há a Atração Sexual, se não há Pensamentos e Sentimentos devidamente equilibrados, se rompe esta harmonia.

O Sol e o interior da Terra tem muito em comum e ambos precisam trocar certas energias as quais a Humanidade é responsável por transformar, quando a energia solar não chega corretamente a Terra, ou quando a Terra não consegue transmitir sua energia ao Sol, vemos que o sol se intensifica com suas explosões solares e a terra busca modificações em sua superfície de forma a buscar o Sol, as próprias erupções, terremotos e absolutamente todos os eventos climáticos incomuns tem por objetivo exatamente por corrigir esta falha na transformação das energias.
Claro que a humanidade como conhecemos terá um fim, isto é natural que ocorra, chegamos a um limite aonde precisamos escolher entre o 1 e o 0 Esotéricos. Não há porque se preocupar com os fatos em si , senão em como agir frente a eles, antes salvar a Alma que o Corpo. Devemos preservar o corpo sempre que possível mas jamais abdicar de nossa alma em benefício de alguns anos a mais de existência física.

Um Imã tem sempre dois Pólos, conhecidos como Norte e Sul, o que gera estes pólos no caso do imã é o alinhamento e movimento dos elétrons que gera um campo magnético, no caso de Sul sempre será de onde vem e Norte se dirá para aonde vai.

O Imã representa exatamente de forma física como funciona a imantação universal, se observarmos a figura 1, temos o Símbolo CLXV aonde temos os pólos 1 (Positivo), 0 (Negativo), 6 (Negativo-Positivo), 9 (Positivo-Negativo) e 8 (De transição ou neutro).

Na figura 2 vemos que se quebramos um imã em dois, eles assumem ambos a mesma característica do inicial com os mesmos pólos. Na Natureza é idêntico, se observarmos internamente um objeto qualquer, tanto a nível de microcosmo ou no macrocosmo, veremos neste mesmo formato apresentado (CLXV). Se tomarmos um órgão do corpo humano como o coração teremos exatamente estas polaridades que falamos, se tomarmos o ser humano como um todo igualmente, o próprio planeta demonstra nitidamente suas polaridades as quais podem ser comprovadas pela bússola. o próprio universo e toda a soma daquilo que ele contem, unidos formam de forma macrocósmica este símbolo devido a suas polaridades.

No caso da figura 3, se unirmos vários imãs ligando o 1 e o 0 com o objetivo de formar um 8 (o número 1 cortando o 0 forma o 8), teremos um imã potencializado e um novo CLXV formado pela soma do que o compõe.
Da mesma forma se unirmos 9 CLXVs (tendo CLXV como qualquer objeto ou energia de mesmo tipo como pessoas), teremos uma potencialização ainda maior e um magnetismo mais forte e amplo. Podemos citar qualquer matilha, cardume, enfim qualquer tipo de agrupamento possível.
Há regiões do cosmos aonde temos espaços vazios, os espaços vazios são regiões aonde não há absolutamente nada, nem físico nem espiritual, são regiões entre dois infinitos quaisquer. São sempre extremidades aonde a polaridade do próximo objeto tem a direção magnética oposta, com isto impede qualquer tipo de ligação.
A Figura 6 representa exatamente a anulação já a figura 5 o que anteriormente dizíamos sobre a repulsa.

Retomando a figura 4, podemos compreender o valor do agrupamento de pessoas com um mesmo fim. As instituições esotéricas são um bom exemplo disto, pois se uma grande quantidade de pessoas se agrupa com um mesmo fim, acabamos por criar uma imensa malha condutora aonde já não são apenas pessoas são um novo "personagem" visto que o tamanho da imantação gerada já não corresponde ao plano físico.
As Instituições esotéricas se sabiamente ordenadas e organizadas, podem gerar a imantação necessária para guiar um povo para sua redenção, claro que se houverem muitas peças negativas ou invertidas que citamos na figura 6, o que vai causar é exatamente a anulação ou algum tipo de evento magnético confuso ou prejudicial. Por este motivo as instituições esotéricas precisam ter apenas um norte.

