CLXV
Textos sobre Metafísica
Morte Física e Morte Espiritual

A Morte é um tema que para muitos acaba sendo delicado, já que vêem a vida física como um limite intransponível.
Nós já existíamos antes de nascer, e continuamos existindo mesmo após a morte, ainda que claro o físico seja um meio de expressão que em alguns momentos recebemos e em outros deixamos para trás.

Cada pessoa é formada por diferentes expressões em diferentes dimensões e isto é o que possibilita esta existência mesmo sem que tenhamos um corpo físico.
Nós não somos este corpo físico, apenas o temos, como temos nossa casa, um carro, uma roupa.
Por acaso só temos um carro no decorrer de nossa vida? Uma só casa? Não, pois o mesmo ocorre com nosso corpo físico.
Há momentos quando o corpo está desgastado e já não serve aos propósitos que aspiramos, e temos que trocar de expressão física, para poder continuar o que temos de fazer. Esta nova existência muitas vezes tem de ocorrer, até para que possamos continuar a Obra do Ser de cada um.

Para muitos a vida é apenas uma questão de família, de trabalho, de posses, mas isto tudo com a morte se desfaz e seguimos em frente, levando sempre o resultado de nossas boas e más ações, do que cultivamos de virtudes e o que eliminamos de defeitos. Isto é o único que carregamos, Virtudes, Defeitos e o resultado da atuação de ambas, boas e más ações.

A Morte não é Má, assim como a Vida não é má, a maldade é aquilo que está fora de seu lugar.
A Vida trazida forçosamente por meios como artificiais é má, assim como a morte fora do momento que corresponde a cada um. Viver menos ou viver mais do que estamos destinados, certamente é um delito para com nossa Divindade Interior.


A Vida física, biológica é algo que existe por diferentes fins, sejam eles evolutivos ou involutivos, há uma cadeia perfeita que a própria vida sustenta e rege de uma mesma maneira.
Há animais que se encontram em seu ciclo evolutivo, outros em um ciclo involutivo e mesmo assim o Sol ilumina a todos, a água sacia a sede de todos.
O Que difere entre estas duas criaturas, é que na evolutiva, há uma força superior que lhe impulsiona a purificar-se.

Na Humanidade há pessoas que tem esta sede por regenerar-se, este impulso divino que lhe toca internamente e lhe dá a vontade e o impulso de realizar algo. Isto é a expressão do íntimo em uma pessoa.
Nós hoje vivemos uma época aonde a humanidade como um todo já se desligou de sua parte divina e involui miseravelmente.

Uns dirão que não é assim porque há muita bondade no mundo, mas mesmo no caminho negro, há sempre palavras belas, se fala do Cristo, do Amor, da Virtude, mas se vamos aos fatos, vemos que são forças negativas que lhes impulsionam.

É Difícil dizer "hoje", porque este desligamento dos Íntimos (da Trindade Superior de cada um), é algo que já vem ocorrendo há muito tempo, nesta era de Ferro que vivemos. Apesar de termos um mundo imensamente povoado de corpos físicos, sabemos que poucos tem ainda esta ligação que lhes permite realizar algo para o Espírito. São Quaternários!

Este é o motivo que uma Raça sempre acaba, porque pela maldade geral de uma humanidade, já não há porque sustentar uma raça. O Objetivo da vida é exatamente esta integração da Pessoa, desta Alma, com seu Real Ser, seu Cristo Íntimo, por meio de suas virtudes.

Por isto que existe tanto egoísmo; e tanto interesse, segundas intenções quando há algo "bom" sendo feito. Porque já não tem este indivíduo algo espiritual que lhe sustente como um pagamento interno por estas ações.
Claro, se a pessoa não tem este estímulo interno, espiritual para realizar isto, ela pode até fazer algo bom, mas precisa sentir um retorno disto, e nestes casos será que quer reconhecimento, quer dinheiro, quer poder. Ainda que publicamente diga que não quer, que não aparente querer.


A Obra não é questão de fazer o que o Sacerdote diga, de fazer o que alguém esteja lhe indicando, mas seguir o impulso que dê o Ser, o Espírito de cada um.
Porque não sabemos quem é quem, desde a parte física e é muito raro alguém saber qual é a missão e o que tem que realizar o outro.

Mas há um mínimo, um básico que se não é atendido, claro sabemos não é algo que seja emanado desta parte interna, espiritual.

Hoje estamos em luto, não por mortes físicas, biológicas, mas por um massivo desencarne interno de desligamento deste Elohim de cada um.
E Isto é o mais triste que há, ainda que as pessoas sequer percebam o que esteja ocorrendo...

03/09/13