CLXV
Textos sobre Outros
Outros informes sobre o Símbolo CLXV
Parte 2

O Número Quinze se refere a Paixão. Do domínio das paixões nos tornamos livres e senhores desta natureza que primeiramente nos escravizava.

O Domínio das Paixões se dá em três escalas:
XV - Humanas;
CL - Naturais;
MD - Espirituais.

O Trabalho das Paixões humanas se refere exatamente a tudo que se é dito nesta batalha contra o Ego e o domínio de nós mesmos;
O Trabalho contra as Paixões Naturais se refere a morte das Sete cabeças de Legião e o domínio da natureza exterior;
O Trabalho contra as Paixões Espirituais é a eliminação dos Três Traidores e da liberação absoluta desta parte Divina que levamos dentro.

Até mesmo os Deuses estão presos ao Karma, seus domínios não são mais do que prisões e seus reinados são elementos que impedem sua ascensão absoluta em determinado momento. Por isto até mesmo as Paixões Espirituais devem morrer para os Deuses que ingressam ao Absoluto.

A Divindade é uma Luz que nenhum olho humano ou até mesmo divino é capaz de contemplar. Quando da manifestação desta luz, ela projeta primeiro uma escuridão (trevas), para que fazendo contraste a esta luz invisível, surja uma luz visível e perceptível aos olhos dos Deuses e dos Homens.

Desta primeira dualidade elemental surge toda a vida. Desta força Evolutiva e desta força Involutiva surge a possibilidade da vida pelo movimento Crístico que é gerado por ambas as forças se movendo de forma uma inversa a outra.

Estas duas forças complementares as representamos de forma muito sábia com o Selo de Salomão.
As forças que Sobem e as forças que Baixam, são a origem e a razão de tudo quanto existe; é o símbolo de Deus em sua criação.
Seis Pontas Masculinas e Seis Pontas Femininas (reentrâncias) nos assinalam o 12 (CLXV = 165 ~ 1+6+5 = 12).

O Doze é um Símbolo do Sacrifício e do esforço da Divindade por perfeccionar sua criação.

Os Dois triângulos do Selo de Salomão representam Pai e Mãe, IO (1 e 0), Ísis e Osíris.
Desta interação e desta integração destas duas forças surgem dois movimentos que formam o Tetragrama universal. IOD-HE VAU-HE.

Poderíamos dizer Homem-Mulher, Falo-Útero. Claro que toda criação depende disto.
O Símbolo CLXV tal qual o Selo de Salomão nos dá a mesma chave e a mesma sentença, duas forças e dois movimentos.
Uma força positiva e um movimento negativo. Uma força negativa e um movimento positivo.

Destes dois princípios e destas duas ações ou forças em movimento, surge o Quinto que é a síntese ou a força motriz deste movimento, sua razão, sua Inteligência.

Então temos o 1 e o 0 como estes dois pólos contrários. O 9 como movimento negativo, o 6 como movimento positivo.
Disto surge o 8, que é a inteligência a força síntese e a razão deste movimento, é a vida e o Cristo que une o Pai e o Espírito Santo. o 1 e o 0.

Quando esta inteligência nasce dentro do Homem, ele toma a cabeça e aqueles quatro membros, sendo quatro opostos (dois e dois), tornam-se iguais em razão desta terceira força que é o próprio Deus encarnado dentro deste Homem.

Assim é como o Selo de Salomão, transfigura-se em Pentagrama.
Por isto que o sábios de todas as eras renderam verdadeiro culto ao sentido oculto expresso por estes símbolos, porque reconheceram a Verdade Cósmica ali expressa e assinalada por meio destas formas vivas.

Estes dois Símbolos são forças que simbolizam a Razão e a Justiça universais e por isto aos Espíritos Evolutivos obedecem a tais símbolos, por reconhecer a razão e a verdade neles expressos.
As forças Involutivas e tenebrosas os temem porque é uma recordação da razão perdida e do juízo que há de julgá-los na hora derradeira.

Por isto em Alta Magia sempre estão presentes estes símbolos que são o Selo de Salomão e o Pentagrama Esotérico.

Então nesta transformação do Selo de Salomão em Pentagrama. O 1 e o 0 que eram opostos formam os braços, o 8 assume como a cabeça deste mistério e as forças evolutivas e involutivas tornam-se os pés do pentagrama, sendo estes o 6 e o 9.

Este símbolo do Pentagrama tal qual aqui desvelamos, explica certamente o porque disto tudo em relação ao seu sentido com a cabeça erguida ou caída.
O 6 e o 9 somam 15 e este 15 é exatamente estas Paixões que o Mago tem que dominar.

O Homem quando tendo em si o Cristo, é este Pentagrama que deve fazer este esforço por equilibrar em si duas naturezas e por seus pés sob destas Paixões e dominá-las, fazer delas escravas e não o inverso.
Por isto a cabeça como 8 representa a razão e o 6 e o 9 estas Paixões.
Maria ou Stella Maris, é representada com os pés sobre uma Serpente tal qual aqui percebemos neste simbolismo do Pentagrama Esotérico.
Seu inverso seria a loucura e a entrega as Paixões, aonde a razão ficaria dominada por estas forças inferiores.

Isto claro estamos falando dentro do homem mas por analogia podemos perceber e compreender em qualquer natureza de forma análoga ao que explicamos.

O Santo Oito como Símbolo do Espírito e do Imperecível e Eterno claro é a suprema inteligência e força que deve guiar o Homem sem sua liberação.

Quando lutamos pela primeira vez contra estes quatro elementos da natureza e os vencemos, liberamos a Quinta Essência do Homem e com isto surge dentro deste Homem o Pentagrama Esotérico aonde é possível verdadeiramente tornar-se um Anjo ou um Demônio, de acordo com suas ações e seu ponto de Equilíbrio.

O 1 e o 0 no pentagrama vemos que se encontram relacionados como o Sol e a Lua, e certamente do Equilíbrio dos mesmos.

Então o Selo de Salomão é formado por duas forças, duas positivas e duas negativas.
O Pentagrama Esotérico é formado por estas duas forças negativas e duas positivas, mais uma força equilibrada que é resultante destas anteriores, como cabeça e princípio que rege por igual estes quatro elementos subjugados pelo Espírito.

No Pentagrama compreendemos um pouco melhor o trabalho do domínio destas Três Paixões.
69 = Humanas; 10 = Naturais; 8 = Espirituais.
Assim é como tornamos imperecível o que já é perfeito.

17/11/12

Em relação com o Símbolo CLXV, podemos explicar o sentido da Consciência, da Energia e da Matéria, por este mesmo sinete.
Ontem líamos aleatoriamente um livro do V.M. Samael e nos deparamos com algum trecho aonde ele citava a questão de que o Átomo era formado por Matéria, Energia e Consciência.

Todo criado é formado por estes três princípios, e dividido em dois atributos.
A Consciência dizemos há uma superior e uma inferior (6 e 9), a própria energia pode ser usada para fins construtivos e destrutivos, igualmente a matéria pode ser evolutiva e involutiva.
Esta dualidade de cada uma destas substâncias, em tal símbolo é expresso pelo 6 e pelo 9, claro que mais do que isto é a Consciência transformando-se e impregnando a matéria e a matéria transformando-se e impregnando a consciência.

Há muitas formas de observar internamente e muitos significados possíveis já que há níveis e níveis de possibilidades neste sentido.

A Energia (8), é o resultado de uma combinação e de uma luta entre o Espírito-Consciência (1) e da Matéria (0);

A Energia pode ser centrípeta ou centrífuga, pode se dirigir ao centro ou a periferia, pode subir ou pode baixar.
Nisto está o sentido da Grande Obra e o significado importante e real para nós de tal símbolo.
A Energia sabiamente dirigida pela consciência (espírito) e realizada pela vontade (energia), resulta pois no absoluto domínio da matéria em toda sua expressão.

01/12/12

Hoje, fazia mais cedo algumas pesquisas sobre certa imagem de Leonardo da Vinci (uma pintura de São João Batista), que havíamos observado nos mundos internos, como a representação esotérica (imagem, símbolo), dos princípios COHN quando da finalização da Grande Obra.

Mais tarde nos deparamos com uma imagem bastante interessante que de imediato nos surpreendeu bastante por termos ali visto o mesmo principio que tanto aqui explicamos.

Particularmente o que vi quando olhei para esta figura foi o próprio Símbolo CLXV, representado em forma mecânica.

Uma base abaixo representando nitidamente o 0.
Um madeiro vertical representando o 1.
O Pano é aonde percebemos o Santo Oito.
O Próprio 6 e 9 são as duas camadas do mesmo pano que desta posição do desenho, vemos como um 8.


Claro que o CLXV são as quatro cordas e os próprios quatro madeiros que unem tudo.

Aos céticos deixamos um ultimo sinal, de que tal criação foi entregue a humanidade no século XV: "A primeira idéia pouco prática de um helicóptero foi concebida por Leonardo da Vinci no século XV" - Informação de Enciclopédia.

10/12/12

Ontem nos intrigava muito a questão de algumas palavras como INRI, TARO (ROTA), o próprio CLXV que sabemos é o mesmo.
Enfim, demos realmente asas a nossa imaginação e nos permitimos rabiscar livremente alguns desenhos a respeito destes mistérios.

