CLXV
Textos sobre Metafísica
Sonhos e Vivências Astrais; A Consciência Humana e A Luz do Ser

O Principal motivo para que durante o descanso do corpo físico, existam sonhos, é porque durante o dia a dia não estamos em um estado adequado de consciência.
Estamos adormecidos e sonhando durante o dia a dia e por consequência nos instantes de repouso do físico, sonhamos nas regiões superiores da natureza.

Se estivéssemos consciente da realidade física, como poderíamos supor que muitos dos acontecimentos que vemos nos sonhos são realidades tridimensionais?


Quando a reflexão frente a qualquer evento torna-se latente, temos condições de naturalmente intuir que região da natureza nos encontramos e por consequência dar a devida atenção que merece.
Existem muitas práticas entregue pelos Mestres, mas sinceramente vemos que cada pessoa tem condições de encontrar seus próprios meios para este Despertar. Estes meios claro, entregues pela própria consciência, o Guru e o Ser.

Se a cada evento incomum físico que observamos, nos tornamos reflexivos a ponto de questionar se estamos fisicamente fazendo aquilo ou em outra região da natureza, isto repetiremos nas horas de sono e por consequência Despertaremos a Consciência nestas regiões.
Se você leitor, cada vez que entrar nesta página, for capaz de tornar-se reflexivo a ponto de se questionar, verdadeiramente por em dúvida se está no físico ou no astral, inevitavelmente isto se repetirá na hora em que o corpo está descansando e o veículo astral está ativo.

A Verdade é que as pessoas não despertam nas Regiões Superiores da natureza porque não querem. Tudo exige supremo esforço e dedicação para que se chegue a perfeição e a humanidade gostamos do que é fácil e do que não exige esforços nem continuidade, porque não possuem vontade nem continuidade de propósitos.

Não existe meios de deixarmos de ser teóricos, sem que haja este despertar da consciência nas regiões superiores da natureza.
Uma pessoa poderia repetir tudo que já disseram os Mestres sobre os Chackras, corpos, regiões, templos, ensinamentos, práticas, elementais, etc... Mas tudo isto carece de compreensão, de vivência, de experimentação e comprovação prática.

Gnosis não são teorias, são feitos práticos seja no campo físico ou espiritual. Por isto que nos denominamos ESTUDANTES Gnósticos, porque a Gnosis é algo que necessita vivência prática e experimentação direta, não teorias, mas feitos, vivências, observação direta.


Há um tema que temos que tratar, que preferiríamos escrever em separado, mas conhecendo a realidade de como as pessoas estudam estas coisas, nos vemos obrigados a escrever junto a este tema, pois se relaciona diretamente a isto.


Uma pessoa pode estar consciente, realmente Desperta e não estar de acordo com a vontade do Ser. Uma coisa é a Consciência Humana e outra coisa é a Luz do Ser.
Isto são níveis e níveis, mas o que estamos falando falamos porque não é apenas Despertar a Consciência, mas seguir o ordenamento que dá o Ser.

Porque muitas pessoas lutam, lutam uma vida toda e não despertam? Porque se o Ser permitisse este Despertar, a pessoa humana, consciente... sim, consciente, se divorciaria da vontade dele.
Então não é apenas a luta por este Despertar, mas uma luta por escutar esta voz do silêncio, e segui-la; de se integrar com ele que é a razão de todas as razões espirituais.

A Humanidade sofre, os iniciados sofrem, porque não cumprem a vontade do Ser e porque não tem consciência desperta. Se lutamos por este despertar da consciência e por esta iluminação que dá o Ser, nada se faz obstáculo para este processo de Despertar e de Iluminação.


Sobre isto do Despertar da Consciência, a pessoa poderia realmente Despertar a Consciência, poderia estar consciente e atuar conscientemente, mas ainda assim lhe faltar a Luz do Ser, porque são questões distintas.

Então uma coisa é a compreensão e a consciência; e outra coisa é a iluminação para que se faça bom uso disto.
Há virtudes que se tornam obstáculos em certos momentos, porque algumas pessoas se viciam em atuar apenas por meio de uma ou outra virtude, enquanto dentro de nós, existe um exército de virtudes, de dons, de capacidades que devem atuar no momento exato que se fazem necessárias.

Falar é um dom, quem tem o dom de falar, no sentido de ensinar por meio das palavras, de fazer-se entender, está exercendo um dom. Quem cala, também tem um dom; claro nos referimos neste caso a humildade, a compreensão, etc...
No entanto nos ensinam os Mestres que é tão certo calar quando se deve falar, do que falar quando é necessário o silêncio.
Então como saber que virtude exercer? Pois pela iluminação que dá o Ser.

A Iluminação, é o bom uso destas virtudes, destes dons e destes poderes, que rege o íntimo.
Por isto que algumas pessoas logram sair em astral uns instantes e logo não podem mais. Uns começam a exercer esta capacidade de falar, de ensinar (conscientemente), e logo some isto na pessoa.

