CLXV
Textos sobre Metafísica
Talismãs e Amuletos

Vamos explicar um pouco sobre objetos especiais que servem para diversos fins como a proteção ou a canalização de uma força específica.
Primeiramente temos que entender o que são Amuletos e o que são Talismãs. Amuletos são objetos quaisquer cuja pessoa dá importância e entende que aquele objeto lhe fornece bons eflúvios ou lhe protege. Os Talismãs normalmente se referem a fórmulas específicas como podemos citar o Pentagrama que são símbolos conjunto de objetos e formas que atraem certas forças cósmicas até o objeto em questão e encerram ali certo poder.
Um Talismã claro é um Amuleto, se a pessoa assim o considera, mas um amuleto poderia ser uma simples pedra, o que não constitui em si um Talismã.

Talismãs podem ser usados mesmo pelos que não tem fé depositada no objeto, já os Amuletos necessitam que tenhamos certa força consciente(ou inconsciente) depositada ali, há que o objeto em questão ter um valor especial para uma pessoa ou grupo.

Estes Amuletos e estes Talismãs tem por objetivo servir de diferentes formas a pessoa que os usa. Há objetos que servem de proteção contra ataques de Magos Negros como é o Pentagrama Esotérico, há outros objetos que servem para proteger contra energias que emanam do Averno, há outros que protegem contra o tão conhecido olho grande dos demais (Inveja). Há talismãs que são objetos para canalizar a força interior e projetar ao mundo físico ou aos mundos internos e serve para potencializar e converter para estas forças internas que possuímos.

O Amuleto quase sempre tem função passiva, ele não canaliza nossa força ou permite canalizar nossa força através dele para um fim.
O Talismã na maioria das vezes é sempre um acumulador de forças e tende a transferir forças da natureza ao seu possuidor ou transferir sua vontade interior e sua força para o meio externo.

Uma pedra poderia ser um Amuleto, uma moeda poderia igualmente servir de Amuleto, enfim qualquer objeto que se ligue a alguma virtude ou represente algo divino pode servir de amuleto seja para uso pessoal ou para um Ambiente (Trabalho ou Casa).
A Fabricação de um Amuleto é bastante simples, você provavelmente carrega consigo algum amuleto, há pessoas que carregam uma nota de dinheiro e possuem aquilo como forma de atrair a Fortuna, não deixa de ser um amuleto. Há pessoas que guardam certos objetos da infância com bastante cuidado e isto igualmente o qualifica como amuleto.
Uma pessoa pode ter sua aliança de casamento como amuleto, viva representação do Amor deste homem e esta Mulher juraram preservar.
O Nível do amuleto depende exatamente da atenção que damos ao objeto, se uma pessoa vai até o topo do Everest, escolhe uma pequena pedra lá em cima e a enterra e vai embora... se quando chega ao final do Everest sobe novamente unicamente com o objetivo de buscar tal pedra, pode ter certeza que o Sacrifício dedicado para obter tal objeto o transforma em um Amuleto pessoal. Claro que não precisamos subir uma montanha, é apenas um exemplo dentre outros que podem ser dados.
O Sacrifício para obter, o tempo que levamos para conseguir, o valor que gastamos com isto, claro influencia na potencialidade do Amuleto, lembrando que todo Talismã igualmente se encaixa neste quesito pois todo Talismã não deixa de ser um Amuleto.

Os Talismãs podem ser formados a partir do conjunto de objetos, Três Cristais (pequenas pedras de Cristal), conformam um Talismã, exatamente porque recorrem as força da Trindade (Pai, Filho e E.S.).
Vejam, se temos Sete Planetas principais que influenciam as pessoas e estes planetas tem cada um seu Metal, a união destes sete metais em um objeto ou em um saquinho (para carregar eles), constitui em si um Talismã, mesmo que não tenham uma forma, ali se deposita a força da Organização e a Potência atômica dos Logos Planetários.
Mas vamos mais profundo nisto, se temos doze constelações, cada Signo tem sua Pedra, tem seu Metal.. o que me dizem de um Talismã constituído por estes itens? Certamente é uma longa jornada obter todos estes materiais, sendo alguns muito raros e de difícil obtenção.

