CLXV
Textos sobre Metafísica
As Perdas no Caminho

Antes de falar propriamente do tema, gostaria de dar a conhecer um detalhe bastante interessante que pudemos observar conscientemente um dia destes em meditação.
Estávamos recordando e observando os ensinamentos e a Obra de cada um destes Grandes Mestres que teve a Humanidade, Mestres estes que, cada qual a sua maneira, fizeram sua obra e cumpriram com alguma missão para com a humanidade.

Conforme observávamos cada Mestre, víamos que a totalidade de sua Obra, de sua Missão, transformava-se em uma nota... um som.
Então percorrendo e observando a Obra de cada Mestre, podíamos perceber conscientivamente uma verdadeira melodia que se formava daquele conjunto de ensinamentos e exemplos que deram cada um destes Mestres.

Particularmente entendia que o trabalho destes Mestres, em geral, era algo sempre em ascensão, ou em um mesmo tom, mantendo um mesmo nível, uma escala que sempre subia e subia, e que o próximo sempre era maior e mais perfeito que o anterior, mas pude perceber que não é assim e que não é para ser assim.

Imagine uma música aonde por exemplo só se toca uma única nota, em um mesmo tom... seria algo aborrecedor a nossos ouvidos, igualmente uma ascendente infinita sem variantes, sem uma harmonia.

Então claro que cada Mestre deu seu tom, de maneira a tornar-se algo harmonioso e envolvente para a humanidade, de forma a elevar este Nível de Ser desta humanidade que nos acompanha ainda nestes momentos.

É Muito encantador poder observar algo do gênero, porque nos dá uma compreensão maior do trabalho dos Mestres e até de nosso próprio trabalho, pois muitas vezes o que a pessoa supõe que tem que fazer, não necessariamente é o que cabe a ela.


No caminho de todos, há momentos bastante difíceis, momentos realmente de decisão. Uma escolha pode mudar o rumo de uma existência totalmente.

Existe sim um destino, alguns marcos e processos que estamos destinados a passar, mas até mesmo isto pode ser mudado, seja positivamente, seja negativamente.
Nesta Melodia dos Mestres, podemos perceber notas funestas de Mestres que não deram seu tom, e é disto que gostaríamos de falar nestes momentos.

A Grande Obra, nós sabemos é acima de tudo um caminho de virtude, de pureza e de integração com as partes superiores do Ser, da Consciência (Búdica).
No entanto há sempre momentos aonde o Iniciado passa por terríveis dúvidas, por sentimentos negativos, pensamentos sombrios.
Entendam que um erro não invalida toda a Obra desta pessoa, senão que de acordo com a falta vem claro certa desonra e certo recuo em relação a estes processos internos Iniciáticos.

Então se houve alguma falta, há que se compreender que de acordo com a falta, é a perda iniciática que se teve neste caminho.
Dizemos isto porque muitos em determinado momento entenderam que estavam perdidos e verdadeiramente se lançaram ao Abismo e isto não é assim, por Deus que não é.

E Por mais que a pessoa tivesse que começar do Zero, realmente do nada, já seria tudo muito mais rápido porque faz com consciência e com compreensão prática do que terá que vivenciar.
O Único que pode realmente impedir a Obra é a falta de arrependimento para com nossos erros. O Problema não é errar, o problema é insistir repetindo o erro.
No entanto enquanto haja arrependimento, existe uma possibilidade.

Até mesmo as Almas-Demônios que habitam inferno vez ou outra ainda se arrependem e são trazidas a vida para poderem redimir-se de seus erros...

Há perdas, ou falhas no caminho que ocorrem porque o Iniciado não foi capaz de resolver certos enigmas e tem que repetir a prova e por isto falha em algum aspecto.
O Ego não pode ser contido, ele precisa ser eliminado e se não damos seqüência ao trabalho, ele vai renascendo e retornando, seguindo toda a cadeia de eliminação que lhe aplicamos.