Porque claro está desenvolvendo consciência, mas em desacordo a luz que dá o Ser.
Isto é uma luta diária, vejam... não é apenas dissipar as trevas, mas organizar a própria luz encarnada.


Nós temos que dissipar em nós, todo o conceito que haja... não é porque um Mestre não ensinou algo que não seja verdade. Conhecemos pessoas que no Advento do Cristo dentro delas, aonde iniciaram o processo de Cristificação, MATARAM, realmente mataram ao Cristo, porque entendiam que não estava de acordo com o que os V.M. ensinavam.
Vejam que triste é o drama de uma pessoa assim. Busca ao Cristo, mas no momento que ele nasce dentro dela, o persegue e o consome, como se fosse um elemento contrário ao caminho. Há muitos Herodes neste mundo.

Gostaria de dar um exemplo simples mas que ilustra isto que estamos falando.
Uma vez há muitos e muitos anos atrás, creio que uns dois anos depois de encontrar o caminho na atual existência, estávamos nos mundos internos e eis que surge uma menina, uns oito anos, cabelos negros, olhos castanhos mas com um brilho bastante tenebroso, por assim dizer; tenebroso pela força que haviam neles, não por me referir a uma natureza negativa.

A Menina me deu um ósculo (beijo na testa) e me apontou uma porta em um longo corredor, esta porta continha acima do umbral o numeral XV (isto foi muito, muito antes de encontrar com o mistério CLXV).

Nesta sala haviam diversos irmãos, um conhecido inclusive, todos vestidos com vestes negras, sem capuz, mas vestes negras.
Me sentei em um dos assentos vagos, haviam umas cinco pessoas, e o irmão que estava a frente dos trabalhos estava dando algumas informações como horários que seriam oficiados nos mundos internos as Sextas e Sétimas Câmaras; Ficou acertado para as 4hs e 5hs da manhã, nas quartas-feiras, pois todos ainda estariam em seus leitos.


Alguns diriam que tínhamos ido parar em algum culto da Loja Negra, não é verdade? Porque vemos que há um conceito sobre a cor negra, o vermelho, etc... que normalmente se associam a forças negativas.
Bem, eu sei o que vi, sei aonde estava, não preciso me convencer de nada nem há necessidade que me expliquem coisa alguma, pois já sou convencido desta realidade.

Mas como explicar isto as pessoas? Se pegamos um trecho de um livro do V.M. Samael, certamente os estudantes aceitariam isto como plausível, não é assim?
Vejamos: "É, pois, um autêntico mago negro, porque entre os mestres da Loja Branca ninguém usa capuz preto. ZANONI veste túnica preta e leva um manto de distinção preto, porém, não capuz preto. O capuz preto é próprio dos magos negros." - A Revolução de Belzebu

Então neste trecho o Mestre Samael explica que há Mestres da Loja Branca que usam Negro em suas vestes, apenas não tem capuz, o que caracterizaria como um Mago Negro (o capuz).
Digo isto, porque já vimos muitas coisas que poderiam parecer estranhas, principalmente por nunca terem sido escritas. Certa vez, quando fomos investigar internamente a realidade de uma Instituição Gnóstica (guiada fisicamente pela Loja Branca), vimos quatro irmãos que tinham vestes vermelhas.
Uma destas pessoas eu já conheci fisicamente as outras três são novas na instituição em questão.

Interessante que duas destas pessoas que usavam vestes Vermelhas estavam conscientes de aonde estavam, não tinham sido lá levadas pela graça dos Mestres, senão porque estavam conscientes internamente... chegamos a dialogar, porque me perguntaram quem eu era, pois não me conheciam e não entendiam como eu poderia estar ali.
Vestes vermelhas e isto era uma reunião da Igreja Gnóstica nos mundos superiores.

Toda esta história tem por objetivo demonstrar que nada sabemos sobre a realidade. Conhecemos as teorias e informações que deixaram os Mestres.
Temos que atuar com cautela e com prudência frente a quaisquer afirmações que façamos, pois muitas vezes poderíamos estar nos prejudicando e prejudicando a outras pessoas, ainda que com a maior das boas intenções.

Nisto da consciência nos mundos internos, há detalhes que temos que tomar cuidado, já fui muito severamente advertido pela Mãe Divina ao tentar constantemente conjurar a um Mestre da Loja Branca, um habitante do Éden, pelo simples fato de não ter feições humanas.
Estava plenamente convencido que com aquela cara, era um demônio e o conjurei até a exaustão. Era um Mestre com feições de um certo animal noturno e sinceramente não havíamos tido ainda contato com irmãos maiores com estas feições.

