CLXV
Textos sobre Metafísica
A Eterna Lei do Pêndulo

Todos nós que adentramos neste caminho, certamente tornamo-nos buscadores da verdade.
Não de uma verdade contada, ensinada ou escrita, porque a verdade é algo que não pode ser aprisionado em formas ou em expressões ainda que muito belas e condizentes com a realidade.

Bem e Mal muitas vezes se confundem e o que é errado algumas vezes dentro de certas circunstâncias pode parecer certo. No entanto a verdade nada tem sequer a ver com o bem e com o mal...

A Verdade é algo que não pode ser ensinado ou transmitido, não é algo a ser debatido ou estudado. Dissipamos o erro, a mentira, o delito, e com isto abrimos espaço para encarnarmos a verdade dentro de cada um de nós.


Tudo, absolutamente tudo na vida é cíclico, dia e noite se sucedem constantemente, as estações uma após outra cumprem com suas funções e logo repetem o ciclo. Cada beleza e perfeição que possa surgir na primavera, sabemos terá de partir no outono. Vida e Morte.
Tudo tem um começo e um fim, absolutamente tudo que existe, em algum momento terá de não existir mais.

Cada grande civilização que surge, é sempre sucedida por outra e por outra... mas dentre estas civilizações encontramos este ciclo tal qual associamos a Lei do Pêndulo.

A Lei do Pêndulo é exatamente esta força que se alimenta dos contrários. Quanto mais lutamos pela liberdade, mais estamos preparando o terreno para um futuro Tirano. É inevitável que toda ação tenha uma reação contrária em algum momento.
Quando empurramos o pêndulo até um extremo, alimentamo-o com força suficiente para que consiga realizar a mesma façanha até seu sentido oposto.

Toda opressão gera uma revolta, e toda luta por liberdade gera uma nova tirania.

Tudo que é, um dia será novamente; E tudo isto que é agora, um dia já foi.


Se não houvesse esta constante alternação de forças, esta luta constante por mudança, não haveria "vida", não haveria "possibilidades".
Estas sucessivas mudanças exigem de nós adaptação, exigem ação, e isto nos faz reflexionar, nos permite mudar nosso interior.
Dizem os Mestres que "Nas piores adversidades encontram-se as melhores oportunidades", e é isto que propicia sempre a Lei do Pêndulo.

Imaginemos uma terra muito Religiosa, aonde todos conhecessem os mistérios e isto fosse algo natural, acessível a todos. Certamente as pessoas estariam cansadas de tanta "religiosidade", teriam da religião algo mecânico e "do dia a dia", sem qualquer transcendência.
Por isto que ciclos de grande religiosidade e integração, percepção espiritual, são sucedidos por ciclos de terrível materialismo.

A Vida se alimenta da morte, e a Morte se alimenta da vida.
Quando morre a religião, os homens anseiam mais uma vez por uma metodologia, por um ensinamento que possa lhes indicar o caminho da verdade novamente.

Em outras palavras imaginem se houvesse apenas o dia, sempre luz, luz, eternamente luz, calor. Certamente além da morte de todos os seres, biológicamente falando, seria algo muito desagradável a nossos sentidos. Assim a cada noite, ansiamos por ver novamente a luz, aguardamos ansiosos o nascente à nos iluminar mais uma vez.

"Das Trevas sai a Luz e o Cosmos brota do Caos... O Inferno é a Matriz do Céu". - Pistis Sophia Desvelada

28/07/14