zzzzzzzz

 

CLXV
Textos sobre Filosofia
A Busca do Conhecimento

Conhecimento, esta é uma palavra que representa algo que todos acreditam ter.
É Claro que o Conhecimento é algo infinitamente amplo que abarca diversas áreas do Saber.

No entanto, apesar de falarmos de Conhecimento, de Saber, é certo que há profundidades entre o que seja um Conhecimento, uma Informação, algo que tomamos Consciência, ou algo que passou a fazer parte de nós como Ser.

Informação, é o resultado de uma transmissão intelectual, um estudo, ou mesmo uma observação feita pela mente;
Conhecimento, é resultado de análise e processamento da informação;
Consciência, é vivência prática de algo, que dentro de certos parâmetros, torna-se Consciência.
Ser, como encarne de certos princípios que são gerados por meio destas vivências Conscientivas.

É Certo que é muito difícil transmitir o que queremos transmitir, porque o que aqui dizemos, o transmitimos como uma Informação, e chega apenas em um primeiro momento até a Mente do leitor.
Quando busca-se entender o que está sendo dito, torna-se um Conhecimento, ainda assim uma teoria, uma informação processada, mas sem experimentação concreta.
Para que uma Informação torne-se Conhecimento, necessitamos ainda assim, de que isto seja analisado pela Consciência.
Isto não significa que tornou-se consciência, que desenvolvemos Consciência acerca deste evento, deste assunto, deste conhecimento em questão, senão que conseguimos por meio mais além do raciocínio, intuir sua verdade, sua natureza real e concreta, ainda que não tenhamos ainda vivenciado isto.

Para que o Indivíduo possa fazer Consciência acerca do que aqui estamos falando, é necessário a vivência acerca disto, neste caso de observar a transformação concreta de algo que é uma Informação, tornando-se um Conhecimento, logo fazendo-se cristalizada como Consciência, então por fim integrando-se com o mais profundo de nós mesmos, fazendo parte daquilo que Somos.

Outro exemplo que podemos dar, e que já foi inclusive dado pelos Mestres, é o do fogo.
Uma coisa é alguém nos dizer (antes de que tenhamos tido contato pela primeira vez com isto), que o fogo queima, que o fogo intenso pode nos causar danos...
Outra coisa é a pessoa fazer uma análise acerca disto, levar esta informação até a Consciência, processar isto de alguma forma Íntima.
Já algo bastante distinto, é esta mesma pessoa aproximar-se do fogo, observar como causa dano nos demais, ou até em si mesmo, sentir o calor, sentir o elemento ígneo consumindo a própria carne, sentir a dor, ver o dano causado. É óbvio que este passo em questão, transforma aquela informação, aquele conhecimento, ainda que Conscientivo (pois há diferentes tipos de conhecimento), em Consciência realmente.

Para que esta natureza do Fogo, torne-se parte de nós, necessitamos dar um passo ainda mais além da própria Consciência, que é o resultado da absoluta integração com esta natureza do fogo, não apenas do perigo, mas dos seus valores, seus atributos, é realmente nos integrarmos com isto de uma maneira a tornar-nos parte dele e ele de nós.
Isto é um passo que naturalmente torna-se visível quando compreendemos algo intimamente.

Toda informação e todo conhecimento são perdidos entre o processo de morte e de nascimento, por isto que não nos é conveniente perder tanto tempo com questões que não são transformadas em consciência, encarnadas como parte daquilo que Somos.

É claro que muito do conhecimento humano é necessário para a vivência diária, para a comunicação, para o entendimento cotidiano, e claro não estamos nos opondo a isto, apenas que reforçando que mesmo isto, se nos é necessário, deveria ser transformado em Consciência, para que não seja uma busca inútil, uma vivência perdida.

Nossas experiências, tudo aquilo que vivemos, por bem ou por mal, moldam aquilo que somos, e podemos dizer que fazem parte de nós, mas como vemos nem tudo fazemos consciência, também quase nada do que sabemos, temos realmente comprovação, conhecimento prático, ou Conscientivo, acerca disto.


As pessoas estudam demais, conhecem coisas demais, tem informações demais, vivemos em uma era plena de informações, mas quase de nenhuma Consciência.
Todo este excesso de informações, todo este absurdo de comunicações, impossibilita o processo de Conscientização, também torna mais que impossível o Encarne de tudo isto, até porque boa parte, senão quase tudo, não são elementos que podem ser transformados em Consciência pois são falsas teorias, informações equivocadas.

Assim que perguntamos, qual o sentido de uma vida, vivida fora destes parâmetros adequados à esta progressão da Consciência? Daquilo que realmente somos e nos tornamos por meio destes eventos, destas compreensões...

08/09/17