zzzzzzzz

 

CLXV
Textos sobre Filosofia
Aonde Temos de Estar

Tantas coisas temos de refletir, de analisar sobre a vida, que certamente deixamos passar muitos mistérios e muitos detalhes inegavelmente grandiosos nestes pequenos mas importantes aspectos que nos fogem aos dedos como uma infindável areia que não somos capazes de realmente segurar, conter, analisar, compreender.

Algumas noites atrás, talvez uma semana, em um breve momento solitário decidi meditar profundamente ainda que por alguns breves momentos os quais estaria completamente sozinho e graciosamente avancei rapidamente na integração interior e no avanço dos estados de consciência. Algumas vezes quando nestes estados de consciência alterados pela exaltação espiritual e a integração com as diferentes partes de nosso próprio Ser, sentimos, vemos, escutamos muitas coisas realmente grandiosas e profundas, muitas destas as quais não somos capazes de compreender ou mesmo de assimilar em nosso dia a dia, senão somente realizando isto nestes momentos profundos de integração íntima com forças muito acima dos sentimentos ordinários e dos pensamentos comuns.
Mas nesta noite em específico, nestes breves momentos, de silêncio e de profunda quietude completa, escutei como já ocorreu outras vezes, uma frase misteriosa, talvez um Koan, se preferir o leitor tomar desta forma, o qual era: "Ninguém sabe aonde está, até que esteja aonde tem de estar".

Subitamente voltei ao estado ordinário de vigília já exaltado por aquelas palavras enigmáticas, me dediquei uma vez mais a readquirir aqueles estados profundos e penetrar mais uma vez nestas regiões com o objetivo de compreender tão enigmática frase.


Ninguém sabe aonde está, até que esteja onde tem de estar.
Este é um conselho terrível, também uma verdadeira maldição à nossa razão, já que como poderíamos chegar aonde nos cabe, se somente saberemos quando chegarmos lá.
Como pode um homem coordenar sua vida, como pode fazer planos e arquitetar ações, se somente saberá aonde corresponde ir, uma vez estando em tal situação, ou local?

A Resposta é claro muito óbvia, muito simples e singela, ainda assim um amargo conselho a nosso costume e nossa razão que sempre quer estar preparada e adiantada para as infinitas possibilidades da vida, ainda que claro não seja capaz como bem sabemos.
No fundo isto de saber aonde estamos, é algo que somente é possível de momento a momento. Uma vez que façamos o que nos corresponde, uma vez que estejamos aonde tenhamos de estar, sabemos, realmente reconhecemos, sentimos...

Cada momento de nossa vida, acabamos tendo dentro deste parâmetro a aprender a nos conectar a nossas partes internas e interagir com elas, avaliar o mundo com os olhos do espírito e saber se nossa vida é neste momento um reflexo desta terrível verdade de estarmos aonde temos de estar, de fazer o que nos corresponde fazer. E a verdade é que somente uma pessoa pode saber aonde está, se está aonde corresponde realmente, estando aonde tem de estar.
Não existe uma resposta negativa, senão que quando estamos aonde nos corresponde, sentimos realmente esta integração com cada região interior, com este fluxo e refluxo divino que age e que compenetra cada região nos dando o que corresponde nos dar, para que atuemos como temos de agir.
E é este fluxo que uma vez integrados nos permite seguir esta guiatura interna de momento a momento, de ação a ação, sem jamais nos desconectarmos deste princípio divino do qual emanamos e representamos.

No fundo é somente isto que precisamos, integrar-nos a cada momento com estes princípios e sentir a nós mesmos, no mais profundo de nosso Ser, e isto nos conduz a todas as realizações do que é possível e mesmo do que é impossível já que nestes momentos não é uma pessoa falando, não é uma pessoa agindo, mas a própria Divindade conduzindo seu aspecto humano por meio de infinitas e intermináveis ações que ele próprio é capaz sim de realizar pois não faz o que faz pela unidade que é, mas pelo princípio, pela energia que flui e reflui em todo ser vivo e que anima e que perece todas as coisas.

O Motivo das pessoas sentirem-se perdidas, sem guiatura, sem luz, sem que esta verdade lhes transpasse em cada momento, é simplesmente o resultado desta terrível situação, que não estão aonde tem de estar, que não fazem o que lhes corresponde fazer, por isto não sabem aonde estão, por isto não sabem o que fazer realmente.

Assim que saber onde estamos, ter esta percepção consciente, é sempre o resultado de estar aonde nos corresponde estar.

7/12/16