CLXV
Textos sobre Metafísica
O Real propósito

Todo aquele que se proponha a trilhar este caminho, deve de verdade tornar-se muito reflexivo, afinal é desta compreensão transcendental que tenha, que irá pouco a pouco desfazendo o véu que lhe impede de ver a verdade.
Tudo na vida tem um propósito, um motivo, e se sofremos, se passamos por alguma situação difícil, se nos encontramos em um estado psicológico negativo, é óbvio que isto vem a ocorrer com um motivo bem definido.

Nada, absolutamente nada na vida ocorre sem que uma causa lhe dê origem, e chegar a estas origens é a forma de compreendermos a razão das consequências que são estes eventos os quais observamos.

Falávamos no texto anterior sobre a Lei do Pêndulo e estes constantes extremos que vemos constantemente se manifestando seja na vida das pessoas, como na sociedade, na humanidade.
Toda Religião nasce e morre, toda civilização nasce e morre...
Dissemos que cada luta por liberdade conduz a uma nova tirania e isto é uma grande verdade.

Se analisarmos superficialmente vamos chegar a conclusão que tudo é inútil, afinal para que todo esforço e toda ação, se toda ação conduz ao acúmulo de energia para a força contrária possa atuar.
Mas os sábios Mestres nos dizem, e certamente cada pessoa mais reflexiva chegará a mesma conclusão, que cada grande religião, cada civilização, certamente cumpriu com um papel importante e sempre algumas poucas pessoas fizeram o que tinha de ser feito, assimilaram forças e aproveitaram estes eventos por alimentar em si o que é eterno e não pode ser destruído.

A própria vida termina sempre com a morte, em algum momento a morte chega. Tudo aquilo que estudamos, que decoramos, aquilo que acumulamos de bens, de riquezas, tudo aquilo de títulos, graus, se vai, se perde.
Por isto que é tão necessário compreender realmente o sentido da vida, o sentido das religiões, o real sentido do nascimento e do fim de cada uma das civilizações.

Sabemos que aquilo que levamos da vida, são nossos valores, e o resultado de nossas ações, em outras palavras nossas virtudes e defeitos, e o resultado de tudo aquilo que fizemos. Se compreendemos a fundo isto, certamente viveremos a vida de maneira muito distinta.


Muitas pessoas simplesmente se deixam levar pela vida, como sendo a vida em si mesma eterna, afinal cometem toda classe de delitos e de egoísmos, como se isto fosse o que levamos da vida. Afinal a real vida é algo que exercemos ao longo de muitas existências, ainda que hajam distintos processos de nascimento e morte.

Vemos que muitas pessoas conhecem bem a temática gnóstica, entendem intelectualmente estes ensinamentos, mas quando na vida se apresenta alguma questão, demonstram que não tem encarnado absolutamente nada destes ensinamentos.
Afinal como diz o Mestre Samael: "As obras falam pelo ser que as executa".

29/07/14