CLXV
Textos sobre Filosofia
Ameixeira

Tempos atrás observava uma ameixeira localizada em um terreno inacessível, aonde seus frutos apodreciam ainda em seus galhos sem que ninguém se beneficiasse deste alimento, senão alguns poucos pássaros que buscavam refúgio naquela portentosa mas solitária árvore.

Via-se em muitas extremidades os frutos já quase negros ainda presos a seus galhos, sem que nenhuma criatura tenha aproveitado destes esforços em prover vida a outros seres.

Dava-me conta que a cada um destes frutos gerados sem que fossem devidamente aproveitados, cada vez menos frutos iria produzir a árvore durante aquele período, pois suas extremidades já estavam preenchidos com os velhos frutos já sem vida.


No caminho esotérico nos é ensinado que conhecendo dentro, conhecemos fora, e que por analogia observando o pequeno, podemos entender o funcionamento do grande. Recordemos que por observar a gravidade de um fruto que caia de uma árvore, foi possível a um homem, entender a gravidade universal e a gravitação dos planetas.

No esoterismo também ocorre como ocorreu a esta Ameixeira, se não há quem se beneficie destes frutos, desta sabedoria, esta pessoa em questão, deixa de gerar este ensinamento, já que ninguém pode aproveitá-lo.

23/09/14