zzzzzzzz

 

Livros e Documentos Esotéricos
Samael Aun Weor
Rosa Ígnea

1 INTRODUÇÃO
Eu, Aun Weor, o grande Avatar da Era de Aquário, escrevo este livro por
entre a voragem do fogo... Vamos agora entrar nas entranhas ígneas da
Deusa Mãe do Mundo.
Agni! Agni! Agni! Deus do fogo, inspira-nos, ajuda-nos, conduz-nos
através desses labirintos ígneos da grande natureza.
Agora, vamos estudar as delicadas pétalas desta Rosa Ígnea do Universo.
Vamos entrar nas mais profundas cavernas da terra para arrancar dela seus
segredos mais terríveis...
As abrasadoras chamas dos nossos mais puros sentimentos exalam um silvo
doce e aprazível... Por entre as ardentes áscuas do Universo, crepita a
voragem dos Filhos do Fogo... Sentimos o fagulhar das chamas... E a aura
da Deusa Mãe do Mundo nos infunde o mais puro ânimo. Nosso Cálice é
de ouro... É de prata... E é ardente como o solene fogo do Universo.
Filhos da terra! Escutai vossos instrutores, os Filhos do Fogo...
Reis e rainhas do Fogo, criaturas dos bosques... Eu vos conjuro!
Não há selva que não tenha seu Gênio... Não há árvore que não tenha sua
criatura, seus poderes e sua inteligência... Não há árvore sem alma... Todo
vegetal é um corpo físico de um a criatura elemental da natureza... As
plantas têm alma e as almas das plantas conservam todos os poderes da
Deusa Mãe do Mundo... As almas das plantas são os elementais da
natureza. Essas criaturas inocentes ainda não saíram do Éden, por isso
ainda não perderam seus poderes ígneos... Os elementais das plantas
brincam como crianças inocentes nas as melodias inefáveis desse grande
Éden da Deusa Mãe do Mundo.
Os aromas do fogo embriagam-nos e, cheios de êxtase, elevamo-nos à
felicidade inefável do Nirvana... Não há nada que não tenha alma nesta
ardente criação...
Se observarmos com os olhos do Espírito o fundo ardente de uma rocha
milenar, vemos que cada átomo é o corpo físico de uma criatura elemental
mineral que luta, ama e trabalha no crepitar ardente das chamas universais,
anelando intensamente subir os graus ardentes do carvão do diamante para
ter a sorte de ingressar no sublime reino dos vegetais...
Este livro cheira a bosque, este livro cheira a montanha... Arrancamos este
livro das chamas do Universo e cada uma da suas palavras está escrita com
brasa viva...
Agora queremos arrancar das gigantes dos bosques e das crianças inocentes
das águas, do ar, das rochas e das chamas abrasadoras todos os segredos da
antiga Sabedoria para restaurar a Sabedoria esotérica sobre a superfície da
terra e iniciar a Idade de Maitréia por entre o crepitar de nossos flamejantes
poderes. Toda a magia elemental dos antigos Hierofantes faisqueia
abrasadoramente no Cálice sagrado das flores e nas próprias entranhas dos
augustos arbustos da grande natureza.
Há que se buscar a velha Sabedoria dos Hierofantes do Egito e da Grécia
nas rochas milenares que desafiam o tempo e nas cavernas subterrâneas do
interior da terra, onde o fogo abrasador faisqueia, queimando as escórias
com suas chamas...
Vamos separar o fumo das chamas, vamos elaborar com o aroma do
ardente incentivo o corpo da libertação, o qual é feito do mais puro
almíscar. Necessitamos de pensamentos que flamejem. Precisamos da
Mente-Cristo do Arhat para entrar no espantoso incêndio dessas chamas
universais, onde crepita terrivelmente os segredos da Rosa Ígnea da
natureza.
Elevemos nosso flamejante Cálice no ardente chispar da Deusa Mãe do
Mundo.
Agni, ilumina-nos! Por ti levanto meu Cálice! Acendamos uma fogueira e
cantemos os ardentes hinos do fogo na Rosa Ígnea do Universo.
Levantemos o nosso augusto Cálice e brindemos às hierarquias das
chamas... Agni! Agni! Agni!

2 UMA RAINHA DO FOGO
Penetremos num velho palácio medieval. Um menino brinca nesse velho
palácio.
O menino sobe numa escada; precisamos voltar a ser crianças para subir a
escada da Sabedoria.
Nesse velho palácio vive uma rainha do fogo. Ela é a rainha elemental do
zimbro, encarnada em corpo físico numa velha corte medieval.
Ela é uma maga sóbria, uma maga austera, e está vestida no estilo
medieval. Essa rainha elemental tem uma bela aparência juvenil e vive uma
vida exemplar nesse antigo palácio feudal.
Absortos em profunda meditação interna entramos em um salão
subterrâneo dessa velha mansão e aos nossos olhos espirituais surge um
humilde leito, uma sublime dama e alguns santos mestres, os quais assistem
a essa rainha elemental do zimbro, encarnada em corpo físico em plena
Idade Média.
Esse estranho aposento, onde se respira o pó dos séculos, é iluminado por
uma velha aranha de vidro.
Frente àquele leito desprende-se de uma elegante vasilha de ferro um vapor
suave e delicioso.
O fogo arde intensamente debaixo da vasilha.
Um líquido ferve e, nesse líquido, a planta do zimbro.
O líquido daquela vasilha é a água pura da vida, na qual aparece a árvore do
zimbro.
Esta é a planta dos reis divinos. Três zipas chibchas de Bacatá praticaram o
culto do zimbro.
Todos os reis divinos da antiguidade praticaram a régia arte do zimbro.
O mantra do elemental do zimbro é KEM-LEM.
O elemental do zimbro parece uma bela menina. Cada árvore tem seu
elemental.
Todos os elementais do zimbro obedecem a essa rainha elemental,
encarnada naquele velho palácio medieval.
A rainha suplica a Agni para que a ajude e esse menino do fogo flutua
naquele estranho aposento.
O elemental do zimbro obedece e no vapor da vasilha aparecem alguns
Mestres de Sabedoria.
O vapor do zimbro forma um corpo gasoso para que o anjo invocado possa
se vestir com ele e fazer-se visível e tangível no mundo físico.
Todos os reis divinos da Antigüidade praticavam a régia arte do zimbro
para conversar com os anjos.
O invocador deve beber um copo do cozimento de zimbro durante o rito.
Os chacras entram em atividade com o ritual do zimbro.
Cada árvore tem o seu elemental. Os elementais dos zimbros obedecem a
essa rainha do fogo que esteve encarnada na Idade Média em uma luxuosa
corte.
Agora, a rainha do zimbro cultiva seus mistérios em um templo subterrâneo
da Terra.
As bagas do zimbro, usadas na forma de defumação, limpam o corpo astral
de todo tipo de larva.
O Iniciado precisa vestir seu traje sacerdotal para oficiar no templo com o
elemental do zimbro.
Durante o tempo que durar o sagrado ofício do zimbro, a árvore, da qual
foram colhidos os ramos e as bagas, permanecerá coberta com panos negros
e se dependurará nela algumas pedras.
Durante a santa invocação do elemental do zimbro, o iniciado fará soar uma
trombeta de chifre de carneiro.
O elemental do zimbro forma com o vapor um corpo gasoso que servirá de
instrumento ao anjo invocado.
Se a invocação é digna de resposta, o anjo invocado concorrerá ao chamado
e far-se-á visível e tangível no mundo físico para conversar com quem o
chama.
Mil vezes pode chamar o indigno e não será escutado porque para o indigno
todas as portas estão fechadas menos a do arrependimento.
3 OS SETE CANDELABROS DO
ARHAT
Escutai-me, irmãos da terceira Iniciação de Mistérios Maiores, a vós me
dirijo.
Chegou a hora de acender os sete candelabros do corpo mental.
Antes que a chama de ouro possa arder com luz serena, a lâmpada deve
ficar bem resguardada em lugar livre de todo vento.
Os pensamentos terrenos devem cair mortos diante das portas do templo.
A mente que é escrava dos sentidos torna a alma tão inválida como o bote
que o vento leva sobre as águas.
Assim falam-nos os preceitos da Sabedoria oriental.
Escutai-me, ó Mestres de terceira Iniciação de Mistérios Maiores, a vós me
dirijo.
Necessitais agora do mais puro esforço ígneo.
Agora, deveis levantar a vossa ardente serpente do corpo mental.
Brilha a estrela de cinco pontas sobre os candelabros do templo da mente.
Por entre os chispaços das chamas, haveis entrado agora no ardente templo
do entendimento cósmico.
Vossos pensamentos flamejam na voragem das chamas.
Este é o templo ígneo do Arhat.
Vossa mente deve se tornar completamente incandescente no crepitar do
fogo.
Há que se separar cuidadosamente o fumo das chamas.
O fumo é trevas, e as chamas, luz.
Há que se praticar magia sexual intensamente por entre o fogo que flameja.
Há que se converter a mente-matéria em Mente-Cristo.
Agora, há que se roubar o fogo dos demônios do mundo mental.
Persevera e não desanima, irmão meu.
Os pedestais dos tronos dos Mestres são feitos de monstros.
Tem fé, irmão meu, e abre passagem com a espada.
Os tenebrosos fecham a passagem para ti.
Lança-te contra eles com o ardente gume da tua espada. Vence-os e
entrarás nas câmaras do santo templo do Arhat.
Brilha o sol e agora acende-se o candelabro de teu plexo solar.
Recebe, irmão meu, teu recompensa.
No dedo anular do teu corpo mental faisqueia o diamante solar e o anel
ígneo.
Em teu plexo solar, arde agora uma nova Rosa Ígnea.
Os demônios do entendimento armam-te ciladas por toda parte, ó Arhat.
A serpente do corpo mental vai subindo agora pelo fino fio da medula do
corpo mental.
Há que se dominar a mente através da vontade.
A mente é a guarida do desejo.
Há que se expulsar os demônios tentadores do nosso templo com o látego
terrível da vontade.
Há que se libertar a mente de todo tipo de seitas, escolas, religiões, partidos
políticos, conceitos de pátria, bandeira, preconceitos, apetites e temores.
Há que se libertar a mente dos processos do raciocínio.
Há que se trocar o processo do raciocínio pela compreensão.
Não te identifiques com a mente, ó Arhat.
Tu não és a mente. Tu és o ser. Tu és o Íntimo.
A mente é um potro soberbo; doma-o com o látego da vontade para que
não jogue teu carro no Abismo.
Ai do cocheiro que perder seu carro; terá de recomeçar seu caminho.
A Rosa Ígnea de teu coração é teu sol de justiça.
Aprende, ó Arhat, a manejar tua espada.
Aprende a separar o fumo das chamas.
Em todo o bom há algo mau.
Em todo o mau há algo bom.
Agora, passaste para além do bem e do mal.
Agora, conheces o bom do mau e mau do bom.
O delito esconde-se por entre o incenso da oração.
Persevera, filho meu, a serpente de tua mente vai subindo pouco a pouco
pela medula do teu corpo mental. As tuas asas ígneas, as tuas asas eternas,
estão se abrindo.
A tua mente resplandece com o fogo sagrado.
Persevera, não desanima e acende os teus sete candelabros eternos.
Adquire a visão da águia e o ouvido ardente.
Teus pensamentos flamejam ondulantes na ardente aura do Universo.
4 A ABOBOREIRA (Cucúrbita pepo)
Entremos agora, ó Arhat, para oficiar no templo com a aboboreira.
Veste tua túnica, teu manto branco e aproxima-te do altar, ó Arhat.
Com os poderes do elemental da aboboreira podemos trabalhar com as
multidões.
O elemental da aboboreira tem terríveis poderes sobre as multidões.
Através da magia elemental da aboboreira, Jonas fez com que Nínive se
arrependesse de seus pecados.
O elemental da aboboreira tem sobre sua glândula pineal uma minúscula
coroa que lhe dá um poder terrível sobre as massas humanas.
Aprende, ó Arhat, a lutar contra as abominações dos homens através da
aboboreira. Assim, ajudarás as multidões humanas e ao ajudar os homens tu
ajudas a ti mesmo. Tu o sabes.
Lembra-te que o elemental da aboboreira possui a túnica rosada como o
amor desinteressado. Parece uma linda menina vestida com essa túnica de
amor.
Jonas esteve três dias no ventre de um grande peixe nas praias de Nínive.
Jonas sentou-se sob uma aboboreira e os habitantes Nínive
arrependeram-se, rasgaram suas vestes, jejuaram e vestiram sacos e cilícios
sobre seus corpos.
Quero que compreendas agora, Arhat, a íntima relação que existe entre os
peixes do mar e a aboboreira.
Existe um poderoso anjo que governa os peixes do mar e os elementais da
aboboreira.
A corrente vital que parra pelos peixes do mar é a mesma que passa pela
família vegetal das aboboreiras.
O ígneo anjo que governa a aboboreira é a mesma chama ardente que
governa a todos os peixes do imenso mar.
O oficiante jogará a abóbora numa vasilha com água, a qual deverá ferver
nas chamas de um forninho.
A fruta deverá ser partida em pedaços antes de ser jogada numa vasilha
com água.
Esta vasilha deverá ferver frente ao altar.
O oficiante benzerá a vasilha fumegante e ordenará ao elemental da
aboboreira trabalhar sobre as multidões para que se arrependam de seus
pecados.
A Grande Hierarquia Branca te assistirá durante o ritual.
O colégio de iniciados colaborará contigo nesta Grande Obra do Pai.
Os poderes ígneos dessa criatura elemental flamejam intensamente no
ardente faiscar das chamas universais.
Durante esta cerimônia de magia elemental, a branca pomba do Espírito
Santo entrará em ti, ó Arhat!
Agora, absorto em profunda meditação, poderás escutar a palavra de Jeová,
ó Arhat!
Não esqueças, irmão meu, não esqueças, ó Arhat, que cada uma das
vértebras espinhais do corpo mental corresponde uma caverna sagrada,
escondida nas entranhas da terra.
Conforme a cobra ígnea vá subindo pela medula incandescente do teu
corpo mental irás entrando em cada uma das cavernas correspondentes a
cada vértebra.
Aquelas cavernas que se iluminam com o fogo do teu candelabro
resplandecem abrasadoramente.
Aquelas cavernas, onde ainda não flameja a tua tocha acesa, estão cheias de
trevas e de fumo, e só tu, ó Arhat, podes dissipar essas trevas com o fogo
sagrado do teu candelabro.
Em cada uma das 33 cavernas da Arhat, faisqueia o fogo abrasador da
mente cósmica da natureza.
Em cada uma das 33 cavernas do Arhat, situadas nas entranhas da terra,
cultivam-se os sagrados mistérios do fogo.
Conforme o Arhat vá iluminando suas cavernas com o facho do seu
candelabro, a luz e o fogo irão convertendo sua mente-matéria em
Mente-Cristo.
Depois que Jonas foi vomitado pelo peixe, pregou em Nínive e sentou-se
sob uma aboboreira para trabalhar com os poderes da mente, a qual flameja
no crepitar das brasas ardentes da mente cósmica.
As pessoas não entendem o símbolo de Jonas apesar de saberem que o
Cristo ressuscitou depois de três dias.
As multidões pediram sinais ao Cristo, porém Ele somente deu o sinal de
Jonas.
Tira tuas vestimentas vis porque estão cheias de vermes e podridão.
O verme da podridão seca e mata a aboboreira.
Somente os Arhat podem oficiar com o ritual da aboboreira.
Todo o sagrado colégio irá vestido com túnicas brancas ao templo do santo
rito. Somente alguns ajudantes usarão túnica e capa azul celeste durante o
ritual.
Durante alguns instantes, apagam-se as luzes e o templo fica às escuras.
Agora, compreenderás que a planta da aboboreira pertence ao plano mental.
Agora, entenderás todo o símbolo do profeta Jonas sentado sob uma
aboboreira.
O momentâneo apagar das luzes durante o ritual simboliza a passagem das
trevas à luz.
Devemos expulsar de nós todas aquelas baixezas de natureza animal.
O mantra do elemental da aboboreira é KA.
O gongo oriental deve ressoar durante o rito.
5 O TERCEIRO GUARDIÃO
A mente vive reagindo com os impactos que vêm do mundo exterior. Tu
deves controlar as reações da mente por meio da vontade.
Se jogares uma pedra num lago, verás aparecerem ondas cristalinas que vão
do centro para a periferia. É a reação da água contra a pedra.
Se alguém nos insulta, ficamos irados. Essa ira é a reação da nossa mente
contra as duras palavras daquele que nos insulta.
Uma imagem pornográfica fere os sentidos externos e vai até a mente. A
mente então reage como o lago do nosso exemplo, com ondas de paixão
animal que vão do centro para a periferia.
Devemos subjugar os sentidos e dominar a mente com o terrível látego da
vontade.
Nossa mente vive reagindo contra os impactos do mundo exterior.
As incessantes reações da mente acarretam-nos prazer e dor.
O gosto e o desgosto nada mais são do que as reações provenientes do
entendimento.
Há que se controlar as reações do entendimento a fim de se passar para
além do prazer e da dor.
Precisamos nos tornar tipos serenos, indiferentes diante do elogio e da
ofensa, diante do triunfo e da derrota.
Todas as tempestades da nossa existência nada mais são do que o resultado
do entendimento diante dos impactos provenientes do mundo exterior.
Um exame clarividente permite-nos compreender que as reações da mente
provêm de um centro nuclear.
Esse centro nuclear do entendimento é o Guardião do Umbral da mente.
O Guardião do Umbral da mente é como o fumo da chama.
A Guardião do Umbral da mente é uma criatura terrivelmente demoníaca
que vive reagindo para o mundo exterior com ondas de prazer e de dor,
com ondas de gosto e desgosto, com ondas de ódio, inveja, cobiça,
maledicência, egoísmo etc.
Nós mesmos criamos esse guardião com todas os maldades do
entendimento.
Há necessidade de se separar cuidadosamente o fumo das chamas.
Urge que nos despojemos do Guardião do Umbral da mente para nos
libertar do nosso passado animal.
Agora, ó Arhat, após teres aberto tuas asas ígneas terás de passar pela prova
do Guardião do Umbral do mundo mental.
Tem valor, ó guerreiro, ó lutador! Esse é um momento supremo.
Desembainha tua espada ígnea e lança-te intrépido ao Guardião do Umbral
da mente.
Agora, ficarás livre, agora a tua mente ficará sob o completo controle do
Íntimo.
Quando aspiravas ao chelado, passaste pela prova do Guardião do Umbral e
pela prova do grande Guardião do Umbral mundial.
Agora, já és Mestre e sai ao teu encontro o terceiro guardião. Vence-o e tua
mente se libertará dos sentidos externos.
Tuas asas eternas abrem-se por entre o fogo da mente que faisqueia. No
crepitar das chamas os tenebrosos do mundo da mente te atacam.
Vence-os, ó Arhat!
Controla a mente com o látego da vontade.
Quando a mente te acossar com representações de ódio, de perversidade, de
paixão, de inveja ou de egoísmo, fala-lhe assim:
Corpo mental, eu não aceito essa tua representação, retira-a, não a admito,
tu deves me obedecer porque eu sou teu Senhor.
Somente através da vontade o Íntimo pode controlar a mente; não há outro
caminho...
Afirmemos nosso Ser.
Não sou o corpo. Não sou o desejo. Não sou a mente. Não sou a vontade.
Não sou a consciência. Não sou a inteligência.
Eu sou o Íntimo.
Romperei com todas as cadeias do mundo. Sou o Deus vivo. Sou o ser. Sou
a vida. Sou o pão da vida. Sou o vinho.
Dentre o crepitar do fogo universal, as Rosas Ígneas do nosso entendimento
flamejam abrasadoramente quando afirmamos a majestade do Ser.
Quando o Guardião do Umbral da mente foge vencido, rompem-se os três
enigmas do tempo, então nossa mente chispeia abrasadora por entre os
grandes ritmos do fogo.
6 O CÁLICE
Recorda, irmão meu, que o Cálice representa a mente do homem.
O Santo Graal que existe no templo de Montserrat está cheio do sangue do
Redentor do Mundo.
Teu Cálice é o teu cérebro e o cérebro é o instrumento do corpo mental.
Enche teu Cálice, irmão meu, com o sangue do Mártir do Calvário para que
tua mente se cristifique no crepitar ardente das chamas universais.
O sangue do Cordeiro é o vinho da luz do alquimista. O sangue do cordeiro
é o teu sêmen.
Teu sêmen é o azeite de ouro puro que sobe pelas duas olivas até o Cálice
sagrado do cérebro para cristificar tua mente por entre o fogo abrasador do
Universo.
Quando o Cálice está vazio, é o Graal negro, é o Graal das sombras, o Graal
das trevas.
Enche teu Cálice, irmão meu, com o sangue do Cordeiro para que se
converta em Santo Graal e tua mente se cristifique.
Nenhum fornicário, nenhum adúltero, jamais poderá converter sua
mente-matéria em Mente-Cristo.
Os Mestres que sejam casados cristificarão sua mente através da magia
sexual.
Os Mestres que sejam solteiros cristificarão sua mente através da
transmutação mental e do sacrifício da abstenção sexual.
Assim, o quarto grau de poder do fogo subirá pela medula do corpo mental,
convertendo a mente-matéria em Mente-Cristo.
Tens de ser puro, puro, puro.
Ficas totalmente proibido de derramar uma única gota do teu vinho
sagrado.
Se queres cristificar tua mente, discípulo da rochosa senda, tens de jurar
castidade eterna.
Tens de encher teu Cálice sagrado de vinho de luz para que o fogo faça
resplandecer tua mente cósmica no augusto troar do pensamento.

7 A MACIEIRA (Pirus malus)
A macieira simboliza a força sexual do Éden. A humanidade foi expulsa do
paraíso quando comeu da fruta proibida.
O anjo que governa os elementais desta árvore tem o poder de fechar as
nossas câmaras espinhais quando comemos da fruta proibida.
Quando o homem violou as leis do Senhor Jeová, o anjo-elemental desta
árvore fechou as câmaras sagradas da coluna espinhal e expulsou-o do
Éden, onde os rios de água pura da vida vertiam leite e mel.
A espada flamejante do anjo-elemental da macieira revolve-se acesa nas
chamas que guardam a porta do paraíso.
A porta do éden é o sexo; o Éden é o próprio sexo.
Para o indigno, todas as portas estão fechadas, menos a do arrependimento.
Ainda que o homem fizesse penitências, jejuasse e levasse saco e cilício
sobre o corpo nem por isso entraria no Éden.
No Éden, pode-se entrar por uma única porta, a porta por onde saiu.
O homem saiu do paraíso pela porta do sexo e só por essa porta conseguirá
entrar no paraíso.
Todo o segredo está no lingam-yoni dos mistérios gregos.
Na união do falo e do útero estão encerrados os grandes segredos do fogo
universal da vida.
Deve haver a união sexual, porém o sêmen não pode ser ejaculado.
O desejo refreado transmutará o sêmen em luz e fogo.
O desejo refreado encherá nosso Cálice sagrado com o vinho sagrado da
luz.
Assim, abrem-se as câmaras sagradas, assim se desperta o fogo, assim
abrimos as portas do Éden e assim cristificamos a mente na Rosa Ígnea do
Universo.
Os Mestres solteiros abrirão suas câmaras Ígneas com a terrível força do
sacrifício. (*)
A abstenção sexual é um tremendo sacrifício. (*)
Existe um templo sagrado nos mundos internos onde oficia o
anjo-elemental que governa esta árvore maravilhosa.
Este templo está iluminado por três lâmpadas eternas.
A primeira lâmpada é rosa avermelhado, como a força ígnea da estrela da
aurora. A segunda lâmpada é como a fogo azul do Pai e a terceira lâmpada
resplandece com a imaculada brancura da castidade perfeita.
As grandes melodias do fogo universal ressoam nos recantos inefáveis
deste templo do Éden.
O elemental dessa maravilhosa árvore possui terríveis poderes ígneos.
Toda planta, toda árvore, tem corpo, alma e espírito como os homens.
Cada planta, cada árvore, tem sua própria alma e seu próprio espírito.
As almas das plantas são elementais que brincam na Rosa Ígnea do
Universo.
O elemental da macieira tem poderes ígneos que faisqueiam na aura do
Universo.
Os irmãos que caminham pela rochosa senda das abrasadoras chamas
devem aprender a magia elemental desta árvore sagrada para ajudarem a
humanidade doente.
Com os poderes do elemental desta árvore podemos fazer justiça a muitos
infelizes.
Uma mulher abandonada por um homem perverso, uma donzela caída, uma
infeliz martirizada por um malvado etc., são casos que podemos remediar
com os poderes do elemental desta prodigiosa árvore, quando a Lei do
Carma permitir.
Aqueles que pensam que só a força da mente pode realizar maravilhas,
equivocam-se completamente porque tudo na natureza é dual.
Pensar que só com força mental se pode realizar todo tipo de trabalhos de
magia prática é como pensar que um homem pode gerar um filho sem tocar
numa mulher.
Pensar que só com a força mental se pode realizar todo tipo de trabalho
oculto é como crer que podemos escrever uma carta só com a caneta, sem
precisar de papel. Ou, ainda, que só com a eletricidade possamos iluminar
sem que se precise de lâmpadas.
Tudo é dual nesta ardente criação: a cada pensamento corresponde uma
planta.
O elemental da macieira é de uma beleza extraordinária. Parece uma noiva
vestida de branco.
Com o elemental da macieira, podemos nos livrar de muitos perigos e
arrumar muitos lares.
Por-se-á um tapete no chão, junto à árvore, para oficiar com o elemental
da macieira.
EBNICO ABNICAR ON são os mantras do elemental da macieira, tal
como o Senhor Jeová os ensinou para mim.
Mandarás o elemental com o império da tua vontade e com o fio da espada
para a pessoa ou pessoas sobre as quais necessitas exercer influência.
O Senhor Jeová mostrou-me o esoterismo da macieira.
A maçã é a flor vermelha que o animal devora. A maçã é o cordeiro e é o
porco da paixão animal.
E mostrou-me o Senhor Jeová a maçã e em suas entranhas a peçonha do
escorpião.
E mostrou-me a Senhor Jeová uma coluna de luz branca puríssima e
imaculada que se levantava para o céu de um prato sobre brasas vivas.
A macieira é o Glorian e ao seu redor faisqueiam os sete graus de poder do
fogo.
E mostrou-me a Senhor Jeová: Só tu sabes o que pode completar os
Mestres.
E mostrou-me o Senhor Jeová um menino inocente, nu, cheio de beleza e
disse-me: Assim nos tornamos quando chegamos ao quarto poder do fogo.
Então, entendi os ensinamentos do Senhor Jeová e do príncipe Messias, ao
qual os gnósticos tanto amam.
O Arhat converte-se em uma criancinha; assim aprendi do Senhor Jeová.
Ó Jeová! Meu Deus! Vivifica-me com maçãs!
Certo dia, estando eu, Aun Weor, absorvido em profunda meditação, disse
ao Senhor Jeová: Ó Jeová, ajuda-me, e o Senhor Jeová respondeu:
Eu sempre te ajudei. Eu sempre ajudarei a aqueles que já passaram pelas
escolas de Baal.
E tinha o Senhor Jeová um a coroa triangular em sua cabeça. E seu rosto
era como relâmpago, seus olhos como tocha de fogo ardente e seus braços e
pernas como metal incandescente.
Abandonai todas essas escolas de Baal e sentai-vos sob a fronde de vossas
macieiras.

8 O CORPO DE LIBERAÇÃO
Há duas classes de carne: Uma que vem de Adão e outra que não vem de
Adão. A carne que vem de Adão é grosseira e corruptível, enquanto que a
carne que não vem de Adão é eterna e incorruptível.
Quando a serpente ígnea do corpo mental chega a certo cânone da nossa
coluna espinhal, o Mestre morre e nasce em vida.
O divino Rabi da Galiléia, montado em um asno, entra na Jerusalém
Celestial com o novo libertado.
O novo libertado também entra vitorioso e triunfante na cidade montado
num burro e é recebido com palma e louvores.
O Mestre contempla seu corpo de barro feito em pedaços e o divino Rabi
da Galiléia diz ao novo libertado: Tu já não precisas disso.
A partir desses instantes, o Mestre está livre da roda de nascimentos e
mortes.
Com os melhores átomos do corpo físico, foi formado um outro corpo
físico ultra-sensível, cheio de beleza e de milenares perfeições; tem a
majestosa semelhança do Cristo Cósmico e é eterno e incorruptível.
Esse veículo, que substitui o corpo físico de barro, foi formado no fundo
vital de nosso corpo de barro da mesma maneira como o pinto se forma do
ovo.
Quando Franz Hartmann visitou o templo da Boêmia, encontrou-se com
Paracelso, Joana D`Arc e muitos outros Adeptos vivendo em carne e osso
nesse monastério sagrado.
Ele comeu com os Irmãos Maiores no refeitório dos Irmãos e Paracelso o
instruiu no seu laboratório e transmutou chumbo em ouro na sua presença.
O livro intitulado Uma Aventura na Mansão dos Adeptos Rosacruzes,
escrito por Franz Hartmann, conta-nos todas essas coisas.
Quando Joana D’Arc desencarnou na fogueira em que foi queimada viva,
viu-se rodeada de Mestres que a levaram ao templo da Boêmia.
Desde então, ela vive com seu corpo físico ultra-sensível nesse templo na
companhia de todos os Irmãos Maiores.
Esse novo corpo físico tem o poder de fazer-se visível e tangível em
qualquer lugar. Alimenta-se de frutas e água pura. O mel de abelhas é o
alimento dos Mestres da Fraternidade Branca Universal.
Fora do corpo de barro, nós, os membros do Sagrado Colégio de Iniciados,
agimos com este corpo de libertação, feito do mais puro almíscar.
Mas, quando estamos encarnados cumprimos uma missão em favor da
humanidade doente, passamos despercebidos por todos os lugares, como
qualquer transeunte das ruas, vestidos com roupa civil, vivendo e
trabalhando para ganhar o pão de cada dia, tal qual qualquer cidadão.
O corpo da libertação converte-nos em cidadãos do Éden.
Assim é como o Cristo entra pelas portas da cidade, triunfante e vitorioso.

9 A DEUSA MÃE DO MUNDO
A estrela de cinco pontas e a cruz estrelada resplandecem agora no céu azul
do Arhat.
No faiscar ardente das chamas universais, vamos agora celebrar a festa da
Virgem, a bendita Deusa Mãe do Mundo.
Minha Mãe resplandece em seu templo inefável e devemos agora vestir o
nosso traje de Arhat para celebrar a festa.
As pessoas pensam que a natureza é algo inconsciente, porém se
equivocam. Pobre gente!
Quando entramos em nossos mundos internos, encontramos a Mãe de todos
os vivos oficiando em seu templo.
A imensa natureza não é senão a grandioso corpo da rainha do céu...
A deusa Mãe do Mundo é um Guru-Deva de perfeições eternas...
No templo da bendita Deusa Mãe do Mundo vemos dois altares e, no meio
deles, o Leão da Lei.
Essa Deusa do Fogo está personalizada pelas Virgens de todas as religiões:
Ísis, Maya, Adonia, Astarté, Insoberta etc.
Ela é a Mãe de todos vivos.
Celebremos a festa da Virgem Mãe do Mundo, ó Arhat!
A estrela de cinco pontas e a cruz estrelada resplandecem nos céus eternos
do Arhat.
Que bela é a Mãe do Mundo! Vejam-na ali em seu inefável templo
governando a natureza inteira.
Em sua cabeça leva uma coroa de ouro resplandecente e a túnica imaculada
cintila por ente o crepitar das chamas universais.
Celebremos a festa da Virgem Mãe do Mundo, ó Arhat!