Nisto a própria Mãe Divina individual, cristalizou-se como forma tangível e me advertiu que eu estava cometendo uma falta contra um Mestre da Loja Branca.

Então é o que queremos dizer, estávamos conscientes nos mundos internos e ainda assim carecíamos naqueles momentos da guiatura e da iluminação do Ser.
Tantas vezes somos atraídos a templos nos mundos internos, ou a algum Mestre em especial, e conscientemente não fomos nós quem chegamos lá, mas é um impulso espiritual que guia a pessoa.. é um sentir que nos faz ter uma afinidade com tal ou qual região. Isto é emanado do Ser.


Lamentamos que hajam tantas pessoas, iniciados, conformados com esta não vivência espiritual. Pois isto são travas que se põe a própria pessoa, por se deixar nivelar por um mal trabalho das pessoas que o cercam.
Não nos deve importar se fulano ou se sultano não sai em Astral, se não mata seus defeitos, se não transmuta, se não sacrifica-se, etc...

Temos que acima de tudo realizar esta integração com a consciência e lutar por chegar a esta guiatura que dá o Ser.


Todas as grandes hecatombes (esotéricas) que houveram no meio Gnóstico e no decorrer das humanidades, se deram porque haviam pessoas CONSCIENTES, mas sem a devida ILUMINAÇÃO.


"Levanta-te, resplandece, porque vem a tua luz, e a glória do SENHOR vai nascendo sobre ti;
Porque eis que as trevas cobriram a terra, e a escuridão os povos; mas sobre ti o SENHOR virá surgindo, e a sua glória se verá sobre ti.
E os gentios caminharão à tua luz, e os reis ao resplendor que te nasceu.
Levanta em redor os teus olhos, e vê; todos estes já se ajuntaram, e vêm a ti; teus filhos virão de longe, e tuas filhas serão criadas ao teu lado.
Então o verás, e serás iluminado, e o teu coração estremecerá e se alargará; porque a abundância do mar se tornará a ti, e as riquezas dos gentios virão a ti.
A multidão de camelos te cobrirá, os dromedários de Midiã e Efá; todos virão de Sabá; ouro e incenso trarão, e publicarão os louvores do SENHOR.
Todas as ovelhas de Quedar se congregarão a ti; os carneiros de Nebaiote te servirão; com agrado subirão ao meu altar, e eu glorificarei a casa da minha glória.
Quem são estes que vêm voando como nuvens, e como pombas às suas janelas?
Certamente as ilhas me aguardarão, e primeiro os navios de Társis, para trazer teus filhos de longe, e com eles a sua prata e o seu ouro, para o nome do SENHOR teu Deus, e para o Santo de Israel, porquanto ele te glorificou.
E os filhos dos estrangeiros edificarão os teus muros, e os seus reis te servirão; porque no meu furor te feri, mas na minha benignidade tive misericórdia de ti.
E as tuas portas estarão abertas de contínuo, nem de dia nem de noite se fecharão; para que tragam a ti as riquezas dos gentios, e, conduzidos com elas, os seus reis.
Porque a nação e o reino que não te servirem perecerão; sim, essas nações serão de todo assoladas.
A glória do Líbano virá a ti; a faia, o pinheiro, e o álamo conjuntamente, para ornarem o lugar do meu santuário, e glorificarei o lugar dos meus pés.
Também virão a ti, inclinando-se, os filhos dos que te oprimiram; e prostrar-se-ão às plantas dos teus pés todos os que te desprezaram; e chamar-te-ão a cidade do SENHOR, a Sião do Santo de Israel.
Em lugar de seres deixada, e odiada, de modo que ninguém passava por ti, far-te-ei uma excelência perpétua, um gozo de geração em geração.
E mamarás o leite dos gentios, e alimentar-te-ás ao peito dos reis; e saberás que eu sou o SENHOR, o teu Salvador, e o teu Redentor, o Poderoso de Jacó.
Por cobre trarei ouro, e por ferro trarei prata, e por madeira, bronze, e por pedras, ferro; e farei pacíficos os teus oficiais e justos os teus exatores.
Nunca mais se ouvirá de violência na tua terra, desolação nem destruição nos teus termos; mas aos teus muros chamarás Salvação, e às tuas portas Louvor.
Nunca mais te servirá o sol para luz do dia nem com o seu resplendor a lua te iluminará; mas o SENHOR será a tua luz perpétua, e o teu Deus a tua glória.
Nunca mais se porá o teu sol, nem a tua lua minguará; porque o SENHOR será a tua luz perpétua, e os dias do teu luto findarão.
E todos os do teu povo serão justos, para sempre herdarão a terra; serão renovos por mim plantados, obra das minhas mãos, para que eu seja glorificado.
O menor virá a ser mil, e o mínimo uma nação forte; eu, o SENHOR, ao seu tempo o farei prontamente.
"

Isaías 60:1-22

13/02/13