zzzzzzzz

 

CLXV
Textos sobre Arte
Turandot Desvelada

O Que aqui diremos, bem sabemos, certamente para muitos será incompreensível ou mesmo inaceitável, já que os fatos narrados veladamente nesta bela peça, são velados e por este motivo, incompreensíveis a maioria, ainda quando explicados publicamente.

A Obra Turandot, relata o processo de dois Bodhisatvvas, e de uma Terceira Personagem, a qual ensina a ambos o sentido mais profundo do Amor, ainda que esta por si só, não seja capaz de amar maritalmente ao Príncipe Desconhecido.


Existe uma série de perguntas as quais precisamos nos fazer, de maneira a entender o que ali está simbolizado, visto que no seu sentido mais íntimo, se não entendemos quem são os Pais do Príncipe e da Princesa, ou que Realeza é esta que estes tem, ou mesmo o que é o Exílio ali citado, bem como porque o Príncipe é chamado "Desconhecido", não somos capazes de adentrar profundamente na realidade dos fatos, os quais através da era repetem-se com distintos desfechos, de acordo com a compreensão e o entendimento dos envolvidos.


O Sangue Real exigido pelo Rei (o Íntimo da Dama), para candidatar-se a unir-se com a Princesa (A Alma Humana encarnada), é a descendência Divina, um Bodhisatvva.

Os Três Enigmas, são uma exigência da Alma Humana, que no fundo são a compatibilidade Física, de Sentimentos e de Pensamentos (e por consequência o restante acima disto).

A Sentença de Morte é o fim do relacionamento, os traumas e a negação por parte da mesma.

Enquanto a Princesa recebe os cortejos, que são os relacionamentos sem sucesso, o Príncipe Desconhecido (O Bodhisatvva capaz de vencer os desafios da Princesa) encontra-se com seu Pai (seu Íntimo), por meio da Dama-escrava (não autorrealizada, sem corpos solares e sem interesse pela Obra).
A Integração da Dama-escrava é com o Íntimo, não com o Bodhisatvva, o que gera um relacionamento de Pai/Filha, de irmãos para com a parte humana e assim por diante, sem um amor marital, ainda que vivam aparentemente como um casal.


O Príncipe e o Rei, estão exilados, ou seja, não tem seguidores, não tem um reino, o que se traduz em certo processo físico/interno de afastamento.
É este chamado Príncipe Desconhecido, porque não tem seu nome desvelado, ainda sendo este o filho de um Rei.


Três Enigmas de Turandot:
Mente (Esperança)
Coração (O Sangue)
Sexo (Turandot)

São três perguntas, relativas a três esferas. Também três conquistas, em seu viver prático.

A Princesa se vê obrigada a cumprir com o juramento sagrado e também se vê contrariada em aceitar o resultado do vencedor, pois já perdera a esperança e não reconhece mais o Amor.

O Enigma do Príncipe Desconhecido:
O Nome de seu Ser.

Para que ela não necessite ficar com ele.
A Morte é o fim do relacionamento.

O Íntimo da Princesa, depois dele propor o desafio à Princesa, o aceita como o Príncipe destinado à Princesa, o vencedor da prova.

A Noite "Nessum Dorma" (que ninguém dorme) é um processo, não dura apenas uma noite, é um longo processo.

O Amanhecer para a princesa dá a entender a dualidade do Despertar da Consciência e a conclusão das Iniciações Menores.
Ela descobrindo o nome interno do Príncipe Desconhecido, ela pode liberar-se deste, e permanecer só, ou mesmo tomar outro como Esposo.

Os personagens que vemos na história, são boa parte dentro da própria Princesa, as diferentes facetas de sua psicologia, ainda adormecida.
Que para saberem o nome do Príncipe tem de Despertar, e uma vez Desperta, então sim tem a possibilidade, como vemos na história de negar o Príncipe.
Recordemos que a diferença entre A Reencarnação e o Retorno, é que o primeiro fazemos conscientemente, á vontade, e o segundo de maneira involuntária, já que não temos consciência para escolher o que vivenciaremos.

Os Iniciados sempre interpretaram o "morrer" no caso do Nessum Dorma, como realmente a Morte dos Defeitos, e certamente assim é, dentro da princesa, como clamam as diferentes partes dela mesma.
O Coro diz: "O Seu nome ninguém saberá... E nós devemos, morrer; Morrer!."

Liú sempre intuiu pela ligação que teve e os cuidados para com o Rei (o aspecto superior do Príncipe), seu nome, sua real natureza, sua origem.

Liú morre de tristeza, de desgosto, de frieza.
Entrega assim o coração daquele que ama, à Princesa.

"Tu que és de gelo, de tanta chama vencida, o amarás também tu!" - Liú
"Antes desta Aurora, eu fecho cansada os olhos, para não vê-lo mais!" - Liú

Antes do Despertar da Consciência da Princesa, ela realmente o amará, e Liú já não estará mais no plano material.


Isto certamente é uma cadência de eventos que vez ou outra se realizam, quando estes personagens se encontram ao longo das existências.

 

31/10/16