Anteriormente explicávamos das catástrofes que estavam acontecendo na terra, um dos motivos disto é que as energias do homem estão em sentido contrário ou anuladas o que não possibilita esta troca correta das energias entre o sol e o interior da terra.

O Primeiro exemplo que vemos, se observarmos como fator psicológico da humanidade (Claro a Transmutação igualmente lhes falta), diremos que é a consciência adormecida, são os defeitos psicológicos aprisionando a consciência. No segundo exemplo são aqueles que despertaram para o caminho negro, não chegam a ser destruídos pois como vemos tem sua serventia no sentido de magnéticamente estabilizar certas forças, claro que vemos que não há saída, pois o 1 não pode se integrar com o 1 da terra nem o 0 pode se integrar com o 0 do Sol, só resta a estes o arrependimento e tomar o caminho da mão direita.

O Ultimo exemplo é exatamente aquele indivíduo que despertou sua consciência, formou os Corpos Solares, fez o trabalho do ascenso do Kundalini e claro e conseguiu a integração com a Terra e com o Sol, corresponde aqueles que integraram a força da Terra com a força do Sol, eis o mistério do Bafometo e de Abraxas.

Poderíamos igualmente identificar este exemplo como a Alquimia aonde o terceiro exemplo corresponde aquela pessoa que projeta sua energia para dentro e para cima como no caso das galáxias que tem sua força mais poderosa centrada no Sol central e não nas extremidades como o buraco negro.
Outro fator relevante é o sacrifício pela humanidade, no terceiro exemplo vemos que a pessoa em questão segue os desígnios do Ser e que serve de instrumento não só de ligação entre o Sol e a Terra mas de seu Mestre interior e a humanidade.

A Espada de Zeus

Nos tempos antigos, na antiga Grécia, o Raio foi representado como a Espada de Zeus, símbolo do Ser Divino que foi a representação da máxima divindade da época.
O Raio pode ser representado por este mesmo símbolo, ele se produz devido ao magnetismo que anteriormente explicamos. Há três possibilidades de Raios, seja das nuvens para o solo, do solo para as nuvens ou entre nuvens.
Este Raio podemos compreender é qualquer troca de energia entre pessoas, mesmo que não seja visível aos olhos, é igualmente esta energia que entregamos as regiões superiores ou que o Ser entrega a pessoa humana.

Este processo ocorre exatamente para que haja o equilíbrio entre estas forças, inclusive disto surge o próprio Ozônio que protege a terra. A projeção da energia do 0 ao 1, cria sempre três fenômenos importantes, o Raio (6) é a luminosidade que vemos, é o plasma criado no Ar para gerar a condutividade elétrica. O Trovão (9) que é o som gerado pela movimentação desta força.
Um fato interessante é que o Brasil é o país com mais ocorrências de Raios em todo o mundo.
Veja que o Relâmpago e o Trovão são exatamente a divisão do 8 no 6 e no 9, causado pela energia do 0 e do 1 que é são criados exatamente pela separação do 8 em 1(CL) e 0(XV).
Apesar de representarmos o evento em si como um CLXV, as nuvens são outro CLXV formado por CLXVs, quando há o evento um CLXV é o que é deslocado e a divisão do CLXV Raio/Trovão gera estes CLXVs 6(CL) e 9(XV)


Se observarmos as Galáxias em espiral, vamos notar que nitidamente estão presentes os formatos do 6 e do 9, as extremidades são o "0" e o centro, o Sol central é o 1.
Um buraco negro é o inverso, o 1 é a extremidade o 0 é o centro o 6 e o 9 são os tentáculos magnéticos em movimento. Como um Buraco negro é a antítese dos planetas e galáxias, o que ocorre é que ele anula a existência do Objeto, no sentido físico.

