CLXV
Textos sobre Filosofia
Vivências e Suposições

Vivemos em um mundo de suposições, a história escrita e contatada que temos dos tempos passados são suposições em base a uma lógica materialista do "possível" dentro dos conceitos limitados daqueles que fizeram estes estudos.

No campo esotérico também abundam ensinamentos, relatos e histórias que são meramente suposições, e muito equivocadas, algumas vezes.
Buscar a sabedoria não é delito, o delito é permanecer na ignorância.

Temos de trazer isto para nossa realidade, e dar-nos conta de que muitas bases que hoje temos, sejam de carater físico ou metafísico, são bases criadas em suposições, em histórias, em ensinamentos que não temos a menor vivência e real compreensão a respeito e que muitas sequer correspondem a REAL realidade.
Claro que aquilo que nos deixaram os Mestres, estes que realmente tem consciência desperta e investigaram, comprovaram e então ensinaram, são verdades as quais temos de levar em consideração, mas buscar vivenciar, compreender realmente isto que nos é transmitido, traduzir para nossa realidade como vivências.

Quando experimentamos a recordação de uma existência passada, temos com propriedade como afirmar isto do retorno, porque já tivemos uma existência antes da existência que hoje vivemos. Quando analisamos um conjunto de existências anteriores, damo-nos conta das leis de recorrência, ao perceber quantos fatos em comum repetem-se ao longo de cada uma destas existências.


Vemos como é impossível ensinar, realmente ensinar este caminho, sem estas devidas vivências...
As pessoas se maravilham com as histórias contadas pelos Mestres, e parece que se contentam em escutá-las como se fossem uma realidade inalcançável, algo que para elas é impossível. O Pior é que estas mesmas pessoas que não querem trabalhar, são as que não aceitam que outros trabalhem e logrem estes resultados.

Temos de produzir em nós o anelo para com o Espírito, para com as coisas divinas e virtuosas que serão as que permitirão a nossas Almas místicas ao abandonarem o corpo durante a noite e buscar os mistérios e as verdades nesta dimensão oculta, mais além do mundo material.
Uma vez em posse desta sabedoria e destas verdades para com o caminho, então vivenciá-las em meio a vida prática e sermos provados em nossas intenções e aspirações.


Na prática como alguém vai ensinar sobre a morte do ego, se não realizou tais trabalhos em si mesmo?
E fica claro quem vive e quem não vive tais ensinamentos, pois o teórico fala de teorias as quais o prático jamais conseguirá validar, pois não correspondem a realidade e sim a fantasias e suposições.
Por isto que precisamos levar a prática o ensinamento e realmente vivenciar cada um destes tantos detalhes que fazem parte do caminho, para então sermos capazes de guiar e de instruir aqueles que vem depois de nós e passam pelo mesmo que já passamos.

É claro que a consciência mesmo desperta tem muitos graus e níveis e o que em um momento validamos de tal maneira como verdade, posteriormente podemos ver com mais amplidão que não era apenas aquilo, ou não era bem aquilo, já que a consciência é como uma visão que vai se ampliando e vendo um todo cada vez maior e mais amplo.


Somente quando tenhamos plena consciência e vivência sobre Desdobramento Astral, Existências anteriores, Intuição, Telepatia, Clarividência, Clariaudiência, poderemos então libertar-mos destas amarras sensoriais que hoje temos e nos guiar por dons que nos guiam por entre diferentes dimensões, até a Grande Realidade.

Sejamos práticos!


28/02/14