CLXV
Textos sobre Metafísica
O Karma de cada Alma

O Caminho é algo realmente surpreendente. Digo que quando parece que não teremos mais surpresas, mais uma vez somos surpreendidos com estas questões do passado.

A Vida como bem sabemos é uma seqüência de muitas existências. Nós hoje vivemos uma réplica do que foram outras existências que tivemos, mais as conseqüências de nosso ciclo anterior.

A Cada existência fazemos boas e más ações e isto influencia o destino e o que temos que passar em vida.
Na verdade bem sabemos que o bem e o mal como palavras são formas equivocadas de expressar-nos sobre este tema.

Porque Bem, ou melhor dizendo bom, é aquilo que está em seu lugar, que foi feito na hora certa, pela pessoa, ou força, que lhe cabia fazer.
Mau é o que é errado, o que foi feito no momento errado, pela pessoa que não lhe cabia fazer, com uma força menor ou maior do que deveria executar.

Tudo na verdade é uma questão de detalhes e que muitas vezes pelos fatos meramente físicos, não temos condições de avaliar e de comprovar.


Nós claro não devemos nos tornar juízes de ninguém em nosso caminho, mas é interessante sempre buscar compreender porque temos que passar por algumas situações que na atual existência nos cabe viver.
Por mais infeliz que possa ser a situação que uma pessoa esteja metida, sabemos na prática que isto é o resultado das ações que esta mesma pessoa originou em algum ponto desta ou de outra existência.

Quando aprendemos a nos mover pela parte conscientiva, pelo o que impulsiona o Ser, pelo que determina a consciência, vamos fugindo desta mecanicidade e desta repetição, e vamos encontrando naturalmente meios de pagar por nossos erros do passado.


Há delitos que não temos como pagar, porque a Lei não permite, e nos cabe claro aceitar o fato e pagar com dor e sofrimento porque é a única maneira.
Do passado, é raro quem não tenha cometido crimes contra o Espírito Santo, e naturalmente isto não são Karmas negociáveis, pagamos com estancamento, quando mais precisamos, ou mais próximos estamos da auto-realização íntima.
Mas isto não são questões que devem abater aos Adeptos ou mesmo aos Iniciados, porque são situações que cedo ou tarde todos tem que passar, alguns claro de forma mais dura que os outros.

Não pretendemos aqui enumerar estes karmas ou listar suas origens, porque cada pequeno detalhe dentro destes delitos, e das escolhas que faça cada pessoa na atual existência, são particularidades quase únicas do que ela tem que viver. Mas vale sempre a reflexão, esta profunda análise, se possível dentro de uma meditação profunda.


Estamos dentro de um período muito importante nesta questão de Karmas, porque são períodos aonde aqueles que estão buscando realizar a Obra, tem de prestar contas sobre estas ações em relação a suas dívidas presentes, claro acumuladas.


O Mais terrível nisto tudo, não é a pessoa simplesmente se extraviar no caminho, mas levar outras pessoas neste processo. Muitas vezes com boas intenções.


Entendo que algumas pessoas que vem aqui e que leem estes escritos, realmente supõe que em algum momento vamos desvelar nomes internos ou querer fundar alguma instituição, ou quem sabe criar alguma linhagem de seguidores, mas garantimos de coração que não temos qualquer propósito neste sentido ou qualquer outro similar.
Imagino que esta impressão, se dá porque em outras existências, realmente fizemos isto. Cometemos este erro, não de fundar instituições, mas de rechaçar a magia sexual, como fundamento para a auto-realização.
Por isto que hoje, não apenas pelo karma, mas pela necessidade de equilibrar esta falta, pudemos expor algumas coisas e equilibrar os mistérios que em outras épocas conhecíamos apenas em parte.

Então que já cometemos este delito e certamente não vamos repetir. Hoje o que tentamos é reparar o erro de ter afastado tantas pessoas do caminho, e por isto este trabalho que aqui realizamos.

Muitas pessoas que nos procuram, e nos tem apreço pelas palavras que escrevemos, sabemos que nos procuram por uma mera recorrência e em reconhecer algum resquício daquilo que já fomos. Por isto que aprendemos a nos dar a tarefa, tal qual um Sol, de ao mesmo tempo atrair e a repelir, mantendo cada um em seu caminho próprio e ajudando a endireitar o que possamos ajudar, ou o dano que tenhamos causado.


Alguns dirão que estamos fazendo isto para demonstrar poderes, por recordar o que muitos não recordam, mas isto são questões mais básicas do que é o caminho e que todos, a todo momento, deviam lutar por conquistar.

Estas capacidades, as poucas que temos, as temos não por um merecimento, mas principalmente por um Karma, por um peso de ter de saber o porque de muitas coisas que acabamos tendo que passar, e tendo de resolver.

Nada realmente nos dá certeza, que em qualquer momento, possa ocorrer, por um mal entendimento do caminho, algum extravio deste que aqui escreve, ou que por uma recorrência ainda desconhecida, possamos ter de cumprir algum papel negativo nisto tudo.
Por isto que sempre temos de indicar, que cada um siga sua própria consciência, e que busque as respostas em seu Ser.

Isto sequer falamos pelos nossos acertos, mas por estes erros, não desta existência, mas que já cometemos e hoje tentamos remediar, pagar de alguma forma.
Porque não é o que façamos, mas o quanto façamos e quando, porque o Ser tem seus desígnios e muitas vezes ao fazer algo a mais, ou algo a menos, podemos estar pecando mortalmente para com a Obra.
Por isto a Grande Obra é assinalada como a Senda do fio da navalha.


Paz Inverencial!

10/06/13