10 O CEDRO (Cedrus libani)
O elemental desta árvore tem terríveis e flamejantes poderes ígneos.
As portas dos templos cósmicos são feitas com a madeira do cedro.
O cedro está intimamente relacionado com as abrasadoras chamas da nossa
coluna espinhal.
Os devas que governam os elementais dos cedros dos bosques têm o poder
de abrir a porta incandescente do nosso canal de Sushumna.
Esse canal, com suas 33 câmaras abrasadoras da sagrada medula, é como
uma passagem subterrânea, onde faisqueiam as chamas no crepitar deste
grande incêndio universal.
A entrada a essa passagem incandescente está intimamente relacionada com
a vida dos cedros dos bosques.
Aconselhamos nossos discípulos a que se deitem sobre tábuas de cedro.
A coluna espinhal deve manter um contato nu com a madeira do cedro.
O elemental do cedro tem o poder de nos fazer invisíveis dos nossos
inimigos.
Ele também nos permite profetizar acontecimentos para o futuro.
Os cedros do Líbano serviram para a construção das portas do templo de
Jerusalém.
Nas quintas e sextas-feiras santas, os cedros dos bosques comunicam-se
entre si através de lúgubres sons que ressoam nas paragens solitárias das
montanhas.
Os cetros dos patriarcas são feitos de cedro.
Meditando-se no cedro desfila diante da nossa visão interna todo o
panorama das coisas futuras, assim podemos profetizar.
Rogando-se ao elemental do cedro para que nos faça invisíveis, se ele
atende a nossa petição, ficamos invisíveis diante do olhar de nossos
inimigos.
O orifício inferior da nossa medula espinhal é a porta do nosso forno
ardente.
O guardião dessa porta é o anjo que governa a todos os elementais dos
cedros.
Todas as portas dos templos são feitas com madeira de cedro. “Ó Líbano,
abre tuas portas e queime em fogo os teus cedros.” (Versículo 1. Capítulo
11 do Livro de Zacarias).
Por isso é que a porta de entrada ao canal de Sushumna é governada pelo
anjo regente dos elementais dos cedros dos bosques.

11 A CANA DE BAMBU
“E olhei a altura da casa ao redor: Os cimentos das câmaras eram uma cana
inteira de seis côvados de grandeza.” (Ezequiel. Versículo 8. Capítulo 41).
“E o que fala comigo tinha uma medida de uma cana de ouro para medir a
cidade, suas portas e seu muro.” (Apocalipse. Versículo 15. Capítulo 21).
“E levou-me ali, e eis aqui um varão, cujo aspecto era como o aspecto de
metal, e tinha em cordel de linho em sua mão e uma cana de medir, e ele
estava na porta.” (Ezequiel. Versículo 2. Capítulo 40).
A cana é o cetro dos Mestres da Fraternidade Branca.
Na cana, fica registrado a ascensão ou descenso do fogo sagrado.
Dentro da cana está toda a Sabedoria do rio Eufrates.
Dentro da cana está toda a Sabedoria dos quatro rios do Éden.
A cana representa exatamente a nossa coluna espinhal.
No meio da medula espinhal existe um fino canal. Esse fino canal medular
é o canal de Sushumna.
No meio do canal de Sushumna existe um fio que corre ao longo da medula
espinhal.
Por esse fino fio nervoso ascende a Kundalini desde o cóccix até o
entrecenho, seguindo o curso medular.
Nossa coluna espinhal tem 33 vértebras, as quais são chamadas de cânones
em ocultismo.
Os 33 cânones representam os 33 graus esotéricos da maçonaria oculta.
Desperta-se a Kundalini praticando magia sexual.
A Kundalini acha-se encerrada em uma bolsa membranosa, situada no osso
do cóccix.
Com a magia sexual, a Kundalini entra em atividade, rompe a bolsa
membranosa onde está encerrada e entra no canal medular por um orifício
ou porta situada na parte inferior da medula.
Essa porta medular permanece fechada nas pessoas comuns e vulgares.
Os vapores seminais permitem que o anjo governador dos elementais dos
cedros abra essa porta a fim de que a cobra ígnea entre por ali...
O fogo vai subindo lentamente, de acordo com os méritos do coração.
Cada uma das 33 câmaras sagradas representa determinados poderes
cósmicos e determinadas somas de valores de santidade.
O anjo governador de todos os elementais das macieiras vai abrindo as
câmaras santas da nossa coluna espinhal, conforme praticamos a magia
sexual e nos santificamos.
No sêmen existe um átomo angélico que governa os nossos vapores
seminais.
Esse átomo angélico leva os vapores do sêmen para o canal medular a fim
de que o anjo dos cedros dos bosques o utilize para abrir a porta inferior da
medula a fim de que a divina princesa Kundalini entre por ali.
Por isso as portas do templo de Salomão foram construídas com cedros do
Líbano.
Na palavra Líbano está escondido o IAO que permite ao anjo dos cedros
dos bosques abrir a porta da medula espinhal, quando praticamos a magia
sexual.
IAO é o mantra da magia sexual.
A pronúncia correta desse mantra se verifica quando vocalizamos cada letra
separadamente e alongamos som de cada vogal.
O mantra IAO deve ser vocalizado durante os transes da magia sexual para
despertar o fogo sagrado.
Em nossa coluna espinhal existem sete Nádis, ou centros ocultos,
simbolizados pelos sete nós da cana de bambu.
Verdadeiramente, nossa coluna espinhal tem a forma de uma cana de
bambu com seus sete nós.
Os rituais do primeiro, segundo e até do terceiro graus, com os quais os
gnósticos oficiam, pertencem à cana.
Nossa coluna espinhal tem dois orifícios: Um inferior, e o superior, situado
na parte superior do crânio, é a porta de saída da medula. Por ali desce a
terrível força das hierarquias junto com o sibilo do Fohat para as
profundezas da nossa cana a fim de fazer subir o fogo sagrado, quando
ganhamos um cânone espiritual.
Então, abre-se uma porta diante do templo para receber o grau, os símbolos
e a festa.
Essas são as festas dos templos e dos Deuses.
E, assim, por esse caminho de fogo ardente e abrasador, vamos entrando
em cada uma das nossas câmaras ígneas que faisqueiam no fogo do
Universo.
Quando alguém se deixa cair, isto é, quando derrama seu sêmen, o anjo da
macieira, governador de todos os elementais das macieiras, fecha a porta de
uma ou mais câmaras da nossa coluna espinhal, e o fogo sagrado desce um
ou mais cânones, segundo a grandeza de nossa falta.
Quando o fogo sagrado entrou nas 33 câmaras ardentes, vem a Alta
Iniciação.
O Íntimo tem duas almas: Uma divina e outra humana.
Na Alta Iniciação, a alma divina funde-se totalmente com o Íntimo e o
Íntimo nasce nos mundos internos como um novo Mestre de Mistérios
Maiores da Fraternidade Branca Universal.
As sete rosas ardentes da nossa coluna espinhal flamejam vitoriosas na aura
abrasadora do Universo.
O novo Mestre surge das profundezas vivas da consciência e abre passagem
através dos corpos (da vontade, mental, astral, e vital) para expressar-se
por fim através de nossa laringe criadora.
Agora, o Mestre deve extrair de seus veículos inferiores todos os seus
extratos anímicos.
Esse trabalho realiza-se através do fogo.
O fogo tem sete graus de poder.
Os sete graus de poder do fogo pertencem aos nossos sete corpos.
Temos sete cobras sagradas, dois grupos de três mais a sublime coração da
sétima serpente de fogo ardente que nos une com a Lei e com o Pai.
Essas são as sete escalas do Conhecimento.
Esses são os sete portais das sete grandes Iniciações de Mistérios Maiores.
Através desses sete portais reinam somente o terror do Amor e da Lei.
Cada um dos sete corpos é uma duplicata exata do corpo físico.
Cada um dos sete corpos tem sua medula e seu sêmen.
Cada um dos sete corpos tem sua própria cobra.
Temos, pois, sete canas, sete taças e sete montes eternos.
A medula de cada um dos sete corpos está simbolizada por uma das sete
canas.
O vinho sagrado (sêmen) reside em cada uma das nossas sete taças.
O plano físico, o plano etérico, o plano astral, o plano mental, o plano
causal, o plano da consciência (búdico) e o plano do Íntimo (átmico) são os
sete montes eternos.
Há que se subir os sete graus do fogo.
Devemos nos converter em reis ardentes no cume majestoso dos sete
montes eternos.
Devemos empunhar cada uma de nossas sete canas.
O anjo que governa a vida elemental dos bambus tem o poder de nos
receber nos grandes mistérios do fogo ou de nos expulsar dos santos
templos.
Em nossa cana estão registrados todos os nossos atos bons e maus.
O anjo governador desses grandes canaviais lê o nosso livro e ajuda de
acordo com a Lei.
Nossa coluna espinhal é um grande livro onde as nossas vidas passadas
estão registradas.
Na coluna espinhal temos de aprender a resistir com heroísmo a todas as
tentações.
Cristo, que suportou todas as tentações, é o único que pode nos dar poder e
força para não cairmos em tentação.
Temos de formar a Cristo em nós para adquirir fortaleza e na cairmos em
tentação.
Há que se formar o Cristo em nós.
O Cristo forma-se em nós com a prática intensa da magia sexual com a
esposa ou com a abstenção total, com o terrível sacrifício da abstenção (*).
A substância-Cristo está difundida pelos espaços infinitos e conforme
praticamos a magia sexual, vai sendo absorvida por cada um de nós.
Esses sete portais ardentes são algo muito Íntimo, muito próprio, muito
particular e muito profundo.
O caminho da Iniciação é algo muito interno e muito delicado.
Para possuir a cana, o discípulo deve se libertar de todo tipo de escolas,
religiões, seitas, partidos políticos, conceitos de pátria e de bandeira,
dogmatismos, intelectualismos, apetites, medos, ânsias de acumulação,
preconceitos, convenções, egoísmos, ódios, cóleras, opiniões, polêmicas de
aulas, autoritarismos etc.
Temos de buscar um guru para que nos conduza por esse caminho interno e
delicado...
Busca-se o Guru dentro, nas profundezas da consciência...
Cada discípulo pode procurar o Mestre dentro de si... Dentro... Dentro...
Encontra-se o Mestre nas profundezas da consciência.
Se queres buscar o Mestre, abandona a erudição livresca e as escolas
pseudo-espiritualistas...
Quando o discípulo está pronto, o Mestre aparece.
O mais grave perigo que o ocultista tem de enfrentar é a cultura livresca.
Os estudantes de ocultismo que leram demais, comumente enchem-se de
um orgulho terrível.
Então, o estudante, envaidecido pelo intelecto, julga-se dono da Sabedoria
mundial e não só perde seu tempo lamentavelmente de escola em escola,
como fecha a porta da Iniciação para si mesmo, e cai na magia negra.
Devemos nos tornar como crianças para penetrar na Sabedoria Fogo que
está dentro do nós, nas profundezas vivas da nossa consciência interna.
Temos de ser humildes para alcançar a Sabedoria e, depois de alcançada a
Sabedoria, devemos ser muito mais humildes.
Falando esotericamente, a cana de bambu de sete nós é a raiz de nossos pés.
Quando compreendemos que as raízes mais íntimas da nossa existência se
escondem nas profundezas da nossa medula espinhal e do nosso sêmen,
então entendemos este símbolo da Sabedoria ardente.
Sobre o desconhecido pousam nossos pés espirituais e o desconhecido
reside em nossa cana, por isso a cana é a raiz de nossos pés, falando-se em
linguagem esotérica.
Entende-se este símbolo quando pensamos nas raízes das árvores.
A árvore vive e alimenta-se da suas raízes e as raízes da nossa existência
estão na medula espinhal e no sêmen.
Se o homem não tivesse uma coluna espinhal, de nada lhe serviriam os pés
porque não poderia se sustentar sobre eles, faltar-lhe-ia a cana para
permanecer ereto.
Se o homem pode se sustentar sobre os pés é pela cana. Agora,
compreendemos o símbolo da Sabedoria ardente, quando afirma que a cana
é a raiz de nossos pés.
Sem essas raízes, nossos pés não poderiam sustentar o corpo físico e não
serviriam para nada.
Todo o poder do homem está na no sêmen e na medula.
Os pés dos grandes monarcas do fogo sustentam-se sob o poder majestoso
de sua cana, por isso a cana é a raiz de nossos pés.
Ai do Mestre que perde o poder da sua cana porque seus pés rodarão ao
Abismo...
Cada um dos elementais das canas de bambu é uma criancinha inocente de
túnica branca.
Qualquer um fica arrebatado quando entra no templo do anjo que governa
essa população elemental dos bambus.
No templo está cheio de flores de imaculada beleza e esses inocentes
brincam felizes nos jardins do templo.
O anjo que os governa os educa e os instrui na Sabedoria da natureza.
Nesse templo do anjo dos bambus existe apenas Sabedoria, crianças que
brincam, música e flores.
Assim fomos nós, os humanos, no passado; elementais inocentes brincando
no Éden...
Mas, quando o homem desobedeceu às ordens do Senhor Jeová e se
entregou à fornicação, o fogo da sua cana apagou-se e o homem caiu nas
trevas do Abismo.
Foi necessário enviar-se um Salvador para que tirasse a humanidade do
precipício...
Esse Salvador é Cristo e a Sabedoria de Cristo é a Sabedoria de
Melquisedeque.
Essa Sabedoria está no sexo.
O Éden é o próprio sexo.
A porta de entrada do Éden é a mesma por onde saímos.
Essa porta é o sexo.
Se por desobedecer saímos do éden, obedecendo voltamos ao Éden.
Se por comer da fruta proibida saímos do paraíso, não a comendo voltamos
ao paraíso.
Empunhamos novamente a nossa cana de sete nós para nos convertermos
em monarcas onipotentes dos sete montes.

12 ELIAS, O PROFETA
No Abismo, o homem fundou as escolas de Baal.
As escolas de Baal são todas essas escolas pseudo-espiritualistas que
existem atualmente no mundo.
Todas essas escolas externas são do Abismo e se o homem quiser sair do
Abismo terá de libertar sua mente de todas essas jaulas.
Quando entramos nos mundos internos, vemos todos os estudantes dessas
escolas de Baal submersos em profundas trevas e magia negra.
Todos esses pobres seres estão buscando fora o que temos dentro.
Todas essas pobres almas continuam rebeldes contra as ordens do Senhor
Jeová, comendo desse fruto proibido, desse fruto do qual Ele disse: Não
comerás...
Dá dor ver essas almas escravizadas pelos Baalim.
Os Baalim são os magos negros.
Todas esses escolas estão cheias de fornicação e adultério.
Certo dia, submerso em profunda meditação e oração, falei assim Senhor
Jeová: Ó Jeová, meu Deus, estou lutando sozinho contra todas as escolas,
contra todas as religiões e contra todas as seitas do mundo.
Meus inimigos são tão numerosos como as areias do mar e estou só contra
o mundo. Em que virá a dar tudo isso?
Então, vi em visão de deus a época de Elias, o profeta. Um Mestre tinha em
seus braços um quadro luminoso no qual aparecia a imagem do venerável
ancião.
Este era Elias, o profeta. Seu cabelo era branco como a lã, sua testa ampla e
forte como os muros invictos de Sião.
Seu nariz aquilino e seus lábios delgados denotaram uma regia força de
vontade.
Seus olhos resplandeciam como tochas acesas e a sua barba branca e
patriarcal estava aureolada por um nimbo de luz branca e resplandecente...
O mundo então era semelhante à nossa época atual. As escolas de Baal
eram tão numerosas como as atuais e Elias estava sozinho diante de todas
as escolas espiritualistas e esses irmãos da sombra o olhavam com desprezo
e procuravam matá-lo.
Mas Elias triunfou diante de 450 profetas de Baal.
Então, eu, Aun Weor, entendi a declaração daquela visão e anotei a soma
dos negócios.
Abro a Bíblia e encontro ali o capítulo 18, que diz textualmente:
“E como Achab viu a Elias, disse-lhe Achab:
És tu quem alvoroça a Israel?
E ele respondeu: Eu não alvorocei a Israel e sim tu e a casa de teu pai,
deixando os mandamentos de Jeová e seguindo aos Baalim.
Envia, pois, agora, junta comigo, a toda Israel no monte Carmelo, aos 450
profetas de Baal, aos 450 profetas dos bosques, que comem na mesa de
Jezabel. Então, Achab enviou a todos os filhos de Israel e juntou os profetas
no monte Carmelo.
E aproximou-se Elias de todo o povo, disse: Até quando vós claudicareis
ente dois pensamentos? Se Jeová é Deus, segui-me; se for Baal, ide com
ele. E o povo não respondeu com palavra.
E Elias tornou a dizer ao povo: Somente eu fiquei profeta de Jeová, porém
dos profetas de Baal há 450 homens.
Dêem-nos, pois, dois bois e escolham eles um, cortem-no em pedaços e
ponham-no sobre a lenha, mas não ateiem fogo; e eu aprontarei o outro boi
e o porei sobre a lenha e nenhum fogo porei em baixo.
Invocai a seguir em nome de vossos deuses e eu invocarei em nome de
Jeová; e o Deus que responder e puser fogo, esse seja Deus. E todo o povo
respondeu, dizendo: Bendito!
Então, Elias disse aos profetas de Baal: Escolhei um boi e fazei primeiro,
pois vós sois maioria, e invocai em nome de vossos Deuses, mas não
ponhais fogo debaixo.
E eles tomaram o boi que lhes foi dado, aprontaram-no e invocaram em
nome de Baal desde a manhã até o meio-dia, dizendo: Baal responde-nos!
Mas não havia voz nem quem respondesse. Entretanto, eles andavam
saltando perto do altar que haviam feito.
E aconteceu ao meio-dia que Elias zombava deles dizendo: Gritai em voz
alta que Deus talvez esteja conversando, ou tenha um compromisso, ou está
viajando; por acaso dorme e despertará.
E eles clamavam em grande voz e sangravam-se com facas e lancetas,
conforme seu costume, até o sangue jorrar sobre eles.
E como passou o meio-dia, eles profetizaram até o tempo do sacrifício se
oferecer, e não havia voz que respondesse nem que escutasse.
Elias disse então a todo o povo: Aproximai-vos de mim. E todo o povo se
chegou a ele e ele reparou que o altar de Jeová estava arruinado.
E tomando Elias doze pedras, conforme o número das tribos dos filhos de
Jacó, o que tinham ouvido a palavra de Jeová, dizendo: Israel será seu
nome...
Construiu com as pedras um altar em nome de Jeová e depois fez um rego
ao redor do altar, segundo a largura de duas medidas de semente.
Preparou depois a lenha, cortou o boi em pedaços e o pôs sobre a lenha.
E disse: enchei quatro cânTarôs de água e derramai-a sobre o holocausto e
sobre a lenha. E disse: fazei-o outra vez, e outra vez o fizeram.
Disse ainda: fazei-o uma terceira vez.
De maneira que as águas corriam ao redor do altar e também tinham
enchido o rego de água.
E quando chegou a hora de se oferecer o holocausto, aproximou-se Elias e
disse: Jeová, Deus de Abrahão, de Isaac e de Israel, seja hoje manifesto que
tu és Deus em Israel e que eu sou teu servo, e que por mandato teu eu fiz
todas essas coisas.
Responde-me Jeová, responde-me Jeová, para que este povo saiba que, ó
Jeová, és o Deus que viraste o coração deles.
Então, caiu fogo de Jeová, o qual consumiu o holocausto, a lenha, as pedras
e o pó, e ainda lambeu as águas que estavam no rego.
E vendo, todo o povo caiu sobre seus rostos e disseram: Jeová é o Deus! E
disseram a Elias: Prendei a todos os profetas de Baal, que não escape
nenhum. E eles prenderam e levou-os Elias ao arroio de Kisan e ali os
degolou.” (Versículos 17 a 40. Capítulo 18 de Reis I).

