CLXV
Textos sobre Filosofia
A Teoria e a Prática Gnóstica

Vocês já se perguntaram o que é Gnosis?
Digo, realmente, sinceramente, internamente, a nível de consciência: O Que é Gnosis?

Por mais que alguém possa considerar que saiba ou que entenda o que é Gnosis, vemos que são palavras intelectuais, decoradas sobre o tema. Uma resposta genérica, fria e quase sem sentido prático da realidade deste tema.

Muitas vezes dizemos que a Gnosis deve ser manejada pura, que se misturamos estes ensinamentos, criamos aberrações. E Realmente assim é, criamos monstruosidades ao comparar e tentar ligar duas coisas por mais parecidas que sejam, do ponto de vista intelectual.

Mas porque isto? Porque não é a consciência que está dando seu entendimento sobre aquilo.

O Que é Gnosis? Uns dirão, funcionalismo da consciência, experiência prática, etc...

Então o que não é Gnosis? Conceitos, teorias, qualquer conhecimento ou informação gerada ou transmitida pelo Ego ou pelos veículos inferiores, desprovidos de Consciência.

Alguns irmãos mais entendidos, dirão que o que aqui ensinamos e o que aqui tratamos, não é Gnosis, pois não foram escritos deixados por tal ou qual Mestre, enfim, alegam que o conhecimento Gnóstico é a informação deixada por um Mestre.

É Doloroso dizer isto, porque sabemos que muitos entendem que é assim, mas o que os Mestres ensinam não é Gnosis, pelo menos não quando lemos, porque é a Consciência que tem o Mestre, é a Gnosis do Mestre, o que ele viveu, e quando lemos já não é mais Gnosis, porque nossa consciência não vivenciou não experimentou e não compreende aquilo, por mais que possamos ter um entendimento e guardar aquilo na memória.

Não digo que fagulhas de consciência não percebam a realidade e quem sabe não recorde que já passou por algo parecido, mas todo ensinamento é teoria, ainda que seja Gnóstico (da Consciência que o outro tem e de fatos que vivenciou).

Porque então os Mestres escrevem e ensinam tantas coisas? Principalmente para nos dar o ânimo, nos mostrar estas realidades e nos inspirar para que nós possamos comprovar por nós mesmos.

É Muito importante este estudo, e este estudo puro destes ensinamentos, deixando realmente de lado toda teoria, e buscando fazer uso da consciência para assimilar o que seja possível, mas no intuito de por em prática de vivenciar tudo aquilo.

Porque a Consciência sabe, e se estamos integrados, elege o que vamos praticar primeiro.

Mas de verdade irmãos, de coração que não podemos nos sentir sequer especiais por conhecer a TEORIA destes ensinamentos. Porque há pessoas que conhecem que estudam isto do início ao fim, sabem ao extremo do extremo de tudo que está escrito, mas o que sabe? Teorias... o que tem de Gnosis? NADA!

É Terrível dizer isto, mas não tem nada de Gnosis. Se lhe perguntamos como se mata um Ego, vai repetir o que diz em um livro. Se lhe questionamos sobre transmutação, não tem um entendimento próprio que dá a consciência do indivíduo. Que tipo de Gnóstico será este? Bem, pois não é gnóstico, é um estudante, um teórico.

A Loja Branca tem esta expectativa de que cada um possa realmente ir despertando e ir vivenciando o que cabe a cada um viver, tanto física como internamente.

O Problema é que todos, praticamente todos se contentam com a teoria. Lêem e sentem-se satisfeitos de saber a teoria. Aprendem e ensinam teorias.

Aonde ficam os Apóstolos internos nisto? Aonde fica o Cristo Íntimo, aonde está a Consciência o Ser desta pessoa? três, cinco, dez, vinte anos e continuam teóricos.

E Porque não são Gnósticos? Porque não levam a prática estes ensinamentos? Primeiro porque não querem morrer, não matam ao ego e por consequência não liberam Consciência para poder despertar.
Segundo porque vivem adormecidos, esquecidos de si mesmos, não se integram com sua consciência e não permitem esta expressão e esta vivência destas Virtudes.

