CLXV
Textos sobre Filosofia
Cada Manhã

Nossa vida como já sabemos é o conjunto de existências as quais sucessivamente vamos dando continuidade a nossas ações, nossos dramas, nossas alegrias, também nossas tragédias.

O V.M. Samael chega a comparar estas sucessivas existências a uma mera troca de roupa, a qual continuamos sendo quem somos, apenas com novas vestimentas.
No fundo de nós mesmos, continuamos sendo aquela mesma criatura que já nasceu de diferentes matrizes e que já teve muitos nomes e nacionalidades.

Isto das sucessivas existências nos recorda muito cada novo dia, cada novo amanhecer, que é de certa maneira como se nascêssemos novamente, já que o processo do sono é muito similar ao processo da Morte.
Nós naturalmente a cada dia nos preparamos para o dia seguinte, afinal há necessidades básicas e compromissos que temos de sermos capazes de prever e de nos organizar para cumprir com estas necessidades de cada dia.

Por isto que o materialismo é tão danoso e equivocado, pois o indivíduo acredita e vive uma existência como se fosse sua vida, como se seu corpo fosse o que é, e ao cessar a vida neste organismo, estará morto, sem perspectiva, sem futuro.
Muitas das pessoas ainda que religiosas, vemos vivem uma vida materialista, aonde o principio e o fim de suas ações estão relacionados ao rumo de uma única existência.

Nós inevitavelmente temos de encarar as sucessivas existências da mesma forma que encaramos as sucessões de dias que compõe uma existência.
Assim que cada dia, continuamos com nossos avanços, com nossos esforços, com nossos compromissos e da mesma forma se dá com as existências.

Imagine se a cada dia fôssemos para um rumo diferente, se fizéssemos algo contrário ao que fizemos no dia anterior.
Imaginemos que um dia sejamos pedreiro e no outro destruamos tudo que fizemos no dia anterior. Certamente torna-se ilógico e sem propósito algum a vida, a existência e este trabalho diário.


Por isto que há esta necessidade de se transmitir as pessoas esta compreensão, do que é a realidade daquilo que são e daquilo que podem vir a ser.
Pois vemos inevitavelmente que as pessoas hora correm para um lado, hora para outro, e no final das contas vemos que estão mais ou menos aonde começaram a existência, a vida, porque seus dias são contraditórios, suas existências são contraditórias.

Claro que é necessário ter consciência, ter realmente uma vivência destas realidades, para que possamos encarar de verdade a vida neste formato no qual realmente se desenvolve, muito além das teorias e dos conceitos dos Espiritualistas e dos Materialistas, que não são mais do que opiniões subjetivas sobre a verdade, sobre a vida.

29/04/15