CLXV
Textos sobre Filosofia
Ser o que Somos

Se observarmos os tempos atuais, vamos ver que ninguém quer ser o que é, sempre querem ser mais, terem mais.
Esta ambição desmedida acaba tirando estas pessoas daquilo que lhe impulsiona sua parte espiritual.

Há na vida algo que somos destinados e que nos corresponde realizar e isto constantemente nos impulsiona nosso Espírito, e se sabemos seguir este impulso, não só somos felizes, como realizamos perfeitamente tal ofício ou questão que seja.

Na vida, muitos empregados querem ser patrões, muitos porteiros ambicionam serem mais. A Verdade é que sentimento é algo equivocado, porque se agimos dentro daquilo que nos corresponde, naturalmente a consciência nos guia até o ponto que devemos estar.

No meio esotérico encontramos muitas pessoas que querem ser Mestres, que querem poderes, e isto é o mesmo, esta mesma ambição de ser mais, de querer mais, ainda que voltado a algo espiritual.


Já sabemos que a maior religião que existe é o Amor, e para chegarmos a amar realmente, temos que nos reduzir a nada. Esta nulidade que nos referimos é exatamente escapar deste julgo, desta amarra que tem estes defeitos de auto-piedade, auto-consideração, ambição.

Ao desejar mais do que nos corresponde, ao nos imaginarmos superiores ou inferiores aos demais, nos deslocamos de uma forma aonde o Amor verdadeiro não é capaz de atuar.

Se tomamos o caso de um insultador. Se uma pessoa ofende a outra de alguma forma, se é alguém que carrega em si a auto-piedade, a auto-consideração que é exatamente esta mola da ambição, ela reage violentamente, porque crê-se santa, perfeita, inatingível.
Se realmente somos o que somos, e se compreendemos isto, nem ofensas nem elogios podem modificar nossa forma de atuar, ou nos tocar de qualquer forma.
Uma pessoa consciente de sua realidade, toma as palavras como um conselho ou claro perdoa o insultador, já que está equivocado, e isto é amor.

Por isto dizemos que somos Máquinas. Porque as pessoas reagem umas as outras como máquinas que ao apertar um botão sorriem, ao apertar outro choram.

Para deixarmos de sermos estas máquinas manipuladas por estes eventos exteriores, temos que Ser o que somos, e nos reduzirmos a nada. Reconhecer a realidade e disto nos fazer livres destes conceitos equivocados.


28/06/13