zzzzzzzz

 

CLXV
Textos sobre Filosofia
(Arcano II) O Saber e a Integração de Dois Mundos

Na primeira lição acerca dos Arcanos, estudamos o Arcano I, O Mago, aonde aprendemos o valor da organização e da integridade. Naquele primeiro arcano aprendemos a SERMOS, já que por meio desta unidade, desta unificação das diferentes partes que compõe a criatura, é como torna-se possível a criação, sem isto somos apenas um vasto abismo vazio e sem vida.

Isto que estamos aqui hoje ensinando, não são informações sem valor, mas o fundamento esquecido da obra de muitos irmãos que não apenas ao longo desta existência, mas das eras, trabalharam e não tiveram os concretos resultados esperados por seus esforços.
Este breve estudo sobre os Arcanos é um guia prático para recuperar o tempo perdido, e acelerar firmemente o trabalho daqueles que anseiam pela Sabedoria Espiritual e pelos Mistérios que apesar de tão próximos e tão perto, mostram-se claramente intocados.

Recordemos que o Arcano I, nos indica a SERMOS em nossas Obras da mesma maneira que somos internamente, em nossos pensamentos e certamente em todas as diferentes dimensões que compõe o homem.
Sem esta integridade, sem esta manifestação expressa daquilo que somos, nenhuma realização é possível, pois para que haja a criação necessitam-se que diferentes forças estejam todas elas voltadas a um mesmo ponto em um mesmo momento. Se as distintas energias não se entrecruzam em um mesmo ponto em um momento específico, a criação não se faz.


Neste momento, trataremos de falar acerca do Arcano II do Tarot, e expor o segundo passo que o Iniciado deve encarnar, impreterivelmente, para avançar em sua marcha rumo ao Espírito.
Recordamos que este trabalho deve fazer-se de maneira ordenada e sincera. Devemos alcançar lograr este SER, no sentido de tornar-nos íntegros e autênticos, para então dar o segundo passo que aqui hoje tratamos de expor.

O vento e as ondas vão sempre a favor de quem sabe navegar.” – Axioma do Arcano II

Bem sabemos que o Mago e a Sacerdotisa são o casal primordial da Obra, e as duas colunas do Templo.
Se no Arcano I, fora nos ensinado o SER, no sentido da integração de todas nossas partes físicas e internas de maneira a organizar-nos e tirar de nosso interior o que não nos corresponde, e cultivar o justo, o verdadeiro, no sentido espiritual, no Arcano II certamente recebemos as ferramentas para lograr fazer manifesto os prodígios do Altíssimo.

O Arcano II simboliza o SABER, onde em seu axioma diz que as distintas circunstâncias sempre estão a favor do que sabe manejá-la.
As circunstâncias são externas, e o saber que aqui é referido é o que provém de nossa Cosnciência e de nosso Íntimo.
Por isto reforçamos que sem o primeiro passo concretamente dado, o segundo seria mais que impossível.
Seria equivalente a querer andar a cavalo sem existir o cavalo ou querer construir uma casa sem ter um local para isto. Em fim, temos de ir fazendo esta construção passo a passo e conforme conquistamos uma etapa, trilhamos a jornada do próximo feito.
Comumente aprendemos que o saber é algo que provém da mente e do raciocínio, e não negamos que a mente tem suas funções, assim como além dos pensamentos, os sentimentos, o instinto, tudo tem seu lugar, no entanto muitas das funções que hoje para nós estes centros realizam, realizam pela falta de um instrumento superior, para fazê-lo.
É como uma pessoa que faz uma jornada impossível a pé, por não ter um carro, ou mesmo um avião, ou outro meio ainda mais avançado que isto.
Dentro de nós ocorre o mesmo, muitas das funções que solucionamos e que fazemos uso de um centro interno para resolver, na verdade fazemos pela falta de algo superior e é isto que nos cabe estabelecer nesta segunda câmara de nossa jornada.

Quando há esta sinceridade e esta naturalidade no homem, como há em uma criança, então necessitamos aprender a conectar-nos concretamente com este Saber Universal, que não é um conhecimento que encontramos em livros, ou que seja possível transmitir-se por um discurso.
Ainda que muito dos segredos que ainda existem sejam ensinados de lábios a ouvidos, os verdadeiros mistérios e a absoluta VERDADE acerca deles, somente podemos compreender ao encarnar por meio da vivência e da investigação direta.
E é isto que aprendemos a manejar neste segundo Arcano...
O Primeiro Arcano são as ferramentas devidamente preparadas e alinhadas, e o Segundo Arcano é a unificação destas ferramentas com o correto uso e o devido impulso para funcionar.

No Arcano II, aprendemos a falar com Deus, aprendemos a orar, a meditar, a reconhecer ao nosso redor tudo que está dentro de nós, e dentro de nós tudo que está ao nosso redor.
No Arcano I, aprendemos a integrar-nos e organizar-nos a nós mesmos, no Arcano II, aprendemos a integrar estas forças internas com as forças externas, possibilitando assim o manejo concreto da Alta Magia e da influência direta sobre todo o existente.
O Saber inferior, como conhecimento, pode ser elaborado em base a teorias, ou em base a este princípio e guiatura espiritual. Assim que se há esta integração entre as partes inferiores e superiores, podemos chegar a este Saber autêntico, preparando assim, as frações interiores para serem uma autêntica expressão do mais profundo, daquilo que realmente Somos, no mais Íntimo.

No Arcano I, aprendemos a alinhar os veículos internos (e físico) e no Arcano II aprendemos a manifestar estas frações Íntimas e manejar nossos estados anímicos, além do que já foi comentado.

Uma vez tendo estabelecido ordenadamente os passos do Arcano I e do Arcano II, estaremos então prontos para esta Terceira Câmara de nossa jornada.

24/08/15