CLXV
Textos sobre Metafísica
Impulsos do Ser

Quando falamos do Ser e de seus impulsos, normalmente estamos nos referindo a fração divina destes irmãos que em alguma época já chegaram até uma Sétima Iniciação de Mistérios Maiores, porque o Ser... não é outra coisa senão a união perfeita entre a Alma Humana e a Alma Divina.
O Ser é o filho de seu filho, esposo de sua irmã.

Claro que inevitavelmente todo que não tenha um Ser formado pelo processo de Iniciação, inevitavelmente tem o impulso da mônada, que em ultima síntese é o que origina todas as expressões de uma mesma criatura.
O Ser não cai, a Alma Divina não baixa... cai a Alma Humana, falha e vem a se divorciar da vontade de seu Deus individual, mas ele, o Ser, não pode mais ser desfeito.


Por isto que algumas pessoas tem uma cobrança e um impulso tão forte em relação ao caminho, porque o Ser como desdobramento da própria Lei (que o origina), almeja este reencontro e dar a esta Alma Humana a guiatura e realizar este reencontro com este filho pródigo.
Sem isto, sem esta reintegração, este Ser fica impossibilitado de atuar e de realizar o que lhe cabe realizar no mundo.


Há muitas questões que não temos como ensinar, não porque não queremos ou que seja proibido, mas que são processos tão íntimos e tão particulares de cada Alma Humana para com seu Ser e com sua Consciência, que somente é possível esta integração por meio de uma auto-descoberta.

Isto são limites para que realmente a pessoa possa tornar-se um Gnóstico, alguém que é filho de suas próprias obras, de suas ações, vivências e compreensões.
Porque pode que estejamos em uma irmandade, que tenhamos amigos e companheiros que trilhem este caminho junto conosco... mas se formos observar além disto que vivemos no mundo, há uma busca, uma reintegração que só é possível cada um realizar, cada um por si mesmo.

Isto é o que dizemos é o trabalho individual de cada pessoa.
Hoje conhecemos centenas, milhares de pessoas que realizam trabalhos a nível institucional e a nível de ensinar, ajudar... mas muitos destes praticamente não se movem no que é o trabalho individual de reintegração com o Ser.
E Não se movem porque não sabem o que fazer, simplesmente fazem a parte pública, física do trabalho.


Há coisas tão simples, mas tão simples, como é o próprio caminho, que se dizemos claramente as pessoas não entenderiam, de tão óbvio e verdadeiro que é.
Porque você quer ver a expressão da consciência? Pois atue por meio das virtudes que tenha.
Qualquer decisão, impulso que vibre em alguma destas essências livres e atuantes, não é mais do que o impulso da própria consciência em dar a solução de algum enigma da vida.

O Ser é algo muito similar a isto, porque ele não nos dá palavras, ele não dialoga no sentido de dizer coisas a seu filho (a pessoa humana, a Alma Humana), ele baixa, ele se expressa, como um sentir, quase um sentimento, mas é algo muito mais transcendental e superior ao que conhecemos como sentimentos.


Imaginem um quartel que neste quartel habitam as essências, a consciência, cada uma sabe sua função, conhece algo que é sua capacidade especial que lhe cabe realizar.
Agora imaginem que chega um grande General neste quartel, alguém que todas estas criaturas reconheçam como seu chefe e mandante.

Ali se põe aquelas consciências, tal qual pessoas, alinhadas, ordenadas, preparadas, atentas.
Este General inflama aquelas pessoas com um discurso, com um impulso especial, ainda que ninguém depois do evento saiba dizer as palavras, fica o sentimento daquilo.


É Mais ou menos isto que o Ser causa com sua presença e com sua atuação. Claro que não são sentimentos humanos que ele provoca, porque os sentimentos como sentimentos correspondem a um centro inferior (emocional inferior) e o Ser atua tanto em um Intelecto Superior como em um Centro Emocional Superior.


Qualquer pessoa que se dedique a compreender e a separar dentro de si o que é um impulso egóico, o que é um impulso da consciência e do Ser, jamais, jamais ficará sem destino ou sem guiatura.
Porque já não serão palavras ou impulsos humanos ou mesmo divinos alheios que lhe guiarão, mas sua própria Mônada, sua própria Consciência, seu próprio Ser.
Dizemos e enfatizamos isto, porque são tempos difíceis e em todos os lados abundam teorias e conceitos mesmo a respeito da verdade e do caminho.


Há barreiras e limites intransponíveis para o intelecto e os conceitos, e nisto tem ficado grande parte dos iniciados.
Aonde que estão se levantando estes Homens e Mulheres que realizam esta Obra?


"Oh! se fendesses os céus, e descesses, e os montes se escoassem de diante da tua face,
Como o fogo abrasador de fundição, fogo que faz ferver as águas, para fazeres notório o teu nome aos teus adversários, e assim as nações tremessem da tua presença!
Quando fazias coisas terríveis, que nunca esperávamos, descias, e os montes se escoavam diante da tua face.
Porque desde a antiguidade não se ouviu, nem com ouvidos se percebeu, nem com os olhos se viu um Deus além de ti que trabalha para aquele que nele espera.
Saíste ao encontro daquele que se alegrava e praticava justiça e dos que se lembram de ti nos teus caminhos; eis que te iraste, porque pecamos; neles há eternidade, para que sejamos salvos?
Mas todos nós somos como o imundo, e todas as nossas justiças como trapo da imundícia; e todos nós murchamos como a folha, e as nossas iniqüidades como um vento nos arrebatam.
E já ninguém há que invoque o teu nome, que se desperte, e te detenhas; porque escondes de nós o teu rosto, e nos fazes derreter, por causa das nossas iniqüidades.
Mas agora, ó SENHOR, tu és nosso Pai; nós o barro e tu o nosso oleiro; e todos nós a obra das tuas mãos.
Não te enfureças tanto, ó SENHOR, nem perpetuamente te lembres da iniqüidade; olha, pois, nós te pedimos, todos nós somos o teu povo.
As tuas santas cidades tornaram-se um deserto; Sião está feita um deserto, Jerusalém está assolada.
A nossa santa e gloriosa casa, em que te louvavam nossos pais, foi queimada a fogo; e todas as nossas coisas preciosas se tornaram em assolação.
Conter-te-ias tu ainda sobre estas coisas, ó SENHOR? Ficarias calado, e nos afligirias tanto?
"
Isaías 64:1-12

25/02/13