Não podemos nos queixar da sorte, porque sempre chegaram até nós respostas, em momentos oportunos.
Ontem fazíamos estes estudos em meio ao trovejar de uma tempestade, as luzes piscavam e as janelas estremeciam pelos ventos e a chuva, realmente sentíamos como um sinal dos elementos do nível de ensinamento que estávamos apalpando.

Que mistérios então teriam o tão sagrado Tetragrama?

Bem, para este que vos escreve, pareceu algo bastante lógico e simples após uma correta distribuição das letras.

No caso do INRI, nitidamente o duplo I, indica uma força positiva e uma força negativa, tal qual representamos como 1 e 0, em sua forma CLXV (16890).

O Próprio mistério da palavra ROTA, ou TARÔ, vemos nos assinala este mesmo sentido ou significado matemático e preciso de ser o mesmo símbolo e ter o mesmo sentido, ainda que representado de uma forma distinta.

Como disseram no passado alguns Mestres sobre este mesmo tema: "Temo ter dito demais", porque realmente estes mistérios são o último mistério, o domínio deste mistério é a conclusão da Grande Obra.

As Letras CLXV, seguindo o mesmo principio, formam com similaridade o mesmo símbolo que aqui apresentamos tantas vezes em forma de número.

Fazendo uma pesquisa sobre símbolos similares, encontramos algo bastante interessante em uma Obra do Mestre Eliphas Levi.
Confesso que observamos esta imagem até nossos olhos perderem a visão e nos permitissem ver o oculto deste símbolo.

É Surpreendente sempre encontrar como ensinaram no passado, as mesmas coisas que nos correspondem falar em tempos atuais, ainda que de forma mais pública e acessível que antes.

Nesta imagem vemos um triângulo e todos sabemos que a Trindade é a Unidade, então podemos representar a parte superior com o número 1.
Ao centro, vemos duas forças, equilibradas, um duplo zero, ou um duplo um (dois triângulos), que formam dois zeros ou dois um unidos (na verdade dois pólos de uma só coisa, 1 e 0).. simbolizando o próprio Santo Oito (8).
Abaixo vemos um círculo que representa aquela mesma primeira força, polarizada negativamente, representando o 0.

A Esquerda e a direita, vemos imagens, símbolos criados com as palavras TARO e INRI.

Não temos porque detalhar tudo que foi observado, como a própria questão de que nestas formas como do INRI, assim dispostas, podemos encontrar o 6, o 9, o 1 e o 0, por consequência o Santo Oito, como ponto de equilíbrio entre as forças.

Mas enfim, há detalhes e informações que só vem a confirmar e a colaborar com o que já sabemos pela prática.
O Próprio duplo "i" nos assinala o número 11, e no símbolo completo ao lado do 6 e do 9, ficam os complementos para que se somem 11. (6+5, 9+2).

Se observarmos atentamente o INRI, veremos que em sua forma ele conta com 7 partes, dentre traços, curvas e pontos, que no caso do símbolo completo vemos acima um 7 como unidade perfeita e abaixo um 3 e 4, como imperfeição ou sombra, que é o mesmo 5 e 2, sendo que havendo a transferência de uma unidade do 5 para o 2, o que transforma o 5 em um 4 e o 2 em um 3, invertidos (em relação a posição do 5 e do 2 no símbolo), claro.

Este Símbolo deixado pelo Mestre Levi, ainda nos traz mais um enigma bastante interessante que são as palavras IOD-HE, Vau e HE.
Sendo que IOD-HE estão unidas e Vau, assim como HE, nos símbolos abaixo.

Este enigma já havíamos resolvido antes mesmo de o conhecê-lo, pois já havíamos expresso o CLXV neste formato, similar, aonde o CL permaneciam unidos e o X e V, ficavam abaixo, como nesta figura, representando assim a solução, ou a indicação do mesmo enigma:

11/12/12


Ontem meditando víamos dois personagens, um de pé baixando aos infernos, região após região, esfera após esfera, como que descendo a degraus de uma longa escadaria.
Esta pessoa baixava a estas regiões conscientemente, descia para desligar-se do abismo e desintegrar o que dele ainda havia nestas regiões infernais.
Ele baixava ao centro da terra e ainda assim ao fazer isto subia (esotéricamente), porque conforme conquistava cada uma destas regiões inferiores, se fusionava com um dos nove céus inversos a estas nove regiões infernais.

Enquanto este homem baixava a estas regiões, via outro, este descia invertido, caia realmente, ia de ponta cabeça, atraído ao fogo central de nosso planeta, para pagar por seus delitos e ser liberado a força, de todas suas penas morais.


No centro de nosso planeta, há seu coração, simbolizado e expresso pelo Santo Oito.
Este primeiro homem que baixava, conforme descia ele via o número 9, correspondente as nove esferas submergidas e igualmente e principalmente representando os 9 céus que ele conquistava.

O Segundo homem, ao cair, via um nove, mas como caia invertido, o virtuoso o via como um seis, pois ele estava de cabeça para baixo.

Há muitos mistérios no interior da terra, isto que falamos mais o sentido dos pólos magnéticos (1 e 0, Norte e Sul), formam o Símbolo CLXV terrestre.

O Próprio 1 e 0, indicam a polaridade deste homem, o invertido tinha como seu norte o 0, por isto caia invertido.

Outra coisa que já faz algum tempo que estudamos e que acabamos não escrevendo, é a questão de dois símbolos cristãos bastante conhecidos e utilizados.
O Peixe e o Px que na verdade são o mesmo símbolo.

Nesta imagem de Peixe, encontramos facilmente o 16890.
No Px, é o mesmo, já que o X representa o 8, a parte inferior do P o 1, a superior o 0, o 6 e o 9 se encontram simbolizados no próprio X.


Um irmão nos enviou faz algum tempo, uma imagem que é estampada na capa de um livro do Mestre Levi (Eliphas Levi), e realmente vemos como uma das tantas formas possíveis de expressar este mesmo Mistério CLXV.

19/12/12


Há muitas alegorias que foram dadas no decorrer da história que verdadeiramente se observarmos intimamente se referem as mesmas expressões da verdade, em diferentes formas, de acordo sempre claro com os princípios inefáveis e imutáveis.

A Arca da Aliança é uma delas. Quatro querubins ficam sobre a arca, dois a dois (CL e XV).
Por mais incrível que pareça, dentro dela ficavam três elementos, três forças.
A Vara de Araão, a Taça sagrada, e as Tábuas da Lei.

No caso do símbolo CLXV, o conteúdo da Arca se refere tanto aos numerais 165, como ao símbolo em seu aspecto vertical, pois é a "Arca da Aliança" para com a Divindade.

O 1 Certamente nos recorda a Vara de Araão, o 6 refere-se ao amor e a dualidade possível por meio do ventre feminino. O 5 nos indica obviamente a Lei.

No símbolo já numérico como sempre expressamos (16890), vamos ver que mais uma vez o 1 se refere a Vara de Araão, a Taça ou Gomor se refere ao 0, por fim a Lei se expressa como o 8 da Justiça.

Esta é a ordem inclusive que nos listam os itens de tão sagrada Arca da Aliança (V.M. Samael cita), nos recordando não só os mistérios do sexo, como as 108 existências possíveis para realizarmos tal façanha de Liberação.

Mais uma vez nos pomos no Grande Templo e abrimos a Arca da Aliança.

"O Sanctum Sanctorum do Templo de Salomão significa o sexo. Ali estava a Arca da Aliança, o Grande Arcano 22. Dentro da Arca estavam Iod ou Bastão florido de Aarão, símbolo do Phallus, e o BE, a Taça, o Gomor, símbolo do útero, contendo o maná da sabedoria crística. Ali na Arca também estavam as Tábuas da Lei." - Mistérios Maiores, Samael Aun Weor

Ainda podemos afirmar sem qualquer dúvida ou hesitação, que o sexo é o mistério 15, expresso pelo duplo 9 como o Sexo usado positivamente (9) e pelo sexo usado negativamente (6), que forma o 15. Assim fica completo o sentido e o mistério desta Arca da Aliança.


Aproveitando que estamos escrevendo sobre este tema, gostaríamos de elucidar outro símbolo que igualmente se refere ao mesmo mistério CLXV.

"Cuauhcoatl, o ministro do Altíssimo, embriagado de êxtase, de imediato reuniu os mexicanos para lhes comunicar a Palavra do Senhor. E os jovens, homens e mulheres, e todos os idosos e crianças, transbordando de alegria lhe seguiram para os pântanos, entre plantas aquáticas e juncos, e de repente, algo inusitado acontece, o assombro é geral, descoberto o sinal prometido, a águia rebelde empoleirada no cacto no banquete macabro, engolindo uma serpente. Foi em tais momentos de alegria e admiração quando o Lúcifer Nahuatl clamou com grande voz, dizendo: '- Ah mexicano, ali estarei!'" - A Doutrina Secreta de Anahuac, Samael Aun Weor.