Realmente é um conjunto de muitas coisas que temos que fazer por este Despertar, por esta vivência prática dos ensinamentos. Não é fácil, porque exige muitos, realmente muitos esforços por parte da pessoa humana, de sua Alma, de seu Ser, de sua Mônada, enfim toda uma ajuda tanto interna como externa (por parte da Loja Branca e dos Mestres).

Mas se formos ver aonde se falha, identificamos que é a pessoa quem falha, falha amargamente e deixa para trás todo este terrível esforço que faz seu Ser, que fazem todos estes Mestres que nos ajudam.

 

Algo que tem que ficar claro, é que realmente um Adepto pode ir nos mundos internos e investigar a Maçonaria Oculta, se é de seu interesse, até por quem sabe pertencer a este raio... ou observar os Mistérios de outras épocas, porque está fazendo isto do ponto de vista Gnóstico, pela prática, por meio do Akasha ou de vivências internas, ou pelo menos emanadas da Consciência, do Ser.

O Que não podemos é misturar teorias. Uma pessoa que hoje estude uma coisa (estudos gnósticos), e amanhã estude Espiritismo... o que ganha com isto?

Ganha que muito provavelmente se torne um médium de alguma entidade que quer fazer uso daquela pessoa para cometer suas maldades, ainda que com ares de santidade.
É Terrível isto, é terrível porque ao misturar o ensinamento Gnóstico, a teoria claro porque não praticam (e mesmo que pratiquem, se misturem), com QUALQUER outro ensinamento, seja maçônico, seja rosacruz, enfim qualquer coisa... vira uma hecatombe dentro da pessoa.

Por isto que na antiguidade se isolava a pessoa até que despertasse a consciência, para que posteriormente pudesse até quem sabe observar estas coisas, mas do ponto de vista e fazendo uso da consciência.
Isto eram níveis que tínhamos para não se deixar este iniciado perder-se com teorias que assolam o mundo.


Muitas vezes, irmãos nos questionam sobre muitas coisas, e realmente temos feito este esforço de tentar investigar e estudar do ponto de vista Gnóstico, da Consciência, sobre aquilo que nos questionam e nos trazem.
E Muitas vezes ficamos assombrados de perceber o quão diabólico e o quão tenebrosas são algumas coisas, que aquelas pessoas tem como justo ou como certo.
Exatamente por misturarem estes ensinamentos.

Se aqui escrevemos isto, não é nem para que nos leiam, mas quem sabe para que se limitem em algo, estudem e vivam algo, por favor.

Se uma pessoa pegasse um único livro, ou melhor um único parágrafo, de um livro e meditasse pelo menos naquilo, até a exaustão, seria um iluminado.
Digo, sua consciência, nossa consciência poderia nos detalhar tudo, toda a Obra, tudo, por uma frase.

Para que os livros? Para que possamos passar o tempo, nos cercando do que é esta realidade superior, para que conheçamos a teoria e quem sabe possamos já iniciar a ensinar pelas teorias e com isto adquirir méritos para este Despertar. Para que sejam guias de alguns processos aonde temos dúvidas e não temos a quem recorrer.

Estes materiais que deixaram os Mestres, são realmente guias, manuais, são orientações, mas precisamos vivenciar tudo isto.

Realmente há muito conhecimento Gnóstico espalhado por todo lado, os próprios Mestres as vezes falam de símbolos e elementos que são usados por outras linhas ensinamentos que não são gnósticos (sua atual expressão física, suas instituições), mas os Mestres ensinam isto extraindo apenas a VERDADE, a realidade que tem.


Estes dias um irmão fez um questionamento sobre um Anel que foi encontrado no Vale dos Reis no Egito.
É Um objeto que já nos chamou atenção quando criança mas nunca mais havíamos visto nem submetido a uma análise da consciência, simplesmente ignoramos até este questionamento desta pessoa.

Logo de primeira observação pude perceber uma imensa similaridade do sentido que foi criado tal anel com o símbolo CLXV.

A Representação são: Um Triângulo, três pontos, três linhas, três pontos e outro Triângulo. Haviam quatro furos neste anel sendo que dois ficavam alinhados no centro da linha principal.

Enfim, vimos que era uma derivação (uma forma) do Símbolo CLXV (Que é um princípio).
O Triângulo Superior (1), O Triângulo Inferior (0).
No Centro haviam 9 elementos o que nos indica a transformação do 1 em 0 ou do 0 em 1 como já comentamos.
Ou seja, vira um 6, quando flui do 0 ao 1, o que é um nove invertido.

