zzzzzzzz

 

CLXV
Textos sobre Metafísica
A Manifestação do Mal

Há vivências que são memoráveis, processos e passagens as quais realmente se tornam inesquecíveis em nossa Consciência, cravados profundamente em nossa Alma.

Hoje relato uma vivência de algumas semanas atrás, aonde logo após repousar em descanso o corpo físico, nos mundos internos me vi já sendo buscado por alguns sonhadores que vinham com diversas questões sem fundamento, coisas que claramente não tinham propósito e sentido. Me recusei a dialogar tais questões e consciente flutuei por uma janela que se encontrava entreaberta. Senti tocar minha pele uma fina chuva a qual afirmei simbolizava a tristeza de alguém. Logo vi um Ser divino manipular suas mãos em frente a seu ventre e criar uma massiva força de energia que se assemelhava a um Sol. Sim, um Cosmocrator, forjando uma Estrela, que bela vivência. Ele extraia de seu ventre uma pura amarelo-dourada energia a qual fundia em uma só massa luminosa incandescente. Havia noite, tudo estava em trevas, vale ressaltar, até aquele momento divino.
O Ser luminoso logo jogou aquela esfera Luminosa em direção ao céu e seguiu alimentando com sua força... O Resultado foi um mundo iluminado e cheio de vida, de brilho e de vitalidade.

Existe um antigo Ritual, aonde quando se consagrava um Pastor, um Sacerdote, um Guia, e lhe abriam os centros internos, fonte de seus poderes, se dizia em um destes centros algo como: "Abro-te este centro para que possas intuir as cosias do ultra, e perceber os perigos que se aproximem do Povo de Deus."

Ou seja, que se pedia a Grande Divindade que lhe liberasse este Dom, para que pudesse intuir as forças ocultas e que com isto dentre outras coisas pudesse perceber as forças que negativamente se aproximassem daqueles destinados à realização desta integração com a Divindade.

Nós todos temos uma natureza Íntima, no sentido a uma força ao qual nos deu origem, e temos um caminho que nos conduziu até este ponto que hoje estamos. Um de nossos fundamentos, uma de nossas origens como tantas vezes já dissemos aqui, são os Raios Esotéricos, que são estas escolas fundamentais dos mundos internos, das regiões interiores da natureza, aonde temos uma profunda ligação.

Algumas noites atrás fui buscar compreender a localização exata de alguns Templos Maçônicos que existem nas regiões interiores da natureza, o qual é meu Raio Esotérico, e suas respectivas localizações físicas. Por vezes fisicamente é possível identificar a egrégora externa de um Templo mas não sua localização exata pois ele não existe fisicamente, e sua egrégora interior não se projeta da mesma maneira, fica em regiões internas da natureza.
Assim busquei identificar esta relação de onde estavam localizados internamente e onde este lugar correspondia fisicamente. Alguns poderão dizer que isto não tem sentido, mas resulta que as regiões internas da natureza nem sempre correspondem a realidade física que conhecemos. Existe um local aonde fica um Templo da Loja Branca, que no físico existia uma casa há tempos atrás que posteriormente tornou-se um local de lavagem de veículos, e agora nada resta no local, senão os muros que protegem o terreno.
No Principal Templo Maçônico Interno que existe na cidade que vivo, digo nas regiões internas da natureza, o local físico correspondente é uma loja por alugar, anteriormente era algo como uma ferragem.

É muito interessante analisar estes detalhes pois fica visível que a força interna de alguns lugares torna fisicamente impossível viver, ou mesmo ter um negócio em certos lugares, dada a natureza da força existente em certas localidades.

Assim visitei outros lugares, outros Templos nesta mesma noite, foi uma longa peregrinação, infelizmente muitos dos Templos não soube precisar a localização física pois nunca fui fisicamente a tais regiões, mas igualmente pude rever muitos irmãos os quais na atual existência não chegamos a ter contato fisicamente. Mas é sempre muito surpreendente ver brotar sentimentos que não sabemos existir por pessoas que até então não recordávamos conhecer.
A Verdadeira amizade é um laço muito profundo que supera a própria morte, que dirá o verdadeiro Amor.