O Que não anda para um lado, anda para outro, esta é a realidade, nada está parado. Uma pessoa que ao eliminar um defeito, não compreenda o próximo ao qual ele está ligado, muito possivelmente trará a vida o ultimo que eliminou e todos os demais, conforme não tome as rédeas e siga perseguindo estes agregados até chegar a Cabeça (de Legião) , ao mandante em questão.

Todo Iniciado que realmente esteja trabalhando psicologicamente, necessita ter um inventário de seus defeitos psicológicos. Precisa realmente ter como um mapa de sua mecanicidade e de compreender quais defeitos carrega e ter uma estratégia de trabalho para ir eliminando um a um deste emaranhado de aberrações que nos causam tantos danos, e a nosso Deus interno.

Quando uma pessoa por exemplo elege um agregado, ele está sempre ligado de alguma forma a outro Eu chave, que alimenta e convive com outro. Ao eliminar este primeiro, temos que dar seqüência de acordo a esta concatenação de elementos, seja da mesma cabeça de Legião, ou de outra (Ira, Cobiça, Orgulho, Luxúria, Preguiça, etc..).

Uma pessoa Luxuriosa, dificilmente terá energias para ser Irada ou condições de ser preguiçosa já que a Luxúria é uma força ativa mas que desgasta as energias.
É Mais fácil uma pessoa Luxuriosa ser preguiçosa do que Irada, ainda que possa fazer uso da Ira caso não tenha sua Luxúria satisfeita.

Então uma pessoa que tenha escolhido trabalhar sobre algum elemento da Luxúria como um "Eu Fornicário" (Que almeja o derrame seminal, orgasmo), pode que por esta energia contida (porque ainda não é capaz de transformar, a sutilizar por meio da transmutação) o que se avive seja um Eu de Ira, um eu brigão, um eu inconformista, enfim... se percebemos esta ligação, pode que seja este o próximo alvo de nosso trabalho.

Nem sempre a seqüência será na mesma cabeça de Legião, tudo depende de como, em nós estes eus se relacionam.

O Importante é dedicar um esforço contínuo sobre um agregado, o observar no dia a dia, o observar internamente, meditar sobre ele, entender sua virtude correspondente, com que eus se relaciona e assim ir dando seqüência a esta purificação interna.

Quem siga este método, simples de trabalho, certamente nunca estará perdido e sempre terá sobre o que trabalhar.

Claro que o Eu é um emaranhado de coisas, muitas vezes o melhor é ir pelas pontas, pois o eu é como uma grande árvore que talvez não tenhamos ferramentas ou forças para bater no tronco ou em algum galho mais grosso, mas podemos tirar as folhas, os galhos menores (associações menores), e com isto vamos diminuindo a força da totalidade da maldade em nós.

Neste trabalho que explicamos, batemos na associação para ver aonde nos dói, mas seguimos sempre uma unidade que tenhamos condições de trabalhar.
Então as vezes a pessoa se propõe a trabalhar com a Ira, mas o elemento que a fortalece está na preguiça, por mais estranho que pareça, e é possível que não consiga dar seqüência se não for lá matar aquele eu da preguiça que se relaciona com o da Ira.

Porque há Eus de uma cabeça de legião que se alimenta de elementos afins, de outras, necessitamos ir reconhecendo, compreendendo e pedindo a Mãe Divina para que os elimine. Aos casados claro se faz isto principalmente durante aquele instante máximo do Arcano, depois das vocalizações, aonde a Mãe já está em posse da Lança de Fogo (nossa coluna vertebral já imantada pelo magnetismo sexual).

Os Solteiros podem fazer em meditação ou depois de seus exercícios de transmutação.

Enfim, há outro tema que gostaria de falar mas não nos foi permitido escrever algo a parte, em um texto específico, então faremos aqui alguns comentários.
Sabemos que nesta época que agora nos encontramos, teremos um evento bastante significativo esotéricamente e que muitos não foram capazes de compreender ou de interpretar corretamente.

Nos pesa falar sobre algumas coisas, principalmente porque neste ano já passamos por um evento que foi muito bem marcado esotéricamente que foi aquele 01/06/12 até 03/07/12.
Internamente se destruíram coisas divinas, simplesmente para que o mal não tomasse posse, e é algo doloroso para os Deuses terem que fazer.