Se estudarmos detidamente a natureza deste símbolo Cristo-Luciférico, vamos compreender que a Água obviamente como representação do Espírito é representada pelo 9, a Serpente como antítese espiritual vemos como o 6.
O Cactus ou o símbolo da vida e das águas acumuladas dentro do cactus, representam o Falo Sagrado ou o número 1.
A Pedra, como mistério sexual e como reino mineral submergido nos recorda e nos assinala o 0.
Então vemos mais uma vez este mesmo mistério sobre diferentes formas, no decorrer da história.


Já falando de outro tema, um irmão nos comentava estes dias a respeito de que os vórtices de água quando escorrendo por um escoadouro qualquer, assumiam aquela mesma forma aonde surge o 6 e o 9, se observarmos detidamente.

Fomos pesquisar na ciência a respeito deste fenômeno relacionado a força centrífuga e ao efeito de Corolis sobre o planeta e encontramos uma imagem interessante aonde podemos perceber em relação aos pólos (Norte - 1, Sul - 0) que vemos surgir o 6 e o 9 como efeitos do movimento terrestre e deste efeito sob um objeto em movimento.

25/12/12



Na noite de ontem meditávamos sobre o Símbolo CLXV, mas não a parte principal, senão apenas o sentido dos números restantes, em um primeiro momento.
O Símbolo principal, é representado pelo 16890 e o complemento é 75234.

Então acima há o 7, no meio, nas laterais, o 5 e o 2, abaixo o 3 e o 4.

Antes de explicar o que percebemos, gostaríamos de relatar que após a meditação, já nos mundos internos pudemos fazer um experimento aonde tomávamos uma fração de cada elemento (fogo, água, ar e terra) e nos integrávamos com tal elemento, buscando extrair um extrato dos mesmos (Similar ao que acontece com os Corpos quando ingressamos ao Absoluto).
Percebam que existem Sete elementos, três além dos quatro conhecidos, temos o Éter, a Luz Astral e a Mente Universal.
Então este experimento foi um complemento a nossa meditação, porque mais do que observar, queríamos realmente sentir, por alguns momentos SER aquele elemento e extrair um extrato vital dos mesmos para análise e experimentos internos.

Existe um fogo vivo que anima cada coisa. No Fogo existe o fogo do fogo, na água existe igualmente um fogo que lhe dá vida, assim cada elemento tem este principio vital, Crístico, e foi isto que buscamos nestes momentos.

Após um breve vôo pelos mundos internos encontramos um local ideal para o experimento, tomamos um punhado de terra e verdadeiramente exercemos toda nossa consciência com o objetivo de nos transformar e SER mesmo que por alguns instantes aquele elemento.
Sentíamos o físico por meio deste reflexo que enviávamos e recebíamos pelo cordão de prata. Todos estes esforços internos, extremos, sempre causam reflexos involuntários no físico, como que se precipitando em nossa direção e tentando submergir nas regiões internas.

Mas nosso experimento era outro e não chamamos nosso veículo físico, nos atemos ao experimento e ao extrato para compreender a vida em toda sua expressão.

Uma vez em posse do extrato da Terra, repetimos o mesmo para cada elemento dos quatro acessíveis. O Primeiro enigma surgiu quando da tentativa de encontrar o extrato do Éter, aonde estaria o éter? Nosso espírito logo nos impulsionou a mesclar os quatro éteres obtidos e assim propiciar o surgimento do quinto elemento. O Sexto e o sétimo não tivemos condições de trazer ao físico a recordação de sua obtenção, mas percebemos que são vibrações e sutilizações daquele mesmo elemento.

Assim vemos que temos 4 elementos. Um quinto feito da soma de todos; origem dos mesmos se tomarmos a criação em seu sentido voltado para baixo e para fora, para a materialidade. e 3 elementos que neste caso são um, em diferentes vibrações ou dimensões.

3 e 4... bem, aqui chegamos ao ponto de poder explicar o Símbolo em seu segundo nível, este segundo conjunto de números que o conforma.

3 e 4, indicam a Tríade e o Quaternário. Para nós o principal sentido disto é O Íntimo, a Alma Divina, a Alma Humana como Tríade Superior.
O Quaternário Inferior conformado por um Veículo Mental, outro Astral, Vital e Físico.

Isto de certa forma indica uma pessoa, que ainda não tem Alma, não formou e não encarnou Alma. 3, 4. Em outras palavras é um Animal Intelectual.

5 e 2, vemos já exatamente o processo aonde existe um Homem Autêntico. Não encarnou a Consciência (Alma Divina) nem o Íntimo, mas já tem em si estas Virtudes (eliminou seus defeitos) e já fabricou os Corpos Solares.

Alguns talvez diriam que tivesse que haver um 6, e 1 antes do 7. Mas explicamos que no processo aonde encarnamos a Alma Divina, desta união entre as duas Almas, o Íntimo já se faz presente. Então o Terceiro passo já é a integração total como uma Divindade que se expressa em todas estas dimensões.


Se Analisarmos o Símbolo completo em base a estas informações que temos. Vemos que entre do 3, 4 (Animal Intelectual), até o 5,2 (Homem Autêntico), existe verdadeiramente um Abismo que é representado pelo 0. Este Zero representa claro não apenas um espaço mas uma região aonde temos que baixar (Simbolicamente) para chegarmos até o estado de Homens.

Todos baixamos voluntariamente ao Abismo, porque no Abismo encontramos os Mistérios do Sexo, que é como se formam os corpos solares e aonde resgatamos as virtudes. Além claro deste paralelo aonde vivemos uma vida verdadeiramente santa na vida.

Por isto o 9 no símbolo se encontra mais próximo ao 0, porque indica que para sairmos deste abismo necessitamos executar os Mistérios do Sexo, ou do Grande Arcano. A Conexão Sexual sem a perda do licor ou energia sexual. Há o Amor claro, indicando que sem este Sacrifício e esta Morte por um bem maior, não é possível que surja este Homem Autêntico.


Uma vez no 5,2 (que representa o Homem Autêntico), vemos que surge o 8, o 8 é exatamente o Cristo, demonstrando que O Homem autêntico deve preparar-se para encarnar ao Cristo Cósmico, e que o progresso disto é exatamente o caminho para esta verdadeira união com o Íntimo.
Nisto vemos que o 9 ainda se faz presente, mas que pouco a pouco, vamos matando esta paixão e que nestes processos superiores conta mais o Amor do que a força sexual. Tanto que aos Mestres em certa altura, necessitam fazer longos períodos sem baixar a Nona Esfera e em seu ápice de trabalho, abandonam a prática pois já lhe é proibida.

Enfim, ao final encontramos o 1 como caminho a este 7. O Sete é claro representa e indica o Homem e a Divindade totalmente integrados. Sete Corpos, Sete expressões de um Mesmo Ser, atuando e se expressando com um único propósito (1), uno com a Lei.
O número 1 nos recorda a Espada Flamígera (porque o 1 representa o Fogo Ígneo e Ativo) que tanto faz uso o Mestre de Quinta de Maiores em seu processo de Perfecção da Maestria.

O Símbolo como já dissemos é algo dinâmico e por se referir a um principio, representa e significa diferentes questões que poderíamos aqui listar.
Depois deste processo, por exemplo, temos que Encarnar a nossa Mônada Pitagórica (Nosso Terceiro Logos particular) e isto nos leva a uma oitava superior do mesmo símbolo.
Aonde o 3 e o 4, são exatamente a Coroa e os Quatro extratos inferiores, agora representados pelo Íntimo, pela Alma Divina, a Alma Humana e o Conjunto dos Quatro Corpos representando uma unidade.

Aí surge em outra oitava a mesma representação deste trabalho, mas em esferas ainda mais superiores.
Este Símbolo, ou esta progressão de trabalho, se estende desde o Absoluto e dentro dele, até as esferas mais inferiores da criação.


Paz Inverencial!

31/12/12

Ontem a noite, véspera do ano novo (pelo calendário gregoriano), em minha cidade houve uma tempestade aonde boa parte da cidade ficou sem luz. Passamos o ano novo, a luz de uma lanterna, fazendo alguns estudos que consideramos bastante interessantes sobre alguns trechos bíblicos e também sobre este Símbolo, em um sentido bastante similar ao que falamos anteriormente.
Ontem pela primeira vez nos demos conta de algo bastante óbvio que nunca havia sido observado. Tive o ímpeto de verificar quantas regiões de diferentes leis existiam.
Já sabíamos que desde as 96 Leis do Purgatório até as 864 da ultima esfera dantesca, eram Nove.
Do 96, vamos dividindo sempre por dois para ir subindo nestas regiões.
48, 24, 12, 6, 3 e claro por último 1.
Então vemos que nesta ordem de Sete Cosmos, existem 6, e um Sétimo que na verdade se apresenta como 9, até porque assim como estas Seis regiões superiores, tem um distinto número de leis.
É Muito interessante observar isto, porque estes 6 Cosmos superiores, com suas leis, ao ultrapassarem certo umbral, se invertem e se apresentam como 9, pois o 9 é o inverso do 6.

Como já vimos, é exatamente isto que se refere o Símbolo, a Trindade... Pai (1), Filho (8) e E.S. (0), e as regiões que lhes correspondem. O Pai Governa o Céu, o Filho faz o elo entre o Abismo e as regiões celestes, resgatando os arrependidos. Por fim o E.S. administra e governa estas regiões inferiores.

