zzzzzzzz

 

CLXV
Textos sobre Filosofia
Capacidade de Adaptação

Todos nós temos tantas coisas se processando por detrás de nossos sentidos que muito remotamente é possível compreender ou mesmo sequer observar diretamente estas imensas habilidades em ação, em pleno funcionamento mudando o rumo de nossa vida.

Nós, em todos os níveis que somos compostos constantemente temos de nos adaptar a novas situações, a novas ocorrências e muito disto se dá automaticamente, até mesmo mecanicamente seja por uma força instintiva, seja por uma alteração psíquica ou mesmo motora, funcional da maneira que seja.

A Vida a todo momento nos exige adaptações, sem as quais a existência se tornaria impossível. Muito do que hoje somos, é exatamente gerado por adaptações que naturalmente ocorrem para nos encaixar dentro do existente, dentro da realidade na qual nos desenvolvemos nesta etapa da vida. A Própria criação da Personalidade, que são os hábitos e costumes, em parte servem para nos encaixar dentro da sociedade existente e dentro da cultura na qual nascemos.
Muitas das interfaces que usamos, seja de comunicação, seja de detalhes como forma de falar, forma de nos alimentar, é um resultado desta adaptação automática a região e a época em que vivemos.

Claro que o próprio organismo ao longo das fases da vida tem de adaptar-se a diferentes realidades, a diferentes situações as quais não apenas o organismo físico mas nossa psique, nossos sentidos como um todo precisam alterar seu funcionamento, seu processamento, para que possamos passar por tais vivências satisfatoriamente.

A Capacidade de Adaptação, muitas vezes uma virtude manifesta, quando operada conscientemente ou em bases a interesses da Consciência, do Ser, de Deus.


As etapas da vida exigem muita adaptação, muita mudança na forma de pensar, de sentir, de atuar, mas ainda assim o que mais nos exige adaptação é o Caminho Espiritual.
Adaptabilidade é uma questão de volatilidade, e Estabilidade é relativo a fixação.

Muitas pessoas tem grande estabilidade, no entanto não incapazes de fazer avanços ou adaptarem-se a situação devido a sua natureza fixa.
Esta capacidade de mudar, somente é positiva quando sabemos combinar esta adaptação ou esta volatilidade, a fixação daquilo que queremos cristalizar.
De nada adiantaria a pessoa ser capaz de adaptar-se a tudo e ser incapaz de sustentar-se aonde tem de estar em um determinado momento ou adaptar-se ao mal e a negatividade sem ser capaz de sustentar o que foi cristalizado positivamente em sua vida, em sua maneira de Ser.


Bem, como já dissemos, a Obra que corresponde a cada um realizar, nesta jornada de reintegração com Deus, é o que mais nos exige a capacidade de adaptar-nos, e claro também de fixar estas mudanças para que sejam permanentes e não algo que facilmente possa ser destruído.
Vejam bem, que o organismo humano está adaptado a coisas muito negativas do ponto de vista divino ou mesmo humano, já que a própria humanidade em geral reconhece muitos vícios e mal hábitos como negativos. Assim que mudar o que está fixo é necessário e estas mudanças claro além de profundas, precisam que sejamos capazes de atuar dentro de uma nova natureza a qual nos propomos vivenciar.

Há muitas pessoas que mesmo livres de um vício, tendem ainda a voltar ao mesmo, pela simples razão de não serem capazes de recriar suas vidas dentro de um parâmetro superior. Claro que em parte costuma ser porque a pessoa não fez uma mudança completa, realmente na raiz do problema, senão que apenas tentou fazer uma mudança superficial... mas ainda assim muitas vezes o hábito, o costume, aquilo que é natural a pessoa lhe atrai novamente a suas velhas andanças e por isto é necessário uma completa adaptação as novas realidades que sabemos por plena compreensão fazerem parte de nosso caminho.

Nosso organismo tem de passar por grandes e quase infinitas transformações para ser capaz de trilhar realmente o caminho espiritual, afinal ele precisa definitivamente transformar-se em algo novo e esta transformação requer esforço e uma capacidade muito grande de modificar-se a si mesmo, também de fixar-se neste novo parâmetro que estamos nos dispondo a adaptar-nos.
Vejam que o próprio corpo está acostumado à fornicação, e uma das primeiras coisas que a pessoa compreende quando inicia sua jornada é exatamente que esta energia que até então fora desperdiçada, é o ponto central de toda a questão da própria queda edênica.
Assim que, o organismo precisa adaptar-se a esta nova realidade superior e abrir certos canais internos, bem como aprender por ele mesmo estas novas vias de condição da energia para uma criação espiritual.
Isto tudo, seja na parte sexual ou no restante, é algo bastante difícil e que requer muita análise, dedicação, compreensão, também vontade.

Na própria Obra encontramos momentos aonde as coisas como eram terminam e precisam ser tomadas sob novos patamares e isto sempre muda drasticamente o rumo da vida de cada um. O Próprio Ser conforme integra-se com a pessoa humana, passa a determinar rumos que por diversas vezes a pessoa por ela mesma não seria capaz de realizar, já que são mudanças muito além da capacidade e mesmo do entendimento humanos mas que por esta integração com esta fração da Divindade, torna-se possível.
E a Obra tem muito destes momentos aonde as escolhas que fizemos ao longo de toda a vida se mostram contrários ao Espírito e temos de abdicar daquilo que praticamente dedicamos uma vida inteira em obter, e que devemos sacrificar para que nos aproximemos e nos integremos com o Espírito já que são exigências dele.

Claro que obviamente não estamos falando de nada que seja o conceito de uma pessoa alheia, ou do que esperem de nós as demais pessoas, estamos falando de processos conscientes e objetivos aonde a própria verdade ilumina o rumo da vida de cada um de nós e nos exige um posicionamento pela Luz ou pelas Trevas. Algo que ocorre constantemente no caminho e que nos exige esta constante capacidade de adaptar-nos a esta mutante realidade espiritual que a cada momento se mostra mais e mais elevada e exigente.

22/03/16