CLXV
Textos sobre Filosofia
O Tempo e a Sabedoria

Como aqui já tivemos a oportunidade de dizer, o tempo como tempo não existe. Pois o passado está no do que o resultado do que hoje somos, e o futuro nada mais é do que a possibilidade daquilo que podemos vir a ser, de acordo com nossas vivências, que dão-se a cada momento que vivemos.
Assim que passado e futuro em última síntese não existem, e o que existe é este eterno momento, o qual sintetiza aquilo que nos tornamos por aquilo que fizemos, e o que que em potência podemos ainda vir a realizar.

Ainda assim, há métricas as quais usamos para medir a passagem destes sucessivos momentos, o qual chamamos horas, dias, meses, anos..
Com isto formam-se idades, tanto físicas como esotéricas. Afinal todos nós temos uma idade, seja uma idade biológica, a qual marca o tempo o qual estamos em posse deste veículo físico, como idades internas, as quais são também distintas.

Afinal basta recordar que cada Alma tem direito, uma vez saindo do Absoluto (Deus Imanifestado), à 108 existências e 3.000 ciclos na roda da evolução e involução (passagem pelos reinos da natureza).
Isto gera outra metragem que é a idade desta Alma, quanto tempo, está já fora do Absoluto sem regressar a este.
Além disto há a idade esotérica, que é o retorno e a integração com a Divindade, que já explicamos em outras oportunidades e não é algo relativo a passagem do tempo, senão nos esforços conscientes que realizamos.

O Tempo, ou seja, estas idades, elas sempre vem com responsabilidades, e isto é algo que qualquer pessoa com uma certa idade já deve ter percebido.
Estamos nos referindo mesmo ao tempo cronológico de nosso veículo biológico.

Afinal vemos que a criança ela carrega em si, uma panacéia para qualquer mal que tenha, e não há doença, não há infortúnio que ela pareça não ser capaz de curar-se como que milagrosamente.
No entanto conforme as idades vão avançando, e os processos do indivíduo vão mudando, o tempo parece cobrar um aprendizado, e a criatura que parecia ser respaldada por uma força invisível, vai tornando-se mais sucetivel a qualquer mal, tendo assim que esgrimir sua vivência, sua sabedoria.

Conforme vamos acumulando idades, sejam elas biológicas, internas ou mesmo esotéricas, naturalmente vai recaindo sobre esta criatura, diferentes responsabilidades e a própria natureza cobra uma extrema Sabedoria, conforme este "Tempo" avança.

Se uma criança cai, e sofre uma fratura, sabemos que esta fratura inevitavelmente será rapidamente restaurada. Se um adolescente tem uma fratura, igualmente sabemos que com um pouco mais de cuidado a fratura será restaurada. Já se um adulto sofre uma fratura, ou um idoso, sabemos que conforme a idade, o organismo se mostra mais inapto para regenerar-se. Isto serve para doenças, e mesmo para os processos cotidianos, psicológicos, que apresenta a vida.

Assim que o "tempo" exige mais cuidado, mais sabedoria, mais previsão, muito mais consciência.
Isto vemos mesmo nas leis humanas, afinal uma criança que cometa um delito, sabemos que não pode ser responsabilizada como se faria à um adulto.
No entanto se vemos um idoso cometendo um crime, inevitavelmente é algo que nos surpreende e que claro é agravante, afinal não se espera isto de uma pessoa de idade avançada, não porque seja incapaz, mas porque já teve vivências o suficiente para saber o certo e o errado e para ter a vida ganha.


Com a idade vem a necessidade de esgrimir o que aprendemos da vida, sabendo o que serve e o que não serve, o que nos convém e o que não nos convém.

Claro que há o que fazemos por uma debilidade, mas há o que fazemos por uma suprema necessidade, um Sacrifício.

15/06/15