O Oito são os dois furos, verticais, certamente. Algumas versões deste anel inseriram linhas em forma de oito na parte interna, o que realmente nos surpreendeu pois colabora com a similaridade.

Ontem meditávamos do porque do símbolo neste Anel supostamente Egípcio e assimilamos vendo o seguinte.
O Triângulo inferior é a pessoa humana (o conjunto inferior na verdade), os 3 pontos se referiam as três pirâmides do Egito, as linhas são a ligação entre elas e os outros três pontos que representam as três estrelas da constelaçao de Órion e certamente o segundo Triângulo representa a Divindade.

Inclusive o Ano que ele foi encontrado nos assinala sua relação com o Símbolo CLXV (1860 _ 1+8+6+0 = 15).

Então que esta é a verdade que extraimos deste Símbolo, mas se formos observar o que rodeia e como foi usado, vemos que o que se atrelou a ele, como informação, foram coisas muito negativas que aqui não temos nem porque adentrar.
Enfim, é algo que realmente estimula a espiritualidade, etc... mas que no momento que misturamos o símbolo (deste anel que comentamos) com os ensinamentos que hoje em dia se lhe atribuem, o transforma em mais um método de prejudicar o elo com seu Ser e com a Consciência.

Então que são ensinamentos divinos, mas que no momento que misturamos com qualquer outra coisa, já se perverte totalmente, se desvirtua e perde qualquer funcionalidade Divina que tenha.

E Isto fazem os teóricos com a Gnosis, lêem e lêem de tudo, estudam de tudo, e se formos ver, por esta falta de vivência prática e de capacidade de investigação, deixam com que estes elementos negativos se infiltrem em seu templo interior, impossibilitando definitivamente, em alguns casos, a manifestação da Consciência.

Nunca vi nenhum Mestre Gnóstico ou qualquer pessoa escrevendo sobre o Astral Interno e o Astral Externo.. mas pela prática sabemos da realidade de ambos; isto não é Gnosis?
Porque não se fala? Principalmente para que a pessoa não se confunda com tantas informações e que não se complique porque é o mesmo, senão que em potências distintas.

Explicamos hoje em dia isto, pela necessidade que tem, entre os que saem em Astral Conscientes, para que entendam porque muitas vezes dialogamos conscientemente no Astral mas a outra pessoa não recorda. Porque aconteceu no Astral interno, vimos a representação a nível atômico, que levamos dentro, daquela pessoa.

Então que há muita coisa que não está escrita e que nunca será escrita, porque cada um vai aprendendo isto pela própria vivência, pela Consciência que vá desenvolvendo.
O Que compartilhamos destas vivências, e destes entendimentos de nossa Consciência, é exatamente para dar o testemunho fiel, e absolutamente verdadeiro, de que estes ensinamentos gnósticos, puros, vividos na prática, dão seus resultados.

E o que não faça, nos perdoem, mas é porque não querem. E se querem, é porque não está fazendo adequadamente. Principalmente porque não é algo que se busca como pessoa, é um impulso Divino da Consciência que temos que saber deixar nos guiar.

E por fim, concluímos mais uma vez com estas palavras do V.M. Samael Aun Weor:

"Pratiquem, não desanimeis, por favor os rogo, pratiquem, é urgente que pratiqueis para que possais tocar viver e palpar a realidade dos Mundos Superiores.
Há que deixar as teorias e ir aos grãos, aos feitos; as práticas meus caros irmãos, à prática, repito a prática.
A Maior parte dos irmãos perdeu tempo teorizando, teorizando e nada mais que teorizando. Enormes, imensas bibliotecas, para que? Milhões de volumes e sem dúvida os pobres estudantes não tem faculdades internas, não sabem viajar em corpo astral, nunca falaram com um Mestre, nunca puderam conversar com um Elohim cara a cara.. isto é muito triste, o estado que se encontram. Cabeças cheias de teorias e de confusão, isto é tudo.
É Necessário que nós sejamos práticos meus caros irmãos, a teoria não... é perder o tempo inutilmente. Ser prático, ter muita fé, não se cansem destes exercícios que temos dado. ..."

04/10/12