13 O PINHEIRO E A MENTE (Pinus
silvestris)
O pinheiro é a árvore de Aquário. O pinheiro é a árvore da nova era. Ele é o
signo do pensamento aquariano.
O elemental do pinheiro possui toda a Sabedoria da cana. Esse elemental
tem uma aura branca imaculada, cheia de beleza.
Cada pinheiro tem seu elemental próprio porque toda planta, toda árvore,
tem corpo, alma e espírito como os homens.
Os poderes ígneos do elemental do pinheiro flamejam por entre as chamas
abrasadoras do Universo.
O anjo que governa essas populações elementais dos pinheiros trabalha
com a geração humana.
Esse anjo está encarregado de fazer as almas humanas chegarem ao
ambiente que lhes corresponde em cada reencarnação, de acordo com as
leis cármicas.
Os elementais dos pinheiros têm poder de nos mostrar as coisas do futuro
na água.
O oficiante, vestido com a sua túnica, fará com que uma criança inocente
olhe fixamente em um recipiente com água.
Por-se-á uma pedra na porta do templo durante todo o tempo que durar o
ofício.
A criança estará vestida com uma túnica branca.
Realiza-se esse ritual do pinheiro em templos subterrâneos ou em qualquer
caverna do bosque.
Toda criança é clarividente durante os quatro primeiros anos de idade.
Se nossos discípulos querem despertar a divina clarividência precisam
reconquistar a infância perdida.
Os átomos da infância vivem submersos em nosso universo interior.
Precisamos despertá-los para uma nova atividade.
Esses átomos da infância vivem submersos em nosso universo interior.
Precisamos despertá-los para uma nova atividade.
Esses átomos infantis surgem das profundezas da consciência até a
superfície exterior.
O bendito e venerável Guru Huiracocha falou-nos em seu livro Logos,
Mantra e Magia sobre o verbo sagrado da luz e disse-nos que tínhamos de
começar a soletrar pouco a pouco, como faz a criança quando começa a
pronunciar a palavra MAMÁ (mamãe).
Nesse livro, o Mestre Huiracocha falou do poder maravilhoso da vogal M,
mas como o grande mestre falou em chaves, somente os Iniciados
entenderam.
Quem quiser reconquistar a infância perdida deve começar vocalizando as
sílabas infantis.
Vocalizem as palavras MA-MA e PA-PA, subindo a voz na primeira
sílaba de cada palavra e baixando na segunda sílaba de cada palavra.
Durante a prática, a mente deve assumir uma atitude totalmente infantil.
Assim, despertará a divina clarividência em nossos discípulos sob a
condição da mais perfeita castidade.
Durante o ritual do pinheiro, o sacerdote se deitará no chão, enquanto a
criança esteja observando a superfície cristalina da água.
Em seguida, o sacerdote vocalizará a sílaba AU várias vezes.
Sobre a criança, por-se-á um ramo de pinheiro. Esse ramo fará sombra na
cabeça da criança, mas não tocará na cabeça dela.
Então, a criança verá clarividentemente o lugar desejado.
Bastará que se ordene à criança ver, que ela verá.
Ordena-se rigorosamente ao elemental do pinheiro para que mostre à
criança a pessoa, o ambiente ou o lugar que nos interesse.
Implora-se também a ajuda do Espírito Santo durante este trabalho com o
pinheiro.
Nossos discípulos devem trocar o processo do raciocínio pela beleza da
compreensão.
O processo do raciocínio divorcia a mente do Íntimo.
A razão é um delito de lesa majestade contra o Íntimo.
Todos os grandes raciocinadores são habitantes do Abismo.
A razão divide a mente com o batalhar das antíteses.
Os conceitos antitéticos convertem a mente em um campo de batalha.
A luta de conceitos antitéticos fraciona o entendimento, convertendo-o
num instrumento inútil.
Uma mente fracionada não pode servir de instrumento ao Íntimo. Quando a
mente não pode servir de instrumento ao Íntimo, converte o homem em um
ser cego e torpe, escravo das paixões e das percepções sensoriais do mundo
exterior.
A mente que é escrava dos sentidos torna a alma tão inválida como o bote
que o vento extravia sobre as águas.
Os seres mais torpes e passionais que existem sobre a terra são
precisamente os grandes raciocinadores e intelectuais.
O intelectual, devido à falta de um ponto ou de uma vírgula, perde o
sentido da oração.
O intuitivo sabe ler onde o Mestre não escreve e escutar onde o Mestre não
fala.
O raciocinador é totalmente escravo dos sentidos externos e sua alma é tão
inválida como o bote que o vento extravia sobre as águas.
O processo da opção divide e mente no batalhar das antíteses.
Uma mente dividida é um instrumento inútil.
Quando a mente não serve de instrumento ao Íntimo serve de instrumento
ao eu animal.
Os raciocinadores espiritualistas são os seres mais infelizes que existem
sobre a face da terra.
Têm a mente totalmente entulhada de teorias e pelo comum terminam
separando-se do Íntimo, convertendo-se em personalidades tântricas do
Abismo.
O processo do raciocínio rompe as delicadas membranas do corpo mental.
O pensamento deve fluir silenciosa e serenamente com o doce fluir.
O pensamento deve fluir integralmente sem o processo do raciocínio.
Temos de trocar o processo do raciocínio pela beleza da compreensão.
Devemos trocar o processo do raciocínio pela qualidade do discernimento.
O discernimento é percepção direta da verdade; sem o processo do
raciocínio.
Devemos trocar o processo do raciocínio pela beleza da compreensão.
Devemos libertar a mente de todo tipo de desejos, preconceitos, ódios,
escolas, etc.
Todos esses defeitos são travas que amarram a mente aos sentidos externos.
Essas travas convertem a mente em um instrumento inútil para o Íntimo.
A mente deve se converter em um instrumento flexível e delicado através
do qual o Íntimo possa se expressar.
A mente deve se converter em um instrumento flexível e delicado através
do qual o Íntimo possa se expressar.
A mente deve se converter em uma chama do Universo.
A mente-matéria deve se converter em mente-Cristo.
Há que se controlar a mente por meio da Vontade.
Quando a mente nos assediar com representações inúteis, falemos assim à
mente: Corpo mental retira de mim essa representação, não a aceito; tu és
minha escrava e eu sou o teu Senhor.
Então, como que por encanto, as representações inúteis que nos assediam
desaparecem do nosso entendimento.
O corpo mental da raça humana encontra-se até agora na aurora da sua
evolução.
Observando clarividentemente a fisionomia do corpo mental dos seres
humanos, confirmamos esta afirmação.
O rosto do corpo mental de quase todo os seres humanos tem aparência
animal.
Quando observamos os costumes e os hábitos da espécie humana,
compreendemos porque o corpo mental das pessoas tem fisionomia animal.
A Kundalini do corpo mental converte a mente-matéria em Mente-Cristo.
Quando a Rosa Ígnea da laringe do corpo mental faisqueia ardentemente
por entre as chamas universais, o Arhat fala o grande verbo da luz no
augusto brilhar do pensamento.
A mente deve se tornar completamente infantil.
A mente deve se converter num menino cheio de beleza.
O pinheiro é a arvore de Aquário.
A magia do pinheiro está totalmente relacionada com as crianças.
O pinheiro é a árvore de Natal.
O pinheiro é a árvore do menino Deus.
Devemos reconquistar a infância perdida.
O pinheiro é o símbolo da mente da nova Era.
14 O SENHOR JEOVÁ
Quando estudamos o Gênese, vemos que o Senhor Jeová criou toda erva,
toda semente, todo animal da Terra, todo peixe do mar e todo ser vivo.
Isto leram os seres humanos, mas não compreenderam.
Nem os próprios ocultistas souberam dar uma explicação satisfatória para o
Gênese.
Ao Senhor Jeová foram dadas por todos os ocultistas as mais variadas
interpretações, porém nenhum deles pôde explicar satisfatoriamente quem é
Jeová, como e de que maneira criou a todos os seres vivos que povoam a
superfície da terra.
Quando entramos nos mundos internos, compreendemos que o Senhor
Jeová é um Guru-Deva. Ele é o chefe supremo da evolução angélica ou
dévica: O Senhor Jeová.
Não há planta que não tenha alma e as almas dessas plantas são governadas
pelos anjos, os quais por sua vez são governados pelo Senhor Jeová.
O mesmo acontece com os elementais minerais e animais; todos eles
obedecem às ordens dos anjos e todo anjo obedece ao Senhor Jeová.
Os elementais da terra, da água, do ar e do fogo estão encerrados nas
plantas e nenhuma semente poderia brotar sem a presença de um elemental.
O mesmo acontece com os animais. Todo animal é o corpo físico de um
elemental da natureza e todos esses elementais obedecem aos anjos. Todos
esses anjos trabalham neste grande laboratório da natureza sob a ardente
direção do Senhor Jeová.
Os Elohim, ou Prajapatis na Índia Oriental, são os construtores deste
Universo.
Esses Elohim trabalham nas abrasadoras chamas desta Rosa Ígnea da
natureza de acordo com os planos do Senhor Jeová.
Agora, explicamos como, e de que maneira, o Senhor Jeová criou todas as
coisas no amanhecer da vida.
Os Elohim, ou Prajapatis, são os mesmos devas ou anjos que governam a
criação inteira no crepitar das abrasadoras chamas do Universo.
Os heindelistas recordam o Senhor Jeová como um Deus antigo que já
cumpriu sua missão.
Esse falso conceito dos heindelistas desmorona completamente quando
compreendemos que toda evolução dévica trabalha na Rosa Ígnea do
Universo sob as ordens do Senhor Jeová.
Não há planta que possa existir sem a presença de um elemental e todo
elemental depende da ordens dos anjos que trabalham na Rosa Ígnea do
Universo sob as ordens do Senhor Jeová.
Assim, pois, o Senhor Jeová está a criar diariamente nas abrasadoras
chamas desta Rosa Ígnea da natureza.
Todo mestre expressa-se através de seus discípulos.
O Senhor Jeová expressa-se no instante eterno da vida através de seus
devas elementais.
O Senhor Jeová é uma chama de atualidades palpitantes, quando pensamos
que nosso globo terrestre está se preparando para uma nova Era de Aquário.
Quando o Mestre chega à quarta Iniciação de Mistérios Maiores, abrem-se
diante dele sete sendeiros:
Primeiro: Entrar no Nirvana. Segundo: Trabalhos superiores no Nirvana.
Terceiro: Fazer parte do Estado Maior do Logos do sistema solar. Quarto:
Ficar como Nirmanakaya no plano astral trabalhando pela humanidade.
Quinto: Trabalhar com o futuro Período Jupiteriano da Terra. Sexto:
Reencarnar-se para trabalhar com a humanidade. Sétimo: Ingressar na
evolução dévica ou angélica para trabalhar nesta grande fábrica da natureza
sob as ordens diretas do Senhor Jeová.
O Senhor Jeová não foi somente o criador do passado, como também é o
criador do presente e será o criador do futuro.
As 12 grandes Hierarquias Zodiacais criaram o homem, porém o homem
não teria conseguido viver em nossa terra físico-química sem o laborioso
trabalho do Senhor Jeová.
Deste ponto de vista, o Senhor Jeová criou o homem à sua imagem e
semelhança.
Deus criou todas as coisas com a Palavra Perdida.
Esta Palavra está bem muito bem guardada pelos Mestres que vivem na
Ásia.
Um grande filósofo dizia: Buscai na China e talvez a encontrareis na
Grande Tartéria.
A Palavra Perdida é como um gigantesco peixe, metade azul e metade
verde, saindo das profundezas do oceano.
Jeová é o Deus dos profetas do passado, do presente e do futuro.
Eu, Aun Weor, sou um profeta de Jeová.
15 O VERBO
No princípio era o verbo, e o verbo era com Deus, e o Verbo era Deus.
Todas os coisas por ele foram feitas; e sem ele nada do que é feito, teria
sido.
Nele estava a vida e vida era a luz dos homens.
E a luz nas trevas resplandece; mas as trevas na compreenderam.
Foi um homem enviado de Deus, o qual se chamava João.
Este veio para o testemunho, para que desse testemunho da luz.
Aquele era a luz verdadeira, que ilumina a todo homem que vem a este
mundo.
No mundo estava, e o mundo foi feito por ele; e o mundo não o conheceu.
Veio ao que era seu e os seus não o reconheceram.
Mas todos que o receberam, deu-lhes poder de serem feitos Filhos de
Deus, aos que crêem em seu nome.
Os quais não são gerados de sangue, nem da vontade de carne, nem da
vontade de varão, mas de Deus.
E aquele Verbo foi feito carne, e habitou entre nós (e vimos Sua glória,
glória como a do unigênito do Pai), cheio de graça e de verdade.
(Versículos 1 a 14 do capítulo 1 de São João).
O Verbo está depositado no sêmen.
O Fiat luminoso e espermático do primeiro instante dorme no fundo da
nossa santa arca, aguardando a hora de ser realizado.
O Universo inteiro é a encarnação do Verbo.
Este verbo é a substância cristônica do Logos Solar.
Nos tempos antigos, o homem falava a divina linguagem solar e todas as
criaturas da terra, da água, do ar e do fogo ajoelhavam-se diante dele e a
ele obedeciam.
Porém, quando o homem comeu da fruta proibida, esqueceu a linguagem
dos filhos do fogo e levantou a torre de Babel.
Essa torre simboliza todas as gramáticas do mundo.
Então, os homens ficaram confusos com tantos idiomas.
Antigamente, falava-se somente a linguagem edênica e foi com esse verbo
sagrado que os filhos do fogo criaram todas as coisas.
Veio o Verbo ao mundo e o pregaram num madeiro sobre os majestosos
cumes do Calvário. Veio aos seus, mas os seus não o conheceram.
O Verbo é a luz que ilumina todo homem que vem ao mundo.
Quando a serpente sagrada chega à nossa laringe adquirimos o poder de
falar a divina linguagem que outrora conhecíamos, naquela idade dos Titãs,
quando os rios vertiam leite e mel.
Então, éramos gigantes.
Para falar o verbo de ouro, há que se praticar a magia sexual intensamente
porque o verbo reside em nosso sêmen cristônico.
Tua mente resplandece com o fogo sagrado, ó Arhat!
Tua mente flameja nas chamas onduladas do espaço.
As Rosas Ígneas de teu corpo mental cintilam ardentemente na brasas vivas
do teu corpo mental.
Brilha o Cálice sobre a árvore de tua existência, o sol resplandece no
espaço ardente...
Entra agora, ó Arhat, no santo templo da Mente Cósmica para que recebas
o símbolo e a festa solene do verbo que ressoa na criação inteira, por entre
os fogosos ritmos do Mahavan e do Chotavan.
As chamas do espaço sibilam ardentemente na Rosa Ígnea da tua garganta.
Lembra-te, filho meu, que todas as coisas do Universo não são senão
granulações do Fohat.
Escuta-me, ó Arhat, as chamas do Universo falam agora através de tua
laringe criadora, desatando tempestades sobre as multidões.
Jerusalém! Jerusalém! A querida cidade dos profetas! Quantas vezes quis
juntar seus filhos como a galinha aos seus pintos, sob suas asas, e tu não
quiseste.
O Verbo das chamas sagradas expressou-se através da ardente laringe dos
profetas de Sião e caíram os muros invictos da cidade querida dos profetas
diante do poder onipotente do verbo.
A chama abrasadora do entendimento cósmico, falando o verbo da luz, é
terrivelmente divina...
Tua mente agora é uma fogueira abrasadora do entendimento cósmico,
falando o verbo da luz, é terrivelmente divina...
Tua mente agora é uma fogueira abrasadora, ó Arhat!
Tua quarta serpente te converteu num ardente Dragão da Palavra.
A força sexual do Éden floresceu em teus lábios fecundos feito verbo.
16 MAGIA ELEMENTAL DA
ROMÃZEIRA
A romãzeira representa a amizade.
A romãzeira representa os acordos amistosos.
A romãzeira representa o lar.
Os elementais das romãzeiras têm o poder de estabelecer relações
amistosas.
Os elementais das romãzeiras têm o poder de estabelecer acordos fraternais
entre os homens.
Os elementais das romãzeiras têm o poder de estabelecer a harmonia nos
lares.
A romãzeira está simbolizada, na luz astral, pelo cavalo.
O cavalo sempre foi o símbolo da amizade.
O anjo que governa as populações elementais das romãzeiras é o Sol dos
Lares.
Se queres semear harmonia naqueles lares cheios de aflito, utiliza a magia
elemental das romãzeiras.
Se precisas chegar a algum acordo importante com outra pessoa, utiliza os
poderes ígneos dos elementais das romãzeiras.
Através da magia elemental das romãzeiras, podemos trabalhar sobre as
almas extraviadas para fazê-las voltar ao sendeiro da luz.
Através da magia elemental das romãzeiras, podemos fazer com que o filho
pródigo volte ao seu lar.
Quando os elementais das laranjeiras nos estão submetendo a provas,
podemos sair triunfantes delas com a magia elemental das romãzeiras.
E mostrou-me o Senhor Jeová um grande monte, e o Senhor Jeová estava
sobre esse grande monte, e disse-me o Senhor Jeová:
Com a magia elemental das romãzeiras podes trabalhar pelo progresso da
paz.
E tinha o Senhor Jeová a aparência de branca pomba do Espírito Santo.
E todo aquele grande monte resplandecia cheio de majestade.
Com o poder elemental das romãzeiras podemos trabalhar sobre os
fornicários para ajudá-los a sair do Abismo.
Quando dizemos que com a magia elemental das romãzeiras podemos nos
defender, quando os Gênios elementais das laranjeiras estão nos
submetendo a prova, queremos afirmar que as correntes hierárquicas que
passam pelas laranjeiras são o pólo contrário das correntes cósmicas que
passam pelo departamento elemental das romãzeiras.
Força e forças são algo muito unido na criação.
A vida que passa pelas plantas também passa pelos minerais, pelos animais
e pela espécie humana.
Nesse sentido, os diferentes departamentos elementais da natureza estão
relacionados com os diversos estados ou zonas de atividade humanas.
Sob a direção dos anjos regentes dos diferentes departamentos elementais
da natureza, trabalham imensos poderes e inumeráveis hierarquias...
E mostrou-me o Senhor Jeová a Árvore da Vida.
Essa é uma das árvores do Éden.
Então, eu entendi o ensinamento do Senhor Jeová.
Quando trabalhamos pelo progresso da paz, pela fraternidade universal,
pela dignificação dos lares, estamos usando a magia elemental da
romãzeira.
Isto é, estamos vivendo aqui intensamente a magia elemental das
romãzeiras.
Sobre o monte da paz resplandece a glória do Senhor Jeová.
VAGO O A EGO são os mantras dos elementais das romãzeiras.
Quando queremos utilizar o elemental de alguma romãzeira, caminhamos
em círculo ao seu redor, abençoando a árvore, pronunciando os mantras, e
ordenamos ao elemental trabalhar sobre a pessoa ou pessoas que nos
interessam, de acordo com os nossos fins anelados.
Os anjos que velam por todos os lares da terra pertencem a esse reino
elemental das romãzeiras.
Cada família humana está protegida por um anjo familiar.
Tais anjos familiares pertencem ao departamento elemental das romãzeiras.
Os maçons ignoram seu significado oculto.
16.1 DEPARTAMENTO ELEMENTAL DAS
LARANJEIRAS (Citrus aurantium)
As hierarquias que governam o departamento elemental das laranjeiras são
as mesmas que governam todos os movimentos econômicos e monetários
da espécie humana.
Todos os problemas econômicos do mundo são resolvidos com a terrível
força do amor, isto é, com a magia elemental das romãzeiras.
Todos os desentendimentos dos homens se resolvem com o amor, que é a
força elemental das romãzeiras.
Os ódios egoístas desaparecem com o amor, que é a magia elemental das
romãzeiras.
Por isso dizemos que, quando as criaturas das laranjeiras nos mantêm
submetidos a provas, podemos sair triunfantes com a magia elemental das
romãzeiras.
As laranjeiras estão intimamente relacionadas com a moeda e a moeda gera
conflito de todo tipo.
As populações elementais dos laranjais estão intimamente relacionadas
com os problemas econômicos da humanidade.
As populações elementais dos laranjais estão sob o governo dos devas que
distribuem as sementes de tudo o que existe.
Esses devas elementais governam também a semente do gênero humano e a
semente das espécies animais.
Agora, os devotos da Sabedoria do fogo entenderão porque as hierarquias
elementais dos laranjais têm poder de distribuir a economia do mundo.
Esses devas trabalham de acordo com as leis do Carma.
Antes que o dinheiro existisse sobre a terra, eles governavam a economia
mundial; depois que o dinheiro deixar de existir, eles seguirão como
sempre, distribuindo a economia mundial de acordo com a lei do Carma.
Por estes tempos, a moeda serve de instrumento cármico para punir ou
recompensar os homens.
Quando entramos no templo do anjo que governa essas populações
elementais das laranjeiras, vemos aqueles meninos vestidos com túnicas de
diversas cores.
Tais crianças estudam em seus livros sagrados e são instruídas pelo anjo
que as governa.
O mantra dos elementais das laranjeiras é A KUMO.
16.2 MAGIA ELEMENTAL DO NARDO
“Enquanto o rei estava em seu reclinatório, meu nardo deu o deu aroma.”
(Versículo 12 ao capítulo 1. Cânticos dos cânticos de Salomão).
O nardo é o mais sublime perfume do amor.
O perfume daqueles que já passaram para a outra margem é o do nardo.
O nardo pertence à alma humana (corpo causal ou corpo da vontade –
Manas superior).
O perfume da quinta Iniciação de Mistérios Maiores é o do nardo.
O nardo pertence ao corpo causal cristificado.
O perfume dos altos Iniciados é do nardo.
O nardo é uma planta que pertence ao plano causal.
O perfume do Libertador é o do nardo.
O perfume dos Hierofantes de Mistérios Maiores é o do nardo.
Falando esotericamente, devemos travar grandes lutas para conseguir o
nardo.
O perfume do nardo atua eficazmente sobre a consciência dos artistas.
Onde quer que haja arte e beleza, a fragrância do nardo deve estar presente.
Saturno é o planeta do nardo.
O mantra das populações elementais do nardo é ATOYA.
As criaturas elementais dos nardos podem ser usadas para fins amistosos.
O perfume da nova Era de Aquário é o do nardo.
16.3 MAGIA ELEMENTAL DO AÇAFRÃO
(Crocus sativus)
O açafrão é a planta do Apostolado.
As populações elementais do açafrão estão intimamente relacionadas com o
apostolado.
O apóstolo é um mártir da mente cósmica.
A mente do autêntico apóstolo está crucificada.
A mente do autêntico apóstolo está intimamente relacionada com o
departamento elemental do açafrão.
A mente do Arhat está intimamente relacionada com o departamento
elemental do açafrão.
O apóstolo é um mártir.
Todo o mundo se beneficia com as obras do apóstolo. Todos lêem seus
livros e pagam-lhe com a moeda da ingratidão porque de acordo com o
conceito popular: O apóstolo não tem direito a saber.
Porém, todas as grandes obras do mundo são devidas aos apóstolos.
O açafrão está intimamente relacionado com os grandes apóstolos da arte:
Beethoven, Mozart, Berlioz, Bach, Wagner etc.
Vênus, a estrela do amor, é o planeta do açafrão.
Todo apostolado está intimamente relacionado com a magia elemental do
açafrão.
O apóstolo pende de uma corda muito amarga e no fundo está o Abismo
profundo.
O departamento elemental do açafrão está intimamente relacionado com o
trabalho laborioso.
O trabalho de um apóstolo da luz, o trabalho do homem que luta pelo pão
de cada dia e o laborioso trabalho das minúsculas abelhas são imensamente
sagrados e estão intimamente relacionados com o departamento elemental
do açafrão.
Nenhuma forma de trabalho honrado, por humilde que seja, poder ser
desprezada porque o trabalho, em todas as suas formas, está intimamente
relacionado com as hierarquias cósmicas desse departamento elemental.
Todo detalhe, todo acidente de trabalho, por mais insignificante que pareça,
reveste-se de gigantescas proporções dentro da atividade da vida evolutiva.
Uma insignificante abelha que cai ferida, longe da sua colméia, é um
acontecimento, uma tragédia moral, um drama espantoso, para todas as
abelhas da colméia.
Esse acontecimento somente poderia ser comparado com outro,
semelhante, ocorrido com a espécie humana.
Uma família humana enche-se de profundo desespero quando um filho, um
irmão ou um chefe de família não regressa a sua casa devido a um acidente
na fábrica, por ter sido atropelado por um automóvel etc.
Então, os parentes, desesperados pela dor, tratarão de remediar sua situação
até conseguir a volta do ente querido à sua casa.
A mesma coisa acontece com a insignificante abelha, a mesma tragédia... O
mesmo drama doloroso.
A abelha é pequena para nós. Vemo-la minúscula, mas, entre si, elas se
vêem da mesma forma com que uma pessoa vê a outra. Não se vêem
minúsculas nem se sentem pequenas.
A mente do Arhat deve compreender a fundo todas as íntimas atividades
relacionadas com o departamento elemental do açafrão.
Em todo trabalho, por minúsculo que seja, há alegrias e tristezas, há
tragédias morais profundas que devem nos convidar a compreender a
sublime grandeza do trabalho, tanto na espécie humana, no insignificante
inseto, como no apóstolo que trabalha em beneficio da humanidade.
Os elementais do açafrão têm bonitas túnicas de cor rosa pálido.
O açafrão e as abelhas simbolizam o trabalho e ambos são governados pelo
planeta Vênus.
16.4 MAGIA ELEMETAL DA CANELA
(Cinnamomum xeylanicum)
A canela é cordial e restauradora das forças.
Onde quer que haja alegria, ali deve estar a magia elemental da canela.
Onde quer que haja atividade e otimismo, ali está a magia elemental da
canela.
A magia elemental da canela dá atividade e alegria.
O otimismo e a alegria devem estar em todas as atividades.
O departamento elemental da canela relaciona-se com aquelas forças
elementais que restauram e reconfortam nossa vida.
A magia elemental da canela está intimamente relacionada com aquelas
forças que reconfortam, fortificam e restauram a vida das crianças, dos
adolescentes, das mulheres e dos anciães.
A mente do Arhat deve cultivar o otimismo e a alegria.
Onde quer que haja atividade, precisa-se sempre de uma alegria sadia.
A mente do Arhat precisa compreender a fundo o que significa a alegria e o
otimismo.
Quando entramos no templo elemental desse departamento vegetal da
natureza, vemos as crianças elementais dessas árvores brincando alegres
sob o olhar do anjo que as dirige.
Precisamos compreender o que é a música, a alegria e o otimismo.
Qualquer um fica extasiado ao escutar A Flauta Mágica de Mozart, a qual
nos recorda uma Iniciação egípcia.
Qualquer um sente-se aniquilado ao escutar as nove Sinfonias de
Beethoven ou as inefáveis melodias de Chopin e de Liszt.
A inefável música dos grandes clássicos vem das delicadas regiões do
Nirvana, onde reina apenas a felicidade que está além do amor...
Todos os grandes Filhos do Fogo destilam o perfume da felicidade e a
delicada fragrância da música e da alegria...
Os elementais dessas árvores são crianças belíssimas que se vestem com
túnicas de cor rosa pálido.
16.5 MAGIA ELEMENTAL DO INCENSO
(Juniperus thurifera)
O incenso autêntico é tirado da árvore chamada olíbano e contém grandes
poderes elementais.
Se lançado na água, tem o poder de fazer concorrer ao nosso chamado às
criaturas elementais da água.
Aplicado na testa, tem o poder de desaparecer a dor de cabeça causada por
uma forte preocupação mental.
Os vapores do incenso têm poder de fazer vir os Mestres e os anjos do
mundo invisível.
O incenso prepara o ambiente para os Rituais Gnósticos.
O incenso é um grande veículo para as ondas espirituais de devoção pura e
ajuda o recolhimento místico porque serve de instrumento devocional.
Nos antigos templos de mistérios, envolvia-se os enfermos com os vapores
do incenso para medicá-los.
As criaturas da água concorrem alegremente quando lançamos um pouco de
incenso em um recipiente com água.
O incenso deve ser empregado quando se vai firmar um pacto amistoso. Os
magos astecas, quando firmavam seus pactos com os espanhóis, fumavam
tabaco.
Faziam isso com o objetivo de preparar a atmosfera para firmar os pactos e
falar amistosamente.
Porém, nós recomendamos o incenso para tais fins porque o tabaco tem o
inconveniente de se converter em um vício sujo e aborrecível.
O incenso deve ser usado nas reuniões de compromisso matrimonial.
A devoção e a veneração abrem a porta dos mundos superiores aos devotos
do sendeiro.
Quando entramos no templo elemental dos olíbanos, vemos ali cada uma
das crianças elementais dessas árvores brincando felizes no templo do
incenso...
Esses elementais usam túnica amarela e o mantra deles é ALUMINO.
Podemos invocar a esses elementais com seu mantra a fim de que preparem
a atmosfera do incenso...
O anjo que governa essas criaturas elementais se parece com uma noiva
vestida com seu traje nupcial...
Cada árvore tem seu próprio elemental.
Não nos cansaremos de explicar que cada planta ou cada árvore é o corpo
físico de um elemental da natureza que está se preparando para um dia
entrar no reino animal e mais tarde no reino humano.
Quando arrancamos um galho de uma árvore ou um ramo de uma planta, o
elemental do vegetal sente a mesma dor que qualquer um de nós sente
quando nos arrancamos um membro de nosso corpo.
Antes de colher uma planta, devemos traçar um círculo ao redor dela e
abençoá-la; só depois é que se roga à criatura elemental o serviço anelado.
No caso de plantas rasteiras, traça-se um triângulo ao seu redor dela e
abençoa-se e colhe-se.
As criaturas elementais dos vegetais são totalmente inocentes e como ainda
não saíram do Éden, possuem todos os terríveis poderes das sete serpentes
ígneas.
Se invocarmos o anjo elemental do incenso, ele concorrerá ao nosso
chamado com as criaturas elementais dos olíbanos a fim de preparar o
ambiente místico dos nossos Rituais Gnósticos.
16.6 MAGIA ELEMENTAL DA MIRRA
(Myrrha commyfora abissynica)
Quando entramos no departamento elemental do balsamodendro, de onde
se extrai a mirra, vemos essas felizes crianças elementais em pleno Éden,
vestidas com túnicas e capas vermelhas.
A mirra pertence ao ouro espiritual e associa-se com o incenso e com o
ouro do espírito como pleroma inefável do Nirvana.
A ciência da mirra é a ciência da morte.
Há que se morrer para viver.
Há que se perder tudo para tudo ganhar.
Há que se morrer para o mundo para se viver para Deus.
Esta é a magia elemental da mirra.
A essência monádica desse departamento elemental da natureza está
intimamente relacionado com o mundo do Íntimo.
O ouro espiritual está dentro do crisol do Nirvana.
As mônadas particulares que constituem as essências monádicas de cada
departamento elemental da natureza estão dotadas de veículos de
densidades diferentes, ainda que não possamos dizer que estejam
individualizadas porque ainda não possuem mente individual.
Porém, estão dotadas de inteligência cósmica e de inocência, poder e
felicidade.
Os devas ou anjos encarregados do manejo dessas essências monádicas
revestidas de veículos durante o Mahavântara são seus protetores,
instrutores, e fazem o trabalho espiritual dos grupos. Estão encarregados de
impelir a evolução cósmica dessas essências monádicas revestidas de
veículos cósmicos e conhecidas como elementais da natureza.
As essências monádicas começam a demonstrar a sua individualidade
própria quando estão passando pela evolução do reino vegetal da natureza.
Não poderíamos dizer: A mônada de um pinheiro se encarnou num homem,
mas poderíamos dizer: A mônada de tal homem esteve encarnada em um
pinheiro antes de ter se individualizado como mônada humana.
As essências monádicas têm de evoluir nos reinos mineral, vegetal e animal
antes de sua individualização.
Não podemos dizer que a mônada de Descartes esteve encarnada em uma
árvore, porque a mônada humana é uma mônada individualizada e humana,
diferente da mônada vegetal.
Porém, é correto afirmar que a mônada de Descartes, antes da sua
individualização, foi mônada animal, mônada vegetal e mônada mineral.
Entendemos por mônada o Íntimo de todo elemental mineral, vegetal ou
animal e o Íntimo do ser humano compõe-se de Atma-Budhi-Manas.
As mônadas dos elementais da natureza são crianças de encantadora beleza
que possuem a felicidade do Nirvana.
Agora, nossos discípulos entenderão porque se ofereceu ouro, incenso e
mirra ao Menino Deus de Belém.
O Arhat que aprende a manipular as essências monádicas de todos os
departamentos elementais da natureza aprende a manejar a vida universal.
As essências monádicas da grande vida fluem e refluem incessantemente
com os grandes ritmos do fogo universal.
Todas essas essências monádicas residem nas profundezas da Consciência
Cósmica.
Temos de aprender a manipulá-las para trabalhar nesta grande fábrica da
natureza.
As esferas superlativas da Consciência Cósmica foram classificadas pelos
vedantinos na seguinte ordem:
ATALA. Este é o primeiro plano emanado diretamente do absoluto. A esse
plano pertencem as hierarquias Dhyani-Budhas, cujo estado é o de
parasamadhi ou dharmakaya. Já não lhes cabe progresso algum, pois são
entidades perfeitas que apenas aguardam a Noite Cósmica para entrar no
Absoluto.
VITALA. Este é o segundo plano vedantino. Neste loka estão os budas
celestes que se dizem emanados dos sete Dhyani-Budhas.
SUTALA. Este é o terceiro loka ou plano de consciência: O plano do som.
A esse plano chegou Gautama neste mundo. Esse é o plano das hierarquias
dos Kumaras e Agnishvatas.
TALATALA é o quarto loka dos vedantinos. RASATALA é o quinto;
MAHATALA, o é o sexto e PATALA, o sétimo.
Atala é o mundo da Névoa de Fogo, o mundo do Íntimo.
Vitala é o mundo da consciência. Sutala é o mundo da vontade. Talatala é o
mundo da mente. Rasatala é o mundo astral, Mahatala, o mundo etérico e
Patala é o mundo físico.
Em Atala estão as essências monádicas cintilando como chispas virginais.
Em Vitala está o sagrado fogo de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Em Sutala estão os elementais do éter universal. Em Talatala estão os
elementais do fogo.
Em Rasatala estão os elementais do ar. Em Mahatala estão os elementais
aquáticos e em Patala, os homens e os elementais animais, assim como os
gnomos.
Esta é a classificação das velhas escrituras Vedas.
Os sete planos cósmicos estão povoados de criaturas elementais.
As criaturas elementais descem da região de Atala até o mundo físico para
evoluir através dos reinos mineral, vegetal, animal e humano.
A vida desce plano por plano até o mundo físico e depois sobe novamente
às regiões inefáveis do Nirvana.
Tudo vai e vem. Tudo flui e reflui. Tudo sobe e desce. Tudo vem de Atala e
volta para Atala a fim de submergir finalmente na felicidade inefável do
Absoluto.
A mirra pertence à região de Atala, de onde a vida desce para depois voltar
a subir.
A mirra é a magia do grande alaya do mundo.
Os sete tattwas da natureza estão povoados de criaturas elementais e essas
criaturas elementais estão encarnadas nas plantas.
Quem aprende a manipular a magia vegetal consegue manejar os tattwas.
(Veja o livro MEDICINA OCULTA, do mesmo autor).
O tattwa akasha é o paraíso das chispas virginais das substâncias monádicas
do mundo do Íntimo.
O tattwa vayu é o elemento das criaturas que se agitam nos ares.
O tattwa tejas é o elemento das salamandras do fogo.
O tattwa apas é o elemento em que vivem as criaturas das águas.
O tattwa pritivi é o elemento em que vivem os gnomos da terra.
Essas criaturas inocentes estão encarnadas nas plantas e quem conhece a
magia das plantas pode manejar os tattwas do Universo.
Com as plantas podemos acalmar as tempestades, soltar os furacões,
desencadear tormentas e fazer chover fogo tal qual o fez o profeta Elias.
A mirra relaciona-se com o akasha que vive e palpita em tudo o que foi
criado.
16.7 MAGIA ELEMENTAL DO ALOÉS (Aloe
socotorina)
O Aloés é uma planta de grandes poderes ocultos.
Os elementais desta planta se parecem com crianças recém-nascidas.
Essas crianças elementais são verdadeiros adamitas cheios de inocente
beleza.
Essa planta multiplica suas folhas (pencas) sem a necessidade do elemento
terra ou do elemento água.
Muitas vezes vi um aloés pendurado na parede sem luz solar, sem água e
dentro do aposento. No entanto, a planta seguia vivendo milagrosamente,
reproduzindo suas folhas e até multiplicando-as.
De que vivem? De que se alimentam? Como fazem para se sustentar?
Investigações clarividentes levaram-nos à conclusão lógica de que a planta
se alimenta e vive dos raios ultra-sensíveis do sol.
Os cristais dessas plantas são sol líquido, cristo em substância, sêmen
cristônico.
Os elementais dessas plantas têm poder sobre todas as coisas e por meio da
Magia Elemental podemos utilizá-los para todo tipo de magia branca.
Antes de colher a planta, há que se regá-la com água afim de batizá-la.
Abençoa-se a planta e recita-se a seguinte oração gnóstica:
“Eu creio no filho, o Crestos Cósmico, a poderosa mediação astral que
enlaça nossa personalidade física com a imanência suprema do Pai
Solar.”
Pendura-se um pedacinho de prata na planta.
Em seguida, pendura-se a planta na parede da nossa casa para que com o
esplendor da Luz Crística que atrai do sol ilumine e banhe todo o ambiente
da casa, acumulando-se luz e sorte.
Por intermédio do poder da vontade, podemos ordenar ao elemental do
aloés a fim de que execute o trabalho mágico que desejamos; esse
elemental obedecerá imediatamente.
Fora de dúvida, se dará ordem diariamente para obrigar o elemental a
trabalhar.
Os poderes solares dessas criaturas são realmente formidáveis. Porém,
aquele que tentar usar essas criaturas elementais da natureza com
propósitos malvados, contrairá um horrível Carma e será severamente
castigado pela Lei.
Os elementais do aloés estão intimamente relacionados com as Leis da
Reencarnação.
O departamento elemental do aloés está intimamente relacionado com as
forças cósmicas encarregadas de regular a reencarnação humana.
Assim como o aloés pode ser arrancado da terra para ser pendurado numa
parede, isto é, continuar vivendo apesar da mudança de ambiente, assim
também o ser humano pode ser arrancado da terra e seguir vivendo. Esta é a
Lei da Reencarnação.
Podemos ainda provar esta lei fisicamente.
Existe nos bosques de clima tropical um inseto que se conhece pelo nome
de cigarra.
“Gênero de insetos hemípteros de cor verde amarelada. A cigarra produz
durante os calores do verão um ruído estridente e monótono através de um
órgão particular que o macho possui na parte inferior do abdôme.”
Na Colômbia, dão a esse inseto o nome vulgar de chicharra.
É crença comum entre as pessoas que este pequeno animal se rebenta
cantando e morre. No entanto, a realidade é diferente.
O que é acontece é que esse animal abandona sua quitina – substância que
compõe o corpo dos animais articulados.
O inseto faz uma abertura na região toráxico-dorsal e sai por ali, revestido
de um novo corpo, cheio de vida...
Esse animalzinho é imortal e reencarna-se em vida incessantemente.
O Mestre Huiracocha, falando sobre o aloés, na página 137 de seu livro
Plantas Sagradas (edição Argentina de 1947), diz o seguinte:
“Os viajantes que vão ao oriente verão sobre as portas das casas turcas um
couro de crocodilo e um planta de aloés, já que ambos, dizem, garantiria
uma longa vida.”
Examinando esse símbolo, descobrimos que representa a reencarnação.
O Livro dos Mortos dos egípcios diz textualmente:
“Eu sou o crocodilo sagrado Sebekh. Eu sou a chama de três pavios e meus
pavios são imortais. Eu entro na região de sekem, eu entro na região das
chamas que derrotaram meus adversários.”
O crocodilo sagrado Sebekh simboliza o Íntimo e se colocamos o aloés
junto, teremos o Íntimo com seus três pavios, isto é, a divina tríada
reencarnando-se incessantemente, para alcançar a perfeição.
A reencarnação para uns é uma crença, para outros uma teoria e para
muitos uma superstição, mas para aqueles que se lembram se suas vidas
passadas ela é um fato.
Conheci o amanhecer da vida sobre a Terra e estou neste planeta desde a
época polar.
Testemunhei a saída do Éden, portanto posso afirmar que a causa causarum
da perda dos poderes internos da raça humana foi a fornicação.
Na Lemúria, as tribos viviam em ranchos e os soldados dessas mesmas
tribos, em quartéis.
As armas desses soldados eram flechas e lanças.
Em um único rancho gigantesco vivia toda uma tribo.
A união sexual verifica-se unicamente nos enormes pátios dos templos em
determinadas épocas do ano e sob as ordens dos anjos.
Porém, os lucíferes despertaram em nós a sede passional e nos entregamos
à fornicação nos ranchos.
Eu assisti à saída do Éden, fui testemunha da saída do paraíso, por isso dou
testemunho de tudo o que vi e ouvi...
Ainda recordo quando fomos expulsos da Loja Branca, quando
fornicamos...
Os grandes hierofantes dos Mistérios Maiores nos expulsaram do pátio de
seus templos, quando comemos do fruto proibido.
Desde então, os seres humanos vêm rodando através de milhões de
nascimentos e mortes tão numerosas como as areias do mar.
O plano dos anjos era que tão logo o homem adquirisse um cérebro e uma
garganta para falar deixaria de ter comércio sexual com a mulher.
Esse era o plano dos anjos, porém os lucíferes puseram esse plano a perder
e o homem se afundou no Abismo.
Foi enviado um Salvador à humanidade, mas, em verdade, é triste dize-lo,
a evolução humana fracassou.
Durante a época polar, hiperbórea e princípios da lemuriana, os seres
humanos eram hermafroditas e a reprodução verificava-se por esporos, que
se desprendiam das panturrilhas.
O homem utilizava os dois pólos (positivo e negativo) de sua energia
sexual para criar por esporos.
Com a separação em sexos opostos, o homem pôde reter um pólo de sua
energia sexual para formar o cérebro e a garganta.
Então, houve a necessidade de cooperação sexual para a reprodução da
raça.
A ato sexual passou a se verificar sob a direção dos anjos em determinadas
épocas do ano.
O plano dos anjos era que tão logo estivessem o cérebro e garganta
constituídos, o homem continuaria a sua evolução criando seu corpo com o
poder do verbo.
Eu fui testemunha de todas essas coisas. Por isso a reencarnação para mim
é um fato.
Conheci a magia sexual tenebrosa, o tantrismo ensinado por Cherenzi e
Parsival. Eu a vi ser exercida pelos magos negros da Atlântida, por isso
aquele continente afundou em meio a grandes cataclismos.
Conheci os impérios egípcios e romanos. Pelas portas da antiga Roma dos
césares, muitas vezes vi Nero sair sentado em sua liteira, carregado nos
ombros de seus escravos...
Há mais de dezoito milhões de anos que os seres humanos vêm evoluindo
através dessas rodas de nascimentos e mortes...
Porém, é triste... muito triste... dizê-lo: a verdade é que a evolução humana
fracassou...
Um grupo mínimo de almas conseguirá se reencarnar na luminosa Era de
Aquário...
Conheço demasiado os pseudo-espiritualistas teóricos do mundo. Sei por
antecipação que eles acharão graça desta minha afirmação, julgando-me
um ignorante... Pobrezinhos... Sei de memória todas as suas teorias,
conheço todas as suas bibliotecas e posso afirmar que a maioria dos
espiritualistas dessas sociedades, escolas, ordens etc., seguem o caminho
negro.
Parece incrível, porém entre os humildes aldeães e gente simples, aqueles
que nunca devoram teorias (MANJARES SEPULCRAIS) há almas
verdadeiramente luminosas, almas milhões de vezes mais evoluídas que a
daqueles santarrões que sorriem docemente diante de um auditório dessas
gaiolas de papagaios do mais arraigado espiritualismo profano.
Os anjos que regem a Lei da Reencarnação estão intimamente relacionados
com o departamento elemental do aloés.
O mantra desse elemental é a vogal M.
A pronúncia correta dessa vogal faz-se com os lábios cerrados.
Seu som assemelha-se ao mugido do boi.
Porém, não quero dizer que se deva imitar o boi.
Ao se articular o som, far-se-á com os lábios cerrados, então ele sairá pelo
nariz.
Todo ser humano pode recordar suas vidas passadas, praticando o exercício
retrospectivo para lembrar minuciosamente os incidentes ocorridos na
véspera. Lembrem-se de todos os acontecimentos ocorridos em ordem
inversa; oito dias antes, quinze dias antes, um mês, dois meses, um ano,
dez, vinte anos... Até recordar com precisão os acontecimentos dos
primeiros anos de infância.
Acontecerá que o estudante, ao chegar com seu exercício retrospectivo aos
primeiros quatros anos de vida, sentirá muita dificuldade em recordar-se
dos primeiros anos da infância.
Ao chegar a esse ponto, o estudante praticará seu exercício durante aqueles
instantes de transição entre a vigília e o sono.
Então, vem a visão de sonhos, recordará minuciosamente sua infância
porque durante o sonho entramos em contato com o subconsciente, onde
estão todas as recordações.
Este procedimento de retrospecção interna, aproveitando o estado de
transição entre a vigília e o sono, podemos prolongar até recordar aqueles
instantes que precederam a morte do nosso passado corpo físico, as últimas
e dolorosas cenas. Continuando o exercício retrospectivo, passaremos a
recordar a nossa reencarnação anterior e todas as demais que a precederam.
Esse exercício de retrospecção profunda, interna e delicada, permite que
recordemos as nossas vidas passadas.
16.8 MAGIA ELEMENTAL DO ESTORAQUE
O estoraque simboliza a Sabedoria e a Justiça.
A mantra dessa árvore é TOLIPHANDO.
O departamento elemental do estoraque está intimamente relacionado com
as atividades cármicas.
O departamento elemental do estoraque é dirigido pelos Senhores do
Carma.
Os Senhores do Carma mantêm em seus livros o registro exato de todas as
nossas dívidas.
Quando temos capital para pagar, pagamos e ficamos bem nos negócios.
Porém, quando não temos capital para pagar, temos de inevitavelmente
pagar com dor.
Faz boas obras para pagar tuas dívidas.
Não somente paga-se Carma pelo mal que se pratica, como também pelo
bem que se deixa de fazer, quando se pode fazer.
Amor é lei, porém amor consciente.
Também se pode pagar muito Carma, cancelar muitas dívidas, com a
prática da magia sexual porque o sangue do Cordeiro lava os pecados do
mundo.
Também se pode solicitar crédito aos Senhores do Carma, porém esse
crédito tem de ser pago com o sacrifício pela humanidade.
Todas essas contas se ajustam com os Senhores do Carma... falando-se
pessoalmente com eles nos mundos internos.
16.9 MAGIA ELEMENTAL DA
HORTELÃ-PIMENTA (Mentha piperita)
O departamento elemental da hortelã-pimenta está intimamente
relacionado com as três Runas AR, TYR e MAN.
A primeira runa (AR) representa a Deus dentro do homem, as forças
divinas atuando no ser humano e a ara sagrada da vida.
TYR, a segunda runa, representa a trindade divina reencarnando-se através
das rodas se nascimentos e mortes.
A terceira runa (MAN) representa o homem.
A anjo governador da hortelã-pimenta ajuda-nos a passar das trevas para a
luz.
As hierarquias relacionadas com esse departamento elemental atuam
conduzindo as almas reencarnantes pelo estreito caminho que conduz à
matriz.
As hierarquias divinas da hortelã-pimenta sintetizam suas atividades nas
três runas IS, RITA, GIBUR.
IS é o falo, no qual se encerra todo o poder da forças sexuais.
RITA é a rosa que representa a justiça divina.
GIBUR é a letra G da geração.
Nessas três letras fundamentais apóia-se a atividade daqueles grandes seres
relacionados com o departamento elemental da hortelã-pimenta.
Todos os processos científicos de reencarnação, todo o processo biológico
de concepção fetal, estão sabiamente dirigidos por aqueles anjos que se
relacionam com o departamento elemental da hortelã-pimenta.
A passagem do espermatozóide masculino através do estreito caminho das
trompas de falópio assemelha-se muito àquela passagem apertada e estreita
que vai das trevas à luz.
Nos antigos templos de mistérios, o neófito chegava até o altar do templo
depois de ter atravessado um estreito e apertado caminho que o conduzia
das trevas para a luz.
As hierarquias relacionadas com a hortelã-pimenta dirigem cientificamente
e de acordo com a justiça cósmica todos os processos de reprodução da
raça.
Os anjos que governam esse departamento elemental da natureza
conduzem-nos sabiamente pela estreita passagem dos templos de mistérios,
levando-nos até o altar da iluminação.
A hortelã-pimenta está intimamente relacionada com os arquivos akáshicos
da natureza.
Os mantras da hortelã-pimenta permitem a recordação de reencarnações
passadas.
Esses mantras são: RAOM-GAOM. Esses mantras podem ser vocalizados
mentalmente durante os exercícios retrospectivos, em meditação profunda,
para recordar as vidas passadas.
Os mantras RAOM-GAOM permitem a abertura dos selados arquivos da
memória da natureza, assim recordamos nossas vidas passadas
reencarnações.
Esta é a magia elemental da hortelã-pimenta.
A muitos discípulos poderá parecer extraordinário e até estranho que eu
relacione a hortelã-pimenta com a lei de reencarnação e com os
procedimentos biológicos da concepção humana.
Hermes Trismegisto, citado por H. P. Blavatsky na página 367 do primeiro
volume de A Doutrina Secreta textualmente:
A criação da vida pelo sol é tão contínua como sua luz; nada a detém nem a
limita.
Em trono dele, tal qual um exército de satélites, existem inumeráveis coros
de Gênios.
Eles residem na vizinhança dos imortais e dali velam sobre os assuntos
humanos.
Eles cumprem a vontade de Deus (Carma) através de temporais,
calamidades, transições de fogo e terremotos, assim como através de fome
e guerras para castigar a impiedade.
O sol conserva e alimenta todas as criaturas. Assim como o mundo ideal,
que rodeia o mundo sensível, enchendo a este último com a plenitude e
variedade das formas, do mesmo modo o sol, compreendido rodo em sua
luz, com efeito, leva a todas as partes o nascimento e o desenvolvimento
das criaturas.
Sob suas ordens está o coro dos Gênios, ou melhor, os coros, pois ali há
muitos e variados, correspondendo seu número ao das estrelas.
Cada estrela possui seus Gênios, bons e maus por natureza, ou melhor, por
sua ação, pois a ação é a essência dos Gênios...
Todos esses Gênios presidem os assuntos mundanos.
Eles sacodem e derrubam a constituição dos Estados e dos indivíduos. Eles
imprimem seu parecer em nossas almas e estão presentes em nossos nervos,
em nossa medula, em nossas veias, em nossas artérias e em nossa própria
substância cerebral.
No momento em que um de nós recebe a vida e o Ser, fica aos cuidados dos
Gênios elementais que presidem os nascimentos e que se acham
classificados sob os poderes astrais. (Espíritos astrais sobre-humanos.) Eles
trocam perpetuamente, não sempre de modo idêntico, porém girando em
círculos.(Progressos cíclicos em desenvolvimento.)
Eles impregnam, por meio do corpo, duas porções da alma para que possa
receber de cada uma a impressão de sua própria energia.
Porém, a parte divina da alma não está sujeita aos Gênios, está designada
para a recepção do Deus (o Íntimo) que ilumina com um raio de Deus.
Porém, todos os demais homens, tanto em corpo como em alma, são
dirigidos por Gênios a quem aderem e a cujas ações afetam...
Os Gênios possuem, pois, o domínio das coisas mundanas e nossos corpos
servem-lhe de instrumento.
Esses Gênios elementais da natureza são chamados na Índia de Bhuts,
Devas, Shaitan e Djin.
Todos esses grandes seres são filhos da névoa de fogo, são o Exército da
Voz, são seres perfeitos...
Tudo o que existe no Universo brotou de suas sementes.
Tudo o que existe da voz são seres perfeitos...
Tudo o que existe no Universo brotou de suas sementes.
As sementes de tudo o que existe são as Essências Monádicas da Névoa do
Fogo.
Quando o coração do sistema solar começou a palpitar depois da grande
Noite Cósmica, os átomos devoradores da Névoa do Fogo desagregam os
átomos das Essências Monádicas para que deles surgisse a vida elemental
dos quatro reinos da natureza.
Cada átomo da natureza é o corpo de uma chispa virginal que evolui
incessantemente através do tempo e do espaço.
Essas chispas virginais são as Mônadas Divinas que constituem as
sementeiras do cosmos.
Essas chispas virginais, em seu conjunto, são chamadas Essências
Monádicas.
Cada um dos átomos do nosso corpo físico e dos nossos corpos internos é a
viva encarnação das chispas virginais...
Todas as chispas virginais evoluem e progridem sob a direção dos anjos.
Agora, nossos discípulos entenderão porque os anjos da hortelã-pimenta
dirigem todos os processos da gestação fetal e da reprodução racial.
Existem três aspectos de evolução cósmica, os quais em nosso planeta estão
fundidos e entrelaçados.
Os três aspectos são: a evolução monádica, a evolução mental e a evolução
física.
Conforme as Essências Monádicas vão evoluindo, toda a grande natureza
vai se transformando.
Cada uma dessas três correntes evolutivas é dirigida e governada por
grupos diferentes de Dhyanis ou Logoi.
Esses grupos de seres divinos estão representados em roda a nossa
constituição humana.
A corrente monádica em conjunção com a onda evolutiva da mente,
representada pelos Manasa-Dhyanis (os devas solares ou os
pitris-Agnishvattas), e com a evolução do mundo físico, representada pelos
Chayas dos pitris lunares, constituem o que se chama homem.
Na natureza, o poder físico evolucionante jamais poderia adquirir
consciência nem inteligência sem a ajuda desses anjos divinos.
Os Manasa-Dhyanis são os que dotam o ser humano de mente e de
inteligência.
Cada átomo virginal do reino mineral é o corpo físico de um Mônada
Divina que aspira a se converter em homem.
Na página 242 do 1º volume de A Doutrina Secreta, de H. P. Blavatsky,
lê-se o seguinte comentário:
“Cada forma na terra, cada ponto (átomo) no espaço, trabalha e esforça-se
pela própria formação, busca seguir um modelo colocado para ele no
homem celeste. Sua (do átomo) involução e evolução, seu desenvolvimento
e desabrochar externo e internotam um único e mesmo objetivo: O homem,
o homem como a forma física mais elevada e última nesta terra. A mônada
em sua totalidade absoluta e condição desperta como culminação das
encarnações divinas na terra.”
Todos os elementais animais, vegetais e minerais se converterão em
homens nos Períodos de Júpiter, Vênus e Vulcano.
Em última síntese, todos os nossos quatro corpos inferiores estão formados
de elementais atômicos ou consciências governadas pelos devas ou anjos da
natureza.
Nossa vida individual está totalmente relacionada com a vida universal.
E a vida interna das plantas está dentro de nós mesmos.
E os Regentes dos diversos departamentos elementais da natureza estão
dentro de nós mesmos, dirigindo os nossos processos biológicos e os
nossos processos mentais e de consciência.
As quatro estações do ano estão dentro de nós mesmos.
Assim, pois, é impossível separar a nossa vida do Grande Oceano da Vida
Universal. Com uma simples erva, podemos, muitas vezes, desatar uma
tempestade ou fazer a terra tremer porque a vida de uma insignificante erva
está unida a todas as vidas desta grande vida universal.
Força e forças são algo muito unido na criação.
A vida de cada uma das plantas da natureza se repete dentro de cada um de
nós e a soma total dessas parcelas constitui isso que chamamos de homem.
16.10 MAGIA ELEMENTAL DA FIGUEIRA
(Ficus carica ou Ficus comunis)
E vendo uma figueira perto do Caminho, veio a ela e não achou nada nela,
a não ser folhas; e lhe disse: Nunca mais nasça fruto de ti. E secou a
figueira em seguida. (Versículo 19. Capítulo 21. Mateus).
O departamento elemental da figueira relaciona-se com as forças sexuais.
O mantra dos elementais das figueiras é AFIRAS.
As hierarquias relacionadas com esse departamento elemental da natureza
são as que aplicam o Carma aos fornicários.
O lago ardente com fogo e enxofre, que é a segunda morte, destina-se aos
fornicários.
Árvore que não dá fruto é cortada e lançada ao fogo.
O Grandioso poder do sexo reside na Kundalini.
Existem sete forças cósmicas:
Primeira: a força do Glorian. Segunda: Parashakti (luz e calor). Terceira:
Jnanashakti (Sabedoria e inteligência). Quarta: Ichashakti (Vontade).
Quinta: Kriyashakti (mente crítica). Sexta: Kundalinishakti (sete cobras).
Sétima: Mantrikashakti (poder do verbo).
Dentro de Kundalinishakti estão encerradas as sete forças cósmicas e a
Kundalini está encerrada na força sexual no membro viril e da vulva.
Na união do falo e do útero está o segredo para se despertar a Kundalini.
A Kundalini evolui e progride dentro da aura do Logos Solar.
Da evolução da Kundalini depende a evolução das seis forças restantes.
Todo o poder da mente, todo o poder da luz e do calor, todo o poder do
verbo e todo o poder da vontade estão encerrados na serpente sagrada, cujo
poder reside no falo e no útero.
Árvore que não dá fruto é cortada e lançada ao fogo. Os fornicários são as
figueiras cortadas e lançadas ao fogo.
A figueira simboliza as forças sexuais femininas que temos de aprender a
manejar.
O galo e a figueira representam as forças sexuais.
Por isso, o galo da paixão não podia faltar no Drama do Calvário.
A figueira representa unicamente as forças sexuais femininas.
É impossível a realização a fundo sem a alquimia das forças solares
femininas.
Cristo, na sua qualidade de Cristo Cósmico, disse: Eu sou a porta. Quem
por mim entrar, será salvo, e entrará, e sairá e achará pastos. (Versículo 9.
Capítulo 10. João).
Essa Substância cristônica do Salvador do Mundo está depositada em nosso
sêmen cristônico, por isso é que a porta de entrada do Éden está em nossos
órgãos sexuais.
Através da alquimia sexual transmutamos o sêmen cristônico em
sutilíssima energia crística com a qual formamos em nosso corpo astral um
veículo subliminar, um astral superior, que é o Eu-Cristo. (Vejam nosso
livro Alquimia Sexual.)
Esse Eu-Cristo, formado com a mesma essência da Salvador do Mundo, é
a porta de entrada dos grandes mistérios do fogo.
Só se conhece os mistérios do fogo quando se entra pela porta do Éden.
É completamente impossível entrar nos grandes mistérios da mente sem
antes terem formado o Eu-Cristo em nosso corpo astral. (Vejam nosso
livro As Sete Palavras.)
Cristo e Jeová devem ser formados em nós para que entremos nas grandes
iniciações do fogo.
Jeová em nós é o Espírito Santo, o qual resulta das incessantes
transformações de nosso sêmen crístico.
Cristo e Jeová vivem dentro de nós como substâncias seminais.
A iluminação dos mestres vem do Espírito Santo.
O Senhor Jeová em nós é o Espírito Santo, cuja ciência nos ilumina
internamente.
Para poder entrar no Nirvana, devemos antes formar a Cristo e a Jeová.
Todos os poderes ocultos de um Mestre vêm da substância crística e da
iluminação do Espírito Santo em nós.
Porém, não devemos esquecer que cada um de nós é, no fundo, uma estrela.
Essa estrela que arde em nós é o Pai, cuja divina individualidade devemos
absorver para contemplar a perfeita trindade divina.
Há que se formar o Pai, o Filho e Espírito Santo em nós.
Cristo e Jeová residem em nós como substâncias seminais.
O Senhor Jeová forma-se em nós com a transmutação do sêmen.
Os poderes oniscientes do Adepto estão encerrados no Espírito Santo em
nós.
O Espírito Santo dá ao mestre Sabedoria e poderes mágicos.
Portanto, o Senhor Jeová e o Senhor Cristo são, ao mesmo tempo, entidades
individuais e essências cósmicas armazenadas no sêmen.
É infinitamente lamentável que não tenha havido até agora ocultistas
avançados que explicassem quem é o Senhor Jeová.
Max Heindel cometeu o erro de considerá-lo uma entidade do passado.
H. P. Blavatsky considerou Jeová como Ildabaoth, nome composto de Ilda
(menino) e Baoth, este último vem de ovo e de caos, vazio ou desolação.
Ildabaoth: Menino nascido no Ovo do Caos, o mesmo que Brahama ou
Jeová que, segundo Blavatsky, é simplesmente um dos Elohim, um dos sete
espíritos criadores dos sefirotes inferiores.
Essas explicações vagas que H. P. Blavatsky e Max Heindel dão sobre
Jeová realmente não satisfazem às ânsias da alma.
Huiracocha crê que Jeová é tão-somente as cinco vogais I E O U A, o que
resulta um absurdo.
Está certo relacionarmos as cinco vogais I E O U A com João, mas Jeová é
outra coisa. Jeová é uma entidade divina, é sêmen transmutado. Jeová é o
Espírito Santo.
O Divino Rabi da Galiléia, falando do Espírito Santo, diz o seguinte:
E eu vos digo: Pedi e se vos dará, buscai e achareis, chamai e vos será
aberta.
Porque todo aquele que pede, recebe; e o que busca acha; e ao que chama,
se abre.
E qual pai dentre vós, se seu filho pede pão lhe dará uma pedra? Ou se
peixe, no lugar de peixe lhe dará uma serpente?
Ou, se pedir um ovo, lhe dará em escorpião?
Pois se, se vós, sendo malvados, sabeis dar boas coisas aos vossos filhos,
quanto mais vosso Pai celeste, dará o Espírito Santo aos que pedirem
dele.(Versículo 7 a 11. Capítulo 7. Mateus).
Todos poderes mágicos do Mestre são devidos ao Espírito Santo.
O Espírito Santo nos dá Sabedoria e poderes mágicos.
O Espírito Santo é puro sêmen transmutado.
Quando a Kundalini chega ao Brahmarandra e sai para o mundo exterior
pela fontanela frontal dos recém-nascidos, assume com seus átomos
oniscientes a figura mística da branca pomba do Espírito Santo que flutua
por entre as labaredas do fogo sagrado.
Essa branca pomba confere ao Adepto Sabedoria e poderes mágicos.
Esses átomos selecionados da Kundalini, com os quais formamos o Espírito
Santo em nós, foram depositados pelo Senhor Jeová em nosso sêmen
cristônico na aurora da vida deste planeta.
Assim como em nossas veias levamos o sangue de nossos pais, assim
também em nosso sêmen levamos as essências sagradas do Cristo, de Jeová
e do Pai.
Com a substância crística formamos o Eu Cristo com o qual substituímos o
eu animal.
Com a substância crística formamos o Espírito Santo em nós, com o que
adquirimos Sabedoria oculta e poderes divinos.
Com a substância seminal do Pai, robustecemos o Íntimo para formar o Pai
em nós.
Assim é como formamos o Pai, o Filho e o Espírito Santo em nós e nos
convertemos em terríveis majestades do Universo.
Todos os mistérios da eletricidade, do magnetismo, da polaridade, da luz e
do calor estão encerrados em nossos órgãos sexuais.
Todo o setenário do homem é completamente absorvido pela tríada eterna.
Todo o setenário sintetizado na divina tríada Atma-Budhi-Manas.
O Eu-Cristo se absorve na consciência superlativa do Ser, na alma de
diamante, no Budhi.
O Espírito Santo se absorve no corpo da vontade, o Manas superior ou
corpo causal.
E a puríssima essência seminal do Pai se absorve no Íntimo para formar o
Pai em nós.
Assim é como o setenário humano fica reduzido a uma tríada perfeita, cujo
veículo de expressão concreta vem a ser o bodhisatva humano (o Ego astral
do Mestre).
No Oriente, diz-se que os budas são duplos.
Existe o homem terreno.
Existem os budas terrenos e os budas de contemplação.
Cinqüenta anos depois de desencarnar, Buda enviou à Terra sua alma
humana, ou Espírito Santo, encerrado e absorvido em seu Manas superior,
para que encarnasse novamente e terminasse sua obra.
Seu bodhisatva cumpriu essa missão sob a direção de Sankaracharya.
Sankara era um raio de luz primitivo, era uma chama.
Eis como o bodhisatva astral de Buda terminou a obra do mestre interno.
Um bodhisatva é formado pelo Espírito Santo de um Mestre vestido com os
quatro corpos inferiores.
Este é o maior mistério da dupla personalidade humana, um dos maiores
mistérios do ocultismo.
O Mestre Interno pode enviar seu espírito Santo à Terra para que, envolto
em um corpo mental, astral, vital e físico realize alguma missão importante.
Cristo, o divino redentor do mundo, enviou depois da morte terrena a seu
bodhisatva humano, mas os homens não o conheceram.
Mas, na Era de Aquário, a tríada crística se reencarnará de forma integral
para ensinar à humanidade o esoterismo cristão.
Então, o Movimento Gnóstico já terá dado seus frutos e a humanidade
aquariana estará preparada para entender as últimas explicações do Mestre.
Há que se distinguir entre o que é um Avatar e o que é um Salvador.
João Batista foi o Avatar de Peixes e eu sou o Avatar de Aquário.
O Salvador do Mundo não é Avatar. Ele á mais que todos os Avatares; ele é
o Salvador.
Os Avatares são tão-somente os instrutores e iniciadores de uma nova era.
Cristo é mais do que todos os instrutores; ele é o Salvador.
As hierarquias relacionadas com o departamento elemental da figueira se
encarregam de aplicar o Carma àqueles malvados sodomitas e àqueles
degenerados sexuais que tanto abundam na humanidade.
O nome do anjo governador desse departamento elemental da natureza é
Najera.
Os elementais desse departamento elemental da figura usam túnica branca e
são de uma beleza extraordinária.
Essa túnica branca representa a castidade e a santidade.
Os membros das escolas espiritualistas odeiam a castidade e a evitam
habilmente, buscando escapatórias pela porta falsa de suas teorias.
Sua própria debilidade, sua própria falta de força de vontade, é que os faz
buscar escapatórias sutis para evitar o problema da castidade.
Alguns até começam as práticas de magia sexual, mas logo sucumbem
diante das exigências passionais de suas fornicárias esposas.
Por isso confirmamos aos gnósticos: NOSSA DIVISA É THELEMA
(Vontade).
Todos os espiritualistas fornicários são magos negros porque estão
desobedecendo à ordem dada pelo Senhor Jeová nos seguintes versículos:
“E ordenou Jeová Deus ao homem dizendo: De toda árvore do jardim
comerás.
Mas da árvore da ciência do bem e do mal não comerás porque o dia que
dela comeres morrerás.” (Versículos 16 e 17 do capítulo 2. Gênese).
Por cima dessa ordem do Senhor Jeová não poderão passar os perversos
sequazes do pseudo-espiritualismo e das teorias místicas professadas
mundialmente.
O mandamento do Senhor Jeová será cumprido, CUSTE O QUE CUSTAR!
Os fornicários são figuras estéreis, árvores sem fruto, que são cortadas e
lançadas ao fogo.