Estes objetos claro não devem aprisionar a consciência, temos que ter em conta que somos nós os Mestres, não servimos aos Objetos, eles são para o Esoterista simplesmente o que é uma espada e um escudo para um Guerreiro. Isto significa que se por acaso algum dia não tenhamos estes objetos, que estejamos perdidos, claro que não, pois é a Mão que maneja a espada e não o inverso.

Recordemos que com a morte só levamos nossa consciência e o resultado de nossas boas ou más ações durante a vida, então claro nos utilizemos destes objetos mas com a consciência que o dia que tenhamos que nos retirar da existência física, eles não irão conosco.

No Gnosticismo existem práticas para a Consagração destes Talismãs e Amuletos, a Consagração é exatamente um Ritual aonde uma pessoa ou um grupo de pessoas por meio de orações e fórmulas mágicas deposita forças dos Elementos da Natureza nestes objetos.
Os Talismãs não deveriam ser comprados, um talismã consagrado definitivamente não pode ser vendido. Claro que não é tarefa fácil a fabricação de um pingente por exemplo, mas podemos pedir a um Joalheiro que faça por nós o serviço, pois não estaríamos comprando o objeto senão que solicitando sua fabricação, por não termos o conhecimento, a habilidade e as ferramentas para construir.

De qualquer forma há muitos talismãs e amuletos que não necessitam de outras pessoas para sua construção, principalmente no que consiste em obter certo conjunto de pedras ou metais como citei.
Quando compramos objetos feitos em série, o Talismã costuma perder em parte seu valor (ou por completo), principalmente porque aqueles que utilizam partilham de cópias idênticas de um mesmo objeto e isto liga todos os objetos e seus utilizadores.

Veja, se você tem uma moeda de prata desde sua infância e faz dela um Pentagrama Esotérico de Prata, já tem muito mais valor do que qualquer outro Talismã pronto que possa encontrar. Precisamos não sermos tão comodistas com o que diz respeito ao Esoterismo, isto de fabricação de Talismãs em série é apenas uma forma de uns ou outros ganharem dinheiro e claro tirarem o mistério de um Signo.
Isto não quer dizer que não podemos comprar objetos feitos em série, mas sim que dentro do possível e do viável que os façamos nós mesmos ou que façamos por meio de orientações claras para que seja algo único.

Por outro lado podemos igualmente unir pessoas por meio de um Amuleto ou Talismã, um casal se utiliza exatamente de duas alianças idênticas (de tamanhos adequados, claro) feitas do mesmo pedaço de Ouro (assim devia ser). Isto claro serve para unir estas pessoas enquanto carreguem aqueles objetos, isto liga uma pessoa a outra. No Gnosticismo os Bispos se utilizam de certos anéis, além claro do elemental (da pedra) e dos símbolos ali colocados, este anel serve como um Talismã que une este grupo internamente, exatamente pela analogia de seus anéis. Claro que isto existe em diversas instituições e em muitas culturas do presente e do passado.

Estes talismãs mais simples em formatos de anéis, pulseiras, brincos e pingentes, servem exatamente para que possamos carregá-los em qualquer momento da vida, não somente em seus trabalhos esotéricos, senão que a todo momento. Claro que há talismãs de uso exclusivo quando de um Ofício ou de alguma atividade específica.

Entenda que até mesmo nas profissões há símbolos que as representam, um Engenheiro tem uma Engrenagem, a Medicina tem o Caduceu de Mercúrio, isto não deixam de ser Talismãs de uma profissão, claro representam a função de cada um e resumem seu Trabalho.

23/09/11