 

Os próprios Aeons e o Sephirotes precisam ser observados de forma muito distinta do que nos foi entregue até hoje, se é que anelamos compreender de verdade o mistério da criação.

Pai, Filho e Espírito Santo. O Pai cria o E.S. para que possa criar o Filho.
A criação só é possível entre o mais Extremo 1 e o mais extremo 0, o 1 e o 0 absolutos, tem ligação direta porque estão em uma perspectiva diferente da dos Sephirotes que conhecemos. O Primeiro Desdobramento tem que ser o inverso Absoluto para que se possa em meio disto haver a criação. Imaginamos os números assim: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0, para haver os números de 2..9, necessitamos que depois do 1, suja o 0, e então vão sendo criado os demais números. Na criação é idêntico.
O Próprio mistério do Daath que é o Sephirote oculto é compreendido com o símbolo CLXV, o Daath é a ligação chave entre o 8 e o 1, entre Tipheret e Kether.

 

O Sagrado I.A.O e o trabalho no Abismo

Vejamos que os números da vertical são 1, 8 e 0; recordemos do Gênesis que diz: "No princípio, Deus criou o céu e a terra. A Terra estava sem forma e vazia; as trevas cobriam o abismo e um vento impetuoso soprava sobre as águas. Deus disse: "Que exista a luz!" E a luz começou a existir."

Deus Pai o número 1 pairando sobre um infinito sem absolutamente nada, logo criou exatamente como no Gênesis a parte mais distante dele que era a terra em si e as águas, A Terra e as Águas representam o Espírito Santo, o número "0", sem o qual seria impossível o restante da criação. O Que houve depois foi exatamente aquele Raio entre o Pai e o Espírito Santo em que surgiu o Cristo e toda a criação que é a vida como conhecemos.

Assim compreendemos o porque das 108 existências e não 180 (ou 018, 801), 1 ( Pai), 0 (Espírito Santo) e 8 (Filho). A Correta ordenação dos números seguindo a ordem de criação, indica as possibilidades no reino humano.
Se Seguimos nesta linha de observação vamos encontrar Deus criando o Homem (1), podemos ver igualmente a mulher ser criada (0), por fim a possibilidade de juntos se tornarem um e trazerem o Cristo ao mundo (8).

Se Mergulhamos dentro do 0, nestes instantes vamos observar os desdobramentos do Espírito Santo.
Espírito Santo (0 - 1), Lúcifer (0 - 0), e a Mãe Divina (0 - 8). Claro, são as três forças passivas e que sempre se projetam para baixo, não apenas para criar mas para redimir toda a criação. Vejam que a Mãe Divina como 8 dentro do 0, nos assinala que é a ligação entre Lúcifer e o Espírito Santo, sabemos que Lúcifer é o tentador, é esta força negativa que nos põe a tentação para que por meio da Divina Mãe possamos extrair destes eventos as sagradas Virtudes.
Vemos que se é para isto que serve tal personagem, não encontramos maldade em sua ação, senão que uma ajuda sincera para todo aquele que esteja disposto a não cair em tentação, encarnar sua Alma.

Vejam que estas três forças inseridas no 0, nos dizem muita coisa, o "1" simboliza o Dia, a Luz, o Céu, e o "0" nos assinala a Noite, as Trevas, o Abismo. Tendo em conta isto vemos que estes três personagens nos dão a chave para sairmos deste "0"...
O Arcano só praticamos a noite(0) pois de outra forma o Sol assimilaria a energia por uma afinidade, os Defeitos trabalhamos nos nossos Abismos(0) internos, e em meio a inconsciência que nos rodeia. O Próprio Sacrifício pela humanidade só ocorre no nível que hoje temos devido a ser um mundo repleto de incompreensão e dor. Se fosse um mundo perfeito e de pessoas Despertas, que valor teria o Sacrifício pela Humanidade?
Vejam que Lúcifer nos põe a possibilidade do delito, a pessoa compreende o erro e não comete, a Mãe elimina o Eu, o Espírito Santo assimila a consciência levando aos mundos Superiores.
No Arcano é o Mesmo, Lúcifer dá o impulso Sexual, a Mãe recepciona esta energia quando Transmutamos, o Espírito Santo se utiliza desta energia para a criação dos Corpos ou a manutenção da Consciência Desperta.
Há claro outros detalhes que podemos ir estudando e observando estes mesmos pontos, em todos os outros números inclusive há seus Mistérios. Falamos do Abismo porque é de onde temos que partir e de onde temos que escapar em meio a este Caos que hoje está nossa psique e nossos corpos.

