CLXV
Textos sobre Antropologia
A Torre Fulminada
(Incêndio na Boate Kiss, Santa Maria - RS)

Recentemente, dia 25 de Janeiro de 2013, escrevemos a respeito dos Mistérios do Arcano 15 e do Arcano 16, nos referindo a catástrofes e eventos tenebrosos que costumam acontecer nesta transição do XV (15) para o XVI (16).

Cabalisticamente a data do 27/01/2013 (2 + 7 + 0 + 1 + 2 + 0 + 1 + 3 = 16) tem por regência o Arcano 16, símbolo do perigo e dos desastres. Hoje, na cidade de Santa Maria - RS (aonde vivemos), ocorreu o segundo maior incêndio (em número de vítimas) da história do Brasil. Aproximadamente 232 mortos dentre carbonizados e asfixiados.

É Certo que se analisamos os mistérios da transição do 15 para o 16, vamos encontrar sempre fatos marcantes e acontecimento quase insólitos. Nesta mesma cidade de Santa Maria no Rio Grande do Sul, na data de 16/05/2007 (1 + 6 + 0 + 5 + 2 + 0 + 0 + 7 = 21), que tem por DATA o mesmo fatídico 16 e por regência o número 21 (Desmoralização total para o mal), ocorreu um incêndio de grandes proporções no colégio/faculdade Metodista Centenário (FAMAS), ainda que sem vitimas fatais.

O Dia 27, deste incêndio nesta Boate de Santa Maria (RS), já nos assinala "O Inesperado" como é o arcano de mesmo nome.


Como falávamos em outro texto intitulado "Après moi, le déluge" (Depois de mim, o dilúvio), nos referindo a transição do XV ao XVI, todas as grandes mudanças que ocorreram na humanidade, ocorreram pela dor das tragédias.
O Fim do Absolutismo francês por meio da revolução francesa, foi uma luta que nos trouxe muitas mortes mas com certeza muitas mudanças e aprendizados, ainda que com muita dor e sofrimento.

O Maior incêndio (por número de vítimas) no Brasil, foi o que motivou toda uma mudança na legislação (predial e de estabelecimentos comerciais) e no sistema de combate e prevenção a incêndios. Todas as regras e métodos de combate ao incêndio que hoje temos foram aprendizados que tivemos com tragédias como esta que agora ocorre para nos demonstrar as atuais falhas, não apenas físicas mas morais de cada pessoa e da humanidade como um todo.


Há lugares de luz, há lugares de trevas, há ações que nos conduzem a bem aventurança, e escolhas e ações que nos levam a perdição, não apenas física mas principalmente e acima de tudo moral (Alma).
A Divindade tem meios muito eficientes de nos demonstrar o valor e o sentido da vida, ainda que em meio as tragédias.
As pessoas já são surdas, mudas e coxas em relação ao caminho... quiçás saibam aproveitar estas dificuldades que agora se iniciam de forma ainda mais severa, para ter estes olhos abertos e lutar pelo que realmente tem valor nesta vida.


Se tomarmos estes fatos do ponto de vista divino, há elementais que controlam o fogo, são elementais que estão ali, criaturas vivas e inteligentes, há Deuses que regem o fogo, o vento, os mares e as águas, a própria terra tem sua inteligência... então porque ocorrem estes eventos?
Há Mestres (Anjos, Arcanjos) que cumprem a função de aprisionar Almas em formas humanas e outros que libertam estas Almas deste casulo humano quando do fim de uma existência. As pessoas sofrem a perda e justificam que é porque são jovens, que porque tinham uma profissão rentável, porque tinham um futuro brilhante pela frente... no entanto não lhes ocorre que isto não é nem minimamente o sentido da vida?

A Vida como existência nos serve para um polimento moral frente as opções que surjam. Somos claro livres, mas dentre estas escolhas, é a proteção e o auxílio que teremos frente a estes Deuses e elementais.
Podemos garantir que grandes tragédias já deixaram de ocorrer porque um justo se fazia presente e não merecia o castigo que os mesmos demais ali certamente lhes cabia, como destino.

Desde antes do dia 24/01/13 já havia um cheiro de morte no ar, uma canção funesta e macabra que ainda permanece sendo tocada, como nos alertando e nos demonstrando o que ainda está por vir.


Tendo dito isto, repetimos o mesmo que foi dito no dia 25 de Janeiro:


"O Número XV anuncia a mudança e a força da criação em movimento, a força do logos mudando o rumo e o destino da humanidade, hoje mais uma vez dá mostra da revolução em andamento e não nos resta dizer outra coisa, senão: 'Post me, diluvium'."

"Senhor, ouve a minha súplica e permite que a minha voz chegue a Ti.
Não desvies o Teu rosto de mim; inclina o Teu ouvido para mim no dia em que esteja oprimido; ouve-me com prontidão no dia em que clame por Ti.
Pois os meus dias desvanecem-se como fumo e os meus ossos estão secos como a pedra.
Estou esgotado como o pasto e meu coração está seco pois esqueci-me de comer o meu pão.
Da voz dos meus lamentos, os meus ossos rasgam-me a carne.
Sou agora como um pelicano no deserto. Converti-me num «mocho de casa».
Passei a noite em vigília; converti-me num «gorrião» solitário no telhado.

Os meus inimigos vilipendiaram-me durante todo o dia e aqueles que me honravam injuriaram-me.
Pois comi cinzas em vez do meu pão e misturei a minha bebida com lágrimas.
Devido à Tua ira e indignação. Pois Tu me levantaste e derrubaste.
Os meus dias declinaram como uma sombra e estou esgotado como o pasto.
Porém Tu, oh Senhor! Perduras para sempre, assim como a Tua lembrança na geração de todas as gerações.
Aparece e tem piedade de Sião, pois chegou o dia de se ter piedade dela. O preciso momento chegou.
Os Teus servos suspiraram pelas suas pedras e terão piedade do seu solo.
E as Nações temerão o Nome do Senhor e os Reis da Terra temerão a Tua Soberania.
Pois o Senhor construirá Sião e revelar-se-á a Si próprio na Sua Soberania.
Ele tomou em conta a oração do humilde e não desprezou as suas súplicas.
Isto será registrado para outra geração, e o povo que será criado louvará o Senhor.
Porque Ele olhou para baixo, da Sua Santa Altitude. O Senhor olhou para baixo, do Céu sobre a Terra.
Para escutar os lamentos dos acorrentados, para libertar os filhos daqueles que estão mortos.
Para proclamar o Nome do Senhor em Sião e a sua glorificação em Jerusalém." - Pistis Sopia Desvelada

27/01/13