CLXV
Textos sobre Filosofia
A Imaginação e o Verbo

Para os Deuses imaginar é criar, para os Iluminados imaginar é ver, para os loucos imaginar é sofrer, para a Humanidade imaginar é perceber seus desejos.

A Imaginação é a mesma Clarividência. O Mundo é a imaginação dos Deuses, eles imaginaram e houve a criação. Os Iluminados imaginam e vêem toda esta criação, não apenas a parte física.
As pessoas com doenças mentais ao imaginar, deturpam completamente a realidade e fusionam seus medos e seus piores temores em meio a uma realidade criada por eles próprios.
A Humanidade quando imagina, faz por um impulso mecânico de seus desejos e aspirações e com isto em vez de perceber a realidade como fazem os Iluminados ou criar como fazem os Deuses, só percebem o que eles mesmos projetaram internamente.

Imaginar é ver, imaginar é criar, a imaginação é o próprio Verbo da Consciência.

Quando adentramos no campo da realidade, quando nos despojamos de nossas idéias de nossos conceitos e passamos a perceber o mundo físico tal como é, sem interferir nestas percepções, nos aproximamos desta Imaginação criadora.

A Imaginação provém da Consciência, está acima da mente, o que é projetado e visto pela mente quando da imaginação é apenas o reflexo de algo ainda superior a isto.
Libertar-nos da tirania da mente, dos sofrimentos impostos pela mente é urgente para desenvolver esta imaginação criadora.

No caminho da Auto-realização íntima a imaginação necessita estar verdadeiramente desperta e impregnada de consciência e de vontade. Tudo que necessitamos no caminho está intimamente relacionada a imaginação criadora.

Se pedimos a eliminação de um defeito psicológico préviamente compreendido, vemos sua eliminação por meio da imaginação, da clarividência.
Se pedimos a nosso Deus que nos permita aprender algo, o vemos em uma meditação por meio desta imaginação divina que possibilita seja acessar o próprio Akasha (memória da natureza) ou ir a tal ou qual lugar investigar algum fenômeno ou acontecimento.

As Crianças tem uma imaginação fértil, realmente percebem grandes verdades e tem muitos dons ativos por esta imaginação livre da tirania da mente. Claro que tudo tem seu limite e logo as coisas se misturam e se tornam sombrias, então a mente assume o controle, ditando medos, ditando regras, enfim... impondo sua tirania.

Não permitir com que na mente se projete qualquer coisa que não seja emanada da Consciência e do Ser, é pois nossa tarefa. O Ego sem um campo de manifestação, é como uma comunidade agrícola sem ter aonde fazer seu plantio. Sem planos, sem premeditações, sem justificativas, o Ego tende a morrer facilmente, porque já está enfraquecido e delimitado por sua brutalidade impensada.

Conforme a mente não seja um obstáculo para a Clarividência ou Imaginação, podemos perceber as verdades latentes na natureza. Seja ao observar uma árvore, conhecer a fundo sua natureza, sua função, seus atributos... enfim, tudo é possível para uma pessoa livre da tirania da mente, Inspirada, Intuitiva, Imaginativa.

Nós somos todos muito negativistas, a mente sempre imagina o pior, se fulano não foi ao trabalho "morreu", "está doente", "aconteceu uma tragédia" diz a mente.
Quem sabe não tenha se atrasado, etc... tantas coisas podem ter acontecido.

A Imaginação consciente, a observação da Luz Astral, sem a interferência do Ego poderia realmente nos dizer se aconteceu algo ou não, mas como já projetamos algo e não permitimos VER o que realmente aconteceu, a imaginação atua equivocadamente, não como uma vidência real dos fatos, mas como uma projeção do que gostariamos ou não gostariamos que acontecesse.

Vivemos épocas decisivas da atual humanidade, sabemos que o autêntico esoterismo é reservado a uns poucos que se deram verdadeiramente a tarefa a remover o véu do mistério, no entanto os Mestres fazem sempre super esforços para tirar esta venda que ao longo das eras sempre cai sobre estas humanidades.

Saber falar na hora de falar, saber calar na hora de calar, aprender a manejar o verbo tanto físico como mental ou conscientivo, é pois indispensável para a Grande Obra.
O Segredo da palavra está em não dizê-la. Pois quando dita, poderá desfazer montanhas, preciptar vulcões, evaporar os mares.

O Maior segredo do Poder está em não usá-lo. A Não interferência, o uso no momento certo, pois potencializa qualquer criação.
Abster-se na hora certa, atuar no momento exato é a solução do Enigma.

Qualquer prática que façamos, podemos fazer físicamente, mentalmente ou conscientivamente. Se sabemos unir estes tres métodos, temos pois uma criação fecunda.

Muitos vocalizam com o verbo, outros vocalizam mentalmente, poucos fazem com o coração, ou com outras palavras com a imaginação criadora.
Uma pessoa poderia imaginar mentalmente a energia subindo pela coluna e sendo depositada em algum Chackra, mas o ideal é sentir, é realmente ver esta energia sendo projetada até tal ou qual região.

Todas as teorias surgem da falta de observação direta da realidade. A Teoria, a dualidade é uma forma de demonstrar que nenhum lado tem razão. Nem a Tirania nem a Anarquia estão com a razão, isto qualquer pessoa percebe.

O Objetivo da dualidade é demonstrar que ambas estão erradas e fazer sempre se ir ao centro. Duas colunas tem o templo, só adentra ao templo o que sabe se por entre uma e outra, sem estar preso a nenhuma delas.

Tentar unir os opostos é anular aos mesmos, é destruir o templo por arrancar as duas colunas do lugar aonde devem estar.
A Tese é a Tese mas conduz a Antítese que igualmente continua sendo Antítese e que conduz a uma nova Tese. A Síntese é pois o resumo e o justo entre a uma Tese e sua Antítese.

A Imaginação é a síntese da Consciência, a Tese e a Antítese são a dualidade da mente, que temos que aprender a superar.

Uma Imaginação Consciente, uma Mente Inspirada, uma Vontade Inquebrantável, são pois a Armadura a Espada e o Escudo de qualquer Cavaleiro.

06/11/12