Ao Longo dos anos temos visto algumas pessoas que se deram a tarefa de eliminar os defeitos psicológicos, mas poucos qualificaram a Morte por meio do Despertar da Consciência.

O Sacrifício pela Humanidade é o fator que a maioria dos Iniciados se lançam a fazer mesmo que em menor grau, o problema está que muitos se satisfazem apenas com isto, e crêem que vão bem. O Sacrifício verdadeiro é algo que poucas pessoas conhecem, tivemos alguns Mestres, alguns poucos Irmãos Maiores que se deram a esta tarefa de realizar isto plenamente. Quando um homem transmite os ensinamentos destes Mestres, ele ajuda a humanidade. Quando um iniciado encarna estes ensinamentos e os vive, ele se sacrifica pela humanidade, o sacrifício não é apenas transmitir o ensinamento mas viver o ensinamento a ponto de já não ser as palavras de outro mestre senão o próprio iniciado que por sua vivência e prática compreende e ensina o que viveu, eis o Real Sacrifício. Não são palavras de desânimo senão palavras de que há algo mais a fazer, a Iniciação é uma escada, não podemos nos por contentes por termos subido mais um degrau, senão que tão logo um pé chegue no chão levantemos o outro para o próximo nível.

Aqui não chegamos a falar do 6 e do 9, mas são estas forças, estes Raios, estes princípios que sobem e que descem de acordo com a necessidade e com suas polaridades. O 6 aqui neste exemplo representa a Consciência liberada dos defeitos sendo Desperta, indica a criação dos Corpos Superiores do Ser e por fim a Iniciação que foi conquistada pelo Sacrifício pela Humanidade. O 9 é exatamente aquele impulso Divino e de tipo Superior que nos guia, é a ligação entre a Divindade e o homem, é a ajuda do santo Guru, das Hierarquias Divinas.

 

O Mistério de Júpiter

No dia 03 (3+0 = 3) do 12 (1+2 = 3) de 2010 (2+0+1+0 = 3), Sexta-Feira (dia de Júpiter) observamos um alinhamento de regências relacionadas a Júpiter. O Número 3 está associado a Júpiter assim como o dia da semana de Sexta-Feira. Ao observar o Arcano 3 do Tarot, encontramos na inferior esquerda o símbolo de Júpiter.

Se tomarmos o quadrado mágico de Júpiter e ligarmos os pontos representados pelos números, teremos a sua assinatura astral:

4
14
15
1
9
7
6
12
5
11
10
8
16
2
3
13

Ao observarmos detidamente a assinatura astral vamos notar símbolos claramente impressos por meio dos números:

O Triangulo apontando para baixo é um simbolo da Divindade, assim como o Pentagrama para cima. O Pentagrama apontando para cima nos mostra uma sombra ou reflexo da figura superior, indicando que é a Divindade projetada na matéria.
Estes símbolos são formados apenas pela ligação dos números deste Quadrado Mágico de Júpiter.

O Triângulo Superior apontando para baixo representa o Santo Afirmar, o Triângulo Inferior apontando para cima representa o Santo Negar. Podemos igualmente associar o Triângulo Superior ao Íntimo, a Alma Divina e Alma Humana. Já o triângulo abaixo como Físico/Vital, Astral e Mental. Os Dois pentagramas são os Dois Cristos, o Branco e o Vermelho.

