CLXV
Textos sobre Antropologia
O Despertar da Gnosis Interior

Há uma prática no Livro "A Morte Psicológica" que fala que se deve estar no Umbral, quem já leu deve recordar desta prática. A Verdade é que este "estar" no Umbral é exatamente o que se dá no nível de Mestre digamos assim, o Aprendiz olha os mundos internos de fora para dentro, pois seus olhos são materiais, se envolve com os problemas e lá de fora olha aterrorizado em busca de soluções que de fora não encontra.
O Companheiro se adentra a este Templo e se vê rodeado por maravilhas Espirituais e da mesma forma por terríveis Bestas que são os Defeitos que carregamos dentro, muitas vezes ignora questões do mundo e não dá a devida atenção aos eventos físicos como deveria.

O Mestre é aquele que se coloca entre estes dois mundos, sabe observar o evento sem ir até ele e sabe encontrar a solução interna sem precisar se adentrar as regiões psicológicas. Há um Símbolo muito conhecido que explica esta técnica, é o Esquadro e o Compasso, isto já foi ilustrado no Livro "O Símbolo CLXV", mas vale a pena associar este símbolo a esta questão do Despertar e deste viver no Umbral.

O Esquadro simboliza a matéria e o mundo com suas questões humanas e materiais, já o Compasso simboliza o Espírito, o Esquadro sobre o Compasso indica que a pessoa vive a materialidade então está do lado de fora do Umbral (Aprendiz), o Compasso sobre o Esquadro já indica que a pessoa vive em seu mundo interior mas não sabe solucionar as questões do mundo, é um outro tipo de desequilíbrio (Companheiro). Quando o Esquadro e o Compasso estão um na frente do outro alternadamente suas pontas indica o Equilíbrio e que a pessoa vive no Umbral.

Muito certamente este G que se encontra ao centro é a Gnosis, é este principio divino da Consciência que indica se manifestar exatamente no centro destes dois mundos ou destas duas regiões, em verdade é ali neste Umbral que damos as soluções dos enigmas da vida e que decapitamos o Eu Psicológico, é ali entre estes dois mundos que criamos os corpos solares (homem e mulher), a verdade é que entre estas duas colunas está o caminho para que um dia se possa definitivamente viver neste templo já purificado por nossos trabalhos conscientes.

O Despertar da Consciência sempre se relaciona com o sábio manejo destes dois mundos o interno e o externo e da sábia associação das circunstâncias físicas com as internas para que não se processem sonhos e que a pessoa esteja aonde está e possa assim conhecer o que leva dentro sem máscaras nem enganos.

Viver o momento é viver muito além do tempo, é estar unido a eternidade sem fim do eterno momento que se prolonga até a noite cósmica.

Se tomamos este símbolo de forma numérica vamos encontrar dentro de nosso interior (1) o 7 que é a representação do Ser, no 0 que é o exterior vamos encontrar a sombra do 7 que é o 3 e o 4 (3+4 = 7), símbolo do Daimon que vai ao mundo criar as circunstâncias para que possamos limpar o templo para o Ser se expressar.

o 6 e o 9 indicam este equilíbrio que se deve ter e a assimilação e união do trabalho destes dois Mestres, vejam que o 6+5 = 11, e que o 9+2 = 11, 11 é pois a fórmula e o segredo desta Obra, sem a Mãe Divina sem esta bendita Serpente Ígnea dos Mistérios Isíacos não se pode fazer nada neste caminho. É a Mãe quem decapita os demônios vermelhos de Seth, estes que são a personificação de todos os nossos defeitos psicológicos; igualmente é a Mãe quem por sua jornada interna dentro do Microcosmo Homem faz esta união entre o Humano e o Divino para que o Pai vire Filho e o Filho seja Pai de seu Pai.

Um Iniciado que se esqueça sua Mãe não pode dar um passo em direção do Pai, porque é ela a única que pode nos ajudar nesta jornada, ela é a viva representação do Pai que temos em segredo e é por meio dela que desde o início de nossa Obra recebemos suas orientações e sua graça.

A Gnosis é Consciência, quem almeja conhecer a Gnosis deve pois se voltar ao seu interior e tal qual o Aprendiz observar seus mundos internos mesmo sem tanto sucesso, posteriormente adentrar neste Templo e conhecer-se intimamente o bom e o mau que carrega dentro. Por fim deve se por entre estes dois mundos e realizar este terrível esforço de se fazer consciente e de encarnar o que os Mestres denominam GNOSIS.

27/11/11