CLXV
Textos sobre Metafísica
Reencarnação e Retorno

A Consciência é algo que realmente muda a forma como vemos o mundo, e claro a forma como interagimos com o mesmo.
Quando dizemos o mundo, é claro queremos nos referir a todas estas coisas existentes, todas as pessoas, todas as questões que temos que lidar.

Existe uma lei na natureza que é a lei do retorno. A Lei do retorno indica que tudo sempre retorna a seu ponto de partida original.
Tudo emana da divindade imanifestada e tudo retorna a ela, depois de um ciclo existencial.

Não precisamos claro ir tão longe ou percorrer um tão árduo caminho para comprovar isto na prática.
Nós nascemos, nós claro um dia desencarnamos, perdemos este veículo físico, e este processo é um retorno a esta mesma região que estávamos antes do nascimento.
Vejamos o dia, nasce no horizonte o sol, temos o dia, logo ele se põe dando origem ao processo da noite, e mais uma vez vemos que ele torna a nascer, recapitulando o mesmo processo, infinitamente, se comparado as existências humanas.

O Próprio ano, nossas estações são recorrentes e tendem a se repetir infinitamente, e tudo isto se dá devido a esta jornada que faz a terra ao redor do sol, se aproximando e se afastando, conforme seja o momento deste ciclo.

Mas não nos limitamos nisto, há coisas simples como o o Ar que utilizamos e que repomos em um ciclo constante respiratório. O Sangue que vai e retorna ao coração.
Isto são processos realmente infinitos se vamos analisar e listar.

As Almas passam por este mesmo processo de retorno. Como já dissemos, tudo surge desde o Absoluto Imanifestado, esta divindade que é a soma de todas as criaturas não existentes, como é a água dos oceanos. Claro que há ciclos menores, como a questão das 108 existências no reino humano.

Cada vez que a Alma chega até o Reino Humano, ela tem direito a 108 existências, este ciclo de 108 nascimentos e mortes, são exatamente o tempo que tem esta Alma para auto-realizar-se, para purificar-se e unir-se com sua divindade interior.


Este retorno que ocorre a uma nova matriz, após cada desencarne, se dá normalmente e na grande maioria dos casos, de forma mecânica, automática, regido por forças da natureza alheias a esta pessoa, que não tem consciência ou condições de tomar estas decisões.

Por isto chamamos retorno, porque é algo mecânico.

Aqueles que despertam sua consciência, que chegam a certa altura da compreensão e da consciência, tem por direito o que chamamos Reencarnação.
A Reencarnação é a escolha consciente de aonde haverá este retorno, que família, quando, sob que circunstancias voltará a tomar corpo físico.

Nós todos temos dívidas, mas ações que cometemos no decorrer das muitas existências (vidas) que tivemos neste trânsito humano.
Não só maldades que fizemos, mas boas ações que podendo fazer, não fizemos.
E Realmente isto é o mais terrível, porque não é apenas não cometer erros, mas também geramos estas dividas para com a divindade, se podendo ajudar, não ajudamos.

O Problema é que claro não temos consciência do que é errado, nem temos consciência de quando estamos realmente ajudando ou causando dano a outra pessoa. Vemos apenas uma camada superficial das ações, e há muito mais por detrás disto, que somente a consciência pode realmente verificar, avaliar e atuar.


Estas dívidas que temos, claro não queremos pagar, porque temos a consciência adormecida. Queremos o que é bom, queremos a saúde, a fartura, a alegria. Claro que por buscarmos estas situações cômodas e de estancamento, não é nos dado o direito da reencarnação, porque nasceríamos fora daquilo que é necessário vivenciarmos para nosso desenvolvimento.

Os Mestres, ou aqueles que despertaram sua consciência, eles claro fazem questão de pagar suas dívidas, buscam nascer aonde há condições para que possam cumprir com estas pendências kármicas que tenham, mas também aonde possam desenvolver-se dentro do caminho que já estão trilhando.


Não podemos lidar com a vida como se cada existência fosse algo único e independente de todo este clico que temos que passar.
Tudo que fazemos, pagamos ou recebemos o referente a nossas ações.
Lhes digo sinceramente, sem receio de equívocos, que nada que se tire de outro, ficará sem que tirem de vocês mesmos. Nada que percam, ficará também sem compensação.

A Vida é uma matemática exata, e toda ação tem sua recompensa ou sua punição, esta é a mais pura verdade que naturalmente podemos comprovar no de correr da prática e da observação direta dos processos da vida e a da morte.


