CLXV
Textos sobre Antropologia
A Profecia de Pedro

Em nome do Cristo, invocamos aos Mestres da Venerável Loja Branca. Em nome de Pedro se invocam as potestades do Abismo.

São Malaquias, foi um profeta que previu todos os papas que regeriam a Igreja Católica.
Ele deu referências exatas de 111 Papas, sendo o papa Bento XVI o de número 111 (3).

Ao fim destas profecias papais, ele ainda assinalou: "Durante a perseguição final, o trono da santa igreja romana será ocupada por Pedro, o Romano; que apacentará os cordeiros em muitas atribulações, depois das quais a cidade das sete colinas será destruída e o terrível Juiz irá julgar seu povo."


Pedro é a Pedra, é o símbolo da Alquimia e da Transmutação Sexual, é o Patar (Ptr) e o sentido da castidade em seu sentido superior.
Também sempre foi e continua sendo rocha de escândalo e pedra de tropeço.

A Força do Terceiro Logos, o impulso deste que é o doador de vida, é algo que não temos como conter, necessitamos dar um rumo a esta energia, ou a assimilamos e fazemos como nos assinala o próprio Mestre Jesus e tantos estes outros Mestres, que é nosso segundo nascimento, ou inevitavelmente esta energia involui, e igualmente torna a criar, ainda que forças negativas e inferiores.


Isto são cálculos espirituais, e nisto fica provado que são acontecimentos exatos, de uma mesma revolução que já se iniciou.


Podem parecer eventos desconexos, mas internamente tudo isto faz parte de um mesmo evento em andamento.
No ano passado, assinalamos 4 datas, 2 períodos aonde aconteciam julgamentos aos iniciados. Estes eventos ocorreram antes do encarne (no bodhisatwa) deste Juiz.
Três dias e meio antes do 25 de Dezembro, dia 21/12/12, às 12hs, tomou posse de sua expressão humana, este que há de ser o Juiz deste terceiro e ultimo Juízo a estes iniciados.


No dia 25/01/13 escrevemos em Après moi, le déluge a respeito do inicio destes eventos:
"O Ponto que queremos tocar não é necessariamente histórico, mas kabalístico, já que o XV (Quinze - 15) são as Paixões, e depois de satisfeitas as paixões, resta o fracasso espiritual, XVI (Dezesseis - 16).
Para a monarquia, os reis e o sistema daquela época, os números foram exatos e assinalaram o destino dos governantes e a revolta por uma mudança."

O Papado é um reinado, já que o Vaticano tem sua autonomia.
Ainda antes do incêndio em Santa Maria, que ocorreu no 27/01/13, já havíamos de forma inspirada alterado o símbolo da página CLXV e criado quatro imagens referentes a este evento:




(Criados em 04/01/13)

No dia 18/02/13 escrevemos em O Tifon Grego: "Tifon foi aprisionado no abismo, por meio da cratera vulcânica do Monte Étna."
No dia 19/02/13 ocorreu a Erupção do vulcão Etna, na Itália: "O vulcão Etna se manteve em baixa atividade por dez meses, e acabou transbordando lava entre esta terça (19) e quarta-feira, com três explosões em 36 horas."


Então que o que estamos falando, o que temos passado por meio destas palavras, tem sido exatamente as ocorrências internas de eventos e de acontecimentos espirituais que geram estes eventos, pois internamente já aconteceram.
Não estamos dizendo isto com o objetivo de alertar e prever eventos, mas de demonstrar que é importante o estudo e a vivência destas realidades superiores, para que possamos ser guiados por nossa Estrela, por nosso Espírito, antes deste ultimo julgamento aos iniciados (já que o executor da sentença já se faz presente).


Já dissemos e repetimos, que hoje, acima de tudo, o que se pede a estes iniciados é esta obediência e esta integração com sua consciência e com seu Ser. Sem isto, jamais se daria continuidade no trabalho necessário para este momento que vivemos.

"Quem é este, que vem de Edom, de Bozra, com vestes tintas; este que é glorioso em sua vestidura, que marcha com a sua grande força? Eu, que falo em justiça, poderoso para salvar.
Por que está vermelha a tua vestidura, e as tuas roupas como as daquele que pisa no lagar?
Eu sozinho pisei no lagar, e dos povos ninguém houve comigo; e os pisei na minha ira, e os esmaguei no meu furor; e o seu sangue salpicou as minhas vestes, e manchei toda a minha vestidura.
Porque o dia da vingança estava no meu coração; e o ano dos meus remidos é chegado.
E olhei, e não havia quem me ajudasse; e admirei-me de não haver quem me sustivesse, por isso o meu braço me trouxe a salvação, e o meu furor me susteve.
E atropelei os povos na minha ira, e os embriaguei no meu furor; e a sua força derrubei por terra.
As benignidades do SENHOR mencionarei, e os muitos louvores do SENHOR, conforme tudo quanto o SENHOR nos concedeu; e grande bondade para com a casa de Israel, que usou com eles segundo as suas misericórdias, e segundo a multidão das suas benignidades.
Porque dizia: Certamente eles são meu povo, filhos que não mentirão; assim ele se fez o seu Salvador.
Em toda a angústia deles ele foi angustiado, e o anjo da sua presença os salvou; pelo seu amor, e pela sua compaixão ele os remiu; e os tomou, e os conduziu todos os dias da antiguidade.
Mas eles foram rebeldes, e contristaram o seu Espírito Santo; por isso se lhes tornou em inimigo, e ele mesmo pelejou contra eles.
Todavia se lembrou dos dias da antiguidade, de Moisés, e do seu povo, dizendo: Onde está agora o que os fez subir do mar com os pastores do seu rebanho? Onde está o que pôs no meio deles o seu Espírito Santo?
Aquele cujo braço glorioso ele fez andar à mão direita de Moisés, que fendeu as águas diante deles, para fazer para si um nome eterno?
Aquele que os guiou pelos abismos, como o cavalo no deserto, de modo que nunca tropeçaram?
Como o animal que desce ao vale, o Espírito do SENHOR lhes deu descanso; assim guiaste ao teu povo, para te fazeres um nome glorioso.
Atenta desde os céus, e olha desde a tua santa e gloriosa habitação. Onde estão o teu zelo e as tuas obras poderosas? A comoção das tuas entranhas, e das tuas misericórdias, detém-se para comigo?
Mas tu és nosso Pai, ainda que Abraão não nos conhece, e Israel não nos reconhece; tu, ó SENHOR, és nosso Pai; nosso Redentor desde a antiguidade é o teu nome.
Por que, ó SENHOR, nos fazes errar dos teus caminhos? Por que endureces o nosso coração, para que não te temamos? Volta, por amor dos teus servos, às tribos da tua herança.
Só por um pouco de tempo o teu santo povo a possuiu; nossos adversários pisaram o teu santuário.
Somos feitos como aqueles sobre quem tu nunca dominaste, e como os que nunca se chamaram pelo teu nome.
"

Isaías 63:1-19

22/02/13