zzzzzzzz

 

CLXV
Textos sobre Metafísica
Invocações e Segredos

Nestas últimas oportunidades de tivemos em expor estes assuntos os quais são necessários esclarecer, falamos acerca do Descobrimento, da Revelação e da Desvelação do nome do Ser, e dos processos e meios os quais isto geralmente ocorre.
Hoje vamos tratar isto, o mesmo, mas de um ponto de vista alheio, já que além de ocorrerem estes Descobrimentos acerca de nós mesmos, e esta Revelação para com nós mesmos, isto também ocorre para com os demais, aonde naturalmente acabamos nos deparando com não apenas percepções que revelam a natureza de quem sejam, mas mesmo contatos internos os quais podem por vezes ser o próprio Ser do indivíduo que responde e então fica claro a natureza de cada um.

Há questões que temos de ter muito cuidado, principalmente quando os dons começam a tornarem-se manifestos, principalmente a Consciência nos mundos internos... vez ou outra sejam nos Templos, seja mesmo em um encontro casual ou em uma invocação, acaba-se por revelar a identidade do Íntimo de outra pessoa, algo que sempre requer discrição e que seja mantido em segredo, por vezes mesmo destas próprias pessoas, já que há um momento e uma forma e um porque, de ocorrerem estas revelações a elas.

Há um Templo nos Mundos Internos, aonde certa vez observava os quadros vivos que estavam presentes nos corredores e salões desta augusta loja, que eram a representação dos Mestres, e nestes mesmos quadro via-se não apenas a forma humana atual que tinha o Mestre encarnado (ou sua última encarnação). Claro que nos referimos ao seu desdobramento, o Bodhisatvva em sua forma humana, física e além disto neste mesmo quadro que em movimento demonstrava toda a natureza do Mestre, ficava também perceptível por meio de detalhes quantas vezes havia este feito a Obra.

Assim vemos o porque de muitos de nós não podermos ter o direito sequer de trazer a recordação ao físico destas visitas e destas atividades, já que por um sensacionalismo poderíamos revelar o que não deveria ser revelado, como neste caso a identidade física de cada um destes Mestres e por consequência a realidade interna de quem são estas pessoas.

Recordo que nesta mesma visita a este Templo, já após a atividade, retornei ao Templo e do Altar tomei a Liturgia e folheei com afinco de maneira a estudar os Rituais, algo que igualmente imagino o dano que seria se fossem estes fisicamente escritos, já que diferem totalmente do que se realizam nos Templos físicos.
Mais uma vez questões que se não sabemos diferenciar o que deve permanecer no interno, e o que deve ensinar-se, são mais motivos a fecharem-se para nós os mundos internos.


Por vezes, seja nos Templos da Loja Branca, acabamos encontrando irmãos e lá podemos perceber por suas vestiduras, não apenas o estágio que o Ser destes se encontra, como a natureza do Ser de cada um, a qual Raio pertence, e assim por diante. Muitas vezes buscando dialogar com alguém, ao invocar este alguém, também não é raro que as vezes surja algum defeito psicológico do mesmo, por vezes sua Alma como virtude, também por vezes a própria Consciência ou Ser se apresentem e isto é sempre muito revelador e delicado.

Há muitas atividades nos mundos internos, que não são nos Templos principais (Raiz), e sim nos Templos de Mistérios Maiores, também nos próprios Templos convencionais, em seu aspecto superior.
Estas atividades também são bastante interessantes, porque apesar de não se poder usar as mesmas vestes que nos Principais Templos, ou seja, a vestidura do Ser, utilizam-se vestiduras de acordo com a progressão da Alma Humana, o que sempre deixa claro quem são realmente os Iniciados, os Adeptos e quem são os Mestres.
Recordo que em uma destas atividades, haviam algo como cinco iniciados com vestes de cor distinta dos demais, sendo que um destes tamanha era a consciência, veio até mim e me perguntou como eu poderia estar ali, já que fisicamente não participava daquela instituição. Este Bodhisatvva em questão, não cheguei a conhecer fisicamente, mas outros dois sim, os reconheci do passado...

Vejam que em geral é mais fácil acabarmos reconhecendo a natureza dos demais que a nossa própria, visto que podemos acabar nos deparando com estas situações internas as quais acabam por ser muito reveladoras, deste "quem é quem" realmente, pelo menos no aspecto interno.
Por vezes é prudente dar a guiatura ao próximo e lhe revelar certos detalhes internos ou mesmo vivências comuns que tiveram, e por vezes o adequado é calar e deixar que ao seu tempo tenha as devidas revelações e desvelações no formato natural interno.

Temos de entender que há pessoas que já passaram por este processo de revelação, e lhes falta uma confirmação, ou mesmo lhes falta uma simples informação que lhes dê um rumo, já que não trouxeram a devida memória interna.
Por isto que necessitamos estarmos sempre buscando em nossa própria Consciência esta guiatura e esta sabedoria do que falar, quando falar, em vez de lidarmos com tudo isto de forma leviana e negativa.

Há muitas ajudas que se tornaram grandes obstáculos na vida de algumas pessoas, também há pessoas que caíram em um buraco em sua Obra e não seguiram adiante unicamente pela falta de alguém que lhes estendesse a mão no devido tempo. Nem sempre a ajuda devida é o que a pessoa espera, e nem sempre o que a a pessoa espera, é o necessário.

29/06/16