Qual o sentido da vida? Realmente uma existência pela simples existência, não tem qualquer sentido ou lógica.

O Sentido da vida é esta busca por uma perfeição em nossa maneira de agir, de sentir, de pensar. Verdadeiramente transformar nossa vontade, fazendo una com a de nossa Consciência com a de nosso Real Ser interior que é a Divindade que nos personifica.
Logicamente isto não é algo que ocorre do dia para a noite, e não podemos jamais desistir de lutar, porque esta luta só se perde desistindo.

Enquanto haja amor, enquanto haja arrependimento para com os erros cometidos, há esperança, realmente há esperança.


A Atual humanidade, este conjunto de habitantes que povoam a face da terra, já tiveram seu destino julgado e selado pelas divindades que governam nosso sistema solar. Mas a verdade que está mais além deste julgamento é que assim como existe a humanidade, existe uma humanidade solar que luta por resgatar estas pessoas que vivem suas vidas sem destino.

Todo aquele que lute e que desperte sua consciência já não segue o mesmo fluxo que vai toda a humanidade mecanicamente, e por isto já não se encaixa dentro do destino que foi dado por este julgamento, que é a involução e o abismo.

Claro que o abismo, a segunda morte, a involução é um processo doloroso e que dura muito tempo, que em termos humanos poderia parecer uma eternidade.
Há muitas mônadas que realmente não tem este anelo por sua auto-realização e irão inevitavelmente por este caminho. Assim há outras mônadas que conscientemente buscam o abismo para liberarem-se do trânsito humano.

Mas existe esta possibilidade de trabalharmos sobre nós mesmos e eliminar as forças que são o imã que nos atrai para estas regiões negativas e inferiores, tanto em vida como após o fim de uma existência.
Nossos defeitos, nossos equívocos, nossos erros, são a razão da maldade dentro de nós mesmos e a razão de nosso sofrimento não só em vida mas principalmente e o mais terrível, depois do desencarne, quando perdemos esta expressão física como conhecemos.

Não somos um corpo físico, apenas o temos, como qualquer pessoa tem suas roupas, e para a Alma, o corpo é apenas uma vestimenta de carne que ela toma e troca conforme há necessidade.


Hoje temos situações muito difíceis de lidar, porque o mundo chegou a uma mecanicidade incrivelmente terrível, e as pessoas levantam de suas camas, trabalham e dormem sempre sonhando e identificadas com questões da vida que não tem a menor importância para o Espírito e para a Alma que são quem realmente importam e são eternos nesta situação.

Da vida não levamos nada, senão as nossas virtudes, nossos defeitos e claro estas vivências que estão impregnadas nestas duas forças anteriormente citadas.

Nós podemos ter tudo na vida, grandes Mestres tiveram verdadeiramente fortunas... a questão é não termos apego, nem trocarmos as coisas divinas pelas coisas materiais.
O Dinheiro, as posses, tudo isto podemos ter, contanto que claro façamos bom uso disto e que tenhamos muito conscientes que da vida, não levamos nada disto, e que isto são meios e não fins.

A Extrema riqueza, e a extrema pobreza, normalmente são condenáveis porque quase sempre são resultado de falhas psicológicas.
Mas não é raro encontrarmos grandes Mestres se passando por mendigos ou por grandes magnatas, para cumprirem suas missões e claro para poderem chegar até certas pessoas que de outra forma não poderiam.

A Vida é algo muito simples, o que complica a vida, são nossos defeitos, que dão a ela valores e importâncias muito distintas do que é a realidade que temos que viver.

A Prática vale mais do que toda a teoria que já foi escrita pelo caminho. Mais vale meditarmos, praticarmos e exercemos os fatores de revolução da consciência e buscar a todo momento expressar estas virtudes.
As Virtudes são uma força que precisamos dar atuação em nossas vidas, exercê-las verdadeiramente, para que se desenvolvam e para que progridam.

Se observarmos os três fatores de revolução da consciência, vamos encontrar exatamente isto, Nascimento, Morte e Sacrifício.
Claro que estes três fatores de revolução da consciência não se referem a estes processos que passa nosso corpo físico, mas é interessante que se adequarmos estas palavras a uma existência, encontraremos exatamente isto, uma força positiva, uma força neutra e uma força negativa, como é em todo o criado.


Há muito claro o que relatar e o que explicar sobre estes temas, mas o importante é que cada um desenvolva sua própria compreensão, simplesmente tornando-se compreensivo para com os eventos da vida, e desenvolvendo sua própria consciência, seguindo os desígnios de seu próprio Ser.

Paz Inverencial!

04/06/13