17 A MENTE E A SEXUALIDADE
Tudo que se escreveu sobre a mente foram tão-somente as preliminares
para o estudo sagrado da Rosa Ígnea.
Vivekananda foi quem mais claro falou sobre a mente, mas seus
ensinamentos são apenas noções preliminares para os sérios estudos do
entendimento.
A mente está intimamente relacionada com a sexualidade e é impossível
estudar a mente sem se estudar o problema sexual.
Existem inumeráveis estudantes de ocultismo dedicados ao ioga e aos
ensinamentos de Krishnamurti, mas, como esses pobres seres fornicam
incessantemente, nada conseguem e perdem seu tempo lamentavelmente.
É impossível separar a mente da sexualidade. A mente e o sexo estão
intimamente ligados. Se nossos discípulos querem converter a
mente-matéria em Mente-Cristo, devem encher seu Cálice (cérebro) com o
vinho sagrado da luz (sêmen).
É impossível cristificar a mente enquanto continuem fornicando.
Há que se praticar a magia sexual intensamente para transformar a mente.
Através da magia sexual enchemos nossa mente de Átomos
Transformativos de altíssima voltagem.
Eis como preparamos nosso corpo mental para o avento do fogo.
Quando a serpente ígnea do corpo mental converteu a mente-matéria, nos
libertamos dos quatro corpos do pecado.
Porém, os nossos discípulos solteiros podem chegar a grandes realizações
com a terrível força do sacrifício.
A abstenção sexual é um tremendo sacrifício.
Francisco de Assis cristificou-se totalmente através da força do sacrifício.
(*)
Os solteiros concentrarão sua vontade e sua imaginação, unidas em vibrante
harmonia, sobre as glândulas sexuais e farão subir sua força sexual desde as
glândulas sexuais até o cérebro, seguindo o curso da coluna espinhal.
Depois, levarão a energia sexual até o entrecenho, o pescoço e o coração,
nessa ordem.
Durante esta prática, os discípulos cantarão os seguintes mantras:
KANDIL BANDIL RRRRRRR...
Esses mantras são vocalizados assim: KAM em voz alta e DIL em voz
baixa. BAM em voz alta e DIL em voz baixa. A letra R pronuncia-se de
forma alongada e aguda, como que imitando o som produzido pelos guisos
da serpente cascavel.
Esses são os mantras mais poderosos que se conhece em todo mundo para o
despertar da Kundalini.
Aqueles discípulos que, por circunstâncias alheias à sua vontade, não
possam praticar a magia sexual com suas esposas-sacerdotizas, devem
jurar castidade eterna e não voltar a tocar em mulher por toda a
eternidade.(*)
Nossas discípulas solteiras farão as mesmas práticas de transmutação
sexual que demos para nossos discípulos solteiros.
As discípulas casadas praticarão magia sexual com seus maridos.
Quando, por circunstâncias alheias a suas vontades, não puderem praticar a
magia sexual com seus maridos, se absterão totalmente para despertarem
sua Kundalini com a força do sacrifício e praticarão a chave de
transmutação dada para solteiros.(*)
Toda chama necessita de combustível para arder.
A sagrada chama do nosso candelabro também tem seu combustível, o qual
é o nosso azeite de ouro, nosso sêmen Cristônico.
O homem que gasta esse azeite sagrado não pode acender seu candelabro.
E tornou o anjo que falava comigo e despertou-me como um homem que é
despertado de seu sono.
E disse-me: “Que vês? E respondi: Olhei e eis aqui um candelabro todo de
ouro com seu copo sobre sua cabeça e suas sete lâmpadas em cima do
candelabro; e sete canais para as lâmpadas em cima dele.
E sobre ele duas olivas; uma à direita do copo e outra à esquerda.
(Versículos 1 a 3 do Capítulo 4. Zacarias.)
Falei mais e disse-lhe: Que significam essas duas olivas à direita e à
esquerda do candelabro?
Falei de novo ainda e disse-lhe: Que significam os ramos de oliva que por
meio de dois tubos vertem de si azeite como ouro?
E, respondendo-me, disse: Não sabes o que é isto? E disse: Senhor meu,
não.
E ele disse: Estes dois fios de azeite são os que estão diante do Senhor de
toda a terra.(Versículos 11 a 14 do capítulo 4. Zacarias.)
Esses dois fios de azeite que estão diante do Deus da terra são os nossos
cordões ganglionares que se enroscam em nossa medula espinhal e pelos
quais devemos fazer subir a energia seminal até o cérebro.
Que o Santo Graal seja conosco! Que nosso Cálice se encha do sangue do
Cordeiro!
Assim é como a nossa mente se cristifica.
Impossível cristificar a mente sem o fogo.
Agora, nossos discípulos compreenderão porque se pôs sobre a cabeça do
crucificado a palavra INRI.
INRI significa: IGNIS NATURA RENOVATUR INTEGRAM. O fogo
renova incessantemente a natureza.
O conceito de Descartes: “Penso, Logo Existo”, é completamente falso
porque o verdadeiro homem é o Íntimo e o Íntimo não pensa porque sabe...
Quem pensa é a mente e não o Íntimo.
A mente, em seu atual estado de evolução, é o animal que levamos dentro.
O Íntimo não precisa pensar porque ele é onisciente.
Nosso Íntimo é Sim, Sim, Sim.
A Sabedoria do Íntimo é Sim, Sim, Sim.
O amor do Íntimo é Sim, Sim, Sim.
Quando dizemos: tenho fome, tenho sede, etc., estamos afirmando algo
absurdo porque o Íntimo não tem fome nem sede; quem tem fome e sede é
o corpo físico.
O correto é dizer: meu corpo tem fome, meu corpo tem sede, etc.
A mesma coisa acontece com a mente. Quando dizemos: Tenho uma força
mental, tenho uma força mental poderosa, tenho tal conflito, tenho tal
sofrimento, me ocorrem tais pensamentos, etc.
Estamos afirmando erros gravíssimos porque essas coisas são da mente e
não do Íntimo.
O Íntimo deve açoitar a mente com o terrível látego da vontade.
O homem que se identifica com a mente cai no Abismo.
A mente é o burro no qual devemos montar para entrar na Jerusalém
Celestial.
Devemos mandar na mente assim: “Mente, retira de mim esse problema;
mente, retira de mim tal conflito; mente, retira de mim tal desejo, etc. Não
os admito, sou teu Senhor e tu és minha escrava até a consumação dos
séculos”.
Ai do homem que se identifica com a mente porque perde o Íntimo e vai
parar no Abismo.
Aqueles que dizem que tudo é mente cometem um erro gravíssimo porque
a mente é tão-somente um instrumente do Íntimo.
Todas essa obras que tendam a identificar o homem com a mente são
legítima magia negra porque o homem verdadeiro não é mente.
Não devemos esquecer que os demônios mais perigosos e sutis que existem
no Universo residem no plano mental.
O Íntimo fala à mente assim: Não digas que teus olhos são teus olhos
porque eu vejo através deles. Não digas que teus ouvidos são teus ouvidos
porque eu ouço através deles. Não digas que tua boca é tua boca porque eu
falo através dela. Teus olhos são meus olhos, teus ouvidos são meus
ouvidos e tua boca, a minha boca.
Assim fala o Íntimo à mente.
Nos mundos internos, podemos nos lançar fora do corpo mental para
conversar frente a frente com ele, como se ele fosse uma pessoa estranha.
Então, compreendemos a fundo que a mente é um sujeito estranho que
devemos aprender a comandar com o látego terrível da vontade.
Necessita-se da mais perfeita castidade para se poder cristificar o corpo
mental.
A guarida do desejo está na mente.
As pessoas que se sintam incapazes de acabar com a fornicação devem falar
à mente assim: “Mente, retira de mim esse pensamento sexual, retira de
mim esse desejo carnal; tu és minha escrava e eu sou o teu Senhor”.
Então, o horrível lobo da paixão carnal sairá de sua guarida da mente e tais
pessoas adquirirão perfeita castidade.
O burro mental deve ser açoitado com o terrível látego da vontade.
Impossível separar a mente da sexualidade. A mente e o sexo estão
intimamente relacionados. Se nossos discípulos querem converter a
mente-matéria em Mente-Cristo, devem encher seu Cálice com o vinho
sagrado da luz.
Quando a mente se cristifica totalmente converte-se em um veículo
esplêndido e maravilhoso, com o qual podemos estudar todos os segredos
desta Rosa Ígnea do Universo.
A Mente-Cristo é o mais precioso instrumento do Arhat.
18 DISCIPLINA ESOTÉRICA DA
MENTE
A meditação é a disciplina esotérica dos gnósticos.
A meditação reveste-se de três fases: Concentração, Meditação e Samadhi.
Concentração significa fixar a mente em uma única coisa. Meditação
significa refletir sobre o conteúdo substancial da própria coisa. Samadhi é
êxtase ou arroubo.
Um mestre do Samadhi entra em todos os planos de consciência. Com o
Olho de Dagma, ele esquadrinha todos os segredos da Sabedoria do fogo.
Nossos discípulos gnósticos devem aprender com urgência a funcionar sem
veículos materiais, de espécie alguma para que percebam com o Olho de
Dagma todas as maravilhas do Universo.
Eis como nossos discípulos tornar-se-ão Mestres do Samadhi.
Deitado em seu leito, com as mãos cruzadas em seu peito, o discípulo
meditará profundamente em seu corpo físico, dizendo paras si mesmo: Não
sou este corpo físico.
Depois, meditará profundamente em seu corpo etérico dizendo para si
mesmo: Não sou este corpo etérico.
Em seguida, em profunda meditação interna, refletirá em seu corpo astral e
dirá: Não sou este corpo astral.
Agora, o discípulo meditará em seu corpo mental e dirá a si próprio:
Tampouco sou esta mente com a qual estou pensando.
A seguir, o discípulo refletirá em sua força de vontade e dirá: Tampouco
sou o corpo da vontade.
Agora, o discípulo meditará ainda em sua consciência e dirá para si mesmo:
Tampouco sou a consciência.
Enfim, sumido em profunda meditação, o discípulo exclamará com o seu
coração: EU SOU O ÍNTIMO! EU SOU O ÍNTIMO! EU SOU O ÍNTIMO!
Por fim, fora de todos os seus veículos, o discípulo se tornará de fato uma
majestade do infinito.
Verá então que já não precisa mais pensar porque a Sabedoria do Íntimo é
Sim, Sim, Sim.
Agora o discípulo dar-se-á conta de que a ação do Íntimo é Sim, Sim, Sim.
Agora, o discípulo entenderá que a natureza do Íntimo é felicidade
absoluta, existência absoluta e onisciência absoluta.
Nesses instantes de suprema felicidade, o passado e o futuro irmanam-se
dentro de um eterno agora e os grandes dias cósmicos e as grandes noites
cósmicas se sucedem umas às outras dentro de um instante eterno...
Nessa plenitude da felicidade, nossos discípulos podem estudar toda a
Sabedoria do fogo nas chamas abrasadoras do Universo.
Assim é como nosso discípulos aprendem a agir sem veículos materiais de
espécie alguma a fim de estudar todos os segredos da magia elemental da
natureza.
Há necessidade de que o Íntimo aprenda a desvestir-se para agir sem
veículos no grande Alaya do mundo.
Concentração, Meditação e Samadhi são os três caminhos obrigatórios da
iniciação.
Primeiro fixa-se a atenção no corpo sobre o qual vamos praticar, depois se
medita na sua constituição interna e, cheios de beatitude, dizemos: eu não
sou este corpo.
Concentração, Meditação e Samadhi devem ser praticados sobre cada
corpo.
Concentração, Meditação e Samadhi, os três são chamados no Oriente: um
Samyasi.
A fim de podermos nos despojar de cada um de nossos veículos inferiores,
praticaremos um Samyasi sobre cada em deles.
Os grandes ascetas da meditação são os grandes samyasin do entendimento
cósmico, cujas chamas flamejam na Rosa Ígnea do Universo.
Para alguém ser um samyasin do pensamento precisa ter adquirido
castidade, tenacidade, serenidade e paciência.
Depois de certo tempo de prática, nossos discípulos poderão libertar-se dos
seus seis veículos para agir no grande alaya do Universo sem veículos de
espécie alguma.
O discípulo notará que seus sonhos começarão a se tornar cada dia mais
claros e compreenderá que quando o seu corpo físico dorme, o homem
interno viaja, atua e trabalha nos mundos supra-sensíveis.
Agora, o discípulo entenderá que os chamados sonhos são experiências
vividas nos mundos internos.
Nossa cabeça é uma torre com dois salões, os quais são o cérebro e
cerebelo.
O cerebelo é o salão do subconsciente e o cérebro, o salão da consciência.
A Sabedoria dos mundos internos pertence ao mundo do subconsciente. As
coisas do mundo físico pertencem ao salão da maravilhosa torre da nossa
cabeça.
Quando a consciência e o subconsciente se unem, o homem pode estudar
todas as maravilhas dos mundos internos e passá-las ao cérebro físico.
Nossos discípulos precisam unir com urgência esses dois salões da
maravilhosa torre da nossa cabeça.
A chave para isso é o Exercício Retrospectivo.
Ao despertar, depois do sono, pratica-se um Exercício Retrospectivo para
recordar tudo aquilo que se viu e ouviu, bem como todos aqueles trabalhos
que se executou quando se estava longe do corpo físico.
Assim é como os dois salões da consciência e da subconsciência unem-se
para dar-nos a grande a iluminação.
Não há sonhos falsos; todo sonho é uma experiência vivida nos mundos
internos.
Os próprios pesadelos são experiências reais porque os monstros dos
pesadelos existem realmente nos mundos submersos.
As imagens dos mundos supra-sensíveis são totalmente simbólicas. Há que
se aprender a interpretá-las com base na lei das analogias filosóficas, na lei
das analogias dos contrários, na lei das correspondências e na lei da
numerologia.
Até os sonhos aparentemente absurdos, se interpretados sabiamente,
encerram grandes revelações.
Na ocasião do despertar, nossos discípulos não devem se mexer porque
com o movimento agitam o corpo astral e as recordações se perdem.
A primeira coisa que o discípulo precisa fazer, tão logo desperte em sua
cama, é praticar um exercício retrospectivo para se lembrar com precisão de
todas as suas experiências internas. Assim é como os dois salões do
consciente e da subconsciência unem-se e vem a Sabedoria interna.
Os samyasin do pensamento adquirem consciência continua na Rosa Ígnea
do Universo...
É necessário se adquirir a mais profunda serenidade. É urgente se
desenvolver a paciência e a tenacidade.
Há que se permanecer indiferente diante do elogio e da ofensa, diante do
triunfo e da derrota.
É necessário mudar-se o processo do raciocínio pela beleza da
compreensão.
É indispensável fazer-se uma soma de todos os nossos defeitos e dedicar
dois meses a cada defeito até se acabar com todos eles.
Aquele que tenta acabar com todos os seus defeitos ao mesmo tempo se
parece ao caçador que quer caçar dez lebres ao mesmo tempo: não caça
nenhuma.
Para chegar a ser um mestre do Samadhi, torna-se urgente cultivar uma
rica vida interior.
O gnóstico que não sabe sorrir tem tão pouco controle quanto aquele que só
conhece a gargalhada de Aristófanes.
HÁ QUE SE ADQUIRIR UM COMPLETO CONTROLE DE SI MESMO.
UM INICIADO PODE SENTIR ALEGRIA, PORÉM JAMAIS CAIRIA
NO FRENESI DA LOUCURA. UM INICIADO PODE SENTIR
TRISTEZA, PORÉM JAMAIS CHEGARIA AO DESESPERO.
AQUELE QUE SE DESESPERA PELA MORTE DE UM SER QUERIDO
AINDA NÃO SERVE PARA INICIADO PORQUE A MORTE É A
COROA DE TODOS.
Durante as práticas de meditação, os chacras do corpo astral entram em
atividade e o discípulo começa a perceber as imagens dos mundos
supra-sensíveis.
No início, o discípulo só percebe as imagens fugazes... Mais tarde, o
discípulo perceberá totalmente as imagens dos mundos supra-sensíveis.
Essa primeira etapa do conhecimento pertence ao conhecimento
imaginativo.
O discípulo contempla muitas imagens que para ele são enigmáticas; não as
entende.
Mas, conforme persevera em suas práticas de meditação interna, vai
percebendo que essas imagens supra-sensíveis produzem nele certos
sentimentos de alegria ou de dor.
O discípulo sente-se então inspirado na presença de tais imagens; agora se
levantou ao conhecimento intuitivo.
Mais tarde, ao ver qualquer imagem interna, percebe instantaneamente seu
significado e o porquê de cada coisa; esta é a terceira escala do
conhecimento intuitivo.
Imaginação, Inspiração e Intuição são os três caminhos obrigatórios da
Iniciação.
A essas alturas inefáveis, chega-se com a concentração, a meditação e o
Samadhi.
Aquele que chegou aos cimos inefáveis da intuição converteu-se num
mestre do Samadhi.
A sabedoria oriental pratica-se na seguinte ordem: Primeiro: Asana
(postura do corpo). Segundo: Pratyara (não pensar em nada). Terceiro:
Dhárana (concentração em uma só coisa). Quarto: Dyana (meditação
profunda). Quinto: Samadhi (êxtase).
Necessário colocar o corpo na posição mais cômoda (Asana); indispensável
pôr a mente em branco antes da concentração (Pratyara); urgente saber
fixar a mente em uma única coisa (Dhádarana); assim chegamos ao êxtase
(Samadhi).
Essa disciplina esotérica da mente deve empapar completamente a nossa
vida cotidiana.
Na presença de qualquer pessoa, surgirão em nosso interior muitas imagens
que correspondem à vida interna da pessoa com a qual nos pusemos em
contato; isso se chama clarividência.
Mais tarde, essas imagens produzem em nós diversos sentimentos de
inspiração, então o discípulo chegou ao conhecimento inspirativo.
Por fim, na presença de qualquer pessoa, o discípulo conhece
instantaneamente a vida do interlocutor; esse é conhecimento intuitivo.
Aqueles que querem ingressar na sabedoria do fogo precisam terminar com
o processo do raciocínio e cultivar as ardentes faculdades da mente.
Da razão, devemos extrair somente seu fruto de ouro.
O fruto de ouro da razão é a compreensão.
A compreensão e a imaginação devem substituir a razão.
Imaginação e compreensão são os cimentos das faculdades superiores do
entendimento.
Para se ingressar no conhecimento dos mundos superiores, é necessário se
adquirir as faculdades superiores da mente.
Aqueles que lerem os ensinamentos deste livro e ainda assim continuem
teimosamente no processo do raciocínio, não servem para os estudos
superiores do espírito. Ainda não estão maduros.
Clarividência e imaginação são a mesma coisa. Clarividência é imaginação
e imaginação é clarividência. A clarividência existe eternamente.
Quando a Rosa Ígnea do corpo astral, situada no entrecenho, desperta para
uma nova atividade, as imagens que internamente chegam a nossa
imaginação surgem acompanhadas de luz e de cores.
Há que se aprender, por experiência própria, a diferenciar as imagens
recebidas das imagens que conscientemente ou inconscientemente criamos
ou projetamos.
Há que se diferenciar entre as imagens próprias e as imagens alheias que
vêm a nós.
A imaginação tem dois pólos: um receptor e outro projetor.
Uma coisa é receber uma imagem e outra é projetar uma imagem criada
pelo nosso entendimento.
O pólo contrário da imaginação é a fantasia.
Imaginação é a clarividência.
Fantasias são as imagens absurdas criadas por uma mente repleta de
aberrações.
Os instrutores não somente devem entregar aos discípulos práticas para o
despertar do chacra frontal, como devem lhes ensinar a manejar a
clarividência.
A clarividência é a imaginação, cujo chacra reside no entrecenho.
A imaginação é o translúcido; para o sábio, imaginar é ver.
A era da razão começou com Aristóteles, chegou ao seu apogeu com
Immanuel Kant e termina agora com o nascimento da nova Era de Aquário.
A Era de Aquário será a era da humanidade intuitiva.
Temos de aprender a diferenciar entre o que é criar uma imagem com o
entendimento e o que é captar uma imagem que flutua nos mundos
supra-sensíveis.
Muitos dirão: Como é possível que eu possa captar uma imagem sem ser
clarividente?
A esses respondemos que a imaginação é a própria clarividência e que todo
ser humano é mais ou menos imaginativo, isto é, mais ou menos
clarividente.
O que mais dano tem causado aos estudantes de ocultismo é o falso
conceito que se tem sobre a clarividência.
Os autores desse falso conceito foram os intelectuais que olharam com o
mais profundo desdém as faculdades da imaginação.
Os ocultistas, querendo se defender do desprezo dos intelectuais, deram um
colorido marcadamente científico à imaginação e a batizaram com o nome
de clarividência ou sexto sentido.
Essa atitude dos ocultistas prejudicou a eles mesmos porque ficaram
confundidos...
Agora, os ocultistas (vítimas dos intelectuais) estabeleceram um abismo
terrível entre a imaginação e a clarividência.
Muitos perguntam a si mesmos: como posso perceber imagens sem ser
clarividente?
Pobre gente! Não sabem que tesouro possuem. Ignoram que a imaginação é
a própria clarividência e que todo ser humano é mais ou menos
clarividente.
Os ocultistas quiseram converter a bela faculdade da clarividência em algo
artificial, técnico e difícil.
Clarividência é imaginação. A clarividência é a mais bela, a mais simples e
a mais pura flor da espiritualidade.
Quando reconquistamos a nossa a infância perdida, todas as imagens que
chegam até nossa imaginação surgem acompanhadas de vivíssimas cores
astrais.
O intelectual que despreza a imaginação comete um gravíssimo absurdo
porque tudo o que existe na natureza é filha da imaginação.
O artista que pinta um quadro é um clarividente.
Qualquer um fica arrebatado diante do Cristo de Leonardo da Vinci ou
diante da Madona de Michelangelo.
O artista percebe com a sua imaginação (clarividência) sublimes imagens
que em seguida passa para suas aquarelas ou para as suas esculturas.
A Flauta Mágica de Mozart lembra-nos uma iniciação egípcia...
Quando a Deusa Mãe do Mundo quer entregar aos homens algum
brinquedo para que se divirta, deposita-o na imaginação dos inventores.
Assim tivemos o rádio, o avião, os automóveis, etc.
As imagens tenebrosas dos mundos submersos, quando são captadas pelos
cientistas, convertem-se em bombas, canhões, metralhadoras, etc.
Assim, pois, todo mundo é mais ou menos clarividente e não se pode
desprezar a imaginação porque todas as coisas são filhas da imaginação.
Há que se fazer uma distinção entre os homens que não receberam
educação esotérica e aqueles que já se submeteram às grandes disciplinas
esotéricas.
A imaginação evolui, desenvolve-se e progride dentro da Rosa Ígnea do
Universo.
Aqueles que já fizeram a roda mágica de seu entrecenho girar possuem
uma imaginação rica e poderosa e as imagens por eles percebidas são
acompanhadas de luz, cor, calor e sons.
Não negamos a existência da clarividência. Ela é o sexto sentido, cujo
chacra reside no entrecenho e tem 96 raios. O que queremos é ampliar a
conceito e fazer com que o estudante compreenda que outro nome dado à
clarividência é imaginação. As pessoas esqueceram o uso e o manejo da
divina clarividência. Torna-se necessário que nossos estudantes saibam que
a imaginação é a mesma clarividência ou sexto sentido, situado no
entrecenho.
Muita gente crê que a imaginação é uma faculdade puramente mental e que
nada tem a ver com o chacra frontal da clarividência.
O chacra frontal do corpo astral está intimamente relacionado com o chacra
frontal do corpo mental, com o chacra frontal do corpo etérico e com a
glândula pituitária situada no entrecenho do corpo físico.
Assim, pois, a imaginação pertence a todos os planos da consciência
universal, sendo que a clarividência é a mesma imaginação, suscetível de
desenvolvimento, evolução e progresso dentro da Rosa Ígnea do Universo.
É necessário que os devotos do sendeiro tenham uma mente bem
equilibrada.
Quando falamos de lógica, aludimos a uma lógica transcendental, que nada
tem a ver com os textos de lógica escolástica.
Toda imagem interna tem as suas correspondências científicas neste plano
da objetividade física.
Quando as imagens do estudante não possam ser explicadas através do
conceito lógico, é sinal de que a mente está desequilibrada.
Os discípulos gnósticos devem cultivar a serenidade.
A serenidade é a chave mais poderosa para o desenvolvimento da
clarividência.
A cólera destrói a harmonia do conjunto e danifica totalmente as pétalas da
Rosa Ígnea do entrecenho.
A cólera decompõe a luz astral em um veneno chamado IMPERIL que
danifica as pétalas da Rosa Ígnea do entrecenho e obstrui os canais do
sistema nervoso grande simpático. Há que se fazer rodar o chacra da
clarividência com a vogal I, a qual deve ser vocalizada diariamente
alongando-se o seu som, assim: iiiiiiiiiiiii...
Na augusta serenidade do pensamento que flameja abrasadoramente,
devemos contemplar as imagens internas; sem o deprimente processo do
raciocínio.
Na presença de uma imagem interna, nossa mente deve fluir integralmente
como o doce fluir do pensamento.
Por entre os quadros imaginativos, nossa mente vibrará com as ondas do
discernimento.
O discernimento é percepção direta da verdade; sem o processo da
deliberação conceitual.
O processo da deliberação divide a mente com o batalhar das antíteses,
então as imagens escondem-se como as estrelas atrás das densas nuvens
dos raciocínios.
Devemos aprender a pensar com o coração e a sentir com a cabeça...
Nossa mente deve se tornar delicadamente sensível.
A mente deve se liberar de todo tipo de travas para compreender a vida
livre em seu movimento.
Nós admiramos a intrepidez.
Os desejos de qualquer espécie são travas para a mente.
Os prejulgamentos e preconceitos são travas para o entendimento.
As escolas são gaiolas onde a mente fica prisioneira.
Devemos aprender a viver sempre no eterno presente porque a vida é um
instante sempre eterno.
Nossa mente deve se converter num instrumento flexível para o Íntimo.
Nossa mente deve se tornar criança.
Durante as práticas de meditação interna, devemos estar no mais completo
repouso interior porque as agitações mentais, qualquer atitude de
impaciência, turvam a mente e impedem a percepção das imagens do
interior.
No mundo físico, qualquer atividade é acompanhada do movimento de
nossas mãos, pernas, etc., mas, nos mundos internos, precisamos do mais
profundo repouso, da calma mais absoluta, para receber as imagens internas
que vêm à mente como uma graça... Como uma bênção.
É indispensável que nossos discípulos cultivem a bela qualidade da
veneração.
Devemos venerar profundamente todas as coisas sagradas e divinas.
Devemos venerar profundamente as obras do Criador.
Devemos venerar profundamente aos Veneráveis Mestres da Fraternidade
Branca Universal.
O respeito e a veneração abrem para nós as portas dos mundos superiores.
NÃO DEVEMOS TER PREFERÊNCIAS POR NINGUÉM. DEVEMOS
ATENDER COM O MESMO RESPEITO E COM A MESMA
VENERAÇÃO TANTO AO MENDIGO QUANTO AO GRANDE
SENHOR.
DEVEMOS CULTIVAR A CORTESIA E ATENDER IGUALMENTE
TANTO AO RICO COMO AO POBRE, AO ARISTOCRATA COMO AO
RÚSTICO; SEM PREFERÊNCIAS PARA NINGUÉM.
Devemos cultivar a paciência e a previsão.
As formigas e as abelhas são pacientes e previdentes.
Devemos aprender a ser indiferentes diante do ouro e das riquezas.
Devemos aprender a apreciar mais a doutrina do coração.
Aquele que despreza a doutrina do coração para seguir a doutrina do olho
(teorias, escolas, cultura livresca, etc.) não chegará jamais às grandes
realizações.
Temos de aprender a conhecer o bom do mau e o mau do bom.
Em todo o bom há algo de mau; em todo mau há algo de bom.
Ainda que pareça incrível, as Marias Madalenas estão mais perto da
Iniciação que muitas donzelas.
Ainda que ao estudante lhe pareça extraordinário, às vezes está mais perto
da Iniciação aquele a quem todos apontam com o dedo e acusam, do que
aquele santarrão que sorri docemente diante do auditório de uma loja ou
templo.
Paulo de Tarso foi um verdugo e um assassino antes do acontecimento que
lhe sobreveio no Caminho para Damasco.
A instantânea transformação desse homem surpreendeu aos santos de
Jerusalém.
O malvado converteu-se em profeta...
Este é o mistério do Bafometo.
Os objetos sagrados dos templos se sustentam sobre pedestais animalescos
e os pés dos tronos dos Mestres são feitos de monstros.
Cristo soube apreciar a beleza dos dentes do cadáver de um cachorro em
decomposição.
No demônio Belzebu flamejavam chamas azuis que serviram para
transformá-lo em discípulo da Loja Branca.
No incenso da oração, muitas vezes esconde-se o delito.
O DISCÍPULO NÃO DEVE JULGAR A NINGUÉM NEM CRITICAR A
NINGUÉM PARA FORMAR UMA RICA VIDA INTERIOR.
Às vezes, falar é um delito e outras vezes, calar também o é.
É tão mau falar quando se deve calar quanto calar quando se deve falar.
Há que se aprender a manejar o verbo e saber calcular com exatidão o
resultado de nossas palavras.
Uma mesma palavra pode servir de bênção para uma pessoa e de insulto
para outra.
Por isso, antes de se pronunciar uma palavra, seu resultado deve ser muito
bem calculado.
Os Senhores do Carma julgam as coisas pelos seus feitos; sem ter em conta
as boas intenções.
Nossa mente precisa ser simples, humilde e cheia do mais profundo
respeito.
Nossos discípulos devem evitar cuidadosamente toda disputa para não
dissipar suas energias inutilmente.
Quem quiser aceitar a doutrina dos gnósticos que a aceite, porém quem não
a quiser aceitar é porque ainda não está maduro. Inútil então encetar
disputas com ele a fim de convencê-lo.
Que as disputas sejam proibidas! Que a discórdia em palavras seja
derrubada! Que todas as malezas deixem claro o caminho!
Devemos cultivar a gratidão porque a ingratidão e a traição são irmãs.
Há que se terminar com a inveja porque da inveja saem os judas que
vendem o Mestre por trinta moedas de prata.
A inveja é a flor venenosa que mais abunda entre os pântanos das escolas
espiritualistas do mundo.
A inveja costuma disfarçar-se com toga do juiz.
Devemos cultivar a sinceridade porque as flores mais belas do espírito
germinam na substância da sinceridade.
Todas estas qualidades dar-nos-ão uma rica vida interior; assim
preparamo-nos internamente para as grandes disciplinas esotéricas da
mente que flamejam nas chamas abrasadoras do Universo.
19 A CRUZ DO ARHAT
O fogo da tua Rosa Ígnea, situada na laringe do corpo mental, faisqueia
abrasadoramente nas chamas ardentes do Universo.
Agora, entra, ó Arhat, nas três câmaras altas da torre do teu templo.
A Kundalini do teu corpo mental abre a primeira câmara do cerebelo.
Sabes o que isto significa, filho meu?
Ai de ti, ó Arhat!
Recebe a quarta cruz com a qual crucificarás o teu corpo mental.
Sabes o que isto significa, irmão meu?
Sabes tu o que significa a mente?
Agora, te tornaste digno de piedade, ó Arhat!
Terás de trabalhar na Grande Obra do Pai.
Serás um Cordeiro imolado na ara do sacrifício.
Trabalharás incessantemente pela humanidade.
Farás obras geniais em favor do mundo, mas não esperes lauréis, filho meu!
Lembra-te que tens de sacrificar tua mente.
A humanidade zombará das tuas obras; te escarnecerão e te darão fel para
beber.
Tuas meritosas obras serão recebidas com gargalhadas estrondosas e a
humanidade pagará os teus sacrifícios com o mais profundo desprezo.
És digno de compaixão, ó Arhat!
A cruz do corpo mental é muito grande e pesada.
Teus inimigos serão os próprios irmãos espirituais.
Eles escarnecerão e zombarão de ti, ó Arhat!
Os espiritualistas de todas as denominações te classificarão de malvado e
escarnecerão de ti, ó Arhat!
Serás caluniado, difamado e odiado por todos. Assim crucificarás tua
mente, ó Arhat!
Apolônio de Tyana passou seus últimos anos encerrado numa prisão.
Paracelso foi qualificado de amigo dos ciganos e dos verdugos pelo seu
próprio Judas. Todos os pedantes da época odiaram mortalmente ao insigne
e ilustre Felipe Auréolo Teofrasto Bombasto de Hohenheim (Auréola
Paracelso)
Esse grande sábio entregou à humanidade a sabedoria médica que somente
na Era de Aquário será aceita e compreendida pela espécie humana.
Cornélio Agrippa, aborrecido pelos homens, vagava de cidade em cidade e
todos olhavam-no com desconfiança, qualificando-o de bruxo.
Os santos de Jerusalém e os mártires da humanidade sempre foram odiados
e perseguidos.
A cruz do teu corpo mental pesa muito, ó Arhat!
Agora, és um personagem enigmático, filho meu! E os irmãos
espiritualistas te classificam de malvado, de intolerante, de tenebroso,
simplesmente porque não te compreendem, tu o sabes!
Benditos sejam os que nos amam porque nos compreendem e benditos
sejam os que nos odeiam porque não nos compreendem.

