CLXV
Textos sobre Metafísica
A Magia dos Solstícios e Equinócios

Como já dissemos anteriormente, o Natal como conhecemos é algo relativamente recente. Mas seu profundo significado, o motivo da humanidade comemorar esta data, é algo muito antigo e imensamente anterior a história do Cristo como conhecemos.

O Planeta tem dois hemisférios e por este motivo quando é Inverno no Norte é Verão no Sul, e vice-versa. A Terra em certos momentos fica com seu eixo Superior mais próximo do Sol e por consequência o Inferior, seu Sul, mais distante. Este extremo, este ponto aonde o Norte fica mais distante e o Sul mais próximo ou o inverso disto, são os chamados Solstícios. Que são os momentos aonde partes da terra ficam mais próximos ou mais distantes do Sol. Isto claro no sentido da forma como recebem a incidência solar.

O Natal é comemorado na época que é comemorado, certamente por conta deste processo da relação da Terra com o Sol.
Talvez para as pessoas que vivam no Hemisfério Sul possam estranhar a natureza do Natal já que incide na época que corresponde ao verão, mas o Hemisfério Norte se vê tomado pelo Inverno, e a vida como bem sabemos se transforma e se renova, se manifesta, exatamente na transição entre o Verão e Inverno e Inverno e Verão.
A Comemoração do Nascimento do Cristo nos dias atuais nada mais é do que o velho rito de culto ao Sol, aonde se renovava a esperança em uma redenção e na prosperidade da vida.

O Inverno certamente se caracteriza pela predominância da Noite, do Frio, e certamente o nascimento do Cristo nesta data tem um sentido muito especial pois vem ao mundo para equilibrar as Trevas que até então predominam.


A Páscoa igualmente tem uma relação muito especial com isto, afinal se dá em um Equinócio, que é o momento em que a Terra, tanto o Hemisfério Sul como o Norte recebem por igual a Luz e o próprio Dia e Noite tem a mesma duração.
É Muito interessante associar a Morte e Ressurreição do Cristo com o momento em que as duas forças primordiais estão em Harmonia, afinal é quando se torna possível tal terrível prova que passa o Cristo em sua jornada Final.

Assim que, como podemos ver, a verdade é algo muito além daquilo que aparenta, muito além do que é dito, mesmo do que é visto. Certamente tais datas tem uma transcendência muito grande por detrás de si mesmas e são momentos sempre críticos e decisivos para toda a Humanidade.
A Própria Magia, o Mistério, o Oculto, praticamente se revela por si mesmo nestes períodos de grande transcendência.

Já dissemos muitas vezes aqui e voltamos a afirmar que o Cristo não é uma criatura, não é alguém. O Cristo é uma força como potência que tal como a Gravidade, se manifesta em organismos devidamente preparados. Assim que da mesma forma que alguns planetas vem a ter Gravidade, algumas Criaturas encarnam em si esta força Cristo.

Só que sempre temos de entender que isto é um Drama, é algo que se desenvolve, algo que não nasce pronto. Afinal depois do surgimento, há que haver desenvolvimento, progressão. E isto ocorre tanto dentro como fora de nós, no drama pessoal e também no drama mundial.


Mas como dizíamos, há muito Mistério por detrás de tudo, afinal a Verdade tem muitas caras, muitas formas. Vejam que hoje comemoramos a data por uma justificativa, por um motivo, mas nos infinitos passados houveram outras formas, outros motivos, os quais não eram menos dignos nem menos verdades, apenas expressos sob formas distintas, adaptados a realidade da época, adaptados aos costumes e a capacidade de um Povo.

Ninguém que queira realmente chegar ao núcleo central deste e de qualquer assunto, pode ficar na superficialidade de sua forma, de sua aparência, necessita encontrar a chave primordial do mistério e a origem que dá manifestação à forma.
As Formas sempre morrem, as formas sempre afastam-se da verdade com o tempo e com o esquecimento e desrespeito aos Princípios que os originaram. Somente chegando a origem central de tudo, podemos ser um com a Verdade, podemos realmente compreender de verdade e por direito a Realidade tal como é, como sempre foi e sempre será, indiferente da época, do lugar e dos costumes.

21/12/2018