CLXV
Textos sobre Metafísica
Soluções Kármicas

Nossas ações constantemente se transformam em consequências, boas ações trazem boas consequências, más ações transformam-se indelevelmente em más consequências.

O Karma é a transformação de nossas más ações em más consequências, que são estas mesmas ações transformadas em eventos negativos.
O Dharma são o resultado das boas ações quando transformadas em consequências positivas.

No caminho da Grande Obra, ou mesmo àqueles que anseiam por viver uma vida digna, necessitam conhecer e compreender a fundo esta regra para que possam sanar os males que lhe afligem, pois mesmo tendo cometido más ações e estas tendo transformado-se em más consequências, isto pode ser solucionado.

Por mais que pareça incrível para alguns, a vida é uma matemática perfeita, cada ação soma ou subtrai uma quantidade de valores espirituais que carregamos e isto nos traz benefícios ou prejuízos ao longo da vida.

Existe uma regra nisto dos Karmas, que é a analogia, que são similaridades. Quando cometemos más ações de um gênero, e por isto somos cobrados, podemos realizar boas ações do mesmo gênero e com isto anular a origem da má ação e por consequência o resultado da mesma.

Então que se nós sofremos porque nos falta alimento, se partilhamos ainda que o pouco que nos reste, isto faz com que estejamos pagando pelo erro que cometemos, pois estamos fazendo uma boa ação, do mesmo gênero da má ação que fizemos e como resultado tivemos a fome.

Se não temos onde morar e lutamos para que outros tenham seu lar, é óbvio que os motivos kármicos que nos impediam de ter nossa morada, ficam revogados e com isto nos liberamos do Karma que havia a este respeito.

Assim que é muito simples se formos observar, se aflige a você uma doença, ou a alguém que você queira curar, cure a outros que sofrem do mesmo mal, é o que diz a Lei Divina.
Diz a Lei Divina: "Faz boas obras para que pagues tuas dívidas".
O Grande Kabir Jesus também disse: "O Que dá recebe, do que dá recebe, e quanto mais dá, mais recebe".

Se observamos estas duas frases, elas tem um fundamento único em comum, e é lógico que se do que damos recebemos, se anelamos sabedoria, devemos propiciar o saber àqueles que tem menos que nós.
Se anelamos paz, temos de trabalhar pela paz dos demais.
Se queremos o bom, o belo, temos de garantir a outros esta mesma bondade e beleza em suas vidas.

É óbvio que a consciência por ela mesma, por sua natureza divina já nos impulsiona a isto e mesmo sem saber intelectualmente, nos comovemos pela necessidade dos demais e os ajudamos em suas necessidades, da índole que seja.

Mas verdade é, que é importante saber como isto se processa e saber executar esta magia quando em nossa vida surge algum Karma como consequência de alguma ação desafortunada que cometemos.

Te aflige a tristeza? Sente-se estressado, depressivo? Pois busca aliviar este mal que aflige a outros e tirará o peso que recai sobre ti.


Claro que uma coisa é anular nossas más ações e outra é deixar de cometê-las. O Ponto final nos karmas, damos quando eliminamos de nós a raiz do mal, nossas falhas, nossos defeitos, nossas debilidades que são os que constantemente nos impulsionam a cometer tais ou quais delitos, tais ou quais erros que mais tarde tornam-se as consequências que voltam a nos assombrar, nossos Karmas.

Vemos que as boas ações correspondem ao Sacrifício pela Humanidade, que a eliminação dos defeitos é a Morte Psicológica e claro não poderíamos deixar de citar a Alquimia Sexual, que obviamente é a pedra de tropeço da humanidade.
Afinal o "não fornicar", nos dias atuais é algo que a humanidade simplesmente prefere ignorar. A Força moral que é gerada pela energia sexual, é constantemente retirada do organismo por conta da fornicação.

A Força sexual é a base da criação, seja para uma planta, para um animal, para um homem ou para a Divindade.
A Divindade interior nasce como nascem todas as coisas, pelo sexo. É do sábio manejo da força sexual que encarnamos ao Cristo bendito ao nosso Real Ser, ainda que as degeneradas religiões tenham esquecido e ignorado todos os preceitos deixados pelo Nazareno.

12/12/14