20 A MULHER
A mulher tem os mesmos direitos que o homem.
A mulher também chega a ser Adepta da Fraternidade Branca.
Joana D’Arc é uma Mestra de Mistérios Maiores da Fraternidade Branca.
H. P. Blavatsky, autora de A Doutrina Secreta, chegou ao adeptado e é uma
Mestra de Mistérios Maiores da Fraternidade Branca.
Em quase todos os Templos de Mistérios encontramos muitas
Damas-Adeptas trabalhando pela humanidade.
A mulher desperta sua serpente sagrada da mesma forma que o varão.
A mulher que quiser despertar sua Kundalini tem de praticar a magia sexual
com seu esposo.
As mulheres solteiras transmutarão por intermédio da mente, como já
ensinamos em páginas precedentes.
A alquimia sexual é a base fundamental da sabedoria do fogo.
O amor é o templo e a matriz é o matraz do laboratório sexual.
Nesse matraz da alquimia sexual, combinam-se o Sal, o Enxofre e o
Mercúrio para elaborar, mediante um processo de combustões eróticas, a
pedra filosofal do alquimista.
Na matraz sexual do nosso laboratório orgânico as explosões de fogo
passional combinam certos arcanos etéricos, astrais, mentais, da vontade,
da consciência e divinos para preparar com o fogo ardente da sede erótica
certos elementos ígneos, cujos princípios substanciais pertencem ao Íntimo.
A mulher, em estado de excitação sexual, acumula uma enorme quantidade
de fogo elemental da natureza que, ao se combinar com o magnetismo
erótico do varão, gera certos poderes cósmicos, cujas terríveis explosões
abrem as câmaras espinhais...
A ebulição dos fogos passionais do homem e da mulher, em mútua
combinação erótica, forma verdadeiras tempestades ardentes que perturbam
a atmosfera e enlouquecem os tenebrosos que formam a escolta de cada
câmara.
Essas entidades submersas assaltam o intrépido, defendendo fogos, cujos
princípios sintéticos e transcendentais estão encerrados nas 33 câmaras
internas da nossa coluna espinhal.
Os tenebrosos defendem seus direitos e classificam-nos de ladrões de
poderes.
Este é o mistério do Bafometo. A rosa elabora seu perfume do barro da
terra, e o gusano rasteiro não gosta do jardineiro que o arranca do seu barro.
Agora nossos discípulos compreenderão em que se baseiam os tenebrosos
para qualificar de ladrões aos alquimistas sexuais.
Cada câmara está fortemente defendida por legiões de tenebrosos. Há que
se vencer aos tenebrosos com o fio da espada para se tomar cada câmara de
assalto.
Agora os devotos do sendeiro entenderão porque o Cristo disse que o céu se
toma por assalto.
Esses 12 Sais Zodiacais fervem ardentemente em nossas glândulas
endócrinas durante os transes de alquimia sexual.
Esses 12 Sais encerram os princípios seminais das 12 Constelações
Zodiacais, cujos poderes ardentes atuam sobre os minúsculos laboratórios
das glândulas endócrinas, ativando-se em particular a produção de
hormônios do nosso sistema nervoso líquido.
A superexcitação de nossas glândulas endócrinas é acompanhada de
gigantescas combinações ígneas dentro de nossos chacras e essências de
nossos veículos internos.
A mulher excitada sexualmente tem o poder de transplantar os princípios
sintéticos de seus 12 Sais à laringe do varão. Assim é como esse órgão
adquire princípios hermafroditas que mais tarde dão ao Íntimo o poder de
criar através da palavra.
A combinação de princípios ígneos entre homem e mulher está também
intimamente relacionada com uma série de intercâmbios salinos que
preparam a laringe feminina como órgão criador angélico.
O fogo ardente da superexcitação sexual dá origem a enormes e gigantescas
combinações de princípios, cujo resultado sintético vem a ser a abertura das
câmaras espinhais.
Quanto mais forte seja a contenção do ato, quanto mais violenta seja sua
luta, mais potente subirão os vapores seminais, e mais terrível será à força
de ascensão da Kundalini.
A chave do domínio sexual reside na mente.
Domina-se a mente através da vontade.
Ao se refrear a violência passional, devemos açoitar a mente com terrível
látego da vontade porque a guarida da mente do desejo está na mente.
Falemos á mente assim: Mente, retira imediatamente de esta excitação
sexual.
Esta formula permite-nos retirar a intensa paixão no momento preciso de
se refrear o ato.
A união com o Íntimo torna-se possível somente com a alquimia sexual.
Se pegarmos o corpo mental de qualquer estudante pseudo-espiritualista
teorizante e examinarmos detidamente, verificamos que é uma verdadeira
biblioteca ambulante.
Se em seguida examinarmos detidamente seu chacra Muládhara – a Igreja
do Cóccix –, verificaremos que a Kundalini está completamente encerrada
ali; sem dar mostras do mais ligeiro despertar. Se examinarmos o canal
Sushumna desse estudante, não acharemos ali nem rastros do fogo sagrado.
As 33 câmaras dele estão completamente cheias de trevas.
Esse exame interno levar-nos-ia à conclusão que dito estudante está
perdendo lamentavelmente seu tempo.
O fogo sagrado desperta quando os átomos lunares e solares do nosso
sistema seminal fazem contato no osso do cóccix.
Porém, se malgastamos nossos átomos solares com a ejaculação seminal,
não há átomos solares suficientes para o contato que despertará o fogo.
O estudante poderá ter o corpo mental convertido em uma verdadeira
biblioteca, as 33 câmaras da sua coluna espinhal continuarão totalmente
apagadas e nas mais profundas trevas.
Conclusão: esse estudante é um habitante das trevas, do Abismo...
Impossível acender o fogo da Kundalini unicamente com átomos lunares do
líquido encefaloraquidiano.
Indispensável que os átomos solares do sistema seminal façam contato com
os átomos lunares do líquido encefaloraquidiano para despertar o fogo
sagrado.
Se gastarmos os átomos solares, não teremos capital para fazer uma
combinação atômica que permita o despertar da Kundalini através da
alquimia sexual.
A Kundalini é de natureza absolutamente sexual e só se a desperta através
da alquimia sexual.
Se examinarmos detidamente a constituição interna de um místico,
encontraremos um corpo da consciência, búdico, muito bonito e os éteres
lumínico e refletor do seu corpo etérico muito luminosos. Como o místico
comum e normal ejacula seu líquido seminal, quando se investiga seu
chacra Muládhara, verificamos que a Kundalini mantém-se enroscada ali,
sem dar mostras de querer despertar.
As 33 câmaras da medula espinhal do místico do nosso exemplo estarão
repletas de trevas porque ali o fogo jamais passou.
As boas obras, as obras filantrópicas, embelezarão seus éteres lumínico e
refletor. A cultura livresca dará à sua mente rica erudição, porém sua
Kundalini não despertará porque ele não penetrou nos mistérios do fogo.
Ainda que seja um homem bom e virtuoso, não passará de uma sombra boa,
bondosa, por entre o frio e as trevas do Abismo.
Alguns sustentam que a Kundalini pode ser despertada através do ioga.
Não negamos essa afirmação.
Mas, sustentamos que o autêntico iogue é totalmente casto.
Se não fosse assim, os iogues não teriam capital atômico para despertar sua
Kundalini.
Vivekananda declarou em suas conferências de Raja Ioga que o iogue deve
ser totalmente casto para converter sua força sexual em Ojas (energia
crística).
Assim é como os iogues conseguem o despertar da Kundalini e a união com
o Íntimo.
A alquimia sexual dos iogues está relacionada com os exercícios
respiratórios e com certas práticas de meditação interna que jamais foram
publicadas em nenhum livro impresso.
Se um iogue fornicasse, não teria capital atômico suficiente para acender
seus fogos espinhais; então, esse iogue perderia lamentavelmente seu
tempo.
As práticas de ioga são unicamente para aqueles que pertencem ao raio
oriental.
Nós, gnósticos, temos a mulher como sacerdotisa da Bendita Deusa Mãe do
Mundo.
Há alguns que querem chegar à união com o Íntimo sem levar a Kundalini
em consideração para nada.
Esses estudantes estão completamente desencaminhados porque a união
com o Íntimo só é possível através do fogo. Por isso, pôs-se sobre a cruz
do Mártir do Calvário a palavra INRI (IGNIS NATURA RENOVATUR
INTEGRAM: o fogo renova incessantemente a natureza).
És gnóstico? És místico? És iogue?
Lembra-te, bom discípulo, que só podes entrar no Éden pela porta por onde
saiste. Essa porta é o sexo.
Dizem que há muitos caminhos. Nós, Mestres de Mistérios Maiores da
Grande Loja Branca, afirmamos: só há uma porta para se entrar no Éden.
Essa porta é o sexo.
Aqueles que não obedecem à ordem do Senhor Jeová, aqueles que seguem
comendo a fruta proibida, são discípulos da doutrina de Baal. Para eles,
como diz a Bíblia, será o lago ardente de fogo e enxofre que é a segunda
morte.
O gnóstico deve amar intensamente a sua sacerdotisa.
A mulher deve viver sempre cheia de harmonia e deve cultivar o sentido
artístico.
Conforme o fogo sagrado vai subindo pela medula espinhal da mulher, vai
penetrando nos diversos salões do fogo e ela vai se cristificando.
A mulher deve refrear a ato sexual e retirar-se do varão antes do espasmo
para evitar a perda seminal.
Eis como a Kundalini desperta na mulher, da mesma maneira que no
homem.
O magnetismo masculino, ao misturar-se com o magnetismo feminino,
começa a despertar os fogos sagrados da mulher.
A mulher deve cultivar a beleza, a música e o amor.
Despertemos em nós a culta majestade de nossa beleza interior.
Permita-se que afirmemos a majestade de nosso saber.
Sou uma árvore solitária. Sou a árvore da vida.

