zzzzzzzz

 

CLXV
Textos sobre Psicologia
Os Caminhos do Amor

Dando continuidade ao que sejam bases e complementos, obviamente falaremos hoje de um aspecto certamente fundamental na vida de cada um que são os relacionamentos amorosos.
O Amor claro tem muitos níveis e profundidades, e de certa maneira o que aqui falamos é mais um resultado do quão exaltado seja um amor, e a compreensão de cada um, do que algo que consigamos realizar sem ter as correspondentes virtudes que conduzem a este fim.
No entanto, como em tudo na vida, podemos valorizar, cultivar e proteger, de maneira a que se desenvolva, ainda que por vezes o sacrifício tenha de ser absoluto para se ter estes resultados que no fundo são absolutos.

Tudo na vida é proporcional, sempre recebemos de acordo com nossas ações, ainda que não entendamos ou percebamos os fluxos e refluxos de nossas ações e das consequências que recebemos em retorno disto. Por vezes claro calculamos mal os resultados e isto faz com que não percebamos quando nossas ações originem estes resultados.

Há certos destinos, certos resultados que nos exigem uma perfeição muito grande, uma organização muito plena, uma vontade muito absoluta no relativo aos princípios que conduzem a este fim.
Sem certas bases, seja no sentido de termos definido aquilo sob o qual nossa vida está fundamentada, isto mesmo no sentido externo como interno, é impossível certas realizações ou cristalizar certos destinos.

Existem Três Caminhos os quais o Amor pode conduzir, de acordo com o Absoluto Triunfo ou mesmo em outro extremo no fracasso em cultivar este princípio e certamente caminhos secundários entre uma coisa ou outra. Dizemos que são três pois são os dois extremos e o mediador entre uma coisa e outra.

Quando um casal se une, em geral ele o faz por uma faísca de algo, seja meramente humano, seja meramente divino, seja a soma de algo que vai da terra até o mais absoluto extremo celeste. Isto é algo que para que se desenvolva, para que seja pleno, precisa alimentar-se e como já dissemos a vida se alimenta da vida.
Nós temos energias que quando solteiros investimos em certas coisas, sejam atividades, sejam relacionamentos e depois de uma união, como mudam as bases, precisamos rever, e reorganizar-nos de maneira a tornar pleno este destino amoroso ou mesmo fracassar ou fazer algo parcialmente satisfatório.

Os caminhos que nos referimos, estes Três possíveis Caminhos que anteriormente citamos, são:
- A Integração Amorosa;
- O Paralelismo Amoroso;
- A Dispersão Amorosa;

A Integração Amorosa, é o fundamento da Vida como a integração deste Amor, e sendo este a base principal de todas as realizações humanas, anímicas e mesmo espirituais. Isto como sabemos é o máximo fundamento possível já que é sob a potestade do Homem e da Mulher unidos, ou do Princípio Positivo e Negativo, que tudo surge, que tudo se cria e mesmo que tudo é destruído. Assim que a máxima criação, o último destino possível no sentido mais profundo e mais divino, requer esta plena Integração Amorosa.
Aqui entendam que estamos dizendo muito pouco, e muito resumidamente, primeiramente para não tomar tempo demais do leitor e em segundo para que tenha o próprio a potestade de aprender a avaliar, compreender e investigar por si só estes mistérios e encarná-los por consequência. Estamos aqui apenas mostrando um caminho, sem nos adentrar por demais profundamente em detalhes, já que é da solução que damos a estes enigmas que resulta o Triunfo ou o Fracasso destes processos, algo que cabe a cada um decifrar.

Ainda falando da Integração Amorosa, temos de entender que esta integração é a plena união do casal, é a máxima expressão do amor, aonde um vive realmente pelo outro, e um é capaz de dar tudo que tem pelo outro, é capaz de dar tudo pelo outro, mesmo a vida, ou sacrificar o que for necessário pelo bem estar desta pessoa amada.
Isto é algo muito profundo, e extremamente raro, quase nauseante para aqueles que nunca encontraram o Verdadeiro Amor.
Percebam que esta Integração Amorosa é a completa fusão de duas vidas em uma só, algo que diferente do que geralmente vemos ocorrer nos relacionamentos, não é algo parcial e que termina com a morte, senão que se perpetua ao longo das eras, e que sobrevive mesmo aos dias e noites cósmicos, inalterado.
Esta fusão é a completa nivelação de todos os processos de dois seres de maneira a que aonde um vai o outro vai, e o que um faz, o outro faz, sem claro levar em conta as particularidades naturais dos sexos, e das naturezas e características mais básicas e invioláveis do que é um indivíduo.
Isto é muito profundo, realmente difícil e sem sentido de explicar ao leitor neste momento. Mas que vale a o esforço de cada um por tentar assimilar isto, compreender.

