zzzzzzzz

 

CLXV
Textos sobre Psicologia
Egoísmo como Atitude

Temos falado atualmente de Estados Psicológicos e de como se manifestam e a consequência destes em nossa vida, também dos processos necessários para saírmos destes estados negativos e deixarmos para trás uma série de equívocos e de negatividades as quais certamente não nos correspondem e não devem ter espaço em nossa vida cotidiana.

Algo que precisa ficar muito claro para cada um de nós, é o Egoísmo, e sua forma de atuar, já que por vezes vemos as pessoas se contentarem com as aparências, com o que os outros percebem e não com a profunda realidade destas ações em nosso interior, que é o que temos realmente de mudar, de erradicar, para que se manifeste o que é belo, e justo.

Todos os dias, constantemente nos vemos diante de duas portas, de dois caminhos, os quais são o Egoísmo ou o Altruísmo.
O Egoísmo obviamente é o benefício individual de nós mesmos, ou daquilo que nos é interesse, e o Altruísmo é o bem comum, e em geral o bem estar dos demais, por vezes com sacrifício próprio.
Não estamos dizendo que isto tenhamos de fazer sem uma compreensão, sem uma vontade (estas boas ações), pelo contrário, o que aqui afirmamos ser necessário é ter este alicércere em nosso interior, em nossa psicologia, para que naturalmente tenhamos os impulsos e realizemos estas ações a cada instante de nosso caminho.

O Egoísmo por mais que pareça a melhor saída, sempre nos conduz a algo negativo, e cedo ou tarde somos cobrados pela própria vida, por estas escolhas.
Assim que se um indivíduo tem este impulso egoísta, se sempre coloca seus desejos, suas necessidades acima dos demais, pois que observe o que ganha com cada uma destas ações e como a vida reage sobre isto. Isto, de perceber estes fluxos e refluxos da vida, certamente dará ao indivíduo a capacidade de discernir entre o que é justo e o que não é, e fazer então o que lhe corresponde, e alterar suas percepções frente ao sentido e a maneira que vive a vida.

Se temos dois pães, e um nos apetece mais, nos parece mais agradável, mais belo, melhor cozido, melhor apresentado, se tomamos para nós este pão, e damos para o outro, um segundo, estamos agindo com egoísmo, pois ansiamos para nós o que é melhor, indiferente de se foi nós que pagamos, ou se somos mais velhos, ou qualquer outra desculpa que possamos dar. Já se reservamos a outra pessoa este pão, por ser o melhor que temos a oferecer, certamente estamos agindo com Altruísmo.


Isto tem muitos exemplos, como é o caso de em uma viagem, se sentamos na janela ou no corredor, se vamos no banco de frente ou de trás de um veículo, se somos o motorista ou o carona...
Claro que isto depende do que cada um necessita e do que cada um se agrada...
Não estamos aqui dizendo que temos sempre de sermos o motorista, se preferimos dirigir... mas se a outra pessoa, sempre se cansa de dirigir, podemos claro oferecer estes serviços, ainda que nos seja mais prazeroso estar no volante, e neste caso nosso interesse, ou o que nos agrada coincide com o que é benéfico ao outro.
O Mesmo valeria para o caso do pão, se preferimos ele com menos cozimento e o outro mais cozido, e assim por diante.
Mas para um início de trabalhos sobre o egoísmo, e sem saber o que o outro gostaria, podemos exatamente fazer aquilo que tão sabiamente nos é ensinado, de dar aos demais, o que gostaríamos para nós mesmos.


Muita coisa depende de um entendimento, de uma consciência ampla para que se faça o justo, pois por vezes querendo fazer o bem, podemos estar causando danos aos demais.
Vejam que uma pessoa poderia assumir todos os serviços do lar, no intuito de fornecer a família tudo que necessita, e neste caso causar dano a saúde dos demais, pela ociosidade, e com isto causar danos também psíquicos por conta do ócio, e da falta de integração com as tarefas cotidianas necessárias.
Observem que este acúmulo de funções, de tarefas, também resulta em possíveis danos, pelo excesso, a este que assume todas estas tarefas, causando assim a impossibilidade de mais para frente seguir ajudando e fornecendo ao Lar, o que necessita.

Ou seja, pensando em um prazo curto, esta pessoa assume tudo que pode e logo causa dano aos que quer ajudar, também um dano por vezes irreversível a si mesmo. Demonstrando que no fundo não agiu com Altruísmo...

Citamos este exemplo, pois vemos que é muito comum os indivíduos saírem de um extremo e rumarem opostamente para um outro extremo, igualmente negativo.
O que no fundo resulta inútil...

Outra questão que necessitamos reforçar, é que estas mudanças do Egoísmo para o Altruísmo, não podem ser algo meramente aparente, aonde a pessoa faz dentro de si jogos mentais, e aparenta estar fazendo o melhor para os demais, enquanto secretamente faz o que tem vontade, ainda que seja ter o reconhecimento de que "é bom", de que "é justo", o que igualmente seria apenas uma continuidade de ações Egoístas e maldades, sob um outro prisma.

Estas mudanças quando feitas conscientemente, profundamente, alteram drasticamente nossa vida e daqueles que nos rodeiam, permitindo com que tenhamos uma vida plena e cheia de bem aventuranças.
Assim certamente é o que anelamos a todos, que possam compreender e realizar estas mudanças tão necessárias em suas vidas.

20/04/17