21 O LEÃO DA LEI
Entraste agora na vértebra 32 da medula espinhal do teu corpo mental, ó
Arhat!
Essa é a segunda câmara santa da tua cabeça.
O fogo abrasador do Universo faisqueia agora ardentemente nessa santa
câmara do teu corpo mental.
Este é o sacrário do Leão da Lei.
Naturae santa sororera. Pariste um novo Leão da Lei no mundo da mente
cósmica.
Examina bem o casco de tua montaria e alegra-te, ó Arhat!
Um raio terrível, uma exalação espantosa, cai dos céus infinitos e faz a terra
estremecer com o trovão de suas vozes...
É o raio da justiça cósmica.
Esse raio está além da bem e do mal.
O Leão da Lei está além do bem e do mal.
O Leão da Lei conhece o bom do mau e mau do bom. Em todo o bom há
algo de mau e em todo mau há algo de bom.
O super-homem está além do bem e do mal.
A justiça é a suprema piedade e a lei a suprema impiedade.
A inteligência do super-homem é aterradora, porém o super-homem
desdenha a inteligência porque ela é tão-somente uma qualidade da Prakriti
e do Prana (a matéria e a energia).
O Íntimo está além da inteligência no reino supremo da onisciência.
O Íntimo está muito além do amor no reino supremo da felicidade.
A felicidade de Deus em um plano mais inferior se expressa como amor e o
amor é o sumo da Sabedoria.
As duas colunas da nossa fraternidade branca são o amor e a Sabedoria.
A balança da justiça cósmica tem dois pratinhos em perfeito equilíbrio.
Num desses pratinhos está a Sabedoria e no outro está o amor.
Amor e Sabedoria mantêm os pratinhos da balança cósmica em perfeito
equilíbrio.
Todo desequilíbrio da balança é castigado pelos Leões da Lei.
Filhos dos Homens! Lembrem-se que os dois pratinhos da balança cósmica
são Sabedoria e Amor.
Haveis pecado contra a Deusa Lua? Se for assim, como podeis reclamar
felicidade no amor?
Haveis pecado contra a Sabedoria? Como podeis, irmãos meus, querer estar
rodeados de felicidade?
Combate-se o Leão da Lei com a balança. Quando uma lei inferior é
transcendida por uma superior, a lei superior lava a lei inferior. Faz boas
obras para pagar tuas dívidas...
Quem tem capital para pagar, paga e se sai bem nos negócios. Quando não
se tem capital, havendo dívida nos livros, paga-se com dor.
Entra agora, ó Arhat, no santo templo da mente cósmica para receber tua
festa.
Agora é um novo Leão da Lei no mundo do entendimento cósmico.
Tua mente flameja por entre o ardente crepitar de naturae santa sororera.
A mente dos Leões do entendimento cósmico arde nas abrasadoras chamas
desta Rosa Ígnea do Universo.

22 A MESA DE JESABEL
“Mas tenho umas poucas coisas contra ti; porque permites àquela mulher
Jezabel, que se diz profetiza, ensinar e enganar a meus servos para que
forniquem e comam das coisas oferecidas aos ídolos. E dei-lhe tempo para
que se arrependesse da fornicação e não se arrependeu. Eis aqui que a lanço
na cama e aos que adulteram com ela, em grande tribulação, se não
arrependerem de suas obras. E matarei a seus filhos com morte; a todas as
igrejas saberão que sou eu que esquadrinho os rins e os corações; e darei a
cada um de vós segundo as vossas obras.” (Versículo 20 a 23. Capítulo 2.
Apocalipse).
Na mesa de Jezabel comem os profetas de Baal. Eles são magos negros.
Os profetas de Baal ensinam a fornicar misticamente e a comer coisas
oferecidas aos ídolos.
O senhor Parsival Krumm-Heller, soberano comendador da – dizem –
Ordem Rosacruz Antiqua, com sede na Alemanha, está enviando aos seus
tenebrosos discípulos um curso de magia sexual negra, na qual aconselha a
ejaculação seminal de forma mística.
Assim é como Jezabel engana a seus servos e os ensina a fornicar e a comer
teorias oferecidas aos ídolos.
Esse curso de magia sexual negativa e tenebrosa é a mesma doutrina
tântrica horrível e satânica ensinada e divulgada publicamente por todos os
profetas de Baal, que comem na mesa de Jezabel.
Com esse repugnante culto fálico, desperta-se a Kundalini negativamente e
afunda-se tenebrosamente nos próprios infernos atômicos do homem,
dando ao corpo astral a horrível e satânica aparência dos lucíferes.
A senhor Parsival Krumm-Heller traiu seu próprio pai e com o culto fálico
tenebroso foi declarado publicamente como mago negro.
“E mandou Jeová Deus aos homens dizendo: De toda árvore do jardim
comerás, mas da árvore da ciência do bem e do mal não comerás, porque do
dia que dela comeres, morrerás.” (Versículos 16 e 17. Capítulo 2. Gênese.)
Este é o mandamento do Senhor Jeová e todo aquele que viola este
mandamento é mago negro.
Todo aquele que desobedecer ao mandamento do Senhor Jeová irá para o
lago ardente de fogo e enxofre que é a segunda morte.
A segunda morte é a morte anímica. A personalidade tântrica do fornicário
separa-se da Divina Tríada e submerge num estado de consciência
demoníaca e em mundos atômicos submersos, conhecidos no oriente com o
nome de Avitchi.
Essas personalidades tântricas vão sendo desintegradas pouco a pouco,
separadas de seu Eu Superior.
“E matarei a seus filhos com morte; e todas as igrejas saberão que sou eu
que esquadrinho os rins e os corações; e darei a cada um de vós segundo as
vossas obras.
Os profetas do Baal, que comem na mesa de Jezabel, morrerão no Abismo.
Irmãos meus, escutem: Assim diz Jeová, o Senhor dos exércitos: se andares
pelos meus caminhos e se guardares meu mandamento, tu também
governarás a minha casa, tu também guardarás maus átrios e entre estes que
aqui estão te darei posto.” (Versículo 7. Capítulo 3. Zacarias.)
Irmãos meus, guardai o mandamento do Senhor Jeová. Olhai a fruta
proibida, nutri-vos com seu perfume, embriagai-vos com seu aroma, mas
não comais, pois que, para esses, para os fornicários, será o lago ardente
com fogo e enxofre, que é a segunda morte.
Trilhões de átomos solares são perdidos com a ejaculação seminal. Então,
nossos órgãos sexuais recolhem trilhões de átomos satânicos dos infernos
humanos a fim de substitui-los, os quais são absorvidos pelo corpo astral e
terminam dando-lhe aparência satânica.
A negativa teoria dos tenebrosos consiste em aproveitar os hormônios de
increção para despertar a Kundalini e, assim, conseguir poderes tântricos.
Com essa prática, despertam o aspecto negativo da serpente, a qual ao se
afundar nos próprios infernos atômicos do homem assume, no corpo astral,
aquela forma tântrica com que se representa o rabo de satã.
As glândulas sexuais não são cápsulas fechadas. Elas excretam e também
incretam hormônios.
Os profetas de Baal, que comem na mesa de Jezabel, mediante o culto
fálico, aproveitam os hormônios de increção sexual para despertar seus
poderes satânicos. Eis como essa mulher, Jezabel, que se diz profetiza,
ensina e engana meus servos a fornicar e a comer coisas oferecidas aos
ídolos.
“E dei-lhe tempo para que se arrependesse da fornicação e não se
arrependeu.
Eis aqui que lanço na cama e aos que adulteram com ela, em grande
tribulação, se não se arrependerem de suas obras.”
A mente de nossos discípulos deve se libertar dos fogos satânicos.
O tenebroso Luzbel, morador do Avitchi, leva enroscado em sua cauda
tântrica um velho pergaminho. Nele está escrita, com caracteres tenebrosos,
essa magia sexual negativa que o traidor Parsival Krumm-Heller e o
sinistro baal Omar Cherenzi Lind ensinam.
Há que se transmutar a água em vinho a fim de que a nossa serpente
metálica se levante sobre a vara, tal qual fez Moisés no deserto.
Assim é como a alma se une com o Íntimo nas abrasadoras chamas
universais.
A mente deve se tornar casta e pura por entre o augusto troar do
pensamento.
A mente não deve comer coisas oferecidas aos ídolos.
A mente não deve se deixar enganar por Jezabel.
Sê puro, irmão meu. Sê perfeito e casto em pensamento, palavra e obra.
O caminho é muito difícil, muito apertado e muito estreito porque a
castidade não agrada a ninguém.
Os espiritualistas de todas as escolas odeiam a castidade porque ela é a
porta do Éden. A eles, o Éden não lhes agrada porque comem na mesa de
Jezabel e adoram a Baal.
“Porfiai por entrar pela porta apertada, porque vos digo que muitos
procurarão entrar e não poderão.
Depois que o pai de família se levantar e fechar a porta, começareis a estar
fora e a chamar à porta, dizendo: Senhor, Senhor, abre-nos; e respondendo
vos dirá: Não vos conheço de onde sejais.
Então começareis a dizer: Diante de ti temos comido e bebido, e em nossas
praças ensinaste.
E vos dirá: Digo-vos que não conheço de onde sejais; afastai-vos de mim
todos os obreiros de iniqüidade.
Ali será o pranto e o ranger de dentes, quando virdes a Abrahão, a Isaac e a
Jacó, e a todos os obreiros profetas no reino de Deus e vós excluídos.”
(Versículos 24 a 28 do Capítulo 13. São Lucas).
Há mais de 18 milhões de anos a humanidade vem fornicando. Se o
caminho da fornicação fosse positivo, a humanidade viveria num Éden de
eternas maravilhas, não haveria fome nem guerras; os homens já seriam
anjos.
Porém, irmão meu, vê a humanidade. Há 18 milhões de anos vem
ejaculando o sêmen. Por acaso é feliz? Os homens já se tornaram anjos? A
terra já se tornou um Éden?
Se o caminho da paixão animal fosse verdadeiro, o homem já seria anjo.
Que ensinaram de novo Parsival e Cherenzi?
Ensinar os homens a ejacular o sêmen por acaso é uma coisa nova?
Em que época os homens tornaram-se os anjos fornicando?
A evolução humana fracassou precisamente por causa da ejaculação
seminal. Então, e aí?
Existiu num templo do Tibet oriental uma grande concentração de
Mahatmas, à qual assistiam todos os grandes criadores do homem.
Dos espaços infinitos, desceu um grande Filho do Fogo e falou assim:
Meus irmãos temos de reconhecer que a evolução humana fracassou. Nós,
Deuses, erramos ao criar o homem. Lá no amanhecer da vida, pretendíamos
converter essas chispas virginais em Deuses e resultaram demônios.
Depois, aquele grande ser foi enumerando, um por um, todos os profetas
que tinham sido enviados à humanidade. Foi narrando como todos eles
tinham sido perseguidos, apedrejados, envenenados e crucificados pela
espécie humana.
Terminando o discurso, aquele grande Filho da Luz se retirou do recinto.
Então, os Irmãos Maiores consultaram o Deus Sírio para tratar de resolver
esse gigantesco problema.
Não demorou vir a resposta, a qual poderia ser sintetizada nestes
versículos:
“Caída é a grande Babilônia, e é feita habitação de demônios, e guarida de
todo espírito imundo, e morada de toda ave suja e aborrecível. Porque todas
as nações beberam o vinho do furor de sua fornicação; e os reis da terra
fornicaram com ela e os mercadores da terra se enriqueceram da
abundância de suas delícias.” (Versículos 2 e 3. Capítulo18. Apocalipse).
Só um minúsculo punhado de almas poderá reencarnar na Nova Era de
Aquário.
Milhões de almas humanas, separadas do Íntimo, estão agora afundando no
tenebroso Abismo. Elas não poderão reencarnar durante a Era de Aquário.
E a grande rameira está vestida de púrpura e escarlate, e adornada de pedras
preciosas e pérolas, tem seu Cálice cheio de abominações, de sujeiras e de
fornicações.
Esta é Jezabel, em cuja mesa comem os profetas de Baal. A Jezabel
comerão os cachorros no campo de Jezrel.
Na testa de Jezabel, que se diz profetiza, está escrito este nome: Mistério, a
Grande Babilônia, a Mãe das Fornicações e das Abominações da Terra.
23 O CHACRA CORONÁRIO
Chegaste à câmara 33, ó Arhat! As três câmaras altas da cabeça ficaram
agora unidas mediante o fogo.
Um sino metálico faz estremecer todos os cantos da terra; o centro
coronário de tua glândula pineal resplandece nas abrasadoras chamas da
mente cósmica.
Tua túnica branca brilha terrivelmente no crepitar ardente das chamas
universais.
Inefáveis orquestras ressoam no templo por entre os grandes ritmos do
fogo.
A Rosa Ígnea da tua coroa mental faz resplandecer o teu rosto e as tuas
fontes nas ondulantes chamas do mundo mental.
Este é o lótus das mil pétalas. Esta é a Coroa dos Santos. Esse é o olho da
polividência. Este é o olho de diamante.
Agora, deverás, ó Arhat, ligar tua glândula pineal, mediante o fogo, com
tua glândula pituitária.
Persevera e não desanima. Joga, filho meu, tua coroa aos pés do cordeiro.
Recebeste a coroa da vida, ó Arhat.
Este trabalho já tinha realizado com a cobra ígnea do corpo físico, com a
cobra ígnea do corpo etérico e com a cobra ígnea do corpo astral.
Agora, irmão meu, realizaste este trabalho com a cobra do corpo mental.
Este é o quarto grau de poder do fogo.
Mais tarde, terás de realizar idêntico trabalho com a quinta, a sexta e a
sétima cobras.
São dois grupos de três com a coroação sublime da sétima cobra, a qual nos
une com o Uno, com a Lei e com o Pai.
Sete vezes temos de repassar nossas 33 câmaras.
Os sete graus de poder do fogo estão escalonados de forma espiral.
Ezequiel descreve os sete graus de poder do fogo e as 33 câmaras do nosso
templo assim:
“E as câmaras eram câmara sobre câmara, 33 por ordem, e entravam
saliências na parede da casa ao redor, sobre as quais as câmaras
estribassem, e não estribassem na parede da casa. E havia maior largura e
volta nas câmaras para cima; o caracol da casa subia muito alto ao redor e
por dentro da casa; portanto, a casa tinha mais largura em cima; e da
câmara baixa se subia à alta pela do meio. E olhei a altura da casa ao redor;
os cimentos das câmaras eram uma cana inteira de seis côvados de
grandeza.” (Versículos 6 a 8. Capítulo 42. Ezequiel.)
“E disse-me: as câmaras do norte e as do meio-dia, que estão diante de
tira, são câmaras santas, nas quais os sacerdotes que se aproximam de Jeová
comerão as santas oferendas; ali porão as santas oferendas, e o presente, e a
expiação, e o sacrifício pelo pecado; porque o lugar é santo.
Quando os sacerdotes entrarem, não sairão do lugar santo ao átrio de fora,
mas deixarão ali as vestes com que administram porque são santas; e
vestirão outras roupas e assim se alegrarão ao que é do povo.” (Versículos
13 e 14. Capítulo 42. Ezequiel).
Cada uma das nossas 33 vértebras da coluna espinhal possui um Deus
Atômico de imaculada beleza.
Os 33 Deuses Atômicos resplandecem agora abrasadoramente na mente do
Arhat!
As sete Rosas Ígneas da medula espinhal faisqueiam ardentemente com o
fogo abrasador de teu canal medular, ó Arhat.

24 AS SETE ROSAS ÍGNEAS DA
CANA
Nossa coluna espinhal tem sete Rosas Ígneas.
Essas sete Rosas Ígneas entram em atividade com o fogo sagrado do canal
de Sushumna.
O fogo sagrado é gerado quando os átomos solares e lunares dos nossos
cordões ganglionares fazem contato.
Esses dois cordões simpáticos são chamados no Oriente de Ida e Pingala.
Ida e Pingala estendem-se ao longo da superfície curva da nossa medula
espinhal, onde está o canal de Sushumna.
Esses cordões simpáticos são as nossas duas testemunhas, nossas duas
olivas e os dois candelabros que estão diante do Deus da Terra.
Esses dois cordões surgem do centro sacro, chamado triveni da medula
oblonga.
Quando os átomos solares e lunares desses dois cordões fazem contato no
sacro, desperta o fogo sagrado e entra em atividade no triveni o Muládhara,
que é a igreja do cóccix, o qual tem o poder de abrir o chacra Prostático ou
Fundamental.
A coluna vertebral é chamada pelos hindus de Brahamarandra ou bastão de
Brahama. Ela também é simbolizada pela cana de bambu de sete nós que os
iogues da índia carregam.
O canal de Sushumna, junto com os dois cordões simpáticos, é simbolizado
por uma cana de três nós que os iogues transimalaicos, que se reúnem
constantemente no Lago Mansoravara, usam, por isso são chamados de
tridandines; isso representa ainda o símbolo Brahmânico dos três ares vitais
do akasha puro.
O cordão ganglionar da direita corresponde à narina direita e o cordão
ganglionar da esquerda pertence à narina esquerda.
O cordão ganglionar da direita é solar, positivo, e o cordão ganglionar da
esquerda é lunar, negativo.
Quando os átomos solares e lunares do cordão Brahmânico fazem contato
no centro sacro triveni, entra em atividade o Kundalini que abre passagem
até o brahamarandra, que é a fontanela frontal dos recém-nascidos, indo
brilhar resplandecente no entrecenho, pescoço e coração.
A primeira serpente, que corresponde ao corpo físico, chega somente até o
brahamarandra para brilhar com esplendor no chacra frontal. Esse centro
tem 96 raios.
A segunda serpente, que corresponde ao corpo etérico, chega somente até o
entrecenho.
Porém, as outras cinco cobras terão de ir inevitavelmente até o coração.
A segunda Rosa da nossa coluna espinhal abre o plexo solar. Esse centro
tem dez raios: cinco ativos e cinco passivos.
No entanto, o fogo sagrado põe a todos em completa atividade.
O cérebro e o coração resplandecem completamente com o fogo da
Kundalini.
A setenária atuação do fogo sagrado na glândula pineal deixa seu reflexo na
aura do coração, pondo em ação os sete centros cardíacos.
O terceiro centro entra em completa atividade quando a Kundalini acende a
terceira Rosa Ígnea.
O chacra do coração tem 12 pétalas.
A quarta Rosa Ígnea abre-nos as asas ígneas que está intimamente
relacionada com o tato.
A quinta Rosa Ígnea abre-nos o chacra da tireóide, relacionado com o
ouvido oculto. Esse chacra tem 16 pétalas.
A sexta Rosa Ígnea pertence à vértebra 32 da nossa coluna espinhal. Ela é a
segunda câmara alta da cabeça e abre o chacra frontal, que nos dá a
clarividência.
Esse centro tem 96 raios e com o fogo sagrado resplandece no entrecenho.
Esse chacra frontal é o órgão da visão no plano psíquico.
Tal órgão situa-se na glândula pituitária, a qual tem sete tipos de
hormônios.
A sétima Rosa Ígnea corresponde à glândula pineal.
O corpo pituitário é tão-somente o instrumento ou porta-luz da glândula
pineal.
Na mulher, a glândula se corresponde com o útero e seus pedúnculos com
as trompas de falópio.
No varão, a glândula pineal está intimamente relacionada com as glândulas
sexuais.
Agora, explicamos porque esse chacra não pode entrar em atividade nos
fornicários.
Todo desgaste sexual reflete-se na glândula pineal.
Toda a majestade de Deus expressa-se na sétima Rosa Ígnea.
Essa sétima Rosa Ígnea é a coroa dos santos e tem mil pétalas de
indescritível esplendor.
Nosso cérebro tem sete cavidades e nosso coração tem também sete
centros.
Essas sete atividades do nosso cérebro correspondem às sete escalas
harmonias divinas e estão ocupadas pelo akasha puro...
O homem psíquico, mental, mora na cabeça com seus sete portais e no
coração reside Atma-Budhi-Manas, o homem celeste.
Temos de unir a mente com o coração através do fogo.
O Cálice e o coração devem se manter em um perfeito equilíbrio e isso
somente é possível com a união da cabeça com o coração através do fogo.
As circunvoluções cerebrais foram formadas pela armadura argentada do
corpo mental.
O terceiro ventrículo do cérebro está cheio de luz e essa luz torna-se
realmente esplendoRosa com o fogo sagrado do Kundalini.
A sexta cavidade pertence à glândula pineal.
A glândula pineal ou centro coronário é um corpo oblongo, arredondado, de
oito a seis milímetros de largura. Possui uma cor escura, cinza, ligeiramente
avermelhada, e está ligada à parte posterior do terceiro ventrículo do
cérebro.
Tem em sua base duas finíssimas e bonitas fibras medulares que se dirigem
divergentemente para os tálamos óticos.
O corpo pituitário está ligado à glândula pineal por um canalzinho capilar,
sumamente fino, já desaparecido nos cadáveres.
A glândula pineal está rodeada por uma areiazinha muito fina.
Essa areiazinha é o acerbulus cerebri, a concreção do corpo mental e o
eficiente instrumento da mente.
Os sete chacras capitais, que governam os sete plexos, moram na cabeça.
Quando o corpo mental já está completamente cristificado pela quarta
cobra, converte-se num eficiente instrumento para o Íntimo.
O Real Ser utiliza a mente como elemento de regulagem e controle dos sete
plexos astrais.
A mente controla seus plexos através dos sete chacras capitais do cérebro.
O plexo solar é nosso cérebro emocional e quando entra em atividade
desperta os plexos hepático e esplênico.
O coração representa a nossa trindade divina; o plexo esplênico e hepático
representam nosso quaternário inferior e o plexo solar é esotericamente o
cérebro do estômago. Esotericamente colocamos Saturno nele, que é o Sol
de nosso organismo.
Os espiritualistas de todas as escolas estudaram os chacras astrais, porém
jamais lhes ocorreu estudar os sete candeeiros do corpo mental, os quais
resplandecem no fogo do Arhat.
Nossos chacras são sétuplos em sua constituição, da mesma forma que
nossa sagrada cobra e nosso cordão Brahmânico.
As sete Rosas Ígneas da nossa medula espinhal também são sétuplas em
sua constituição interna.
Nosso cérebro tem sete cavidades e nosso coração tem também sete centros
divinos.
O fogo sagrado entra em atividade quando os átomos solares e lunares do
cordão Brahmânico fazem contato no triveni. Esse contato somente é
possível para quem pratica a magia sexual intensamente com a sacerdotisa
ou através do sacrifício de uma abstenção sexual total e definitiva. (*)
Os mantras mais poderosos que se conhece em todo o infinito para se
despertar o fogo sagrado são estes: KANDIL BANDIL RRRRRRR...
Vocalizam-se estes poderosos mantras em forma de canto, assim: KAM
em voz alta, DIL em voz baixa. BAM em voz alta, DIL em voz baixa, e a
letra R pronuncia-se de forma alongada e aguda, como imitando o som
produzido pelos guisos da serpente cascavel.
A primeira Rosa Ígnea da nossa coluna espinhal corresponde aos órgãos de
reprodução da raça e à respiração.
A segunda Rosa Ígnea corresponde ao sentido do gosto. A terceira Rosa
Ígnea corresponde ao coração. A quarta Rosa Ígnea corresponde às asas. A
quinta, ao ouvido. A sexta, ao sentido da visão e a sétima Rosa Ígnea
corresponde ao olho de diamante, o olho de Brahma, chacra coronário ou
centro da polividência, o qual nos permite ver em todos os planos de
consciência.
Todos os nossos sentidos estão intimamente relacionados com os Tattwas e
com as diferentes esferas, ou planos de consciência cósmica, que se
expressam por intermédio das sete Rosas Ígneas da coluna espinhal.
O despertar dessas sete Rosas Ígneas dá-nos acesso aos planos superlativos
da consciência cósmica.
A ascensão realiza-se em espiral através dos sete graus de poder do fogo.
O fogo sagrado abre as avenidas da verdade.
O sentido do tato pertence à quarta Rosa Ígnea, que nos dá as asas eternas,
as quais permitem que remontemos de esfera em esfera até os planos de
consciência superlativa, onde reina somente a felicidade do Ser.
25 A CANA DO TEU CORPO
MENTAL
A cobra do teu corpo mental chegou agora ao Brahamarandra, o sagrado
centro da fontanela frontal das crianças recém-nascidas.
Ali está o orifício superior da tua cana, ó Arhat!
Esse orifício permanece fechado nas pessoas comuns e vulgares, porém o
Mestre o abre com o fogo.
Recebe a cana simbólica do teu corpo mental, ó Arhat.
O fogo sagrado abriu passagem através de seu crânio e agora sai para fora,
para a atmosfera circundante, como fogueira de chamas que faisqueiam
ardentemente.
Brilhas no mundo da mente como um sol esplendoroso, ó Arhat!
Tu te tornaste uma chama ardente no mundo da mente cósmica.
Uma música inefável ressoa pelo templo. Recebe teu ramalhete de flores, ó
Arhat!
Tu te tornaste uma chama ardente no mundo da mente cósmica.
Uma música inefável ressoa pelo templo. Recebe teu ramalhete de flores, ó
Arhat!
Um trem afasta-se velozmente arrastado por uma locomotiva ardente,
vermelha como o fogo abrasador do espaço...
Entende, filho meu, o símbolo.
Terás de arrastar um trem muito pesado com o fogo abrasador da tua mente
que flameja...
Terás de arrastar, filho meu, esse trem da evolução humana sobre os trilhos
espirais da vida até levá-la ao reino do Pai.
MASICULA e PASICULO, assim transformas os homens.
O fogo a tudo transforma, porém o homem não pode possuir a vida se não é
partícipe da GNOSE.
A mente do Arhat resplandece nas chamas abrasadoras de mahat, quando o
fogo sagrado sai por Brahmarandra.
O Ovo Áurico brilha com o fogo terrível do Arhat.
Nesse Ovo Áurico conserva-se o aroma das nossas inumeráveis
personalidades que tivemos através desta roda de nascimentos e mortes.
Todas essas personalidades morreram, mas seu aroma ficou injetado na
árvore da vida (o Íntimo) e no Ovo Áurico.
Não são as personalidades humanas que se reencarnam, mas o Íntimo, a
divina tríada, a árvore da vida, na qual se enxerta o aroma de suas folhas
passageiras. (As personalidades passageiras.)
O Ovo Áurico é a armadura protetora que protege os nossos veículos
internos. Ele é a aura do Íntimo.
O Ovo Áurico está elaborado com a mesma substância do Íntimo e agora
resplandece com o fogo do Arhat.
Com os sete graus de poder do fogo sintetiza-se toda a Sabedoria e toda a
onisciência dos Sete Cosmocratores.
Agora deves unir completamente a tua glândula pineal com a tua glândula
pituitária através do fogo...
As nossas dívidas cármicas estão registradas no Ovo Áurico.
O Íntimo é um verdadeiro cordeiro imolado que tem de pegar o Carma de
cada uma de suas personalidades passageiras.
As personalidades tântricas tenebrosas separam-se totalmente do Íntimo e
afundam no Avitchi sem ter podido enxertar seu aroma na árvore da vida,
na divina tríada reencarnante.
Nesses casos, a tríada eterna tem de se revestir de uma nova personalidade
para continuar sua evolução cósmica, enquanto sua ex-personalidade
tântrica vai se desintegrando pouco a pouco no Avitchi.
Nesses instantes, a evolução humana está fracassada e a maior parte das
personalidades humanas já está separada do Íntimo.
Na Idade de Aquário, só poderão reencarnar aqueles Íntimos que não
tenham perdido sua personalidade.
Os outros, os fracassados, deverão aguardar nos mundos internos até que
passe a luminosa Era de Aquário. Na Era de Capricórnio, essas
personalidades tenebrosas serão brindadas com a última oportunidade.
O amanhecer da Era de Sagitário será definitivo para os Íntimos que
tenham conseguido dominar as suas personalidades rebeldes. Poderão
assimilar seus aromas, seus extratos anímicos, para continuar a sua
evolução cósmica através da roda de nascimentos e mortes.
Os fracassados perderão totalmente sua personalidade tântrica e depois de
se revestirem de nova personalidade, continuarão sua evolução cósmica
como retardados.
As ex-personalidades tântricas desses retardados, separadas de seu “Eu
superior”, irão se desintegrando pouco a pouco no Avitchi.
Nossa tríada reencarnante está formada por Atma-Budhi-Manas. Ela é a
tríada eterna e indestrutível.
Este é o Íntimo com suas duas almas gêmeas: a divina e a humana.
Este é o AOM dentro de nós.
As personalidades terrestres são como as folhas desta maravilhosa árvore
chamada vida.
O fogo sagrado do Arhat permite que estude todos os grandes mistérios do
fogo na Rosa Ígnea do Universo.
Tudo o que dissemos sobre o Avitchi neste capítulo podemos sintetizar com
os seguintes versículos da Bíblia:
“O que semeia a boa semente é o Filho do Homem.
E o campo é o mundo; e a boa semente são os filhos do reino; e o joio são
os filhos do mal. E o inimigo que o semeou é o diabo; e a ceifa é o fim do
mundo; e os ceifadores são os anjos. Da maneira como é colhidos o joio e
queimado no fogo, assim será no fim deste século. O Filho do Homem
enviará seus anjos e colherão de seu reino todos os escândalos; e os que
praticam iniqüidade. E os lançarão na fornalha de fogo; ali será o pranto e o
ranger de dentes.
Então, os justos resplandecerão como o sol no reino de seu Pai: quem tem
ouvidos para ouvir, ouça.” (Versículos 37 a 43. Capítulo 13. Mateus.)