O Paralelismo Amoroso, é uma integração Parcial que faz o casal, aonde apesar de terem uma vida juntos organizada e ordenada, levam cada um uma vida própria, com compromissos próprios, interesses próprios, algo já muito comum de vermos, ainda que em geral difícil de ser sustentado para toda existência já que estas vivências paralelas em geral conduzem a um afastamento exatamente porque cada um pelas influências que tem passam a moldarem-se de forma distinta o que faz com que entrem em conflitos pela maneira de pensar, de sentir, e mesmo de fazer as coisas.
Temos de recordar que nós somos o resultado daquilo que nos alimentamos e todas estas vivências e interesses que em separado tem o casal, são motivos de afastamento, pois cada situação que um vive em particular, cada amizade que um tem em separado, dá e recebe algo e isto pode afetar diretamente as bases, quando não substituir o que sejam as bases.
Obviamente o Paralelismo Amoroso é ainda assim o equilíbrio de uma coisa e outra, duas vidas que caminham juntas pela temporalidade da existência e que se sustentam ainda que parcialmente nos aspectos pessoais de cada um, e que cada um tenta aproveitar estas vivências particulares para esta vida em conjunto.

Isto desta Integração Amorosa, e do Paralelismo Amoroso, recorda muito o que seja o Absoluto e o Nirvana, o Caminho Reto e o Caminho Espiral. Porque na Integração Amorosa os eventos vão drasticamente conduzindo a situações sem saída aonde ou se sustenta e se aprofunda esta Integração, ou conduz a um iminente fracasso, a Morte deste Amor.
Já no Paralelismo Amoroso, as circunstâncias são amenas, e os processos de integração são esporádicos, mesmo porque não tem o impulso para isto, nem as circunstâncias para isto ocorrer. De qualquer maneira há avanços, há ganhos, há belas vivências ainda que mornas e esporádicas.

O Fracasso Amoroso como caminho, é o resultado de más escolhas, de más decisões, da incapacidade de transformar os resultados quando infelizes. Há relacionamentos que inevitavelmente já se iniciam destinados ao Fracasso, há outros que fracassam como consequência da incapacidade de vivenciar as escolhas que foram feitas (no sentido do sistema de bases que foram criadas, ainda que involuntariamente).

Temos de entender que o Amor é algo natural, e quem ama profundamente, ou quem ama superficialmente ou quem não ama, o faz naturalmente. Ainda que o Amor possa ser sacrificado, mesmo morto ou cultivado. Mas são coisas que pela própria expressão natural, vivenciamos, manifestamos e as próprias transformações são frutos da própria autoconsciência deste amor em plena atividade e funcionamento.


Há algo bastante severo no relativo ao processo de Integração Amorosa, que é o formato de integração que acaba tendo este casal. Quando há este verdadeiro amor, e esta completa entrega, as proteções que em geral na vida cotidiana ou mesmo nos casais normais são individuais, passam a ser do casal.
É uma egrégora que em vez de ser dupla torna-se uma e os dois vivem dentro de um mesmo âmbito, mas de certa maneira desprotegidos um para o outro. Assim que por este motivo não há proteção entre eles próprios, já que o amor faz com que internamente sejam um para estes campos internos que protege o indivíduo.
Isto gera com que qualquer agressão que um dos dois possa manifestar, penetre diretamente no outro e isto faz com que a própria egrégora que protegia o casal se destruísse, exigindo assim a reconstrução cada vez que isto ocorra.

No fundo quando um casal vive estes processos de Integração Amorosa, quando um dos dois ataca seja com sentimentos, seja com pensamentos, ações, o outro tem a opção de defender-se, ou seja, remover a proteção que tem sob o outro e defender a si mesmo destes eflúvios, destas situações, e com isto sacrificar o amor, ou uma fração do amor que tem encarnado, ou permitir o dano, e sustentar o amor intacto, a custas muito severas.


O Fracasso Amoroso em geral, é sempre o resultado de muitos eventos. Quando um casal se une de maneira mais ou menos adequada, tendo realmente princípios e valores similares, ou mesmo quando estão destinados e é algo perfeito por assim dizer, muito raramente é um evento específico que causa o Fracasso Amoroso, que no fundo é a morte do Amor do casal.
O Que geralmente ocorre nestes casos é que como cada um vive por si, ou ama a si mais do que o outro, crie conflitos e estes conflitos gerem traumas e distanciamentos, mudanças individuais na psicologia de cada um.
Quando um ataca que o outro defende-se, cada um está de um lado. Quando os Dois atacam, estão ainda mais distantes. Mas quando um ataca e o outro aceita, busca reconhecer o erro ou expressa seu amor, ainda que mortalmente ferido e não permite com que isto cause dano a este precioso princípio, ou que manifeste forças negativas, o resultado é que apenas o lado que atacou pode formar traumas, se não compreender em seu interior a negatividade de sua ação e o equívoco.

O Fracasso em geral se dá pela soma de muitas coisas, ainda que claro há eventos por demais negativos capazes de terminar com tudo. Mas quando da presença do Amor como já dissemos, são os detalhes que acumulados vão fazendo com que pouco a pouco frações deste amor vá se despedaçando e por isto a importância de ter sempre todos os assuntos em comum muito bem resolvidos, sem pendências, sem incompreensões.

O Casal deve sempre buscar dialogar e fazer coisas em comum, exatamente para que possam nivelar-se totalmente e integrar-se por consequência totalmente, sendo assim um o suporte para o outro. Claro que como já dissemos sempre haverão características, percepções e mesmo dons que a um será maior que no outro, seja por sua natureza física ou interna, mas isto deverá servir de complemento de um para o outro, de suporte, de apoio.

Afinal se compreendemos que o Lar é a base de tudo, a origem do indivíduo e o sentido mais básico de qualquer criação, pois devemos dar a este o justo valor, a justa atenção e o justo esforço.

06/02/17