No Abismo as nove regiões são regidas por: 96, 192, 288, 384, 480, 576, 672, 768 e 864 leis.

Num total de 15 Regiões, 6 Celestes, 9 Abismais.

01/01/13

Algo que faltou ser comentado no ultimo texto, é que neste caso destas regiões infernais e a representação deste Abismo como dissolução destas maldades que se apossaram da Alma, o 3 e 4 que no símbolo completo aparecem, representam exatamente a separação da Triade Divina, daqueles três principios superiores depositados em cada um dos cérebros (ver três cérebros da máquina humana). Mas em outras palavras representa a separação do Íntimo, da Consciência Divina e da Alma Humana, dos corpos inferiores, formando o quaternário.

Hoje estava revendo algumas questões relacionados aos vídeos que temos na página e vi uma imagem bastante interessante que nos remete ao mesmo sentido do símbolo que aqui expomos, mas sendo usada pelo Mestre Samael.

Inclusive o fundo preto e alguns detalhes em vermelho, amarelo e branco foram usados para formar tal imagem.
Dois triângulos, um superior apontando para cima, outro inferior apontando para baixo, a esquerda (observando de frente) um sol, a direita uma lua. Dando a entender claramente que se refere a este mesmo símbolo, ainda que apresentado sob uma outra forma.

Neste caso lógicamente os dois triângulos se referem ao 1 e o 0, o 6 e o 9 representados pelo sol e pela lua, Michael (Miguel), e Gabriel.

02/01/13

Noite passada fizemos aquelas mesmas práticas de leitura, meditação, de vocalização, saída astral. Fizemos os mantras EPHRAIM, um outro mantra e logo o FARAON com o objetivo de ir até o Templo da Esfinge em corpo astral.
Sabemos que deu certo porque temos o sentir da recordação do desdobramento e uma felicidade íntima do resultado, mas incrivelmente ao despertar não nos restou uma única memória clara do ocorrido, nem mesmo com os mantras RAOM-GAOM de recuperação das experiências ou com ajuda da Donzela das Recordações nos foi possível o resgate destas memórias que nos ficaram ocultas por algum motivo.

Mas despertamos já com o valor conscientivo dos resultados e algumas percepções que certamente tivemos durante este período da noite. Nem tudo o que pudemos trazer se encaixa neste tema porque são questões não kabalisticas e que não nos cabe expor neste momento.

Recordamos que o Templo da Esfinge é o Templo dos Arcanos (mistérios) dos números.


Se observarmos o Símbolo CLXV quando da totalidade dos números, vamos encontrar a esquerda o 6 que somado ao 3 inferior soma 9. A Direita encontramos o 9 que somado ao 4 inferior soma 13. (No total das colunas: 14 [5 6 3] e 15 [2 9 4])

Sabemos como pode parecer confuso na mente das pessoas, algumas vezes nos referir ao 6 como divino e outras vezes o 9 como parte superior, mas compreendam que os números tem uma dupla natureza e dependendo de sua localização, da região que estejamos nos referindo, tem valores distintos e significados diferentes.

Neste caso em específico, o 6 sendo negativo, somado ao 3 que são o extremo inferior, encontramos o 9 que neste caso são as regiões abismais involutivas.

Por outro lado, do 9, como uma descida consciente a nosso abismo interior, somado 4, encontramos o 13, que se refere ao Aeon 13.


Desde que refizemos esta página, por uma orientação interna da Loja Branca, acabamos não re-inserindo muitos textos e informações, até porque nos foi pedido uma revisão e uma reavaliação sob um novo estado de consciência, a respeito dos temas que haviam sido tratados e expostos.

Algo que até ontem não havíamos revisto, era exatamente a representação dos Quinze Sefirotes (Sephirotes), pois sabíamos que os sefirotes eram a representação do símbolo CLXV completo, mas não havíamos tido a inspiração ainda para refazer este trabalho de forma adequada.

Confesso que há uma perfeição no sentido simbólico desta composição que somente a Divindade realmente poderia ter criado algo assim.
A Sombra da Coroa da Vida representado pelo 7 é projetado no abismo como 3 e 4.
O Ancião dos Dias representado pelo 1, tem sua contra parte e sua ultima expressão nas regiões de Jesod e Malchut, representando a região aonde baixamos para realizar o trabalho DELE. Assinalando os mistérios da nona esfera ao inserir nisto Jesod.

Binah e Chockmah nítidamente vemos que são complementos e que o 2 não é mais que um 5 espelhado para baixo. O Próprio 6 é um 5 em que fechamos o círculo, assim como o 9 é um dois aonde fechamos o mesmo círculo.

Tipheret e Daath representam o Santo Oito e os grandes Mistérios ocultos e centrais desta Grande Criação.


“Agora, estes são os Nomes que Eu darei desde o Porvir sem limites. Escrevei-os como um símbolo e que daqui em diante sejam revelados aos Filhos de Deus. Este é o Nome do Imortal: AAA, 000 e este é o Nome da Voz pela qual o Homem Perfeito se pôs em movimento: I I I ." - Pistis Sophia

“Por conseguinte, o que receba a Uma e Única Palavra desse Mistério do qual vos tenho falado, se provém do corpo de matéria dos Arcontes e se os Receptores Retribuintes vêm libertá-lo do corpo de matéria dos Arcontes — os Receptores que libertam do corpo, todas as Almas que partem — logo que os Receptores Retribuintes libertam a Alma daquele que recebeu este Um e Único Mistério do Inefável, de que recentemente vos falei, imediatamente, se está liberto do corpo de matéria, se converte numa grande corrente de Luz no meio desses Receptores e estes sentir-se-ão terrivelmente atemorizados pela Luz dessa Alma e serão tornados impotentes e cairão, desistindo em conjunto, por temor à grande Luz que acabaram de ver. E a Alma que recebe o Mistério do Inefável elevar-se-á de novo à Altura, convertida numa grande corrente de Luz e os Receptores não poderão compreendê-la e não saberão como é constituído o caminho sobre o qual irá. Porque, convertida numa grande corrente de Luz, elevar-se-á à Altura e nenhuma força será capaz de a deter nem aproximar-se dela. Contudo, passará através de todas as Regiões dos Arcontes e de todas as Emanações da Luz e não dará respostas em nenhuma Região, nem desculpas, nem sinais e nenhuma força dos Arcontes, nem qualquer força das Emanações da Luz, será capaz de se aproximar dessa Alma. Porém, todas as Regiões dos Arcontes e todas as Regiões das Emanações da Luz, lhe cantarão louvores nas suas regiões por temor à Luz da corrente que a envolve, até que tenha passado por todas elas e se dirija à Região da Herança do Mistério que recebeu, o Mistério do « Um e Único», o Inefável e se converta em « Um» com os seus Membros. Amén vos digo: estará em todas as Regiões tão rapidamente como uma flecha disparada." - Pistis Sophia


Talvez a totalidade das pessoas não tenha percebido, mas este símbolo, não como forma, não como números, mas como o sentido que eles representam, neste formato mutável algumas vezes, é exatamente este Mistério Supremo, que permite com que abramos todas as portas destes abismos que temos nos metido e que possamos passar região após região, nos liberando das amarras destes senhores do destino e ingressando, regressando a esta primeira região de onde emanamos.
Dizemos isto porque toda esta desvelação dos sentidos e significados deste símbolo, são exatamente para demonstrar que mesmo no Abismo encontramos este símbolo, ou no mais sublime céu; e que em todas as épocas se expressou de diferentes formas, e que é por ele, por realizar o mistério que ele encerra, que podemos regressar até inclusive mais além deste Aeon 13. Porque é a chave que abre todas estas portas.

Não somos tolos de dizer que o símbolo, como símbolo poderia salvar alguém, mas que aquele que se dedique a compreender e a executar os mistérios que ele encerra, certamente será UM com o Primeiro Mistério. A Cruz por si só não redime ninguém, se redime todo aquele que se propõe a carregá-la e crucificar-se nela. Por isto o mistério de um principio é emanado...

Estes Mistérios do Primeiro Mistério do Inefável não poderiam ser desvelados em outra época ou sob outras circunstâncias, pois são o último mistério que torna possível a redenção dos pecados. é o ultimo mistério que se entrega, porque depois dele, não há mais o que possa ser entregue e nada que possa redimir alguém que volte a cometer um delito.
Por isto é o ultimo, porque se fosse entregue antes, não haveria mistério maior para redimir aqueles que tivessem recebido um mistério e retornado ao erro.

Sabemos bem como podem parecer ser pretensiosas estas palavras, mas o que entregamos não é nossa posse ou de nossa autoridade, realmente nos coube a oportunidade de os ensinar, mas não nos cabe guiar as pessoas nesta busca, porque pela natureza deste mistério já é algo interno e espiritual; por isto podemos garantir que nada ganhamos, pelo menos nada humano ou compreensível para a maioria. Aqui não fazemos propagandas de nada, não vendemos nada, não pedimos nada, e assim podemos garantir de que nada ganhamos, senão a certeza de termos cumprido uma missão.

Estamos as portas de uma Era de Ouro e realmente não haveria outro momento mais adequado e mais propício para a manifestação e entrega destes Mistérios.