Os Dois pentagramas representam o 8 primordial, o Enalce entre o Espírito e a Matéria.
O Triangulo equilátero superior representa a suprema afirmação, o número 1.
O Triangulo inferior é a representação da absoluta negação o número 0.
Nosso querido escaleno que ali aparece a esquerda apontando para cima é a representação do 6, já seu inverso a direita é a representação do 9.

O Escaleno é a representação do Esquadro.
Vemos ao fundo junto ao esquadro algo que tem a nítida forma do compasso. Estas duas figuras ao fundo representam os números 5 (Sol) e o 2 (Lua).

Dois Esquadros de escalenos formam um quadrado retângulo, o compasso forma o círculo. Os dois triângulos formam o Selo de Salomão.
Se observarmos mais detalhadamente a figura por partes, vamos encontrar três tipos de triângulos, Equilátero, Isósceles e Escaleno, que são tipos de Esquadros.

A outra figura que encontramos além dos triângulos são figuras que recordam muito do compasso de Galileu, claro que formado somente por linhas retas em vez da usual curva.


Se observarmos atentamente encontraremos seis esquadros e quatro compassos.

Mesmo sem girar em seu ângulo, reagrupando as partes, encontramos em diversos ângulos o Selo de Salomão:

Ligação do quadrado mágico com base de números Pares(claro) e posteriormente Ímpares(escuro).

 

Conclusão e Considerações Finais

Quando somamos o 1 e o 0, temos o 8 que é a atração e a soma destes dois números. O Resultado final desta soma é o 8 partido em dois, que resulta o 6 e o 9. Isto explica porque tudo na face da terra é dual. Por isto os Veneráveis Mestres surgem com suas antíteses e o motivo que as pessoas tem seus duplos.
O 8 como eixo sempre irá funcionar como o pino de uma balança, não permitindo que o 6 suba mais do que o 9 possa descer.

Assim compreendemos a Loja Branca e a Loja Negra, igualmente os Magos Brancos e os Magos Negros.
Quando o 6 (Um Mestre) está no ápice de sua jornada (Faz três vezes a Obra) ele precisa se desligar do 9 para que em sua matemática se torne um 7 (Ingresse no Absoluto). Assim o 9 submergido se converte em um 3 e um 4 (um sete partido).. e assim comecem cada um uma outra jornada. No caso dos Magos Negros, sabemos que são Bodisatwas desligados de seus Íntimos, por consequência tem que se tornar um 6, para poder lograr realizar a Obra.

Por fim há um detalhe interessante que podemos relacionar a imagem numérica do Símbolo e as letras CLXV. É o que podemos observar nitidamente na imagem do CL podemos ver o 1, no X,a parte superior e inferior da ligação formam o 8, o 0 é representado pelo V e seu espaço vazio interno. o 6 e o 9 pode ser obtido por meio da silhueta do C e por analogia do V pelo lado direito.

O Cristo (8), é a ligação entre o Homem (0) e seu Real Ser (1), o Homem necessita Divinizar-se, Deus precisa humanizar-se. Com isto vemos que o símbolo gira no sentido horário e isto indica que o "0" e o "1" se integraram por meio do "8". 081 (AOI)

A Doutrina Gnóstica se resume sempre em sua base nos Três Fatores de Revolução da Consciência, em algumas épocas do passado era normal ver uma pessoa trabalhando apenas sobre a Morte durante uma Existência, quiçás sobre a Alquimia ou então sobre o Sacrifício pela Humanidade.
Por isto que vemos que no decorrer das eras tivemos pessoas que literalmente nasceram "prontos" e já se sacrificaram pela humanidade e outros que se lançaram sobre os mistérios Alquímicos. Nestes tempos do final da Raça, nos entregam claramente os mistérios completos em sua forma, exatamente porque não nos resta tempo, são amarras muito grandes que hoje temos, e se faz indispensável que nos utilizemos de todas as ferramentas a nosso dispor para que o quanto antes cumpramos com estes Três Requisitos Divinos.

Paz Inverencial!