Este evento do 12/12/12 até o 21/12/12, pode se dizer é a contra parte daquele primeiro, são quatro datas que regem o final de uma raça. Dois juízos e duas execuções destas duas sentenças.

A Humanidade claro já foi julgada, isto bem sabem os gnósticos, no entanto há um povo que começou esta obra já fazem muitos, muitos séculos, e estes períodos se relacionam com estes Iniciados, Adeptos e Mestres.

Há muitas pessoas em progresso de trabalho que por motivos esotéricos não puderam ter posse da consciência que teriam direito, e que igualmente se viram privados de habilidades e dons internos, principalmente a proximidade do Ser, esta capacidade de aprender diretamente dele, de sua consciência divina, enfim...
Com este evento, os que estiverem verdadeiramente firmes no trabalho, terão um avanço significativo neste período.

Haverá um avanço porque chegará um impulso, um ultimo grande e forte impulso, para que estes iniciados consigam fazer internamente o que é necessário para se aproximarem do Ser, com sua pureza, com seu valor, ou verdadeiramente para que se queimem de vez e que se lancem ao Abismo e possam ser julgados e divorciados de seu Íntimo.

Há três qualificações que necessitamos, e o terceiro se relaciona com este Mestre cuja posse de seu Bodhisatwa já estava prevista para este 21/12/12.

Este é o Mestre que comenta o V.M. Samael que tem dito selo que qualificará a Humanidade em duas, definitivamente.

O Problema de tal qualificação, é que será a ultima... é a ultima avaliação que se fará destes iniciados antes do fim da raça, já não é uma sentença final para a humanidade, mas uma sentença final aos Iniciados.

Basicamente o que é avaliado é a integração da pessoa humana com o Ser, ou seja, da transparência de sua Alma e da reflexão que consiga fazer da Luz que emana o Ser.
Tanto que é assim que se darão os processos de Êxodo, pela Luz que cada pessoa é capaz de permitir expressar-se, que é emanada do Ser, que se encontrarão estes iniciados para um oportuno resgate. Internamente percebemos estas luzes desde o espaço, de longínquas distâncias percebemos a luz emanando de seus veículos físicos e internos.

Não é porque uma pessoa conheceu este ensinamento hoje, ou conhecerá ano que vem, que não esteja sendo avaliada nisto, hoje (nestas datas em questão). Porque como já dissemos, isto dos iniciados é algo muito antigo, e apesar de que talvez não tenham conhecido este ensinamento ou que não tenham participado de alguma instituição esotérica na atual existência, que não estejam trabalhando, ainda que guiadas internamente por forças que as orientam e guiam neste propósito.

O Que se aproxima não é uma nuvem negra, mas uma luz tão brilhante que certamente cegará a muitos, porque como já dissemos, musicalmente estará em uma nota muito incomum para nossos sentidos. Daqui para frente a melodia tornará-se algo até então não tocado, como pudemos perceber.

Se lhes podemos recomendar algo, é que saibam caminhar por suas próprias pernas, saibam integrar-se com esta individualidade que lhes personifica e não se deixem levar por multidões, pois as multidões, como um todo, sempre são conduzidas ao erro e ao Abismo.

Todos os Mestres, em todas as épocas, todos aqueles que expressaram e encarnaram ao Ser, sempre estiveram sós, pelo menos em Espírito, já que eram indivíduos íntegros, únicos e verdadeiros.

Claro que não precisamos nos afastar de nada nem de ninguém, mas precisamos exercer esta capacidade de orbitar em relação a guiatura de nossa consciência e das emanações dadas por nosso Real Ser.

Anelamos sinceramente e verdadeiramente que estas datas, estes eventos únicos e tão especiais, sejam grandes bênçãos a todos os nossos irmãos do caminho e da Obra, e que sejam capazes de aproveitar todo este anelo e estas novas ordens que internamente perceberão, para sua integração com o Ser, e para conclusão da Grande Obra.

Paz Inverencial!

03/12/12