CLXV
Textos sobre Metafísica
Poderes Internos

Nada é capaz de nos preparar para os constantes adventos que ocorrem no decorrer do caminho. Por mais que entendamos na teoria o que sejam os Dons da Alma, os Poderes do Íntimo, somente com a prática, com o encarne destes e a utilização dos mesmos, vamos aprendendo a lidar e a entender como funcionam.

Há muito nisto dos Poderes, que são um "sentir" que determinam sua natureza e como agir diante do surgimento dos mesmos. Vemos que chega um momento do caminho que inevitavelmente necessitamos nos fusionar com o Íntimo, seguir a guiatura dele, "Ser Ele", se é que anelamos seguir trilhando o caminho.

Claro que há muitas pessoas que já vem ao mundo com alguns dons, poderes, estes poderes se dividem em dois tipos, Negativos e Positivos.
Os poderes positivos são os que emanam do Íntimo, ou que ocorrem com a permissão do mesmo.

Os Poderes negativos são da Alma, utilizados pelo Ego. Frações de nossa Alma, corrompidas e revestidas de equívocos criados sobre falsas bases de um entendimento turvo. Também há entidades, larvas que conferem poderes a alguns indivíduos, claro que isto nada tem de ver com o caminho espiritual que estamos aqui hoje falando.

Os Poderes Internos que nos referimos é a capacidade de fazer uso de forças sutis da natureza, gerando resultados dentro do que seja o poder em questão.


Desafortunadamente a maioria de nós nos encontramos sós no caminho, não temos com quem tirar nossas dúvidas fisicamente, já que não se faz presente um Guru, algum Mestre autorrealizado que possa nos orientar no avanço e desenvolvimento destes dons, já que o aprendizado pode ser muito confuso em alguns momentos e pode conduzir a grandes equívocos, dependendo da natureza do iniciado.

E isto mesmo dentro de Instituições, de Grupos, ocorre isto que citamos, já que muitos poucos tem o devido avanço para encarnarem efetivamente estas habilidades e se tem, mal sabem usar ou estão exercendo estes dons. Por consequência não tem como guiar outro, ou orientar no decorrer do processo que estejam vivendo.

Os Mestres recomendam com muita ênfase o desenvolvimento da Intuição. A Intuição é "O Dom Maior", para que possamos avançar no caminho.
A Intuição é uma visão espiritual das coisas, mais além da própria Clarividência. A Intuição é a própria Clarividência em seu aspecto superior, espiritual.

Com a clarividência vemos a forma interna dos Seres, das criaturas, mas com a Intuição vemos tudo aquilo que já foram, tudo aquilo que ainda podem ser, também aquilo que está mais além de suas formas, e de qualquer expressão perceptível a um sentido ainda que interno da "visão".


A Intuição é um canal perene com a grande realidade. Com a intuição podemos saber a realidade por detrás da aparente realidade. A Intuição é de onde emana e o que principia a Fé, pois sabemos ainda que não tenhamos visto algo em fatos materiais. Muitas pessoas tem alguma intuição mais ou menos desenvolvida, seja por trabalhos feitos nesta existência ou em outras.

A Mística, este estado de exaltação espiritual, é um terreno muito fértil para o desenvolvimento da Intuição.
Com a Intuição podemos ter resposta para qualquer questionamento que tenhamos no decorrer do caminho, sem precisar passar pelo penoso e tenebroso batalhar de teses e de antíteses do vão raciocínio.

Com a intuição nos tornamos guias de nós mesmos, pois aprendemos a ler aonde não esteja escrito, e a ver o caminho, aonde ele não mais exista.


Há muitos processos difíceis no caminho, muitas provações severas e certamente cada um destes eventos que se apresentam, vem como um estímulo ao desenvolvimento de cada uma destas habilidades, muitas delas indispensáveis para seguirmos o caminho firmemente.

Há muitos dons que estão de certa maneira ligados uns aos outros, e conforme tenhamos um, se potencializa o outro.
Afinal pela intuição podemos saber que alguém pensa em nós, e pela telepatia, podemos saber o que pensa, o que sente o outro para conosco e tentar ajudar no que seja necessário.