Nesta noite tive outra vivência muito interessante, digna de compartilhar com o ávido leitor.
De tempos em tempos, naturalmente meu Íntimo tem o ímpeto de realizar o Mistério que falávamos anteriormente de buscar ao Povo de Deus e auxiliá-los em suas necessidades. Ou seja, de averiguar internamente os perigos que se acercam de cada um, e por vezes ajudar no que lhes é possível, as vezes internamente, as vezes fisicamente, de acordo com a situação.

Assim houveram, uma, duas visitas a diferentes Almas, e assessoramento no relativo ao que precisavam.
A Terceira pessoa estava em outra cidade e fui buscá-la aonde sentia sua presença. Vale ressaltar que todas estas visitas fiz naturalmente consciente, no sentido de que não me locomovia como as pessoas que acreditam que estão no físico o fazem. Ou seja, voava, flutuava, pairava, como queiram chamar...
Isto claro sempre gera muitas conversas interessantes e atrai muitas atenções o que ajuda no auxílio das pessoas que sempre se colocam bastante atentas e abertas ao diálogo.
Quando me aproximei do terceiro indivíduo que buscava saber notícias de perigos e de necessidades, ingressei em uma região bastante delicada de uma cidade, um lugar cheio de magia, casas muito pobres, mas um ambiente realmente tenebroso, bem no centro de uma certa cidade.
A Própria Luz ali brilhava de maneira diferente, sombria, as pessoas pareciam todas encantadas por uma magia tenebrosa, dentro daquela hipnotizante egrégora terrível.
Conforme adentrava na rua em questão, me via cada vez mais próximo do chão, sem conseguir flutuar como o fiz por toda a noite até aquele momento.
Certamente foi uma dualidade, da terrível força negativa prejudicando meu estado interno, e também uma necessidade de para adentrar no local, diminuir a intensidade de meu brilho, para não provocar as forças tenebrosas.
Mas realmente me senti afetado por tamanha malignidade, algo raras vezes sentido nos mundos internos.
Após uma primeira passada decidi passar uma vez mais, indo mais uma vez a Luz e então reingressando pelo mesmo lado que havia entrado pela primeira vez, do subúrbio para o centro, por assim dizer. No sentido da direção para a avenida principal.
Já não sentia que podia ou deveria flutuar no ambiente, andei a passos rápidos, e logo nas primeiras casas surgiu a criatura em questão, fonte de todo o mal daquele lugar.
Confesso que senti medo, pavor, de tamanho poder tenebroso, era uma dama de pele escura, e cabelos pixaim, presos firmemente para trás, seu olhar movia-se lentamente, e não tinha expressão de coisa alguma, como se estivesse morta. Me olhou, e soube sua natureza e o tipo de Magia Negra que praticava, o que não há porque ressaltar aqui.

Logo mais adiante recebi a presença de outros seres que me ajudaram a sair daquela terrível egrégora, mas não sem antes poder observar a pessoa a quem estava indo verificar internamente.
Via esta dama como em uma festa, próximo da casa da criatura em questão. Tive visões de como e porque estava ali esta pessoa e do porque de aceitar tal proximidade com algo tão tenebroso.
Era o resultado de questões sociais e profissionais que conduziam-lhe a tão nefasta convivência.

É muito raro encontrarmos criaturas e locais como este que relato. Mas vemos como são difíceis as convivências e as normas sociais, e as profissões e tantas coisas que temos que fazer que acabam nos prejudicando Espiritualmente, como no caso desta pessoa.

Claro que o mal tem seu propósito, no sentido de que existe por uma permissão Divina, por um Direito dado pela Divindade, e se segue existindo é porque realmente tem um motivo para ser. A Questão é que assim como existe a Vida e existe a Morte, existe escolha, e é aonde muitas vezes falhamos, em fazer as escolhas erradas.

Dificilmente alguém não perderia sua consciência, sua luz, permanecendo em trevas tão espessas. Ainda mais lidando com seres despertos no Mal, para o Mal.
Tudo tem seu momento, há quem entre no mar para navegá-lo, há quem entre para naufragar. Há que saber o como e o quando, para que as coisas terminem bem...

29/05/2018