CLXV
Textos sobre Filosofia
Decisões e Transformações

Decisões... a vida é feita de possibilidades, de dualidades.
Diversas vezes ao longo da vida, ficamos como em um cômodo, uma espaço, um lugar, uma sala, aonde há diversas portas, mas uma vez escolhida uma porta, não é possível regressar àquele estágio anterior, àquele cômodo, senão que trilhar o caminho que esta porta nos abre.

Nossa existência é algo cíclico... a vida não é uma linha reta mas uma curva ao qual com a morte abre-se novamente a porta da vida e regressamos mais uma vez ao ventre materno. Claro que aos que conhecem estes ensinamentos, bem sabemos que este regresso à matriz humana é algo limitado a 108 existências, existências estas que nos servem para superarmos o estado humano ou então sermos tragados pela involução submergida.

O que ocorre e o que queremos aqui explicar, aqui neste momento, é que há alguns eventos nesta linha da vida, aonde surgem nós, e destes nós, saem diferentes fios, que levam a diferentes situações, de acordo com nossa escolha. Algo alegórico, similar ao que dizíamos deste espaço aonde temos de escolher uma porta.

Estes pontos matemáticos são recorrências de eventos que já aconteceram ao longo de outras existências e que temos de transcender eliminando os atores que realizam estas situações, ou quem sabe modificar o rumo destes eventos, com sábias decisões, pelo menos. Mas há instantes sempre cruciais na vida do indivíduo e grande parte das vezes estão relacionadas a seu traço psicológico, que é o que normalmente lhe faz falhar ao longo de uma existência.

Nós somos aquilo que vivemos, temos em nós tudo aquilo que experimentamos, tudo aquilo que vivenciamos, aqui e agora, dentro de nós mesmos. Então que nossas escolhas, nossas vivências nos modificam profundamente e é importante que tomemos sábias decisões a cada etapa do caminho, da vida.


Nós somos criaturas muito interessantes, pois temos o dom de transformar matérias, energias... falávamos em outra oportunidade da questão do Dharma, que é o Capital Espiritual, e explicávamos que tudo pode ser transformado em Capital Espiritual e posteriormente transformado novamente em algo Material, ou Espiritual, conforme a necessidade.

Nosso organismo transforma os alimentos em energia, nós usamos a energia para produzir recursos e alimentos para repor a energia, formando um fluxo contínuo muito interessante para sustentar a vida.
Mas há algo mecânico e há algo transcendental nestas transformações...

Dizemos comumente que as pessoas em geral não são seres humanos ainda, são um protótipo sequer de Homens, porque não estão completos, são máquinas inconscientes e adormecidas.
Damos um exemplo disto, se à uma pessoa lhe ofendemos, esta pessoa toma esta energia emocional e transforma em palavras rudes, em socos e pontapés, quem sabe.. um sábio, um Homem de verdade, uma mulher no sentido completo da palavra, certamente não reagiria negativamente frente a estes eventos, senão que transformaria esta energia em compreensão, em amor, em uma energia de cura, de sabedoria.

O Mistério do Bafometo, é dito que é a habilidade de transformar forças grosseiras em coisas divinas. Ainda se compara ao trabalho que faz uma Rosa, de extrair da podridão da terra o principio que ela converte no agradável aroma que encanta e que comove a todos. Além do próprio perfume, que enaltece a qualquer criatura, transforma aquele lodo, aquela morte... em beleza, em vida.

Assim que, isto são duas questões que estão diretamente ligadas... estes momentos dramáticos da existência de cada indivíduo, e esta habilidade de transformar energias que estão envolvidas nestas situações.
Afinal se entregamos uma energia negativa a nossos sentimentos, nossos pensamentos, alimentaremos defeitos, falhas que temos, e nos tornaremos pessoas piores, senão que também criaremos novos defeitos e novas criaturas nocivas dentro de nós mesmos.

Se transformamos esta energia destes eventos por meio da consciência, então preenchemos nossa Alma e nossa Consciência de sabedoria e de poder.

As Provas Esotéricas que somos submetidos ao longo do caminho é algo que demonstra muito claramente isto que estamos dizendo pois desde o primeiro momento, o candidato à Iniciação é posto em um cômodo, e tem por assim dizer, que escolher entre duas portas. Uma porta lhe conduz ao próximo nível, à próxima sala, à próxima câmara do Templo, ou a outra lhe conduz para fora do Templo, de volta ao mundo, e com certas regalias.

Então que se não temos a devida compreensão da realidade, esta observação do ponto de vista Espiritual, realmente com os olhos do Ser, inevitavelmente nos deixamos levar pela materialidade e pela superficialidade das coisas e fazemos escolhas nocivas para nós mesmos, ainda que na aparência não seja o que parece.


No caminho temos de aprender a amar a nossos piores inimigos e a literalmente beijar o látego do verdugo.
E isto porque aprendemos a transformar estas energias abismais em forças celestes.

01/04/15