CLXV
Textos sobre Metafísica
O Mistério dos Mistérios

A Vida é cheia de mistérios, onde muitos deles vemos e muitos deles sequer podemos perceber.
Mesmo os maiores Mestres na maior das alturas sempre se deparam com Mistérios além de tudo aquilo que já viram ou são capazes de compreender.

A Própria Maestria tem muitas formas de ser alcançada, no sentido de que pode ser algo forçado ou algo espontâneo.
Se apontamos um Mestre e este não está devidamente preparado, forçamos sua Maestria e adiantamos processos para que chegue rapidamente a altura necessária.
E isto ocorreu muitas vezes por necessidade, aonde havia a necessidade de guias, não apenas guias no sentido de condutores, mas que tivessem desvelada a sua natureza mais Íntima, Superior.

No entanto há um outro tipo de Maestria que é a Maestria espontânea, aonde o Indivíduo naturalmente passa pelos processos e recebe naturalmente sua Maestria quando do fim de seus processos mais básicos da Iniciação. Afinal a Maestria é apenas o primeiro passo de algo muito, muito maior.

Há casos aonde mesmo aos Mestres é velado segredos de um indivíduo, principalmente quando sua natureza por vezes é de maneira gigantesca maior do que eles próprios e por não compreenderem ou serem capazes de compreender a natureza deste Iniciado ou a natureza de sua missão, não podem intuir quem é, ou onde está em seu caminho.
Neste terceiro caso, de forma espontânea nos mundos internos suas vestes tornam-se Brancas, quando é chegado o momento de sua Maestria.
Neste caso, esta Maestria que nos referimos não está ligada a Quinta Iniciação de Mistérios Maiores, mas sim ao seu reconhecimento público como Mestre, para que cumpra a missão que lhe cabe cumprir em determinado momento que exige tal tipo de atenção.


Temos sempre de entender que uma coisa é a Pessoa e outra coisa é o Íntimo.
É Claro que nào é porque alguém torna-se Mestre que muda da noite para o dia, senão que claro certas partes íntimas tornam-se mais ativas e expressam-se mais terrivelmente por meio do indivíduo.
Há que se entender que a Pessoa o que expressa é sua própria realidade individual, seu próprio Deus. Não estamos falando de Espiritismos e Mediunidades...

É Certo que como é em cima é em baixo, e quem viu o Filho viu o Pai, ainda assim uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa.


Falando do Símbolo CLXV Completo (MDCLXV), é interessante mostrar a Simetria do mundo, por meio de sua semente.
Pois há um Sete acima do CLXV (16890), há um sete formado pelas laterais (2 e 5), há um sete na parte inferior (3 e 4).
Se juntamos o 5 e o 6, fazendo uso de suas linhas básicas encontramos o 96, se unimos o 92, encontramos o 96 novamente.
Se somarmos as laterais, 5 e 6 temos o 11; 9 e o 2 temos também o 11.
Já tomando o CLXV, vemos que o 6 no fundo é o 9 em outra parte do ciclo, o que no fundo é absolutamente a mesma coisa.
O Centro sempre é Harmônico e não necessita equivalência, temos o 8, como símbolo do Infinito.

No fundo o que temos de forças são o 1, o 8 e o 0, sendo o 1 e o 0, duas metades inseparáveis, duas faces de uma mesma coisa.
O 1 e o 0 são o que há de diferente e de potência, dependendo claro do 8, para tornarem-se forças ativas, criadoras.
Esta é a semente da Vida, do Mundo e de Tudo.


Não é diferente o que disse Hermes, em sua Tábua de Esmeralda ao dizer que o que é em cima (1 ou 7) é como o que está em baixo (0 ou 34[7]), e que devemos Subir (6) e Baixar (9), etc.
O Mistério e o ensinamento é o mesmo, apenas um de forma textual e outro em sua forma superior, pura, não-revelada.

Quando o Homem diviniza-se ele encontra a forma e busca os princípios por meio da forma.
Quando a Divindade Humaniza-se, ela encontra as formas por meio dos Princípios.

Aquele que conhece o Centro do Labirinto, sempre encontrará o caminho correto, seja para sair ou para entrar, a sua vontade.

15/05/2019