CLXV
Textos sobre Metafísica
[CLXV] O Raio da Justiça Cósmica

Aqueles que nos acompanham nestes estudos e já estão acostumados com alguns simbolismos e explicações relativas aos números, já devem ter lido algumas das muitas explicações referentes ao termo "CLXV".

Há muito tempo escrevemos um livro, se é que podemos chamar assim, com grande parte das percepções e interpretações, investigações relativas ao Símbolo CLXV. Atualmente estamos cristalizando todos estes ensinamentos no papel, não para divulgar como livro impresso, pois estamos fazendo este trabalho a mão, mas para criar um objeto mágico que sirva para unir e condensar ali todos os ensinamentos relativos a isto, e ajudar a resgatar o que ainda falta ser entregue.

Hoje pela manhã estava transcrição para este livro físico de alguns ensinamentos e nos deparamos com uma destas explicações relativas ao significado do termo CLXV que queremos aqui compartilhar para relembrar:
"Os números tem vida e eles nos falam sobre muitas coisas. 165, 1 Simboliza o Mago, exercendo o Amor (6) e a Lei (5).
O Mago (1) Exercendo apenas o Amor (6) equivale à Fragilidade, a torre de babel (16), pois sua construção não terá uma base sólida e será destruída.
O Mago (1) Exercendo apenas a Lei (5) equivale a Paixão (15), é muito perigoso se valer apenas da Lei, se é movido pela cegueira e se é julgado pelo mesmo julgamento que damos.
Não é ao acaso aquele trecho ritualístico que diz: "Amor é lei, porém amor consciente", se decompormos numericamente vamos encontrar 6=5 ~ 165.
Porque o Amor é a própria Lei, porém há que haver consciência (O Mago) para determinar a dosagem de ambos.
Se observarmos o número 65 por exemplo, vamos ter Kabalisticamente "A Aprendizagem", que é o processo para o surgimento do 1, pois se está incompleto. Somente quando houver 165 haverá 12 (1+6+5) que é o Apostolado e que por meio deste chegamos ao Espírito Santo (3) que é igualmente a representação da tríade divina.
"


Para a consciência os números são entidades vivas, são forças são princípios que representam diferentes forças, dependendo do contexto que se encontrem.
Se dizemos 15 a qualquer pessoa, esta perguntará: - "Quinze o que?".
Não é verdade? Pois dependendo do que sejam estes 15, ou qualquer número que seja, teremos uma interpretação e uma reação diferente.
É como dizer, devo quinze, ou me devem quinze, são questões opostas e de reações contrárias, ainda que relativas ao número 15.

Não é do número 15 que queremos falar hoje, e sim de outro mistério, do relativo ao Arcano 16.

Os números são progressões de forças, de consciência, de poderes, em fim, da natureza que lhe atribuímos. Afinal se falamos que conquistamos 1 vértebra da coluna espinhal, ou 15, ou 33, estamos mostrando até aonde foi esta progressão do trabalho.

Há realmente passagens difíceis no caminho, processos mais difíceis, exigentes e delicados. Os números como já dissemos e reforçamos, são criaturas vivas, e dentro da natureza de um 8 por exemplo, ou de um 16, se encontram situações bastante severas e difíceis de serem processadas na vida de cada um.

O V.M. Samael em uma de suas cartas a seus discípulos disse o seguinte referindo-se ao Arcano 16: "Há que fulminar ao eu com o raio terrível da Justiça Cósmica. Há que passar pela decapitação de João Batista. Tem que resolver morrer, com todos seus desejos, pensamentos, anelos, projetos, etc., etc. É necessário que passes pela aniquilação, só assim entrará em ti o Glórian. Teu Glórian é o 'Eu Sou', o Cristo, o Cordeiro Imolado, Osíris, Chur, o Homem-Sol, o rei sol. Aquele Ruach Elohim que segundo Moisés lavrava as águas do principio do mundo. O Ancião dos Dias, o Homem do Tempo e do Rio cantado por Daniel o profeta. Mas tem de resolver-se a passar pelo Arcano 16 do Tarot" - Samael Aun Weor.


Muitos homens buscam a Deus, buscam a Verdade, e o problema é que não temos um entendimento, não temos capacidade de compreender o que seja esta Verdade e muito menos o que seja Deus. Nossos sentidos, nosso entendimento, nossas percepções são baseadas em funcionalismos da mente, de nossos sentimentos, e estes vivem invadidos por inimigos da Verdade, antíteses de nosso Deus íntimo.

A Deus não há que buscar, a verdade não é algo que encontramos buscando. Temos de limpar-nos de nossa escória interior e preparar este organismo para sermos capazes de suportar a Deus, de receber e encarnar a Verdade. Quando tenhamos nossos sentidos e nosso organismo como um todo purificado, então sim Deus, nosso Deus Íntimo ali habitará, e então encarnaremos o Verbo, a Verdade.

Tudo que já dissemos e tudo que vamos dizer relativo aos números, e relativo a estes assuntos da consciência e até do mundo, são validos dentro de um contexto, que a consciência é capaz de perceber e então emitir informações a respeito quando necessário. Para as pessoas o problema é que tomam estas informações como dogmas, como percepções fíxas de algo que está em constante movimento e que não cabe para tudo, senão que para alguns assuntos, alguns momentos.