09/01/13

Continuando sobre este tema que estavamos tratando, temos que compreender que muito do que foi criado, muitas esculturas, muitos destes símbolos e arquiteturas, foram assim feitos, exatamente para que uma mensagem fosse entregue vida após vida, de uma pessoa, ou algumas pessoas, para elas mesmas, em futuras reencarnações ou retornos.

Ninguém, realmente ninguém que não tenha vivido os processos alquímicos descritos em alguma perfeita peça de alquimia (Imagens e textos alquímicos), compreenderia o que ali está descrito.
Da mesma forma, muitas mensagens foram deixadas na história de forma a nos recordar, deste mesmo principio que existência após existência perseguimos.


Os Alquimistas não escreveram seus livros para iniciar aos profanos, mas sim para que pela públicidade alcançada por estes livros, vida após vida, pudessem se deparar novamente com o que já escreveram e continuar de onde pararam.
Grandes e majestosas Obras foram feitas com este mesmo propósito, por isto foram construídas, escritas, esculpidas, pintadas, etc... para nos recordar daquilo que já vivemos e para aonde temos que seguir e o que nos cabe realizar.

Muito claro nos dá um sentido moral, porque são símbolos de duplo e até mais significados, mas o sentido oculto, o real significado dos mesmos, somente seu autor conhece, pois foi ele quem viveu aquilo e plasmou aquilo de alguma forma.
Hoje claro não são desveladas estas coisas com a intenção de se propagar pelos séculos, senão que para dividir e elucidar alguns destes mistérios que ficaram guardados e reservados somente aos Reis e Regentes desta Humanidade.

 

O Símbolo CLXV, torna-se compreensível e verificável, quando desde as regiões superiores da natureza, observamos com os olhos do espírito, a Esfinge e suas três pirâmides.
Aquela visão que tivemos, hoje podemos replicar e explicar de uma forma mais acessível, mais humana, pois fora deixada gravada como um enigma para esta posteriodade que hoje se cumpre.
As Três pirâmides representam aqueles santos numerais 1, 6 e 5. Formando em seu sentido o que nos números romanos chamamos CLXV.
A Esfinge com seu simbolismo tão conhecido representa os quatro elementos com os quais podemos realizar a Obra e chegar a conquistar o quinto elemento da mescla dos quatro primeiros.


Mas as pirâmides e a Esfinge não foram o único sinal e simbolismo que deixamos deste símbolo, talvez o mais expressivo e significativo, podemos citar o Sarcófago de Tutancâmon.

Sua longa barba nos demonstra indiscutívelmente o símbolo do número 1.
Seu malho, formado por seis madeiros e seu formato (posição), nos assinala o número 6.
O Malho e o Báculo, formam o Santo Oito, que juntamente com as mãos e o colar, nos demonstram que está fechado (como um 8).
Seu báculo, ou seu cajado, nos mostra sem sombra de dúvidas o número 9.
Ao fundo, sobre o peito, sem dúvidas um grande e redondo 0.

16890

“Se vós chegais a uma cidade ou aldeia, em qualquer casa que entreis e vos recebam, dai-lhes um Mistério. Se eles o merecem ganhareis as suas Almas e herdarão o Reino da Luz. Porém, se eles não o merecem e vos enganam e também fazem um espectáculo público dos Mistérios, pondo-vos à prova assim como também aos Mistérios, invocai então o «Primeiro» Mistério do Primeiro Mistério o qual tem misericórdia de cada um e dizei:
«Tu, Mistério que outorgamos a estas Almas ímpias e perversas que não o merecem, regressa a nós e fá-los desconhecer para sempre o Mistério de Teu Reino».
E sacudi o pó de vossos pés como testemunho contra eles, dizendo:
«Que as vossas Almas sejam como o pó da vossa casa».
E Amén vos digo: nesse momento todos os Mistérios que lhes haveis outorgado regressarão a vós e todas as Palavras e Mistérios da Região até onde receberam imagens ser-lhes-ão retiradas.” - Pistis Sophia

Paz Inverencial!

09/01/13

No Arcano 16, na parte inferior da Lâmina, encontramos exatamente este mesmo símbolo, ali expresso.

A Torre simboliza a Coluna Vertebral do Iniciado, A Torre de Babel, a Torre da Terrível Babilônia, simbolizam dentre suas alegorias, A Torre aonde o fogo não está presente, ou seja, A Coluna sem a serpente levantada.
Nós devemos levantar em nós a Torre de Fogo, para isto o Pai Íntimo desde o céu destrói e fulmina com sua força as imundícies que existem dentro destas câmaras, enquanto o iniciado representado pela parte inferior da lâmina, atua reerguendo esta torre da maneira adequada, com o fogo.

Na parte inferior vemos a esquerda o látego simbolizando o número 6, a direita o báculo sinalizando-nos o número 9. Ao centro o Bastão de Mando, sendo este o número 1. O Oito (8) representado pelo cruzamento do látego e do báculo, o zero (0) aonde o símbolo está impresso.

Não podemos deixar de explicar que as duas serpentes a direita e a esquerda da imagem, são aquelas duas Serpentes que constantemente lutam, dentro e fora do iniciado. A Serpente Branca e a Serpente Negra. A Serpente Nuit e a Serpente de Kali. Dentro de nós, Ida e Pingala.

No símbolo CLXV completo encontramos a direita a soma 11 por meio do 56 (Vide rituais gnósticos), do outro lado o inverso dos numerais 11 (de forma simbólica), 92.

Após ter o Iniciado se convertido em Adepto por meio da Quinta Iniciação de Mistérios Maiores, após a árdua luta contra as Sete Cabeças de Legião, em posse da Espada Flamígera, fulmina aos Três Traidores. Aí estão Judas, Pilatos e Caifás sendo destruídos pelo Ser encarnado, após o 15 que é o Hermafrodita Divino.

Em outras palavras é a batalha contra o Demônio do Desejo, da Má Mente e da Má Vontade, expresso pelos dois homens precipitados ao Abismo e a Torre que nos indica a força da Má vontade (sólida).



O Escaravelho, como já comentamos em outras explicações, é o mesmo Símbolo CLXV, bastando para isto inverter o 9 a direita para que o Sol seja o 1, e o 0 a terra. Um duplo símbolo CLXV, simbolizando o homem e a mulher (pois na mulher as polaridades estão invertidas horizontalmente, pois o inverso vertical seria como inverter ao pentagrama) auto-realizados, encontramos ainda de forma mais expressiva a figura do Escaravelho Sagrado.

A Força Ativa e positiva do Sol é sempre representado pelo numeral 1. A Força Negativa e passiva da Terra, como o 0. Sua representação como meia lua reforça o sentido da terra, pois apesar de ser redonda pisamos no plano.
As Asas sempre surgem na altura do coração (8), representando que o fogo sagrado já passou este centro. Ou seja, nos afirma o encontro do fogo sexual simbolizado pelo 9, e o coração simbolizado pelo 6 (o amor).


Dentre os objetos que encontramos como pertencentes ao antigo Faraó Tutankamon, vemos um par de braceletes, cujo significado expressa o mesmo símbolo, sob outra forma.

As sobrancelhas na parte superior nos demonstram o numeral 1, a linha reta. Os dois olhos, ou cada olho e suas órbitas (parte branca e negra), formam o santo oito.
A Pintura do olho esquerdo nos assinala o número 6, a pintura a direita o número 9.
Abaixo ao unir as duas metades do símbolo, temos a Terra, o numeral 0.

Como se não bastassem estas tão objetivas percepções, ao girar em sentido anti-horário, 90º, encontramos claramente o número 5 a esquerda e o número 2 a direita, tal qual como é expresso no Símbolo CLXV completo (MDCLXV).


Claro que tudo isto são alegorias, são formas que transcendem nossa escrita como hoje conhecemos, mas que obviamente deram origem a mesma, no próprio hebraico ou aramaico antigo podemos encontrar a fórmula do Símbolo CLXV, como em qualquer outra linguagem que já existiu, porque é sempre o mesmo, ainda que projetado sob as formas.

 

Na Tumba do Faraó Tutankâmon, encontramos quase sempre ao lado de seu selo pessoal (aonde expressa o nome do Faraó), o símbolo do Escaravelho, como expresso abaixo neste objeto igualmente encontrado nesta mesma tumba.

Nesta imagem, encontramos abaixo a esquerda como que 6 gotas que pendem do objeto, igualmente abaixo, a direita, esta mesma recordação do numeral 6 (9 invertido).
Ao centro encontramos não seis desta vez mas 7 gotas, nos referindo ao triplo 7 que no símbolo CLXV completo encontramos abaixo (3+4 = Matéria, Terra)), ao centro (5+2 = Alma, Escaravelho) e por fim acima (7, Espírito, Sol).