Quantas vezes rogamos ajuda aos Mestres, e inevitavelmente são os dons que estes utilizam para perceber estes fluxos e refluxos de energias e dar a devida atenção a cada caso que solicita o devido suporte. Não muito diferente do que ocorre em dois enamorados ou de uma zelosa Mãe para com sua prole.


A Premonição é um dom que nos permite ver o futuro, esta premonição pode ocorrer durante os momentos do sono, como experiências literais ou simbólicas, mas também por meio de visões clarividentes durante a vigília.
Com a intuição podemos saber que "algo importante" está para acontecer, e com o dom da premonição podemos observar o fato e nos preparar para o mesmo, seja aceitando o inevitável, seja mudando o destino quando devidamente permitido pela Lei Divina.

Muitas pessoas tem premonições do futuro e não sabem o que fazer a respeito das mesmas. É aí que entra a questão da Intuição, pois é por meio dela que podemos saber se o que vemos é um fato (destino não modificável), uma possibilidade, se é algo que devemos aceitar ou combater.
Esta premonição tem muitos níveis e diferentes formas de expressão. Desde premonições de eventos que estejam eminentemente para acontecer, como eventos muito distantes.
Nostradamus utilizava a Clarividência para ter suas premonições do futuro e as tinha simbolicamente. Muitas experiências são com símbolos e alegorias dos eventos, mas outras são o evento literal.

O Mestre Samael relata que ele tinha muitas de suas premonições nos mundos internos, e misturava muitas vezes símbolos e fatos.
Quando ele tinha alguma experiência interna com Krishnamurti, ele sabia que o que acontecia com o mesmo, era o que estava destinado a acontecer com ele mesmo, para citar um caso.


Há um dom que hoje em dia também temos de buscar exercer com muito esforço, que é o Desdobramento Astral, a Consciência nas dimensões superiores da natureza, quando do repouso do corpo físico.
Muito do que temos de intuição, de premonição, de visões clarividentes, pode ser estudado, averiguado, confirmado, ampliado, se temos condições de investigarmos conscientemente nos Mundos Internos. E mesmo aí a intuição é nosso grande guia, pois a linguagem que muitas vezes o Ser utiliza e mesmo os Mestres para nos responder algo, não é a linguagem humana que estamos acostumados nem mesmo um sentir como estes que temos em nosso dia a dia, e a principal ferramenta que temos para desvendar estes enigmas e entender estes "diálogos espirituais", costuma ser a Intuição.


Inevitavelmente sabemos que a realidade é que poucas pessoas se aprofundam no desenvolvimento destas e de outras habilidades, que não vamos citar para não nos tornarmos muito extensos neste texto. Também sabemos que muitos não conseguem, não podem desenvolvê-las, devido a que tem o Ego muito vivo e o Ser não permitiria o crime de deixar nascer estas flores em meio a um jardim tenebroso.

Assim que vale a repetição de dizer que precisamos desenvolver esta Intuição, também como um canal de comunicação com a vontade e os desígnios do Íntimo, para sabermos que agregado psíquico devemos trabalhar, que práticas devemos realizar a cada momento, que ações devemos tomar, e tantas coisas que precisamos da guiatura Divina para não cairmos em completas trevas.
Quantas vezes nos surge a possibilidade de ajudar alguém, e ajudando cometemos um crime (um resultado desastroso), também quantas vezes ocorre de alguém precisar ajuda, e não ajudamos por não vermos o contexto espiritual do resultado daquela ação. Necessitamos inadiávemente encarnar estes princípios espirituais, estas frações de Alma que são os responsáveis pelo desenvolvimento de cada um destes dons, destes poderes.


E isto de encarnar estes poderes, não fazemos com uma busca pelos mesmos, senão com esta preparação do terreno para que eles floresçam naturalmente. Se mantemos um solo limpo, tiramos sempre as más ervas, mantemos adubado e propício, certamente em algum momento irá nascer o que o Ser determine. Afinal bastará o Ser por sua semente ali e brotará e florescerá inevitavelmente se continuamos dando a devida atenção e termos o devido cuidado.

26/01/15