Nos números encontramos uma progressão relativa a nosso trabalho íntimo, afinal tudo são números e podem ser expressos por meio de números. O 16 é uma destas etapas, como já dissemos, bastante sensíveis do caminho e decisivas, pois nos vemos entre o absoluto Ser ou Não Ser.

Os Grandes militares, os gênios das guerras, bem sabem, que se é realmente e absolutamente necessário lutar, que seja em um terreno e de maneira que estes homens tenham de lutar por suas vidas, sem possibilidade de fuga, sem chance de que escapem, pois assim se enchem de valor e de força. Nesta luta espiritual isto se traduz pelo processo relativo ao Arcano 16.
Pois o 16 é isto, ou morremos para o Ser, ou morremos pelo Ser. Morrer para o Ser, é abandoná-lo submergir no abismo. Morrer pelo Ser, é encarná-lo.

Há mortos que vivem, e há vivos que estão mortos...


A Serpente ao entregar o fruto proibido a Eva, utilizou-se das seguintes palavras: "Nequaquam moriemini. Eritis sicut Deus, scientes bonum et malum" - Gênesis, Antigo Testamento

Não morrereis. Sereis como os Deuses, cientes do Bem e do Mal.
Todo o drama terrestre, todos os eventos iniciados por este magnetismo universal representado em um primeiro instante sob o signo do santo oito (8), e que em sua quinta expressão manifesta-se como CLXV (165 ~ 16890), tem talvez seu mais intenso processo nesta passagem dos mistérios, pelo Arcano 16.

Afinal é neste 16, nesta suprema aniquilação da pessoa como Ego, e do surgimento como Ser, que tem-se o resultado da promessa da Serpente Edênica.
Se estudássemos sem dogmatismos, sem preconceitos, a realidade desta frase, e todos os fatos ocorridos desde então, certamente guardaríamos todos os nossos livros sagrados, porque teríamos a plena certeza que nada do que foi dito até hoje entendemos...


O Símbolo CLXV, encontramos tanto no Arcano 15, como no Arcano 16.

Na parte inferior desta lâmina encontramos a "Fundação CLXV", ou seja, a Pedra Fundamental o qual é a base, o eletromagnetismo sexual.
Se analisamos a carta como um todo, e se comparamos com o símbolo CLXV completo (MDCLXV), encontramos na parte superior o 7, como normalmente é representado, com dois traços, um maior na parte superior e um menor no meio, voltado para baixo.
Na parte central, representando a Mente, é mostrado a purificação, a destruição de nossos defeitos que são os que nos separam da Divindade.
Na parte inferior, encontramos muito perceptível o símbolo MDCLXV (7156892034), aonde o Cajado representa o 9, o Látego o 6 e o Bastão dos Patriarcas, o 1. A Parte central aonde se cruzam todas estas partes o 8, a contraparte do Bastão dos Patriarcas, ou seja, o aspecto inferior deste é o 0, assim como a contraparte, a base do Látego e do Cajado representam o 3 e o 4 no símbolo completo, as duas serpentes são o número 5 a da esquerda e 2 a da direita (Pois 6+5 = 11. 9+2 = 11. E 11 é a Mãe, a Serpente dos Mistérios).

Alguns dirão que o 16 é negativo, e claro é como falar do 13 que também simboliza a morte além da imortalidade, pois para que algo naça, algo tem de morrer. Se não eliminamos um defeito, jamais brotará uma virtude. A Vida se alimenta da Morte e a Morte se alimenta da Vida (16890).

Recordemos nestes instantes ao Cristo em sua Cruz, algo morre, algo ali é "Fulminado", ainda assim, exaltado mais além do que podemos compreender.

"Uma vez iniciei uma Meditação neste Símbolo em questão e dele vi os números formando o Cristo, em sua Cruz. Claro que isto não me espantou tanto já que se nota que são em formato de cruz, mas o que me causou espanto foi ver o que surgiu depois disto.
No principio os números 18069 formaram o Corpo do Cristo na Cruz, O "1" a Cabeça, o "8" o Corpo, o "0" os pés, o "6" e o "9" os braços.
Após isto sim vi algo mais além, vi mais cinco números além destes cinco primeiros (75234), o 7 apareceu na cabeça e logo vi se transformar em uma Coroa de Espinhos, o 2 e o 5, vi se transformarem em cravos e tão logo transpassaram as mãos do Cristo, (5 no 6, 2 no 9), o "3" e o "4" se transformaram em um único cravo que transpassaram os dois pés de Nosso Senhor o Cristo. Passado algum tempo vi sua ferida fatal sendo aberta, de dentro para fora, mais uma vez assinalando o 8.
5+6 = 11, 9+2 = 11. 3 + 4 = 7, e o próprio 7 da coroa. 'Meu número é 11, como é o número de todos aqueles que me seguem' - Ritual Gnóstico
" - Extrato do Liber CLXV ou O Símbolo CLXV.

19/03/14