 


"Como você pode ver, Jehová colocou oráculos falsos na boca de todos esses profetas do rei, porque Jehová decretou a ruína do rei. Então Sedecias, filho de Canaana, aproximou-se de Miquéias, deu-lhe um tapa e disse: 'Qual é o caminho por onde o espírito de Jehová saiu de mim para falar a você?' Miquéias respondeu: 'Você o verá no dia em que tiver de andar de casa em casa para se esconder'. Então o rei de Israel ordenou: 'Prenda Miquéias e o leve ao governador Amon e ao príncipe Joás'. Você dirá a eles: 'Por ordem do rei, ponham esse homem na prisão e o tratem a pão e água, até que o rei volte vitorioso'. Miquéias disse: 'Se você voltar vitorioso, Jehová não falou por minha boca'." - Bíblia Hebraica - Antigo Testamento, I Reis 22, 23-28

11/01/12

 

Ontem em certo momento da meditação, estudamos aquelas três formas (Linha, Triângulo, Círculo) que citávamos em outro texto, que se referia a uma forma de ensinar sobre a Alquimia. A Meditação diária deve sempre ser dividida em diversas partes, uma de integração com nossa divindade interior, outra para compreensão e morte do ego (nisto entra a retrospecção diária ou da existência ou de outras existências, por exemplo), e sempre uma em busca de iluminação, de sabedoria.
Há trabalhos de Alta Magia que podemos fazer durante a Meditação, qualquer pessoa que tenha um corpo Mental Solar (por exemplo), ou que tenha uma Alma encarnada, pode projetar seus veículos internos durante o estado de meditação e ir até qualquer região do infinito (que lhe seja permitido, esotéricamente).

Ontem nesta parte da meditação aonde buscávamos alguma iluminação, alguma sabedoria; nos recordamos dos ensinamentos que demos nos mundos internos ao proferir uma conferência sobre Alquimia.
Nosso tema de estudo foram estas três formas geométricas: A Linha, o Triângulo e o Círculo.

Não tivemos dificuldades em ver clarividentemente, a geometria livre e em movimento. Recordemos que clarividência é a própria imaginação que nos mostra a realidade de qualquer questão.
Interessante foi notar que o que vimos se passou em dois planos, um com formas humanas e outros aonde havia esta alegoria geométrica (Ao final uma terceira com números).
Logo de imediato vimos um cavaleiro, uma imponente espada e um escudo chamavam muita atenção para aquela figura. Quase que abandonamos nossa primeira investigação para nos dedicarmos a observação dos símbolos daquele escudo que ele carregava (pois pareciam sublimes e divinamente ali esculpidos)), mas nos contemos para não perder o foco de nosso estudo.

Aquele cavaleiro com sua armadura e elmo prateados, fazia movimentos de guerra alternando a posição e a altura da espada e do escudo.
Logo vimos as formas geométricas se conectando as formas humanas daquele cavaleiro. A Linha representava a espada, inicialmente o cavaleiro carregava acima da cabeça a espada como que indicando o inicio da batalha, apontando para frente e acima de sua cabeça.
Seu escudo, o círculo, estava ainda abaixado. Interessante foi que logo vimos uma outra forma que era retangular mas primeiramente ignoramos para poder visualizar o triângulo que era seu Elmo. Nesta primeira imagem que vimos, um retângulo dividido (como na figura abaixo), demonstravam a posição dos braços, segurando a espada com a direita, acima da cabeça; e o escudo posto a frente do peito, pouco abaixo do pescoço, em certo momento de nossa visão.

Nesta altura aquele cavaleiro havia formado uma linha vertical aonde de cima para baixo apareciam a espada, o elmo e o escudo.
Absurdo exclamei, quase cai de volta aos estados normais de consciência e ao mundo físico ao perceber que formava a linha vertical do símbolo CLXV: 1 (Linha), 8 (Triângulo), 0 (Escudo).

Logo o cavaleiro mudou a posição como que se preparando para a batalha, ergueu a cabeça, espada e escudo agora alinhados lado a lado e abaixo pude ver um retângulo que representava sua armadura. Este retângulo era formado por duas partes que unidas formavam este retângulo, seu corte recordava exatamente o 6 e o 9.

Quando se separaram as duas partes, vimos novamente o sinal da Estrela Flamígera, e as formas transformaram-se em números. Este final foi um enlace com outras experiências que já tivemos aonde observávamos a formação da estrela flamígera, derivação do Símbolo CLXV.

 

18/01/13


Temos dois livros de cabeceira, um é a Bíblia Hebraica, o outro é a Pistis Sophia. Entendo que não há livros mais propícios a exercitar o Despertar da Consciência do que estes. Claro que no sentido da instrução, necessitamos de muitas outras informações, mas como exercício da consciência que tenhamos livres, são excelentes exercícios para a consciência a compreensão e interpretação destes dois Livros Sagrados.

Ontem tivemos uma experiência interessante ao abrir aleatoriamente a Bíblia Hebraica e nos deparar com um mesmo texto que havíamos dias antes tirado como oráculo da Pistis Sophia... o Salmo 102.
Após este estudo e uma meditação sobre estes trechos da Bíblia Hebraica, pegamos logo a Pistis Sophia mas não a abrimos, ficamos apenas admirando sua capa e buscando um entendimento do Símbolo que foi utilizado como representação deste livro.
Não sei quando fizeram uso desta imagem como Capa mas já vi em versões bastante antigas da Pistis Sophia, esta mesma imagem (em espanhol).

Nesta imagem em especifica, meditamos buscando um entendimento do sentido do símbolo que ali estava expresso e pouco a pouco aquela estática imagem se fazia viva e expressava seus valores eternos.

O Primeiro que nos chamou atenção foi uma pequena estrela que foi colocada na parte superior da imagem. Aquela estrela contamos continha sete raios, sete pontas tal qual expressamos no símbolo CLXV completo, o 7 acima.

Logo após uma rápida observação vimos as asas destes dois enigmáticos personagens, a esquerda um com as asas voltadas para cima, cujo ângulo nos recordava o número 6, a direita as asas voltadas para baixo nos recordavam certamente e sem dúvidas o numeral 9.

Ao centro vemos o mundo que simboliza o numeral ou o sentido "0" e cortando ao meio este globo vemos um cinturão zodiacal, aonde inclusive como figura central vemos o símbolo de Câncer (Signo), "69" (dando a entender que na parte central já se faz alusão ao 16890), desta separação pelo zodíaco vemos o mundo em duas partes, nos dando a entender a presença do resultado desta soma, desta união destes dois princípios, o "8".

Do símbolo completo não faltaram alegorias, pois o rabo a esquerda certamente nos demonstra o numeral 2 e a esquerda vemos um detalhe final da roupa que forma um 5 exato.
Não sei dizer se o artista interpretou errado o símbolo ou se alegoriza outra situação diferente da harmonia do Símbolo pois o 5 e o 2 estão invertidos, tanto que deveriam formar 11 as laterais. (5+6 e 9+2). Mas como o 108 são simbolizados unidos e não verticalmente, entendemos que ele represente um "momento" da transformação do símbolo. Uma de suas formas.

Nas patas do personagem a esquerda vemos 3 que tocam visivelmente seu pilar, indicando o número "3" abaixo, a esquerda, logo a direita vemos que o outro personagem toca visivelmente apenas com uma de suas pernas, nos indicando o "4" a direita (3+1).

28/01/13


Aonde haja a vida, sempre haverá expressões do principio criador atuando.
Se tomarmos do ponto de vista da criação humano, a concepção, vamos resumir o homem e a mulher em sua semente, em outras palavras o Espermatozóide e o Óvulo.
O Óvulo, um círculo, é a semente feminina e a expressão da Vida em sua máxima potência na mulher.
O Espermatozóide é uma linha, é a semente masculina e este mesmo potencial para a criação no homem.

Se tomarmos o Espermatozóide e o Óvulo como símbolos numéricos, teremos o 1 e o 0. Sua atração é simbolizado sempre pelo santo oito, porque é o resultado da atuação de duas forças que conhecemos como amor e impulso sexual (Paixão). O Amor representado pelo o 6 e o impulso sexual pelo 9.
Disto surge o elo que é o 8, esta atração irresistível entre o Espermatozóide e o Óvulo, a necessidade que estes tem de criar, e perpetuar a vida.

O Oito é o símbolo do infinito, símbolo do que não pode ser medido ou quantificado. Pois é isto que temos na questão sexual, é a semente masculina e feminina madura, que dão o impulso sexual e a atração amorosa entre o casal. Então este impulso que as pessoas sentem, homem e mulher, de estarem juntos e praticarem o ritual amoroso, é exatamente este santo oito, esta mescla do amor e da paixão, que antes mesmo do ato sexual, já fazem com que um espermatozóide e o óvulo tentem se encontrar.

06/03/13

Logo no começo da Pistis Sophia Desvelada, nos primeiros parágrafos encontramos o seguinte, em seqüência:

"No Primeiro Espaço está o Ancião dos Dias, o Pai que está em Segredo.
No Segundo Espaço está a Natureza, explicável somente com Sexto Mistério.
E Jesus disse aos Seus discípulos: “Apareço fora do Primeiro Mistério, que é o Último Mistério, que é o Mistério Vinte e Quatro”. E os Seus discípulos não sabiam nem entendiam que existisse coisa alguma dentro desse Mistério, somente pensavam desse Mistério que era a cabeça do Universo e a cabeça de toda a existência, que era o fim de todos os fins, porque Jesus, disse-lhes em relação a esse Mistério, que envolve o Primeiro Mandamento e as Cinco Impressões e a Grande Luz e os Cinco Auxiliares e o Tesouro Inteiro da Luz.
"


No Primeiro Espaço está o Ancião do Dias, o Mago, o Pai, cujo numeral é 1.
No Segundo Espaço se encontramos a Natureza e a criação, cujo número é 6.
No Terceiro Espaço está a Lei, a ordem e a organização, simbolizada pelo 5.