26 ADIVINHOS E PROFETAS
“Porque as imagens têm falado vaidade e os adivinhos têm visto mentira; e
têm falado sonhos vãos; em vão consolam: Por isso eles se foram como
ovelhas e foram humilhados porque não tiveram pastor.” (Versículo 2.
Capítulo 10. Zacarias).
Temos de fazer uma separação entre adivinhos e profetas.
Eliphas Levi diz o seguinte: Adivinho vem da palavra divinaris, divinus,
que significa exercer a divindade. Contudo, o abade Alfonse Louis
Constant esqueceu-se do prefixo a que precede a palavra divino.
A gramática diz o seguinte: a = preposição que denota separação,
afastamento. Por exemplo: Teo significa Deus, porém quando antepomos o
prefixo “a”, formamos a palavra ateu, com qual denominamos àqueles que
não crêem em Deus. Portanto, adivinho significa precisamente o contrário
de divino, isto é, o diabólico. Da mesma forma como apolítico identifica
um sujeito não político.
Se lermos cuidadosamente a Bíblia, não encontraremos uma única palavra a
favor dos adivinhos.
Quando o rei Nabucodonosor mandou chamar astrólogos, magos, adivinhos
e encantadores para que adivinhassem seu sonho da estátua, não houve um
único adivinho que revelasse ao rei aquele arcano. Apenas um profeta de
Deus respondeu diante do rei dizendo: “O mistério que o rei demanda, nem
sábios, nem astrólogos, nem magos, nem adivinhos, o podem explicar ao
rei. Mas há um Deus nos céus, o qual revela os mistérios, e Ele faz saber ao
rei Nabucodonosor o que haverá de acontecer ao cabo de dias”.
Isto é textual do segundo capítulo do livro de Daniel e convida a meditar.
Daniel, o profeta do Deus vivo, foi o único que pôde revelar o sonho de
Nabucodonosor.
Os adivinhos são videntes tenebrosos, magos negros.
Os adivinhos vêem as imagens do Abismo e sonham coisas do Abismo com
as quais prognosticam acontecimentos que podem falhar, já que nem
sempre se cristalizam no mundo físico as imagens tenebrosas do Abismo.
As tenebrosas cenas do Abismo são realmente do Abismo, porém nem
sempre se cristalizam no mundo físico.
Os profetas são os videntes da luz, varões de Deus iluminados pelo Espírito
Santo. Seus prognósticos são exatos porque as glândulas pineal e pituitária
estão totalmente iluminadas pelo fogo sagrado.
Os chelas da Fraternidade Branca são aprendizes, são discípulos dos
profetas e por isso podem servir de mensageiros dos profetas e falar a
palavra dos santos Mestres aos homens.
Para alguém ser profeta precisa receber o Espírito Santo.
Porém, os discípulos da Loja Branca são mensageiros dos profetas e
discípulos dos profetas.
Os sonhos vãos são do Abismo...
Os sonhos da luz são da luz...
Entre os profetas há hierarquias...
A iluminação vai-se verificando pouco a pouco porque a NATUREZA
NÃO DÁ SALTOS. Em tudo há graus e graus, escalas e escalas...
Existe o vidente do vidente e o profeta do profeta.
O vidente do vidente é o Íntimo e o profeta do profeta é o Íntimo.
As visões luminosas dos nossos discípulos vêm das hierarquias brancas.
Não obstante, se nossos discípulos se entregam ao ato de fornicar e
escolhem o caminho negro, afastam-se do caminho dos profetas e
tornam-se adivinhos.
Seus sonhos tornam-se sonhos do Abismo, sonhos vãos, e seus
prognósticos tenebrosos falharão lamentavelmente, produzindo entre eles
confusão e vergonha.
Os profetas são mestres da Venerável Loja Branca.
Os adivinhos são magos negros, videntes tenebrosos, profetas de Baal que
comem na mesa de Jezabel e ensinam a fornicar e a comer coisas oferecidas
aos ídolos.
Nossos discípulos devem seguir a senda da perfeição, devem ser puros,
puros, puros, para que o cristal puríssimo de sua imaginação seja um
espelho perfeito, onde as preciosas imagens do fogo universal possam se
refletir.
Todos os pensamentos impuros, os ódios, as invejas, os ciúmes, as
maldades, etc., empapam o puríssimo cristal da clarividência e convertem
os discípulos em videntes das sombras, em adivinhos.
27 A ÁRVORE DA CIÊNCIA DO BEM
E DO MAL
E disse Jeová Deus: “Eis aqui o homem é como um de nós, conhecendo o
bem e mal; agora, pois, para que não estenda a mão e tome também da
árvore da vida, e coma, e viva para sempre. E tirou-o do jardim do Éden
para que lavrasse a terra da qual fora tomado. Lançou, pois, fora o homem e
pôs ao oriente do jardim o Éden querubins, e uma espada inflamada que se
revolvia por todos os lados para guardar o caminho da árvore da vida”.
(Versículos 22 a 24. Capítulo 3 do Gênese.)
Filhinho meu, já comeste da árvore da ciência do bem e do mal e
conheceste seu fruto doce na boca e amargo no ventre.
Já soubeste, irmão meu, o que é a alegria de ter um filho e a dor de
perdê-lo. Gozaste todos os prazeres da raça, te revolveste como o porco no
lodo da terra e bebeste de todas as taças tentadoras.
Agora, filho meu, quebra a taça da fornicação para que voltes ao Éden
conhecendo o bem e o mal, como um de nós.
Há 18 milhões de anos vens comendo o fruto proibido, já conheces o sabor
desse fruto, irmão meu, e já adquiriste conhecimento do bem e do mal às
custas de tanta amargura.
Resolve-te a não mais comer dessa árvore proibida para que entres no
Éden, de onde saíste...
Ali comerás dessa outra árvore do Éden, chamada árvore da vida; viverás
para sempre e rios de água pura verterão do teu ventre...
Já sofreste demais, filho meu, és um habitante do vale da amargura. Com o
suor do teu rosto comeste o pão da terra e cardos e espinhos feriram tuas
carnes.
Não comas desse fruto doloroso, filho meu. Agora, entra no Éden pela
porta por onde saíste... Conheces já o bem e o mal, quebra rebelde a taça e
entra, meu filho, entra... És um de nós; conheces o bem e o mal.
Não tentes, irmão meu, derrubar ou pular os muros do Éden porque só
podes entrar no paraíso pela porta por onde saíste.
O homem saiu do paraíso pela porta do sexo e apenas por essa porta pode
retornar ao paraíso.
O Éden é o próprio sexo e no Éden só podemos entrar por onde saímos.
Inutilmente tratarão os homens vãos de assaltar os muros do Éden...
No paraíso só se pode entrar pela porta por onde se saiu... Essa porta é o
sexo.
Inutilmente os espiritualistas teóricos, fornicários, e demais profetas de
Baal, que comem na mesa de Jezabel, tratarão de derrubar os muros.
Já conheceste, filho meu, o grego e o romano. Tomaste parte em todos os
êxodos bíblicos e os austeros sacerdotes de todas as religiões da terra
apenas te brindaram com o consolo de um dia...
Vestiste cilícios, fizeste jejuns e penitências... E os pórticos de todos os
templos de todas as religiões da terra apenas puderam consolar teu dolorido
coração, porém o aguilhão do tempo te despertou para as duras asperezas
da existência e não pudeste encontrar em teu caminho nenhum viandante
que pudesse te consolar. Católico ou protestante, muçulmano ou budista;
são folhas murchas em teu dolorido coração.
Foste varão, foste mulher, e tiveste adoradores ao pé de tua janela...
Gozaste de orgias e banquetes... De festins e algazarras...
Foste mendiga, humilde esmoleira, anciã desvalida e os mercadores
expulsaram-te de suas tendas com os pés.
Foste grande matrona entre perfumes, ouro e sedas; cada vez que a morte te
visitou, viste a vaidade das coisas passageiras.
Recorda teu primeiro amor... Lembra-te de onde saíste e entra pela porta
do Éden, irmão meu.
A porta do Éden é o sexo... Por essa porta saíste, quando o Senhor Jeová te
expulsou por teres desobedecido seu mandato.
Obedece agora, filho meu, e entra.
“Ó Líbano, abre tuas portas e queime em fogo teus cedros.” (Versículo 1.
Capítulo 11. Zacarias.)
“Assim diz Jeová, Senhor dos exércitos: Se andares pelos meus caminhos e
guardares meus ensinamentos, também tu governarás a minha casa,
também tu guardarás os meus átrios, e entres estes que aqui estão te darei
posto.” (Versículo 7. Capítulo 2. Zacarias.)
28 A CLARIVIDÊNCIA
Já explicamos em capítulos anteriores o que é a divina clarividência.
Entre os clarividentes há graus e graus, escalas e escalas, porque a
iluminação vai se realizando por graus... Pouco a pouco...
Há que se diferenciar entre a clarividência dos discípulos e a clarividência
dos mestres.
Quando um mestre fez subir sua primeira serpente até o entrecenho, seu
corpo búdico recebe a clarividência búdica. Então, resplandece sobre o
entrecenho do seu corpo búdico uma estrela de cinco pontas que irradia
uma luz branca e resplandecente.
Quando o Mestre levou sua segunda serpente até o entrecenho, abre-se o
chacra frontal do corpo etérico, torna-se clarividente no mundo etérico.
Quando um Mestre faz chegar sua terceira serpente ao chacra frontal do
corpo astral, torna-se clarividente no mundo astral.
Quando o Mestre faz chegar sua quarta serpente ao chacra frontal do corpo
mental, torna-se clarividente no mundo mental e assim sucessivamente,
com os sete graus de poder do fogo.
Porém, os discípulos podem fazer rodar seus chacras e fazerem-se
clarividentes...
Assim é como os discípulos preparam-se para o advento do fogo...
Porém, por mais potente que seja a clarividência de um discípulo, se
comparada ao esplendor do chacra frontal de um Mestre de Mistérios
Maiores, parece uma mísera vela diante da luz esplendorosa do sol.
O fogo sagrado do teu corpo mental abriu passagem até o chacra frontal da
tua mente, ó Arhat!
Venceste as trevas, venceste os tenebrosos; a porta do teu chacra frontal se
abre...
Por ali, sai agora a pomba branca do Espírito Santo por entre as chamas
abrasadoras do fogo que flameja.
Recebes agora uma pedrinha de cor marrom... Receba-a irmão... És agora
um clarividente de Mahat...
Entra no templo, irmão meu, para celebrar a festa...
Agora, filho meu, precisas unir a mente e o coração através do fogo.
O coração e a cabeça devem caminhar em perfeito equilíbrio. O coração e a
cabeça devem caminhar equilibrados. O coração e a cabeça devem
caminhar em perfeita harmonia e isso só é possível com a união do coração
com a cabeça mediante o fogo.
Do entrecenho ao coração há uma avenida, há um caminho e certas câmaras
secretas por onde o fogo deve passar.
É impossível que o coração e a mente possam se harmonizar e se equilibrar
sem o poder do fogo.
A cabeça e o coração unem-se somente através do fogo da Kundalini.
O fogo liga a mente com a divina tríada que mora no coração.
A mente nos dá o pão da Sabedoria quando se liga com o coração através
do fogo...
O homem mental mora na cabeça e o homem celeste mora no coração.
Há que se unir o homem mental com o homem celeste por intermédio do
fogo.
A Kundalini une a mente ao coração.
Os intelectuais são seres moralmente depravados por que somente se
movimentam sob direção do Guardião do Umbral do corpo mental sem
escutar a voz do homem celeste que mora no coração.
A mente deve se converter em um instrumento do coração.
Precisamos aprender a pensar com o coração.
A mente precisa fluir deliciosamente com o delicado sentimento do
coração.
A mente precisa se tornar amorosa e simples...
A Sabedoria do coração ilumina a mente...
A Sabedoria do coração deposita-se no Cálice da mente com o sangue
redentor.
A mente do Arhat está simbolizada pelo Santo Graal.
O amor do coração é o sumo da Sabedoria.
29 O CAMPO MAGNÉTICO DA RAIZ
DO NARIZ
A primeira câmara do caminho ígneo, que vai do entrecenho ao coração,
está na raiz do nariz.
Bate fortemente nas portas dessa câmara, ó Arhat!
Sutis tentações te assaltam no mundo do entendimento cósmico.
Riquezas te são oferecidas, em oportunidades eróticas, com fins sublimes...
Permanece alerta como a sentinela em tempo de guerra porque essas provas
sutis são perigosas, ó Arhat!
Na raiz do nariz existe um campo magnético onde os átomos solares e
lunares do nosso sistema seminal fazem contato.
Esse contato só é possível através da magia sexual, já que as narinas estão
intimamente relacionadas com a igreja do cóccix pelos dois cordões
ganglionares da nossa medula espinhal.
Os iogues da Índia, através do Pranayama e da Castidade, conseguem esse
contato dos átomos lunares e solares na raiz do nariz e no Muládhara.
O Akasha puro circula pelo canal de Sushumna e suas duas correntes, solar
e lunar, fazem contato no campo magnético do nariz, quando praticamos a
magia sexual intensamente.
Esses são os três ares vitais do cordão brahmânico.
O Íntimo governa esses três ares vitais por meio do poder da vontade.
Os canais, solar e lunar, devem estar completamente puros para que as
correntes solar e lunar possam circular livremente pelos cordões
ganglionares e para que o Akasha puro do canal de Sushumna possa fluir
livremente pela coluna espinhal.
Por este motivo, tanto os gnósticos quanto os iogues e os místicos ficam
proibidos de fornicar.
Os três ares vitais, revigorados pelo poder da vontade, convertem os
homens santos e castos em magos brancos e os fornicários em magos
negros.
Durante o transe sexual, nossa substância seminal desce de sua bolsa
correspondente... Ao ser derramada essa substância seminal, perdemos
milhões de átomos solares crísticos que em seguida, através do movimento
de contração genital, substituímos por milhões de átomos demoníacos que
entram no cordão Brahmânico. Se, mediante a vontade, revigoramos os três
ares vitais do akasha puro, a mistura de akasha com os átomos recolhidos
dos infernos do homem, terminam despertando a serpente luciférica,
negativa e demoníaca.
Com o despertar dos poderes tântricos, o quaternário inferior termina
divorciando-se da divina tríada e convertendo-se num perverso demônio
do Abismo.
Essa separação realiza-se quando se rompe a ponte chamada Antakarana, a
qual liga o quaternário inferior à divina tríada.
O Antakarana corresponde-se com o cordão umbilical do feto.
Com a tenebrosa e negativa magia sexual do mago negro Omar Cherenzi
Lind e do traidor Parsival Krumm-Heller fortificam-se os três ares vitais
que, ao se misturarem em seguida com os átomos satânicos recolhidos dos
órgãos sexuais, após a ejaculação tântrica, despertam a Serpente Ígnea
negativamente.
Eis como os discípulos de Cherenzi e os discípulos do traidor Parsival
separam-se da divina tríada e se convertem em perversos demônios.
A partir de Sushumna, Ida e Pingala estabelece-se um movimento de
circulação akáshica que flui por todo o corpo.
O campo magnético do nariz é um campo de batalha e um posto de
vigilância.
Os átomos defensores do organismo têm ali seus postos de vigilância para
impedir a entrada de átomos indolentes e malignos, os quais produzem
enfermidades.
Os átomos transformativos e os átomos aspirantes do nosso organismo
entram por esse campo magnético para por-se a serviço do Átomo Nous do
coração.
Todo o processo das grandes Iniciações realiza-se nas ardentes câmaras
secretas do canal de Sushumna.
As quatro grandes Iniciações de Mistérios Maiores são: Srotapanna,
Sakridagamin, Anagamine Arhan. Esses são os quatro sendeiros que
conduzem ao Nirvana.
Porém, o Arhan, ainda que seja um Adepto, deve ainda levantar sua quinta,
sexta e sétima serpentes da sua divina e eterna tríada para converter-se
num Arhat da Névoa do Fogo.
Essas são as sete grandes Iniciações de Mistérios Maiores.
São sete as serpentes que devemos levantar praticando magia sexual
intensamente com a mulher ou através de uma abstenção sexual total e
definitiva, tais como a daqueles iogues autênticos que seguem a senda da
perfeição ou como a dos místicos sublimes: Ramakrishna, Francisco de
Assis ou Antônio de Pádua.(*)
Os mestres da sétima escala ardente estão a tão-somente um passo da raiz
fundamental de sua hierarquia.
Essa raiz fundamental da Hierarquia Branca acha-se encerrada no
“baniano” humano.
Esse ser maravilhoso é o Mestre dos Mestres da Grande Loja Branca: Sanat
Kumará, o fundador do Colégio de Iniciados da Fraternidade Branca
Universal.
Ele é um dos Quatros Tronos dos quais a Bíblia fala.
Esse grande ser desceu ao nosso planeta no princípio da época lemuriana,
antes da separação dos sexos, para fundar o Colégio de Iniciados da grande
hierarquia. Ele está encarnado em corpo físico desde esse passado
longínquo sem que a morte tenha qualquer poder sobre ele. Vive na Ásia.
O Arhan que chega ao mundo da Névoa de Fogo está a um passo das oitava
e nona Iniciações; RAIZ BÁSICA da hierarquia.
Chega-se a estas alturas praticando-se a magia sexual ou jurando-se
abstenção total e definitiva. Em ambos casos, trilhando a senda da
santidade perfeita. (*)
O Carma não é obstáculo. Podemos pagar nossas dívidas com o sacrifício,
até a última gota se sangue, em favor dos seres humanos que povoam a face
da Terra.
“Eis aqui, bem-aventurado é o homem a quem Deus castiga. Portanto, não
menosprezes a correção do Todo-Poderoso.” (Versículo 17. Capítulo 5.
Livro de Jó.)
Quem tem capital para pagar, paga e se sai bem nos negócios.
Faz boas obras para pagar tuas dívidas.
Quando uma lei inferior é transcendida por uma lei superior, a lei superior
lava a lei inferior.
Combate-se o Leão com a balança.
Assim, pois, o homem pode romper suas cadeias à hora que quiser, subir as
sete escadas ardentes e tornar-se um Dragão de Sabedoria na Névoa do
Fogo...
O átomo primordial ANU é o átomo mais puro que entra pelo campo
magnético do nariz e do chacra Muládhara.
Fohat seleciona os átomos que irão entrar pelas nossas narinas.
Fohat combina os diferentes elementos atômicos para as nossas finalidades
divinas.
Cada ser humano possui seu Fohat próprio, cada mundo cósmico possui seu
Fohat próprio e a soma total de todos os Fohats constitui um Fohat
universal, o fogo universal da vida, cujas chamas inteligentes combinam os
elementos atômicos do espaço para fecundar a matéria caótica.
A Mãe dorme, ainda que esteja sempre respirando.
Cada átomo do cosmo está condenado a incessantes diferenciações. Apenas
ANU não admite diferenciações.
O alento do Pai-Mãe sai frio e radiante, esquenta-se e corrompe-se, para
de novo esfriar-se e ser purificado no eterno seio do espaço infinito.
Tudo respira. Tudo flui e reflui, exala e absorve.
Todo fenômeno de respiração fundamenta-se na respiração do Absoluto.
O Absoluto exala e absorve.
Cada exalação do Absoluto é um Dia Cósmico e cada inalação do Absoluto
é uma Noite Cósmica.
Quando o coração do nosso sistema solar começou a palpitar, depois da
grande Noite Cósmica, ficou repetindo a exalação e absorção do Absoluto
dentro de seus sete centros Laya, cujas massas caóticas foram fecundadas
por Fohat para que do caos emanassem os sete mundos do nosso sistema
solar.
Essa respiração do Absoluto repete-se no átomo, na formiga, na águia e no
homem.
Tudo flui e reflui tudo vai e vem. Tudo pulsa e repulsa com o ritmo da
respiração divina.
Durante as primeiras dinastias dos faraós do velho Egito, eu recebi a chave
da magia sexual num salão sagrado de uma velha pirâmide calcinada pelo
sol do deserto.
O Mestre, vestido com sua túnica branca, estava de pé junto a um vástago
vertical que representava simbolicamente o falo.
Com essa voz sóbria e austera dos velhos hierofantes, instruía-me sobre os
grandes mistérios do sexo.
Sentado em uma grande cadeira, escutava atentamente ao hierofante...
Depois, dirigindo seus olhos penetrantes para mim, com voz régia e
autoritária, disse: Descobre o che-che-re. Eu descobri então meu órgão
sexual e o Mestre, de lábios a ouvido, comunicou-me indizível segredo do
Grande Arcano, o qual consiste na união sexual com a mulher, retirando-se
dela sem ejacular o sêmen, isto é, refreando o ato. Logo depois, pratiquei
meu primeiro culto de magia sexual com a sacerdotisa sob a direção do
hierofante.
Isto é maravilhoso, exclamei.
Aquele que violava o segredo indizível do Grande Arcano era condenado à
pena de morte. Cortava-se a sua cabeça, arrancava-se o seu coração e suas
cinzas era lançadas aos quatro ventos.
Ao não se derramar o sêmen, o desejo refreado faz com que nossa energia
seminal suba cheia de bilhões de átomos crísticos, os quais iluminam com a
sua luz e esplendor aos três canais por onde circula o Akasha puro.
A mistura dos átomos crísticos, resultantes do nosso sêmen transmutado em
energia, ao combinar-se com o Akasha puro, desperta a Kundalini
positivamente, a qual abre passagem para cima, para o Brahmarandra,
através das 33 câmaras da nossa coluna espinhal. Eis como se consegue o
Adeptado.
Eduquei-me aos pés dos grandes hierofantes das pirâmides e conheci a
antiga Sabedoria dos velhos sábios dos templos de mistérios...
Por isso, quando hoje em dia vejo a esses homenzinhos do século 20
fornicando misticamente, não posso deixar de sentir infinita piedade por
eles...
O alento Akáshico entra pelas nossas narinas e desce pelo nosso cordão
Brahmânico.
Quando o Akasha é reforçado pela nossa vontade e pela vontade das
hierarquias cósmicas, desce de cima, do céu de Urânia, e precipita-se nas
profundezas da nossa cana, produzindo o sibilante som S... Sssssss...
Ao chocar-se com o alento Akáshico com as correntes solar e lunar e com
os átomos crísticos que compõem a Kundalini, o fogo sagrado sobe uma
vértebra ou mais, um cânone ou mais, em seu ascenso pelos 33 cânones até
o Brahamarandra.
Se o alento akáshico, reforçado pela vontade, ao descer pelo cordão
Brahmânico, no lugar de átomos crísticos encontrasse átomos da
fornicação, átomos satânicos, recolhidos dos infernos do homem pelo
movimento de contração genital que ocorre logo após a ejaculação do
sêmen, desse choque do Akasha com os átomos satânicos viria o despertar
da Kundalini de forma negativa. E um átomo satânico, que reside no
Muládhara, entraria em atividade, controlando a Kundalini e fazendo-a
descer do cóccix para baixo, para os infernos atômicos do homem, a fim de
formar o famoso rabo com o qual se tem representado a satã.
Com a ejaculação seminal aconselhada por Omar Cherenzi Lind e pelo
extraviado e tenebroso Parsival Krumm-Heller, os órgãos sexuais recolhem
por contração genital os átomos satânicos do Inimigo Secreto que, ao
tentarem subir ao céu de Urânia, são repelidos violentamente pelo alento
akáshico que os precipita para baixo, para o cóccix. Com isso, o chacra
Muládhara desperta negativamente e entra em atividade certo átomo
Inimigo Secreto, o qual vem a exercer controle sobre o Kundalini,
dirigindo-o para baixo, para os mundos submersos da consciência. Assim,
forma-se a famosa cauda dos demônios.
Eis como os discípulos dos magos negros separam-se da divina tríada,
fechada por Atma-Budhi-Manas, e se convertem em personalidades
tântricas do Abismo.
O Akasha não é o Éter como muitos supõem.
O Akasha é a causa do som, a causa espiritual do verbo, o anima mundi, o
divinal, cujo alento entra pelo campo magnético do nariz.
Dizem as sagradas escrituras que Deus soprou alento de vida nas narinas de
Adão e lhe infundiu alma viva.
“Formou, pois, Jeová ao homem do pó da terra e soprou em seu nariz
alento de vida; e tornou-se o homem uma alma viva.” (Versículo 7.
Capítulo 2. Gênese.)
30 A PRIMEIRA CÂMARA SANTA DA
RAIZ DO NARIZ
Tens vencido sutis provas, ó Arhat!
Agora, irmão meu, entra na primeira câmara santa que vai do entrecenho ao
coração.
Estás começando a unir a mente com o coração.
Entra agora no templo, irmão meu, para celebrar a festa.
Alegra-te, coração; canta, filho meu...
Finalmente, depois de tantos séculos... Vais unir a mente com o teu
coração...
Canta, coração, porque tua mente humilhou-se diante da majestade do
Íntimo...
Canta, coração, porque a mente avança por entre o fogo abrasador na tua
direção...
Canta, coração, porque agora a Sabedoria se converterá em amor...
Entraste na câmara santa do campo magnético da raiz do nariz...
O templo está em festa, filho meu, porque o barco da tua mente está
voltando da outra margem para as praias inefáveis do Éden, onde os rios de
água pura da vida vertem leite e mel...
Canta, coração, canta, porque a casa rebelde de Israel se afligiu e se
humilhou diante de Deus...
Canta, coração, canta, porque teu barco à vela avança para o porto da luz...
Canta, coração, porque tua mente já se libertou de todo tipo de escolas,
religiões, ordens, seitas, lojas, aulas, conceitos de pátria e de bandeira, de
preconceitos, apetites, temores, intelectualismos, ódios, invejas, sofismas,
teorias etc.
O intelectualismo só pode conduzir o homem à magia negra, pois está
sempre acompanhado de orgulho e egoísmo.
Não são por acaso os orgulhosos, não são por acaso os eruditos do
espiritualismo, aqueles que sempre atacaram, criticaram e despedaçaram
furiosamente nossas obras?
O intelecto, só por ele, conduz os homens à magia negra.
Aqueles que sempre nos criticam, refutam e atacam, só o fazem por
orgulho, egoísmo ou vaidade.
A Mestra H.P. Blavatsky conheceu Adeptos de Inteligência mediana,
porém Adeptos.
Os poderes dos Mestres dimanam de sua pureza de vida e dos méritos do
coração.
Os poderes de um Mestre dimanam de seu Deus Interno e de sua harmonia
com a Natureza e com a Lei.
Depois de cada reencarnação, quando o Ego pessoal restitui a sua divina e
eterna tríada, abandonando o corpo mental, este se desintegra e seus átomos
ficam espargidos no plano mental.
Esses átomos mentais são atraídos novamente quando o Íntimo volta a
reconstruir seu novo corpo mental para entrar pelas portas de uma nova
reencarnação às escolas da vida.
Esses átomos manásicos, causas tanhicas e de outras categorias, são da
mesma natureza de Manas, isto é, da mesma natureza do corpo mental,
vindo a compor as estruturas atômicas desse novo corpo mental.
Nesses átomos está encerrado o nosso Carma.
Este processo vive se repetindo através de milhões de nascimentos e de
mortes.
Quando os átomos da mente unirem-se com o Íntimo por meio do fogo da
quarta serpente, então estaremos livres da roda de nascimentos e mortes.
Não obstante, para ser Nirvâni sem resíduos, devemos nos libertar tanto do
bom quanto do mau Carma.
Não devemos dever nem permitir que nos devam.
Enquanto os Leões da Lei nos deverem algo, seremos Nirvânis com
resíduo.
Devemos passar para além do bem e do mal. Devemos passar para além da
inteligência e ainda para além das esferas inefáveis do amor.
A essas culminâncias da luz, podemos subir somente pelos degraus do
amor e do sacrifício.
Precisamos fazer muito bem por amor à humanidade...
Assim pagamos nossas dívidas...
Mais tarde, os Senhores da Lei também deverão nos pagar o saldo
favorável...
Finalmente, nos libertaremos do bom Carma e do mau Carma para nos
converter em Nirvânis sem resíduos.
A mente deve se unir com sua divina tríada junto com os extratos anímicos
dos veículos astral, vital e físico.
Assim é como a nossa tríada é reforçada pelo quaternário inferior.
O Manas inferior, junto com o Kamas, Prana e Linga, reforçam a divina
tríada através do fogo.
Da própria mente, utilizamos tão-somente seu reduzido extrato anímico
para esses fins transcendentais.
Quando o ser humano já é capaz de conversar com seu Íntimo, frente a
frente, face a face, chegou ao estado de Turiya.
Muitos perguntam: Como é o Íntimo? Que aparência tem?
Quanto mais humilde e simples seja uma pessoa, mais facilmente
compreenderá a natureza de sua divina e eterna tríada.
Porém, os intelectuais só conseguem compreender a divina tríada pela
figura geométrica do triângulo.
Quando a mente se une com o coração, vive na tríada e nutre-se totalmente
da tríada.
Não obstante, a união da mente com o coração somente é possível através
do fogo.

