CLXV
Textos sobre Metafísica
O Pretor

O Caminho, a Grande Obra, é algo realmente indescritível, e por mais que tenham já os guias da humanidade escrito e descrito tantos e tantos volumes, vemos que é algo que permanece em profundo e absoluto mistério, verdadeiramente apesar de tudo que foi dito, vemos que continam mistérios insondáveis e somente obtidos pela vivência prática.

Na vida prática, surgem dois caminhos, duas possibilidades distintas que nos levam a diferentes rumos e a viver diferentes processos.
Existe um caminho branco e um caminho negro, ou da mão direita e da mão esquerda, como outras alegorias conhecidas para descrever a estes possiveis destinos.

No caminho branco, buscamos as virtudes e seguir estes impulsos interiores e superiores que sabemos emanam de nosso Real Ser, de nossa Consciência.
No caminho negro, seguimos o impulso animal, fazemos a nossa vontade em vez de fazer a vontade de nosso Deus Íntimo.

Os Magos Negros buscam poderes e domínio, exercício de sua própria vontade.
Os Magos Brancos buscam as virtudes, e submetem sua vida e vontade para com sua Divindade que é o Real dentro de cada pessoa.


Na verdade dizer que se buscam as virtudes no caminho branco, é equivocado, pois é uma forma de se explicar o que nos é difícil explicar com palavras.
Porque esta Alma que trilha o caminho autêntico, que exercita esta Arte Real, ela nada busca, senão a verdade, este desconhecido de momento a momento, este impulso solar que é a vida espiritual que deve guiar sua vida. E Disto naturalmente, pelas questões que impõe a vida, busca a justa solução e a justa manifestação a cada momento, e disto naturalmente, vai se polindo e desenvolvendo as virtudes e todos os atributos necessários para encarnar e manifestar, seu Ser.

Por isto dizemos que a iniciação é a própria vida, porque não há outra explicação ou outra questão que detalhe de melhor forma isto.
A Iniciação é a vida, vivida a cada momento, a cada instante, de acordo com o que seja justo para cada um destes eventos que se apresente.


Sempre, naqueles momentos que poderiam ser os mais difíceis, nas situações mais inusitadas, temos as melhores chances de nos liberar de todas as debilidades que carregamos e que manifestamos seja fisicamente, ou seja em alguma região interior como sentimentos, pensamentos e até em regiões ocultas de nossa psique.

No caminho branco, nesta busca por nosso Ser, muitas vezes simplesmente trocamos defeitos mundanos por versões superiores destes mesmos defeitos, pensando que realmente estamos os eliminando mas permanecem vivos, contudo.

Há quem cobiçe dinheiro, quem cobiçe uma bela dama, ou que inveje o vizinho, o carro que o outro tem. No caminho, quando esta pessoa compreende o que é real e o que não é, estes defeitos modificam-se, adaptam-se, mistifícam-se e continuam vivos, alimentando-se de novos sabores, novos impulsos.
A cobiça agora já são poderes, são iniciações, são cargos institucionais, são fórmulas secretas, conhecimentos, acessos a câmaras ocultas, assim é com todas as falhas que tem o homem continuam vivas, quando encontra o caminho.

Já podemos não ter cíumes da esposa, porque sabemos que nos é fiel, mas é natural que vejamos isto avivar-se de forma a desenvolver um cíumes religioso.
Assim poderiamos inumerar mil vezes mil defeitos que passam a ocultar-se na boa intenção espiritual de cada um.

E o Místico, o buscador, sente-se superior, sente orgulho de não sentir orgulho, como cúmulo de sua ignorância para com o que se processa em seu interior. Não vê que permanece o mesmo, exatamente o mesmo, apenas com novas cobiças, novas invejas, novos cíumes, mas o mesmo.


No caminho desta auto-realização íntima, necesitamos desenvolver uma série de habilidades que no momento certo, poderemos fazer uso, de acordo com o que nos permite nosso Real Ser, nosso Íntimo.
O Mago Negro, aquele que faz apenas a sua vontade, não lhe interessa se está preparado, se fará bom uso de suas habilidades espirituais, apenas quer poder, quer comandar, quer exercer sua vontade como indivíduo e esquece não apenas de sua Divindade interior, mas da coletividade, que temos que respeitar.

Conforme a pessoa vá desenvolvendo-se sériamente, realmente de forma inabalável frente ao que impulsiona o Ser, certamente vai tendo um respaldo Espiritual para sua Obra, e por consequência vai no momento certo recebendo estas capacidades e estes dons que são as ferramentas que tem este Iniciado para experimentar a verdade, por ele mesmo... e disto ressurigr como um Adepto.


O Pretor é um destes eventos místicos e espirituais a qual todo iniciado, todo aquele que esteja no caminho, deve esforçar-se sempre para participar, porque no seu tempo devido, trará as recordações, pois certamente participará, ainda que não recorde.

Durante a aurora das sextas feiras e do domingo, é celebrada a Santa Missa, na Igreja Gnóstica dos Mundos Superiores, e ali pode o iniciado participar, seja em corpo físico em estado de Jinas, seja em Corpo Astral enquanto o corpo físico repousa em seu leito. A Santa Missa realizada na Igreja Gnóstica dos Mundos Superires da Sexta e do Domingo, é denominado "Pretor".

A Destreza Astral depende de ter este iniciado engendrado em alguma existência o Astral Cristo, se não conseguimos ir ao Pretor após muitas tentativas, pois necessitamos seguir lutando pela Obra e no momento certo certamente seremos ajudados ou poderemos ir por nosso próprio esforço e merecimento.

Nos demais dias existem instruções se vamos até a Santa Igreja Gnóstica, não necessitamos ir apenas nestes dias e momentos específicos.

Neste ultimo domingo (06/05/13), durante a aurora, no Pretor, estiveram presentes mais de 460 iniciados, algo segundo os Mestres, épico.

Conversava este que aqui escreve, com um irmão, durante o pretor (antes de entrar ao templo), a respeito das lembranças que normalmente não temos ao retornar ao físico quando vamos em Corpo Astral, e ele comentava que isto se dava devido a manchas em nossa Aura, preocupações e problemas do dia a dia que maculávam a entrega destas memórias que acabavam ficando apenas a nível de consciência mas não de memória. Por isto vemos que são questões que devemos aprender a lidar em nosso dia a dia, coisas simples como viver cada momento, compreender cada questão que se apresente e dar o justo a tudo, não dar nada a mais mas também nada a menos, que o necessário e o justo, de acordo com o que o Espírito nos impulsiona.


"Assim poderão os discípulos de nosso Movimento Gnóstico meter-se com seu corpo físico dentro dos mundos internos, assim poderão ir em carne e osso a Santa Igreja Gnóstica, assim poderão receber a comunhão do pão e vinho e assistir a Pretor. Assim poderão conhecer os grandes mistérios sem necessidade de estar danando sua mente com as teorias e discussões estéreis das escolas espiritualistas." - Samael Aun Weor.

Paz Inverencial!

06/05/13