"Nós, Samael Aun Weor, dizemos-vos, em Nome do Primeiro Mistério, de Pistis Sophia e do Salvador do Mundo, que revelarei a restante parte da Bíblia Gnóstica, na metade da metade do tempo!

'E aquele que recebeu os Mistérios nas Ordens do Primeiro Mistério que está no Terceiro Espaço tem o poder de ir a todas as Ordens mais baixas, que estão abaixo dele e passar por elas. Porém, não tem o poder de ir às Regiões que estão acima dele ou de passar por elas.”
'E aquele que recebeu os Mistérios do «Primeiro Três Vezes Espiritual» — que governa sobre todos os Vinte e Quatro Mistérios, os quais governam sobre o Espaço do Primeiro Mistério, a Região da Extensão do Universo de quem vos falarei—esse, portanto, que recebeu o Mistério do Três Vezes Espiritual, tem o poder de ir abaixo, isto é, a todas as Ordens que estão abaixo dele. Contudo, não tem o poder de ir às Alturas das Qrdens que estão acima dele, quer dizer, a todas as Ordens do Espaço Inefável.”
'E aquele que recebeu o Mistério do «Segundo Três Vezes Espiritual», tem o poder de ir às Ordens do Primeiro Três Vezes Espiritual e passar por todas elas e por todas as Ordens que nelas estão. Porém, não tem o poder de ir às Ordens mais elevadas do «Terceiro Três Vezes Espiritual».”
'E aquele que recebeu o Mistério do «Terceiro Três Vezes Espiritual» que governa sobre os «Três Vezes Espirituais» e os «Três Espaços» do Primeiro Mistério conjuntamente, tem o poder de ir às Ordens que estão abaixo dele. Contudo, não tem o poder de ir à Altura das Ordens que estão acima, quer dizer, às Ordens do Espaço do Inefável.”
'E aquele que recebeu o Mistério «Maior» do Primeiro Mistério do Inefável, quer dizer, os Doze Mistérios do Primeiro Mistério, todos juntos, que governam sobre todos os Espaços do Primeiro Mistério, esse que recebeu o Mistério, tem o poder de passar por todas as Ordens dos Espaços dos Três Vezes Espirituais e dos Três Espaços do Primeiro Mistério e todas as suas Ordens. Tem ainda, o poder de passar por todas as Ordens das Heranças da Luz, de passá-las de fora para dentro e de dentro para fora, assim como de cima para baixo e de baixo para cima, da Altura até à profundidade e da profundidade à Altura, do comprimento à largura e da largura ao comprimento. Numa palavra, ele tem o poder de permanecer na Região que lhe agrade, na Herança do Reino da Luz.' "


Receber os doze mistérios do primeiro mistério, que é receber o Mistério do Três Vezes Espiritual, significa ter se auto-realizado por três vezes, ter se tornado um habitante do Absoluto, o que por consequência é mais exaltado que os uma ou duas vezes nascidos (não no sentido da alquimia, mas da auto-realização).

Quando chegamos a porta do Absoluto por três vezes, encontramos um selo, este selo, este símbolo é representado por este CLXV (165 = 12 e 16890 = 24).

Dizemos que o mistério 24 é o último mistério, porque do 15 que é o primeiro e terceiro (terceiro), surge o 24, o 6. Que torna-se a cabeça e o equilíbrio, formando o 165. É o ultimo porque surge depois, não que seja o terceiro.


O Símbolo CLXV, é o signo dos Bodhisatwas, porque são os que renunciaram a felicidade Absoluto, e ao Ser (porque no mundo se existe mas no absoluto se É), por amor a humanidade.

Os Bodhisatwas, os três vezes nascidos espiritualmente, podem se locomover em qualquer região interna, seja celeste, seja terrestre, seja abismal, de acordo com o que tem que realizar.


"'E Amén vos digo: esse Homem, ao dissolver-se o Mundo, será Rei sobre todas as Ordens da Herança da Luz e o que recebe esse Mistério do Inefável o qual «Eu Sou».'

'Esse Mistério sabe porque é que as Trevas se levantaram e a Luz apareceu.

'E esse Mistério conhece porque é que as Trevas das Trevas se levantaram e a Luz das Luzes surgiu.

'E esse Mistério sabe porque é que o Caos surgiu e o Tesouro da Luz sobreveio.'

'E esse Mistério sabe porque é que os juízos apareceram e a Terra da Luz e a Região das Heranças da Luz surgiram.

'E esse Mistério sabe porque é que os ímpios surgiram e os mansos se puseram de pé.'

'E esse Mistério conhece porque é que os castigos e juízos surgiram e todas as Emanações da Luz ressuscitaram.'

'E esse Mistério sabe porque é que o Fogo do Castigo surgiu e porque é que os Selos da Luz, para que o fogo não os prejudique, apareceram.

'E esse Mistério sabe porque é que a ira apareceu e a Paz surgiu.'

'E esse Mistério sabe porque é que a calúnia surgiu e os Cânticos da Luz apareceram.

'E esse Mistério sabe porque é que as Preces da Luz apareceram.

'E esse Mistério sabe porque é que a perversidade surgiu e o engano apareceu.

'E esse Mistério sabe porque é que a maldição surgiu e a Benção apareceu.

'E esse Mistério sabe porque é que o crime surgiu e a vivificação das Almas apareceu.

'E esse Mistério sabe porque é que o adultério e a fornicação surgiram e a Castidade apareceu.

'E esse Mistério sabe porque é que o trato sexual surgiu e a Continência apareceu.

'E esse Mistério sabe porque é que a insolência e a ostentação surgiram e porque é que a Humildade e a Mansidão se levantaram.'

'E esse Mistério sabe porque é que o pranto foi originado e o riso foi suscitado.'

'E esse Mistério sabe porque é que a calúnia se levantou e porque o bom esclarecimento apareceu.

'E esse Mistério sabe porque é que a apreciação surgiu e o desprezo sobreveio.'

'E esse Mistério sabe porque é que a murmuração surgiu e a Inocência e a Humildade sobrevieram.'

'E esse Mistério sabe porque é que o pecado apareceu e a Pureza sobreveio.'

'E esse Mistério sabe porque é que a Força surgiu e debilidade se apresentou.'

'E esse Mistério sabe porque é que o movimento do corpo surgiu e a sua utilidade sobreveio.'

'E esse Mistério sabe porque é que a pobreza foi originada e a riqueza foi suscitada.'

'E esse Mistério sabe porque é que a Liberdade do Mundo apareceu e a escravidão sobreveio.'

'E esse Mistério sabe porque é que a morte surgiu e a vida sobreveio.'

Sucedeu então que, quando Jesus concluiu estas palavras, os Seus discípulos, ao ouvi-lO, se regozijaram com grande júbilo e alegria.

E Jesus continuou com a Sua 'prática' dizendo-lhes:

'Prestai ainda mais atenção agora, oh Meus discípulos! Para que vos fale da Gnose Completa do Mistério do Inefável.'

'Esse Mistério do Inefável sabe porque é que a falta de misericórdia surgiu e a Misericórdia apareceu.

'E esse Mistério sabe porque é que a ruína apareceu e o Eterno Deus surgiu.'

'E esse Mistério sabe porque é que os répteis apareceram e porque serão destruídos.'

'E esse Mistério sabe porque é que os animais selvagens surgiram e porque serão destruídos.'

'E esse Mistério sabe porque é que o gado sobreveio e os pássaros apareceram.

'E esse Mistério sabe porque é que as montanhas se elevaram e pedras preciosas apareceram nelas.'

'E esse Mistério sabe porque é que a matéria do ouro foi originada e a matéria da prata apareceu.

'E esse Mistério sabe porque é que a matéria do cobre apareceu e a matéria do ferro foi originada.'

'E esse Mistério sabe porque é que a matéria do chumbo surgiu.'

'E esse Mistério sabe porque é que a matéria do vidro surgiu e a matéria da cera apareceu.

'E esse Mistério sabe porque é que as ervas, quer dizer, os vegetais surgiram e todas as substâncias apareceram.

'E esse Mistério sabe porque é que as águas da Terra e todas as coisas que nela há, surgiram e a Terra apareceu.

'E esse Mistério sabe porque é que os mares e as águas surgiram e os animais selvagens marinhos apareceram.

'E esse Mistério sabe porque é que a matéria do Mundo surgiu e o Mundo será rapidamente destruído.'

Jesus continuou, dizendo aos Seus discípulos:

'E ainda mais, oh Meus discípulos e Irmãos! Sede simples com o Espírito que reside em vós, que entende e compreende todas as palavras que vos direi porque, de agora em diante, falar-vos-ei sobre toda a Gnose do Inefável.'

'Esse Mistério sabe porque é que o Oeste surgiu e o Este se elevou.'

'E esse Mistério sabe porque é que o Sul surgiu e o Norte se levantou.

