zzzzzzzz

 

CLXV
Textos sobre Filosofia
A Vida e Continuidade do Conhecimento

Existem, podemos dizer, três classes de Conhecimento, um Divino, permanente, que nunca se perde, do Espírito.
Existe um conhecimento de tipo intermediário, que é o resultado gravado na Alma das experiências e interações tanto com o Espírito como com a Matéria, este é o resultado que adquirimos ao longo das experiências sejam Humanas, sejam Divinas. Estas experiências como bem sabemos, em geral estão gravadas de uma maneira a qual são apenas um potencial e uma percepção, não um conhecimento de tipo intelectual como informação lógica como fisicamente encontramos manifesta nas Obras materiais e seus ensinamentos.
Existe por fim um tipo de conhecimento que é a experiência humana, um tipo de conhecimento material o qual é acumulado ao longo de uma humanidade e que cada pessoa recebe como uma continuidade do que foi aprendido ao longo dos estágios que já viveu esta humanidade e estes tem a oportunidade de dar continuidade a isto, desenvolvendo um pouco mais estes ao longo de cada existência.

Se observarmos as diferentes culturas, os diferentes Povos, encontraremos marcas muito similares de uma natureza comum entre todas elas, um aprendizado seja no âmbito da Engenharia, da Ciência, da Religião, até mesmo da Arte, da Filosofia, e tudo isto que foi desenvolvido e que podemos aprender no sentido humano é transmitido a outros para que deem a devida continuidade naquilo que esta Humanidade como um todo acredita como justo e como necessário.

Claro que sempre houve e sempre haverá diferenças entre povos, também populações ao qual por um isolamento, terão características bastante diferentes, mas em geral, se observarmos suas construções, sua língua, sua cultura, encontraremos pontos muito comuns em todas, e tudo isto mesclado geram novos avanços.

Assim que o Conhecimento humano é algo vivo, uma forma a qual é transmitida de Pai para Filho, de Geração para Geração, ao qual dão sempre continuidade e desenvolvimento a cada um destes conhecimentos.

Tudo que hoje temos, mesmo no âmbito religioso, não seria possível estar manifesto como hoje temos, sem que tivesse havido um ganho progressivo, um desenvolvimento gradual da própria humanidade dentro destas sabedorias, ainda que claro muito do desenvolvimento disto esteja intimamente ligado com a Alma e com os Desígnios do Espírito e seus conhecimentos plasmados na matéria.

Mas mesmo os sábios Mestres de Hoje, o que ensinam, como ensinam, certamente são o resultado de influências de seus Mestres, do resultado de suas buscas e inquietudes as quais em parte são materiais, já que constam as reflexões dos antigos e seus experimentos, seus resultados, em suas Obras, sejam elas da natureza que for, Religiosa, Filosófica, Artística, Científica.


Todos os atuais sistemas, são igualmente o resultado de uma progressão de vivências, as quais não necessariamente são melhores que os sistemas antigos, senão que claro são uma progressão de vivências e de escolhas que faz a Humanidade por meio das vivências de cada um de seus indivíduos os quais conformam a Humanidade como um todo.

Certamente muito do que hoje temos, muitos dos conhecimentos, boa parte das decisões que tomamos, são equivocadas e negativas, em sua relação com a Alma e com o Espírito, já que se fundamentaram apenas na aparente questão material, e deixaram de lado todo o resultado interno destas ações.

Já houveram seja neste Planeta, bem como certamente em Outros, muitas humanidades, e o Conhecimento Humano em si, este Conhecimento de tipo Material, tem uma vida limitada ao tempo que vive uma humanidade. Claro que os aprendizados mais profundos e divinos que foram os avanços reais de uma humanidade, são carregados por meio da própria Alma e do Espírito quando do fim de uma Era, e por meio daqueles os quais claro são sempre o fruto final de uma época.

A Própria Humanidade como soma de todos os indivíduos lembra muito uma única pessoa, quando a observamos como unidade, já que tudo aquilo que ela é, acaba sendo o resultado de escolhas globais, ainda que seja uma média daquilo que cada indivíduo manifesta, algo que dentro de nós se dá da mesma forma, já que temos diferentes frações de princípios e valores dentro de nós mesmos os quais nos conformam como "Pessoa".

Observar o mundo deste ponto de vista, o comparando com uma pessoa, nos ajuda a entender um pouco melhor as diferentes partes de nós mesmos, e como nossas ações a nível de virtudes e de manifestação das mesmas, é capaz de modificar o rumo tanto de nossa história pessoal como mundial.
Também passamos a compreender melhor as relações para com o que é interno e para com o que é externo de maneira a equilibrarmos mais sabiamente isto, já que uma coisa está ligada a outra, muito mais do que comumente podemos perceber.
Vejam que a Humanidade de certa maneira cria o indivíduo, já que este recebe tudo que foi acumulado ao longo de uma humanidade, também a humanidade recebe o fruto que produz cada indivíduo e isto molda a Humanidade.

E é aonde entra tudo isto que até então falamos de particularidades, de vocação, de profissões, da iniciação como a própria vida e a vida como um seguimento de muitas existências aonde mesmo aquilo que não levamos conosco com a morte, reencontramos ao retornar à esta Humanidade em outro corpo, formando outra personalidade.

Qualquer um, dentro de sua vocação, atuando dentro de suas particularidades e princípios únicos, manifestando isto dentro de uma virtude e dentro destes impulsos divinos que tenha, gerará avanços muito importantes e acertos e integrações com as partes internas e vontades divinas, dentro do âmbito tanto pessoal como mundial.


Quando lemos as Obras de um Mestre, vemos que muito do que este Mestre disse, é em parte uma continuidade e uma complementação, ou até um desenvolvimento daquilo que fora dito antes, e o mesmo ocorre aos Mestres destes Mestres, e assim por diante, a sabedoria não tem como incorporar-se da noite para o dia, sem uma devida progressão e desenvolvimento naturais aos quais estamos todos interligados de alguma maneira.

Cada palavra, ensinamento e ação fora desta progressão, e fora deste momento ao qual corresponde cada coisa, são simplesmente palavras e mesmo ações feitas ao vento e fadadas ao esquecimento e ao abandono.

28/07/16