CLXV
Textos sobre Metafísica
Pesadelos

Anteriormente tratávamos de explicar como alguns Pesadelos, alguns sonhos de tipo opressivo, sonhos considerados de difícil assimilação por parte do sonhador, por vezes são o resultado de Intervenções Divinas, onde o indivíduo é colocado em uma situação que o leva a reavaliar sua ação, a rever sua conduta em vida.

Claro que nem todos os Pesadelos são o resultado de Intervenções Divinas, na verdade poucas vezes, raras vezes este tipo de experiência interna é uma Intervenção Divina. Estes Pesadelos Espirituais, chamemos assim, podem ser considerado um diálogo espiritual do tipo "Ultimato", aonde está se fazendo um último esforço, se dando um último conselho acerca de algo, antes de um desfecho catastrófico.


Certamente existem pesadelos que são causados por nossa identificação com algo negativo, como quando alimentamos pensamentos, sentimentos, instintos negativos e isto gera um fluxo de forças que vem a convergir como um sonho ruim, por assim dizer, uma experiência que em geral nos é negativa, por algo que nós mesmos projetamos sobre nós.
Temos de entender que nosso dia a dia, tudo aquilo que colocamos atenção, acaba se ligando a nós de alguma maneira, e se fazemos projeções irreais acerca deste algo, desproporcionais, geram-se sonhos, que são uma visão falsa da realidade, uma visão que nós projetamos... Quando a percepção é por demais negativa, nascem os Pesadelos.

Existem outros tipos de pesadelos, como os originados por forças negativas, como quando alguém recebe uma maldição, ou mesmo recebe sobre si uma energia negativa projetada de outro indivíduo ou objeto negativo. Estas energias transmitem uma força que é capaz de gerar um tipo de distúrbio que durante o sono, se converte em pesadelo. Muitas pessoas que são constantemente assombradas por pesadelos, o são, devido a maldições, devido a energias negativas que recebem por uma projeção de outras pessoas.
Mais além do que já foi citado ainda podemos enumerar Pesadelos que são ligados a má digestão, que acaba abrindo certos canais no baixo ventre que nos levam a regiões negativas da natureza, são portões para o inferno que abrem-se nestes momentos e acabamos involuntariamente vendo os horrores do Abismo.

Ainda também podemos citar casos de indivíduos que são levados como demonstração de seu futuro, a estas regiões sombrias, e acabam vendo o sofrimento alheio, e de certa forma seu próprio sofrimento ainda que amenizado, como uma advertência de seu futuro, caso não se arrependa de suas ações. Este caso já é um tipo de Intervenção Divina, mas uma derivação do que foi anteriormente explicado em nosso último diálogo.

Neste caso que relatava anteriormente das Intervenções Divinas que ocorreram ao longo de uma noite e que comentei com o leitor, no fundo o verdadeiro objeto da questão não eram as pessoas que receberam esta intervenção mas uma terceira pessoa que era quem fora levado junto nestas Intervenções, como um tipo de Advertência, também demonstração de como por vezes fala a Divindade com as pessoas, ainda que não compreendam.


Não podemos pensar que o Abismo como prisão, por assim dizer, seja governado pelo Mal. O Mal é aquele que comete o Crime, se fosse o Mal que governasse realmente tais regiões, porque estaria limitado lá? Também que sentido haveria em conduzir as Almas ao Abismo, se simplesmente sairiam piores de lá, em vez de ser uma cura.
O Abismo é um lugar de sofrimento porque as Almas tem de encarar suas verdades e liberarem-se a força daquilo que não foram capazes em vida. Certamente quem dá a punição, que no fundo é um remédio, não dá como uma maldade, não o faz com um instinto, sentimento ou pensamento negativo, senão que o faz pelo bem daquele que Sofre, e que está lá para deixar de sofrer. É Óbvio que para qualquer criatura que entre em tais regiões, tais terríveis anjos são a verdadeira personificação do Mal, ainda que o que ofereçam seja uma dura e amarga cura.

Falando ainda no Abismo, temos de entender que o Indivíduo é formado por muitas forças dentro de si mesmo, há um grande número de indivíduos, poderíamos dizer assim, dentro do próprio indivíduo. Basta ver que cada pessoa tem uma psicologia no trabalho, tem uma psicologia com a família, tem uma psicologia quando está só... Isto quer dizer que há diferentes facetas de nós mesmos que se manifestam nas diversas variações que fornece a vida.

Por vezes alguma fração de nós mesmos se tornou por demais perversa, equivocada, e sem solução, tanto que é arrancada de nós mesmos e arrojada ao Abismo. Por vezes muitas partes de um mesmo indivíduo passam por esta situação aonde ainda que Viva, partes suas já não habitam na integridade da Alma ou mesmo no Corpo, e ainda que ande sobre a face da terra, é um habitante do Abismo e certamente isto lhe gera Pesadelos constantes, do sofrimento que estas frações de si passam.

Falamos hoje acerca de Pesadelos, porque é necessário entender que nada do que ocorre é ao acaso, a vida tem uma matemática muito exata para todas as coisas. Há Leis que regem o criado e se algo ocorre é porque algo criou este caminho, este evento, esta possibilidade e temos de buscar compreender se é que queremos resolver o Enigma que é a Vida.


Os Pesadelos certamente são um terrível enigma para muitas pessoas que sofrem deste mal, mas não temos como fugir da realidade que os gerou, senão compreendendo e eliminando as causas, sua origem. Ou seja, que no fundo não há fuga, há solução, há resolução ou o agravamento de um problema.

Ignorar os pesadelos é ignorar uma advertência muito severa de algo que esteja errado. Claro que muitas vezes o próprio terrível Pesadelo é a própria punição de algum mal e seu próprio remédio, ainda assim se sabemos e aceitamos, é melhor do que sofrer ou buscar soluções que simplesmente agravam a situação ou criam situações piores, como fazem muitas pessoas.


Fazemos ainda a Advertência que o Pesadelo é aquele que nos trás a sensação de medo, pavor, Terror. Há muitas Experiências Internas que são proféticas, que são visões, que são símbolos e que vemos por detrás de coisas terríveis; tornam-se um diálogo, uma informação, mas que não tem um peso sobre nós, não nos oprime.
Poderia um indivíduo estar no mar, só, naufragando, ou mesmo se ver em meio a lava vulcânica em um mundo em chamas, ainda assim como um mero observador, sem sentir nenhum Terror ou Opressão da situação que se encontra, nestes casos não consideramos estas experiências um Pesadelo.

Há certamente como sempre uma infinidade de detalhes e de informações que poderiam ser transmitidas acerca deste tema, mas sempre tem um valor muito maior a reflexão íntima da Consciência de cada um, que acaba por ser encravada em nossa Alma, do que uma mera transmissão de palavras que venham a ser gravadas no intelecto como informação e posteriormente perdidas como qualquer lixo que colocamos para dentro.

25/09/2018