'Ainda mais Meus discípulos, escutai com atenção e mantende a vossa sobriedade para que escuteis a Gnose Total do Mistério do Inefável.'

'Esse Mistério sabe porque é que os demónios apareceram e o género humano surgiu.'

'E esse Mistério sabe porque é que o calor foi suscitado e o bom tempo sobreveio.'

'E esse Mistério sabe porque é que as estrelas surgiram e as nuvens apareceram.

'E esse Mistério sabe porque é que a Terra se aprofundou e a água dela proveio.'

'E esse Mistério sabe porque é que a carestia surgiu e a miséria apareceu.

'E esse Mistério sabe porque é que a branca geada surgiu e o saudável orvalho apareceu.'

'E esse Mistério sabe porque é que a Terra secou e a água escorre sobre ela.'

'E esse Mistério sabe porque é que o pó surgiu e a deliciosa frescura apareceu.'

'E esse Mistério sabe porque é que o granizo surgiu e a agradável neve apareceu.

'E esse Mistério sabe porque é que o vento do oeste surgiu e o vento do este apareceu.'

'E esse Mistério sabe porque é que o Fogo da Altura surgiu e as águas apareceram.

'E esse Mistério sabe porque é que o vento do este surgiu.'

'E esse Mistério sabe porque é que o vento do sul surgiu e o vento do norte apareceu.'

'E esse Mistério sabe porque é que as estrelas dos céus e os discos dos Veedores de Luz surgiram e o Firmamento, com todos os seus véus, apareceu.'

'E esse Mistério sabe porque é que os Arcontes das Esferas surgiram e a Esfera, com todas as suas Regiões, apareceu.'

'E esse Mistério sabe porque é que os Arcontes dos Aeons surgiram e os Aeons, com os véus, apareceram.'

'E esse Mistério sabe porque é que os tiranos Arcontes dos Aeons surgiram e os Arcontes arrependidos apareceram.'

'E esse Mistério sabe porque é que os servos surgiram e os Decanos apareceram.'

'E esse Mistério sabe porque é que os Anjos surgiram e os Arcanjos apareceram.

'E esse Mistério sabe porque é que os Amos surgiram e os Deuses apareceram.

'E esse Mistério sabe porque é que os Céus, na Altura, surgiram e a Concórdia apareceu.

'E esse Mistério sabe porque é que o ódio surgiu e o Amor apareceu.

'E esse Mistério sabe porque é que a discórdia surgiu e a Concórdia apareceu.

'E esse Mistério sabe porque é que a avareza e o desejo de posse apareceram e a Renúncia a tudo surgiu.'

'E esse Mistério sabe porque é que a voracidade surgiu e a saciedade foi suscitada.'

'E esse Mistério sabe porque é que os Pares surgiram e os Ímpares apareceram.

'E esse Mistério sabe porque é que a falta de religiosidade se originou e o temor a Deus surgiu.'

'E esse Mistério sabe porque é que os Veedores de Luz e as Centelhas surgiram.'

'E esse Mistério sabe porque é que o Três Vezes Poderoso surgiu e os Invisíveis apareceram.

'E esse Mistério sabe porque é que os Ancestrais surgiram e os puritanos apareceram.

'E esse Mistério sabe porque é que o Grande Obstinado surgiu e a sua fidelidade sobreveio.'

'E esse Mistério sabe porque é que o grande Tríplice-Poder surgiu e o grande Invisível Ancestral apareceu.'

'E esse Mistério sabe porque é que o Décimo Terceiro Aeon surgiu e a Região dos do Meio apareceu.

'E esse Mistério sabe porque é que os Receptores do Meio surgiram e as Virgens da Luz apareceram.

'E esse Mistério sabe porque é que os Ministros do Meio surgiram e os Anjos do Meio apareceram.

'E esse Mistério sabe porque é que a Terra de Luz surgiu e o Grande Receptor da Luz apareceu.

'E esse Mistério sabe porque é que os Guardiões da Região da Direita surgiram e os seus condutores apareceram.

'E esse Mistério sabe porque é que a Porta da Vida surgiu e Sabaoth, o Digno, apareceu.

'E esse Mistério sabe porque é que a Região da Direita e a Terra de Luz, que é o Tesouro da Luz, apareceu.

'E esse Mistério sabe porque é que as Emanações da Luz surgiram e os Doze Salvadores apareceram.

'E esse Mistério sabe porque é que as Três Portas do Tesouro da Luz surgiram e os Nove Guardiões apareceram.

'E esse Mistério sabe porque é que o Salvador Gémeo surgiu e os Três Amens apareceram.'

'E esse Mistério sabe porque é que as Cinco Árvores surgiram e os Sete Amens apareceram.'

'E esse Mistério sabe porque é que a Mescla, que não existia, surgiu e se purificou.'

E Jesus continuou dizendo aos Seus discípulos:

'Ainda mais, oh Meus discípulos! Sede simples e trazei, cada um de vós, até aqui, a Força de sentir a Luz diante dele, pois podeis percepcioná-la com segurança porque, de agora em diante, falar-vos-ei com verdade de toda a Região do Inefável e de como ela é.'

Sucedeu então que, quando os discípulos ouviram Jesus pronunciar estas palavras, cederam, completamente desanimados.

Então, Maria Magdalena, adiantou-se arrojando-se aos pés de Jesus, beijou-os e lamentando-se disse:

'Tem misericórdia de mim Senhor, porque os meus irmãos, ao escutar as palavras que pronunciaste, desanimaram.

Portanto, meu Senhor, relativamente à Gnose de todas as coisas que expressaste a fim de que eles estejam no Mistério do Inefável, ouvi que me disseste:

«De agora em diante iniciarei os Meus sermões convosco, sobre a Gnose Total do Mistério do Inefável». Estas palavras que pronunciaste ante nós, não as mencionaste para que sejam completadas.

Por este motivo, os meus irmãos escutaram e não compreenderam o modo como lhes falaste.

Relativamente às palavras que pronunciaste, meu Senhor!

Se a Gnose de tudo isto está nesse Mistério, onde está o Homem que está no Mundo e tem a capacidade de entender este Mistério em toda a sua Gnose e o símbolo de todas essas palavras que espressaste? "

O Símbolo CLXV, como selo do próprio Absoluto e de onde emanam todos os mistérios, é o que permite com que se abra todas as portas do reino e por ser a ligação entre a existência como unidade e a supra-existência como oceano de vida, é a mesma chave que abre todos os demais espaços do mundo.
Qualquer pessoa com consciência desperta pode perceber que entre um plano e outro, entre uma região e outra, há um símbolo imperceptível, este símbolo é o símbolo CLXV.

Claro que não é a posse do símbolo material ou o conhecimento intelectual do mesmo que permite este trâmite, mas o encarne do Mistério, como realização da Obra.

"'Não vos aflijais mais, Meus discípulos, pelo Mistério do Inefável, crendo que não o entendereis. Amén vos digo:

Esse Mistério é vosso e de todo aquele que vos ouça para que, deste modo, renunciem a todas as coisas deste mundo e a toda a matéria que nele está e renunciem também a todos os pensamentos perversos e a todas as preocupações deste Aeon.'

'Agora, por conseguinte, vos digo: Para aquele que renuncie ao mundo e a tudo o que nele há e se submeta a si próprio à Divindade, esse Mistério estará mais próximo do que todos os Mistérios do Reino da Luz e entendê-lo-á mais rapidamente e mais facilmente do que todos os outros.

O que alcance a Gnose desse Mistério renunciará a este mundo e às coisas que nele há.'

'Por este motivo vos disse, anteriormente: «Todos aqueles para quem seja pesada a carga, venham até Mim, que Eu vos darei a Vida porque a Minha carga é leve e o Meu jugo, suave».

Agora, portanto, o que receba esse Mistério terá de renunciar ao Mundo e às coisas que há nele.

Por esta razão, Meus discípulos, não vos aflijais, acreditando que não entendereis esse Mistério.

Amén vos digo: «Esse Mistério é compreendido de modo mais rápido do que todos os Mistérios».

Amén vos digo: «Esse Mistério é vosso e de todo aquele que renuncie ao Mundo e às coisas que há nele».' "


"Porque não há boa árvore que dê mau fruto, nem má árvore que dê bom fruto.
Porque cada árvore se conhece pelo seu próprio fruto; pois não se colhem figos dos espinheiros, nem se vindimam uvas dos abrolhos.
O homem bom, do bom tesouro do seu coração tira o bem, e o homem mau, do mau tesouro do seu coração tira o mal, porque da abundância do seu coração fala a boca.
E por que me chamais, Senhor, Senhor, e não fazeis o que eu digo?
Qualquer que vem a mim e ouve as minhas palavras, e as observa, eu vos mostrarei a quem é semelhante:
É semelhante ao homem que edificou uma casa, e cavou, e abriu bem fundo, e pôs os alicerces sobre a rocha; e, vindo a enchente, bateu com ímpeto a corrente naquela casa, e não a pôde abalar, porque estava fundada sobre a rocha.
Mas o que ouve e não pratica é semelhante ao homem que edificou uma casa sobre terra, sem alicerces, na qual bateu com ímpeto a corrente, e logo caiu; e foi grande a ruína daquela casa."
Lucas 6:43-49

14/03/13