CLXV
Textos sobre Metafísica
Corpo, Alma e Espírito

A Realidade, a sabedoria como explicação da verdade, já teve muitas formas de ser explicada, de acordo com a época, com o povo, com o momento que vivia esta humanidade.
Nem sempre falamos ao longo das eras dos Corpos que temos, como hoje explicamos, senão que se utilizava a explicação de Corpo, Alma e Espírito, para referir-se a estes três níveis em que se manifesta uma criatura.

Tanto que mesmo no Gnosticismo, muitas vezes referimo-nos ao Desdobramento Astral, como Desdobramento Consciente da Alma.
Há uma citação do Mestre Samael que exemplifica isto que estamos falando:
"Entre o ÍNTIMO e o corpo existe um mediador; esse mediador é a Alma. O Astral.".
O Mestre ainda explica a relação da Alma com o Astral da seguinte maneira:
"A Alma é a Consciência, cujo corpo fluídico é chamado no ocultismo de Corpo Astral."
Do livro Manual de Magia Prática, Samael Aun Weor.

Para que tenhamos realmente consciência e vivência dentro do Ocultismo, precisamos realmente ser práticos nesta questão de experiências internas, afinal de nada nos serve a informação se não temos a prática, a vivência, os feitos no campo do imaterial.

Como seríamos realmente Discípulos da Loja Branca, se estamos distantes das grandes realidades e dos Mestres que são estes guias.

O Maior obstáculo na grande parte das vezes é o excesso de teorias, porque a pessoa acostuma-se a ter informação e quer mais e mais informação em vez de praticar e ir aprendendo conforme executa.
Sem este constante esforço, sem este trabalho sobre nós mesmos, sem este contato direto com os mundos internos, através da Alma, do Espírito, vivemos uma vida miserável e sem sentido.

A Alma é uma força que pode mover-se de acordo com nossa vontade. Um operador devidamente preparado pode ainda que em posse de seus sentidos físicos, deslocar-se internamente e ver, ouvir, realmente estar em um lugar diferente de onde esteja seu corpo físico.
Se estudarmos o que é a clarividência, dentre outras coisas, é a capacidade de ver a realidade, por meio da imaginação.

A Imaginação não é uma fantasia, não é um medo, nem um desejo, um anseio. Claro que na imaginação pode manifestar-se uma fantasia, um medo, um desejo, e vemos aquilo que projetamos neste campo.
A Imaginação lembra muito um computador, ou um televisor, um rádio, porque podemos captar verdades e mentiras, dependendo de onde nos conectamos, como sintonizamos o aparelho.

Assim que a imaginação pode servir de veículo a estas verdades que estejam ocorrendo a qualquer distância da pessoa em questão.
Podemos claro captar ondas de pensamento, de sentimento, de vontades, etc., e isto gerar-nos uma forma na imaginação, uma percepção destas realidades.
Mas também podemos transportar-nos internamente a qualquer região e disto termos uma percepção ainda mais precisa e objetiva sobre a questão.

Nós temos muitas criações negativas que tem de ser desfeitas para que possamos objetivamente viver as grandes realidades, afinal são as barreiras que nos impedem de experimentar por nós mesmos a realidade. Nisto entram nossos conceitos, nossos desejos, nossos medos, nossos defeitos em geral.
A Imaginação precisa estar purificada, perfeita, para que seja um reflexo pleno daquilo que anelamos compreender, observar, VER.

As Experiências internas simbólicas, são um exemplo desta comunicação por meio da Imaginação. Pois nossa Grande Realidade Individual, nosso Real Ser, provoca na imaginação uma série de vivências que acabam por ser indicações, informações, diálogos espirituais que nos servem de base para nossas decisões.

31/03/15