31 O CAMINHO ARDENTE
O caminho ígneo que vai do entrecenho ao coração é governado por um
Deus atômico de infinito poder.
Avança com passo firme para a segunda câmara desse caminho ardente, ó
Arhat!
Sagazes tentações te assediam...
Licores e prazeres te são oferecidos, aparentemente iniludíveis.
O monstro verde dos ciúmes te assalta sutilmente no mundo do
entendimento cósmico, onde tua mente flameja abrasadoramente.
Avança, Arhat! Permanece alerta e vigilante como a sentinela em época de
guerra...
Esse caminho ardente que vai do entrecenho ao coração é muito apertado e
muito difícil; está cheio de sutilíssimas tentações...
O mais perigoso é o doloroso passado da tua vida misturando com sutis
tentações...
Tens de permanecer firme contra esses sutis perigos.
Quanto mais maliciosa seja a tentação, mais perigosa se torna...
Durante essas provas, deves demonstrar o equilíbrio total da mente e do
coração.
Aproximas-te da segunda câmara do ígneo caminho que vai do entrecenho
ao coração.
Triunfaste nas provas, filho meu.
Um grupo de anjos celebra com alegria tua vitória.
Ganhaste o direito de entrar no Nirvana...
Ganhaste o direito de entrar na cavalaria do exército celeste...
Entra em tua câmara, filho meu, para celebrar a tua festa. És um Nirvâni.
Entraste agora na dita inefável do Nirvana e as hierarquias divinas estão
cheias de alegria pelo teu triunfo.
És agora em bem-aventurado...

32 A LARINGE CRIADORA
Chegaste agora à resplandecente flor da tua laringe criadora.
O verbo dos Deuses expressa-se através da laringe criadora.
Hadit floresceu em teus lábios fecundos feito verbo.
Hadit é a alada serpente da Kundalini.
O Nome esotérico do Kundalini é SOLU-SIGI-SIG.
Este é também o nome do Sol Central.
Estas letras podem também ser vocalizadas na seguinte ordem:
Ssssss-uuuuuu-Luuuuuu... Sssssss-Iiiiiiiii-ggggggg-iiiiiiii...
Ssssss-iiiiiiii-gggggg...
Vocaliza-se letra por letra, alongando-se o som de cada letra, tal como
indicamos antes.
O importante é prolongar o som de cada vogal. A letra S soa com um silvo
doce e aprazível. A Bíblia fala desse silvo doce e aprazível nos seguintes
versículos:
“E ele disse: Sai fora e põe no monte diante de Jeová. E eis aqui que
passava Jeová, e um grande e poderoso vento que fendia os montes e
quebrava as penhas diante de Jeová, mas Jeová não estava no vento. E, após
o vento, um terremoto, mas Jeová não estava no terremoto. E após o
terremoto um fogo, mas Jeová não estava no fogo. E após o fogo um silvo
aprazível e delicado. E quando Elias o escutou, cobriu seu rosto com seu
manto e parou-se à entrada da caverna. E eis que veio a ele uma voz
dizendo: Que fazes aqui, Elias?” (Versículos 11 a 13. Capítulo 19. Reis).
O “S”, como mantra, permite-nos sair da nossa caverna (o corpo físico) e
subir no monte (o plano astral).
A vogal S é mantra para saída em corpo astral.
Adormeça o discípulo, fazendo ressoar com seus lábios o som doce e
aprazível do S. Quando já se encontre nesse estado de transição entre a
vigília e o sono, levante-se da cama e saia do quarto rumo à Igreja
Gnóstica.
Ali nós te ensinaremos e te instruiremos na Sabedoria divina.
Porém, temos de esclarecer aos nossos discípulos que esta explicação que
terminamos de dar deve ser traduzida em ação imediata.
O estudante deve se levantar do leito com tanta naturalidade quanto à de
um menino que nada soubesse de ocultismo. Não se trata de prática mental.
Isso deve ser traduzido em fatos concretos, como quando alguém se levanta
para o seu desjejum.
A vogal S tem um poder terrível.
A vogal S é a Runa SIG. Quando a vocalizamos, são produzidos raios
na atmosfera interna, que têm poder para despertar a Kundalini.
A laringe criadora será o órgão sexual da futura e divina humanidade.
A garganta é um útero onde a palavra é gerada.
A Kundalini dá à laringe todo o poder onipotente do verbo criador.
As forças solares femininas são simbolizadas por uma águia com cabeça de
mulher.
A magia sexual é o caminho...
Devemos realizar o Eu-Cristo em nós para falar o verbo criador, porém
isso somente é possível quando se aprende a manipular o princípio
feminino do sol...
No entanto, sabemos que a magia sexual é muito árdua e difícil para os
homens de vontade débil. Por isso, recomendamos aos nossos discípulos
primeiro praticar os exercícios da Runa TORN para adquirir a força de
vontade necessária para manipular com heroísmo a magia sexual.
O discípulo realizará este exercício pondo sua mão direita sobre a cintura
para em seguida vocalizar as sílabas TI TE TO TU TA. O som de cada
vogal deve ser alongado. Depois, vocalizará o mantra TORN, assim:
Toooooorrrrrrrrnnnnnn...
Praticando-se diariamente este exercício, o discípulo adquirirá uma
poderosa força de vontade com a qual poderá praticar a magia sexual e
dominar o animal passional.
Simboliza-se a força de vontade com a coroa de espinhos do Nazareno.
Há que se golpear fortemente o duro pedernal para fazer saltar a chispa da
imortalidade.
A força de vontade é a tremenda força do sacrifício; a coroa de espinhos do
Mestre.
A vontade e o movimento da Kundalini estão intimamente unidos.
A força de vontade é simbolizada pela Runa ESPINA e o movimento é
simbolizado pelo signo OLIN dos mexicanos astecas.
As Runas ESPINA e MOVIMENTO encerram o segredo da nossa
liberação.
Há que se ter força de vontade para se pôr a Kundalini em movimento.
As hierarquias relacionadas com o departamento elemental dos cedros têm
o poder de abrir a porta de OLIN.
Essa porta está situada no orifício inferior da medula espinhal e por ela
entramos nos grandes mistérios do fogo.
O mantra para se abrir essa porta é TORN, o qual se pronuncia
alongando-se o som de cada vogal, assim: Tooooooorrrrrrrrrnnnnnnnnn...
O mantra TORN tem o poder de pôr o akasha puro em movimento a fim de
despertar a Kundalini e fazê-la subir através das 33 vértebras da coluna
espinhal.
Esse mantra tem o poder de reforçar o akasha puro dentro do nosso cordão
Brahmânico.
OLIN, o signo sagrado dos índios astecas, é a porta de entrada aos grandes
mistérios do fogo.
Faz-se os exercícios de OLIN colocando-se o braço direito na cintura.
Depois, baixa-se o braço direito mantendo-se ambos os braços baixos do
lado esquerdo. Por último, põe-se ambos os braços na cintura enquanto se
vocaliza o mantra Torn.
Vocaliza-se fazendo-se inalações e exalações de ar puro com a intenção de
levar o Cristo vital a cada um dos sete corpos.
O signo OLIN está governado pelo signo de escorpião, o qual rege os
órgãos sexuais.
Já sabemos que todo o poder da Kundalini está encerrado no falo e no
útero, sendo que na união de ambos está o segredo do despertar da
Kundalini.
Certa ocasião conferenciava com um Mestre da grande hierarquia branca,
quando ele tocou meu órgão sexual para examiná-lo. Então, senti por todo
meu corpo como um choque produzido por uma descarga elétrica. O Mestre
alegrou-se muito e disse-me: “Vais muito bem”.
A natureza tem sua origem no fogo e todo o poder do fogo está encerrado
em nossos órgãos sexuais.
O Mestre Huiracocha, em seu Curso de Magia Rúnica, ensina tudo isto,
porém as runas sagradas não são propriedade do Mestre Huiracocha, já que
este conhecimento é tão antigo como o mundo e pertence às grandes
escolas de mistérios internos.
Não podemos aceitar aquela afirmação do Mestre Huiracocha de que os
negros e os amarelos não podem pertencer à Loja Branca porque esta é
unicamente para pessoas da raça branca.
Não podemos aceitar esse tipo de preconceito racial porque a Loja Branca é
universal.
Em nossa Venerável Loja Branca há Mestres de todas as raças. Não
devemos nos esquecer que os Mestres Moria e K. H. são da raça amarela.
A raça branca não é superior nem inferior às outras, mas simplesmente
diferente; isso é tudo...
Tampouco estamos de acordo com aquele desprezo que Huiracocha sente
pela Sabedoria oriental.
Cristo ensinou três caminhos para se chegar à união com o Íntimo.
Quando pregava às multidões, quando se exaltava misticamente,
mostrou-nos o caminho de Ramakrishna, o caminho de Kempis, o caminho
de Francisco de Assis. Este é o sendeiro de Antônio de Pádua e de
Terezinha de Jesus. Este é o sendeiro místico.
Quando andava com os publicanos, pescadores, bebedores de vinho, com
Madalena, a prostituta arrependida, etc., mostrou-nos o sendeiro gnóstico.
Quando retirou-se para a solidão do deserto durante 40 dias e 40 noites,
ensinou a senda do ioga oriental.
Os sete raios de evolução cósmica reduzem-se a estes três caminhos que o
Nazareno mostrou.
Portanto, não podemos desprezar a Sabedoria oriental.
Todos os Íntimos humanos, sujeitos à roda de nascimentos e mortes,
pertencem a estes três caminhos.
Contudo, sustentamos que a magia sexual entre homem e mulher é o
caminho para se chegar ao Nirvana.
Deus não tem preferência por ninguém. Todos os seres humanos, sem
distinção de raça, sexo, casta ou cor, são filhos amados do Pai e têm os
mesmos direitos.
Não podemos aceitar de modo algum os preconceitos raciais do Mestre
Huiracocha.
Tampouco podemos aceitar a absurda tese de Huiracocha de que é um
pecado que um homem de uma raça se case com uma mulher de outra raça;
e que os filhos bastardos são filhos do diabo.
Reconhecemos no Mestre Huiracocha um Guru da Fraternidade Branca
Universal. Consta-me que é Arcebispo da Igreja Gnóstica, mas quando faz
estas afirmações em seu Curso de Magia Rúnica, equivocou-se
lamentavelmente.
Não há duvida que, se o Guru Huiracocha tivesse corpo físico agora, ele
retificaria esses erros. Do homem é o errar, porém do néscio é permanecer
no erro.
“Sê tu, ó Hadit, o segredo gnóstico do meu Ser, o ponto central da minha
conexão, e floresce em meus lábios fecundos feito verbo.”
Quando a Kundalini do corpo mental chega a essa Rosa Ígnea da laringe
criadora, ressoa nos mundos internos uma trombeta do templo e entramos
nele para celebrar a festa...
Todos os seres humanos (brancos, negros, amarelos, vermelhos,
acobreados) têm direito a falar o verbo da luz e de fazer parte da Grande
Fraternidade Branca Universal porque todos são filhos amados do Pai.
Deus não tem preferência por ninguém; cuida da mesma maneira do
homem à formiga, da ave ao réptil.
Deus não tem preconceitos raciais e ama com amor infinito a todos os
nossos irmãos desta grande família humana.
Os malvados criticam-me porque ensino à humanidade a doutrina secreta
dos gnósticos.
Divulgo estes ensinamentos esotéricos para salvar a todos os meus irmãos
da humanidade.
Tudo o que sei é para os meus irmãos e estou disposto a ensinar-lhes as
coisas mais sagradas do Universo para que entrem no Éden, como eu entrei.

33 A QUARTA CÂMARA
Chegaste à quarta câmara do estreito caminho que vai da entrecenho ao
coração. Essa câmara está situada sob a glândula tireóide, acima de esterno,
a parte superior da caixa torácica.
Maliciosas tentações assaltaram-te no mundo do entendimento cósmico.
Compreendeste como o delito se esconde na própria espiritualidade.
Entendeste que no incenso da oração também se esconde o delito.
Já viste, irmão meu, como de uma simples amizade espiritual entre dois
seres do sexo oposto pode surgir um requintado adultério mental com
matizes transcendentais de espiritualidade.
Agora, filho meu, vais compreendendo de que forma e de que maneira a
mente e o coração se unem e se equilibram através do fogo.
A porta foi aberta, entra, filho meu, para celebra tua festa.
Chegou o instante, irmão meu, em que deves te preocupar um pouco mais
com a música.
As orquestras do Éden ressoam nos espaços infinitos, nos grandes ritmos
do fogo.
O Universo é sustentado pela magnífica orquestração das esferas.
34 A QUINTA CÂMARA
Entraste na quinta câmara ardente do apertado caminho que vai do
entrecenho ao coração.
Uma porta se abre. Entra, meu filho
Escuta agora, ó Arhat, o que o anjo lê no livro para ti.
Agora, te são ensinadas, irmão meu, muitas coisas sublimes relacionadas
com o mundo do entendimento cósmico.
Estás atuando intensamente no mundo do espírito puro sem a necessidade
de veículos materiais...
Todos os principais ensinamentos estão sendo dados para ti em língua
sagrada.
Brilhou o sol sobre a árvore da tua vida e entraste na quinta câmara.
Já vês, irmão meu, como estás te aproximando do sagrado templo coração.
Agora, estás entendendo como a mente e o coração se equilibram.
Cada vez mais te dás conta de como podes atuar à plena consciência em teu
Eu Superior, sem necessidade dos quatro corpos de pecado.
Realmente, és um Arhan, és um Nirvâni, filho meu!
És um mestre de Mistérios Maiores, mas no mundo do Nirvana começaste a
viver como um discípulo dos Deuses.
És Mestre e és discípulo. Aprendeste a obedecer e a mandar.
És um Super-Homem...
No mundo astral e no mundo mental, levantaste um templo majestoso, filho
meu, mas no mundo do Nirvana possuis tão-somente uma capelinha...
Quando terás uma grande catedral no Nirvana?
Quando podes seres um habitante do 7º salão do Nirvana?
Quando poderás viver naquela grande cidade de ouro do 7º salão do
Nirvana?
Olha esses seres inefáveis que oficiam em suas grandes catedrais do
Nirvana!
Quando serás tu como um deles?
Ai, irmão meu, até agora só tens uma capelinha no primeiro subplano do
Nirvana.
És um principiante no Nirvana, filho meu.
A tarefa é mais árdua agora para ti, ó Arhat!
Se queres progredir no Nirvana, deves te sacrificar pela humanidade.
Deves te converter, irmão meu, num bodhisatva de compaixão.
Cada sacrifício teu te será pago no Nirvana...
Só assim, irmão meu, progredirás no Nirvana.
Já vês, irmão meu, como o fogo te transformou.
Já vês, irmão de minha alma, que todo o segredo do Nirvana encontra-se
escondido em teus órgãos sexuais.
Sofrestes o indizível buscando o Nirvana. Tu te afiliaste a diversas
religiões, escolas, lojas e ordens que tão-somente te brindaram com o
consolo de um dia...
Praticaste penitências, vestiste sacos de cilícios sobre teu corpo, porém em
vão, filho meu...
Tu te esqueceste da porta do Éden e por isso sofreste, irmão da minha
alma...
Já percebeste que o Nirvana está em teus próprios órgãos sexuais...
Quanto Trabalho, Filho Meu!
Porém, enfim viste a porta do Éden em teus órgãos sexuais e entraste...

35 A SEXTA CÂMARA
Estás descendo agora pouco a pouco, irmão meu, pelo interior de teu
templo, da torre para o coração.
Estás sentado na janela da base de tua torre.
Estás no interior de teu templo, irmão meu, desces pouco a pouco da cúpula
para o santuário sagrado do coração.
Do alto dessa janela interna, contempla-se profundamente, o pavimento do
templo...
A altura causa vertigem, irmão meu...
Ai do Arhat que não saiba se controlar da vertigem das alturas porque cairá
no Abismo...
Quem tem entendimento que entenda e quem tem ouvido que ouça o que eu
falo aos Arhats.
Estás muito alto, ó Arhat; das profundezas do santuário sobe até tua janela
um coro inefável...
Os Mestres cantam deliciosamente em língua sagrada.
Persevera, ó Arhat! Sê cauteloso, sê prudente e não te envaideças. Cuidado
com a vertigem da altura.
Sê humilde, irmão meu, sê perfeito assim como o Pai que está no céu é
perfeito.
Entra na tua sexta câmara, irmão meu.
Essa câmara está formada por salões entrecruzados.
Essa câmara pertence ao arcano seis do Tarô: O Enamorado.
Tu te lembras dos teus erros?
Tu te lembras, irmão meu, daquelas épocas tenebrosas da tua vida, quando
experimentavas em ti mesmo o arcano seis do Tarô?
Tu te lembras daqueles tempos quando erravas pelos tortuosos caminhos da
fornicação e do adultério?
Entra agora, irmão meu, nessa câmara iluminada pela luz do teu
candelabro.
Recebe com paciência as dolorosas recordações... Recebe com paciência as
admoestações...
Recebe a tua festa, ó Arhat!

36 A SÉTIMA CÂMARA
Estás diante da porta da sétima câmara, ó Arhat!
Essa câmara está simbolizada pelo arcano sete do Tarô, o Carro de Guerra:
Recorda o teu primeiro amor, irmão meu. Recorda a tua Divina Mãe, a
Bendita Deusa do Mundo, que tu abandonaste quando comeste do fruto
proibido.
Por acaso, ela não te amava? Que te fazia falta, meu irmão? Por que
abandonaste a tua Mãe?
Bate, filho ingrato, bate fortemente a porta da sétima câmara para que a
abram para ti...
Meu filho, arrepende-te da tua ingratidão e chora. Lamenta e luta o
indizível para que os Deuses abram a porta dessa câmara para ti.
Este é o arcano sete do Tarô. Deves lutar muito, meu irmão, para que os
Deuses abram a porta dessa câmara para ti.
O arcano sete está representado por um carro de guerra puxado por duas
esfinges: uma branca e uma negra.
A esfinge branca simboliza a bendita Deusa Mãe do Mundo e a esfinge
negra simboliza a sombra da Mãe da Divina: Hécate, Prosérpina, a rainha
dos infernos atômicos desta natureza, a Deusa negra a quem os demônios
tanto adoram.
Tu abandonaste a tua Mãe para seguir a tenebrosa deusa das paixões
carnais. Agora, deves arrepender-te da tua ingratidão e bater fortemente na
sétima câmara para que os Deuses a abram para ti.
Entra com teu carro de guerra, ó Arhat! Bate fortemente para que abram
para ti.
A porta foi aberta; entra em tua câmara, ó Arhat!
Entra na sétima câmara e recebe tua festa.
És um menino e te entregaram armas poderosas que, se não souberes usar,
poderás ferir aos demais e ferir a ti mesmo.

37 A OITAVA CÂMARA
Bate fortemente em teu templo, ó Arhat!
Alegra-te, irmão meu, alegra-te, pois já chegaste à meta do coração.
Já pagaram ao especialista que despertou tua quarta cobra e que através de
supremos esforços a conduziu sabiamente até os sagrados centros do
coração.
Todo trabalho tem de ser pago e o teu especialista já foi pago pelo
grandioso serviço de ter conduzido a tua cobra sabiamente desde o cóccix
até as inefáveis câmaras do coração.
Somente o serviço desinteressado, a castidade e a santidade levam-nos aos
inefáveis cumes.
Conheço muitos irmãos espiritualistas bons e virtuosos que lutam pela
perfeição.
Conheço muitos irmãos que lutam o indizível para corrigir seus defeitos e
para se purificarem, porém não se lembram dos demais... Eles se sentem
sozinhos e lutam por sua auto-superação espiritual e por seu
auto-enaltencimento moral, porém não se dão conta que têm mais irmãos e
que somos todos filhos de uma mesma Mãe.
Sua espiritualidade é uma espiritualidade egoísta. Como não servem a
ninguém, não se sacrificam por ninguém nem lutam pela espiritualidade de
ninguém, os Mestres não lhes devem nada. Portanto, nada se lhes paga
porque não se deve a eles.
Toda Iniciação é um pagamento que se faz ao homem, porém se nada se lhe
deve, nada se lhe dá. Portanto, ainda que grite e clame pedindo a Iniciação,
só ganha cabelos brancos...
A majestosa porta do templo do coração foi aberta.
Entra, irmão meu, na grande catedral da alma para celebrar a festa do
Arhat.
Entra, irmão meu, no templo-coração para receber a quarta iniciação de
Mistérios Maiores.
Veste as tuas melhores roupas... O templo está em festa porque a mente e o
coração já se uniram através do fogo.
Algumas beldades inefáveis dançam diante de ti a sagrada Dança das
Runas.
Tua mente pende de um madeiro. Está cristificada... E agora
desprendem-na da cruz para celebrar a festa.
Tua mente agora é um Cristo vivo. Tua mente resplandece com o sagrado
poder do fogo. Uma música inefável ressoa pelos divinos cantos.
Na câmara sacra do teu coração resplandece o fogo do Arhat.
Agora, levas o Cristo em teu coração e a branca pomba de Espírito Santo
fez seu ninho em teu templo-coração.
Alguns anjos inefáveis carregam a comprida cauda de tua capa... Dançam
as beldades a Dança das Runas...
Sentado em seu trono, o Rei do Mundo espera, irmão meu...
Com vestimentas cerimoniais, Sanat Kumará entrega-te o sagrado símbolo
de Mercúrio.
És um imperador da mente. És um Arhat do pensamento.
Agora, tua mente arde abrasadoramente no crepitar das chamas universais.
Agora, tua mente resplandece na Rosa Ígnea do Universo.
Tu te liberaste da ilusão de separatividade. Tu és AQUILO... AQUILO...
AQUILO...
Tu vives em todos os corações. Tu vês através de todos os olhos. Tu ouves
através de todos os ouvidos, porque tu és AQUILO... AQUILO...
AQUILO...
Agora, podes exclamar: Eu sou Atman, o inefável.
Eu sou o que sou, o que sempre fui e o que sempre serei.
Todo o infinito estrelado é meu corpo... Todo Universo é minha
personalidade. Por isso, expresso-me com força e poder através de meus
Arhat...
Choro na criança, canto nos pássaros e floresço nos jardins...
Agora, deves entender, irmão meu, a personalidade dentro da
impessoalidade...
Agora, deves compreender, irmão meu, que a ilusão de separatividade é
uma heresia e que a personalidade egoísta daqueles que querem ser
unicamente eles e nada mais é a pior das heresias.
Quando eu, Aun Weor, afirmo que devemos ter um Eu forte e potente e
uma poderosa personalidade, não me refiro à personalidade egoísta nem ao
eu animal... Refiro-me unicamente ao Eu divino e à nossa gigantesca
personalidade formada por todos os seres infinitos...
Atman manifesta-se através de trovões e relâmpagos em todos os espaços
infinitos. Atman manifesta-se com potência através de seus profetas.
Nosso “Eu” é Universal e os corpos de todos os seres vivos são corpos do
nosso “Eu interno e divino”.
Quando falamos de uma régia e poderosa personalidade, muitos não
entenderam que falamos da personalidade dentro da impessoalidade e
caíram na horrível heresia da separatividade.
Irmãos meus, não vos deixeis guiar pela personalidade egoísta do corpo
mental nem pelo intelecto animal.
Deveis escutar unicamente ao Íntimo que reside no coração. Deveis
aprender a ouvir a voz do silêncio...
Quando falamos de um Eu universal, não caímos no absurdo de Annie
Besant de esquecer da individualidade do Íntimo.
Reconhecemos a individualidade dentro da unidade da vida e, ainda que
saibamos que a gota se perde no oceano, sabemos também que o oceano se
perde na gota.
Atman é uno e expressa-se como muitos; o ardente mar da vida livre em
seu movimento tem muitas chamas...
Porém, tais chamas formam em seu conjunto o mar de fogo ardente... O
mundo da Névoa de Fogo...
O Íntimo é individual e universal ao mesmo tempo...
Eu sou a chama que arde em cada coração humano, como arde em cada
grão e no núcleo de cada estrela.
Eu sou a árvore, a pedra, o pássaro, o homem, a luz, o pão e o vinho.

38 OS SETE CENTROS DO
CORAÇÃO
No coração humano há sete centros divinos. Conforme o Iniciado chega a
cada uma das grandes Iniciações de Mistérios Maiores, entra em cada um
desses centros cardíacos.
A cada uma das sete grandes Iniciações de Mistérios Maiores, o Iniciado
tem acesso a cada um desses centros.
Na primeira Iniciação de Mistérios Maiores, o Iniciado tem direito a entrar
no primeiro centro. Com a segunda, entra do segundo centro. Com a
terceira, no terceiro; com a quarta, no quarto; com a quinta, no quinto; com
a sexta, no sexto e com a sétima, no sétimo centro.
Um monte em forma de pirâmide e de uma brancura imaculada aparece
diante de ti. Entra, irmão, nessa sagrada câmara, onde resplandece a
imagem do crucificado. Já tinhas entrado antes nesse centro, agora entras
nele pela quarta vez, porém de maneira muito elevada.
Sempre passamos pelos mesmos centros de forma cada vez mais elevada,
seguindo o curso da evolução cósmica.
Agora, irmão meu, entra no segundo centro e recebe teus presentes e tuas
festas.
Entra no terceiro centro e faz girar tua ardente esfera, a qual pende da
corda... Recebe, irmão meu, música e festas.
Agora, entra, ó Arhan, imperátor da mente cósmica, em teu quarto centro.
Esse quarto centro corresponde à quarta Iniciação de Mistérios Maiores.
Estás diante do amanhecer da vida, irmão meu... És um índio, selvagem e
primitivo, mas selvas virgens da Arcádia... Adoravas o sol nascente e não
usavas raciocínio... Tu te guiavas somente pela voz do instinto.
No fim da jornada, irmão meu, depois de teres cristificado tua mente,
descobre que o fim é igual ao princípio, acrescido à experiência do ciclo.
Tu te convenceste que não podias saber mais do que Deus?
A razão é um delito de lesa majestade contra Deus.
Com teus pobres raciocínios, crias que podias saber mais que o Criador... E
te equivocastes, irmão meu...
Agora, irmão meu, voltaste ao pólo positivo do instinto porque o fim é
sempre igual ao princípio, mais a experiência do ciclo.
Voltaste ao reino da intuição.
Já te convenceste, irmão meu, da inutilidade dos teus raciocínios.
Apenas o sendeiro da ação reta, regido pela voz do silêncio, pode nos
conduzir aos cimos inefáveis do Nirvana.
Ao invés da estar raciocinando e destroçando o corpo mental com o
batalhar das antíteses, melhor é trabalhar intensamente pelo benefício da
espécie humana.
Quando os raciocínios te assaltarem, vence-os com o látego da vontade.
Quando a antitética luta de conceitos quiser fracionar a tua mente,
expulsa-os de ti com o látego da vontade e ocupa-te com teus trabalhos
para não dar campo à inutilidade dos raciocínios.
Aos Senhores do Carma, a única coisa que lhes interessa são suas obras.
Aos Senhores do Carma não interessa os seus processos raciocinadores.
O processo de eleição conceitual e o deprimente processo de opção causam
gravíssimos danos ao corpo mental.
Quando esses danos se cristalizam no cérebro físico, vêm às enfermidades
cerebrais, as manias intelectuais, o alcoolismo, a neurastenia e a loucura.
Tu não podes saber mais do que Deus, irmão meu. De nada servem, pois,
teus raciocínios. Expulsa do Templo de tua mente a todos os mercadores
com o terrível látego da vontade.
Cristifica tua mente, bom discípulo. Transmuta a água em vinho e abre tuas
portas para teu Deus Interno para que Ele te ensine a Sabedoria divina.
Assim, comerás o pão da Sabedoria sem a necessidade dos inúteis
raciocínios que destroçam o corpo mental.
No plano mental, há hospitais e clínicas onde são recolhidos atualmente
milhares de corpos mentais que enfermaram devido ao doloroso processo
do raciocínio.
A mente deve fluir silenciosa e integralmente sem o deprimente processo
dos raciocínios.
O importante é o sendeiro da ação reta; o importante é a ação intuitiva.
A ação intuitiva é ação justa, é pensar justo, é sentir justo, é transmutação
plena, é ação divina, é atividade plena, é atividade justa, é santidade
expressada, é trabalho pleno, é Sabedoria em ação, amor ativo...
A humanidade de Aquário será uma Humanidade intuitiva.
Já viste, ó imperátor, quantos seres começaram a jornada contigo?
Milhões de seres humanos começaram a subir a espiral da montanha da
vida, porém a maior parte rodou ao Abismo e se converteu em demônios...
Somente um punhado de seres chegou contigo ao cume da montanha...
Entra no templo, ó Arhat, para celebrar a festa...
O templo está engalanado...
Sanat Kumará, o Ancião do Dias, aguarda-te em seu trono...
Sua majestosa voz ressoa como voz de exército...
A Deusa Mãe do Mundo põe sobre a tua cabeça o sagrado manto dos budas
e o diadema com o Olho de Shiva.
O Olho de Dagma resplandece em teu entrecenho e Sanat Kumará exclama:
És um Buda! Estás livre dos corpos de pecado. És um habitante do mundo
dos Deuses... És um Buda...!
O Ancião dos Dias entrega-te a túnica do Buda... Recebe-a, irmão meu...
Do teu corpo mental, sai nesses instantes um formoso menino cheio de
beleza. Ele é o extrato anímico do corpo mental, é a tua Mente-Cristo...
Essa bela criatura funde-se agora totalmente com a tua divina e eterna
tríada...
A Mente-Cristo formou-se em teu corpo mental...
A Mente-Cristo é puro sêmen transmutado...
A Mente-Cristo é o resultado da magia sexual.
És um bem-aventurado, ó Buda!
Sanat Kumará te oferece um novo trono...
Os irmãos do templo alegram-se, regozijam-se com o novo Buda. Todos te
abraçam e te beijam o santo ósculo.
A festa é imensa...
A Deusa Mãe do Mundo pariu um novo Buda no mundo dos Deuses.
Agora, resplandeces com imaculada beleza nessa Rosa Ígnea da natureza.
Manas fundiu-se com o Atma-Budhi-Manas na sede de Brahma puro,
onde somente resplandece a sagrada Sabedoria do Bodhidarma.
A Deusa Mãe do Mundo exclama: Eis aqui um filho muito amado. Eis aqui
um novo Buda!
Esta é a Sabedoria do coração. Esta é a Sabedoria do Selo do Coração...
Por fim, a mente e o coração se fundem totalmente...
A música das esferas ressoa pelos divinos cantos e no templo dos Deuses as
beldades dançam as Sagradas Runas...