CLXV
Textos sobre Filosofia
O Centauro

Recentemente estive em uma fazenda aonde haviam cavalos para que os visitantes fizessem passeios sobre os mesmos.
Algo muito interessante que pude observar é que haviam cavalos que pusesse quem fosse encima dele, ele fazia o mesmo trajeto, sempre idêntico ou muito similar, totalmente de forma mecanizada e independente praticamente dos comandos que aquele que estivesse montado nele proferisse.

Posteriormente tive a chance de verificar o desempenho de um animal que poucos utilizavam e que ainda reconhecia totalmente os comandos de quem nele estivesse montado. Chegava a ser impressionante de observar que o animal andava até mesmo quase a bater em obstáculos se o condutor não desviasse dos mesmos.
Neste segundo caso me senti como imagino que se sente o Íntimo (O Real Ser) de uma pessoa que ainda responda a seus impulsos, pude ver na prática que o cavalo e o seu condutor naqueles momentos eram como uma só pessoa, como um mítico Centauro, aonde os comandos da parte Inteligente comandava e guiava a parte animalesca e que esta obedecia totalmente a esta guiatura.

Neste experimento não pude deixar de comparar o homem e seu Íntimo a um Centauro, tal qual um cavaleiro e um cavalo totalmente integrados.
O Ser para conosco nos dá o impulso e a direção, nos diz a intensidade, a força e o caminho a ser seguido, isto para nós assim como para o animal parece algo que brota de sua própria vontade, mas como podemos ver estamos sendo guiados por uma força superior a nossa que praticamente nos toca de forma a parecer nosso próprio instinto a nos guiar.

É Certo que o Centauro, este símbolo metade homem e metade animal é a representação da Divindade que personifica um Homem e este homem devidamente integrados.

Se observarmos o mito de Quíron que é o primeiro Centauro da mitologia grega, vamos ver que ele era o grande instrutor e formador de Heróis como Hércules, Aquiles, Jasão e outros mais.
Na Mitologia os Centauros durante um casamento real se embebedam e durante um confronto acaba Quíron ferído e por ser imortal não podia morrer.
Neste história Quíron ferido sem poder regenerar-se e imortal, dá sua vida por Prometeu e vai ao Hades em seu lugar.

Este processo aonde os Centauros ficam embebedados durante um casamento, recorda claro os Mistérios do Arcano e o casamento as Bodas da Alma, a união da Alma Humana com a Alma Divina.
A Ferida do centauro recorda-nos a ferida que recebem os Mestres no Gólgota, a mesma que recebeu Jesus.
O Resgate deste prometeu é o mesmo que fez o Cristo quando vai ao sepulcro, durante estes três dias e meio ele resgata o prometeu definitivamente.

Claro que este simbolismo da dualidade entre a parte Espiritual e a parte humana ficam muito evidentes.
Certamente nós devemos buscar sermos como este Centauro, um só com nosso Pai Íntimo, para que ele possa sim determinar nossos rumos e nosso destino, de outra forma seriamos apenas animais sem uma guiatura divina.

23/03/12