zzzzzzzz

 

CLXV
Textos sobre Metafísica
Templo da Loja Negra

A Loja Branca tanto nos mundos internos como no mundo físico tem diversos desdobramentos e articulações nas quais se manifesta. Assim que internamente seus afiliados não reúnem-se necessariamente em um único local e sob uma única bandeira, da mesma forma como em geral ocorre no mundo físico.
A Loja Negra opera nos mesmos termos, com diferentes tentáculos de manifestação tanto física e internamente.

Esta noite tive a oportunidade de ir verificar internamente um grupo denominado gnóstico, formado por dissidentes de desdobramentos físicos da Loja Branca, cujo relato interno (Astral) venho aqui compartilhar.

Foi possível o fácil acesso a estas atividades internas, exatamente porque estes grupos tem o interesse de somar pessoas a seu grupo e por isto o acesso é "livre" por assim dizer.

Entrando no cômodo do Templo o primeiro que notava-se era que apesar do altar ficar exatamente na frente da porta, o Templo era pelo menos três vezes mais largo que comprido. Ou seja, a porta ficava muito perto do altar e as pessoas se espalhavam para as laterais. Outra questão bastante interessante é que as cadeiras eram voltadas para as laterais e não para o Altar que ficava logo a frente do umbral de entrada. Assim as pessoas não se voltavam de face para o oficiante, senão que para estas laterais do templo. Homens e mulheres sentavam-se lado a lado, ao acaso nas cadeiras deste Templo.
No Altar um Sacerdote de túnica vermelha oficiava, também todos os membros "internos" (que eram realmente comprometidos com este Templo), usavam vestes de mesma cor. Os visitantes, e os partícipes ainda não integrados, vestiam apenas túnicas azuis.
A Questão da cor das vestes não chama atenção negativamente, até porque já vimos por diversas oportunidades estas vestes em contextos diferentes. Como bem sabemos o que importa é o espectro da cor e não a cor em si. Basta recordar que Zanoni internamente usa vestes negras como é dito pelo V.M. Samael em um de seus livros.

Bem, o que chamou realmente atenção e causou muito assombro é que o oficiante logo de entrada era possível ver sustentava em seu peito um crucifixo invertido, sem o cristo presente. Isto já de imediato mostrou muito claro o lugar que me encontrava, um claro e visível desdobramento da Loja Negra, disfarçado de maneira a atrair adeptos das demais instituições sustentadas pela Loja Branca.
Observando os outros membros, estes que vestiam a túnica de mesma cor, todos portavam a mesma cruz satânica em seus peitos.

Também observando que nenhum dos participantes do auditório sustentava o crucifixo sacerdotal em sua forma correta, crística, guardei o meu para evitar ser retirado do Templo antes de saber mais a respeito do que ali se processava.


A Atividade no início transcorreu como esperava-se de um grupo gnóstico, oraram o Pai nosso, ainda que sem e grande maioria estar ajoelhado e de olhos fechados, mas ainda assim fiz muito esforço para me recordar das palavras corretas os quais fora ensinados pelos Mestres da Loja Branca e o fizeram tal qual como é feito nos templos brancos, e assim a maior parte dos procedimentos que certamente servem de fachada para enganar por aparência.

Obviamente os presentes não viam os implementos negativos, de outra maneira não integrariam-se com tal grupo.
A porta sempre ficava aberta, sem um guardião, e qualquer um podia entrar no meio do rito ou sair livremente.

Não me adentrei muito ao rito, afinal não estava disposto a receber uma unção negra ou mesmo receber os eflúvios de tão nefasta cerimônia. Cheguei a observar outros cômodos e dialogar com o responsável pelo grupo em questão, o qual fez jus a todo o cavalheirismo comumente utilizado pela Loja Negra. Haviam diversos gatos no local e o mais velho deles me seguia miando desesperadamente como um alarme discordando de minha presença nos recintos pelos quais passava.

Pude também observar o caso de uma senhora, uma pessoa já integrada com este grupo, mas que reclamava de algumas situações que discordava... era uma das poucas mulheres ligadas a este grupo presente nesta atividade que pude observar.


Este grupo internamente estava filiado a outro grupo por assim dizer. E este pude saber o nome ainda que não pareça interessante comentar. Este segundo grupo sim, fisicamente mesmo como tentáculo da Loja Negra sustenta os ritos e toda a indumentária da Loja Negra. Mas claro utiliza este primeiro de maneira a atrair e fazer sucumbir os desavisados.


Hoje em dia temos uma situação que já há um bom tempo existe, que é a questão de que a Loja Negra criou grupos e instituições muito similares as Gnósticas mantidas pela Loja Branca e através destes grupos corrompe a consciência e a Alma das pobres pessoas.
Afinal basta-se ensinar uma dúzia de verdades e ao fim entregar os ensinamentos negros, sem que ninguém duvide da idoneidade da mesma.

Não estamos aqui sequer citando nomes destes grupos, até porque preferimos indicar a luz do que apontar as trevas. E que cada um atente realmente no que está metido.

15/03/16