zzzzzzzz

 

CLXV
Textos sobre Psicologia
Personalidade e Consciência

É certo que o que hoje somos, é o resultado de tudo aquilo que vivemos e de tudo aquilo que aprendemos ao longo desta e mesmo de outras existências.
No entanto existem diferentes frações do que seja o indivíduo, coisas que são permanentes, coisas que são transitórias. Princípios e Formas que se unem de maneira a propiciar a vida como conhecemos.

Mais além daquilo que é transitório, temos a Alma, que abriga os valores conscientivos que são aquilo que no fundo nos tornamos, o que incorporamos como parte de nós mesmos, o que realmente aprendemos de maneira a ficar entranhado dentro do que realmente somos.
Há muitas experiências e aprendizados que nos moldam apenas nos aspectos mais externos de nossa natureza, e isto é o que chamamos Personalidade, é todo este conjunto de informações que desde a infância recebemos do meio, exatamente para que possamos interagir com o mesmo.
Nosso nome, nossos costumes, os hábitos que desenvolvemos, tudo isto é algo temporário que é criado para propiciar que a Alma, a Consciência, o Íntimo, se manifestem no mundo tridimensional adequadamente e interajam de maneira adequada com tudo quanto existe.

Claro que não é apenas a Alma em seu sentido Divino que carregamos, mas também as falhas que acabamos desenvolvendo, incorporando, o chamado Ego, os Defeitos Internos.

Há erros que cometemos meramente porque fomos assim ensinados que era o natural na atual época. As vezes damo-nos conta de que algo é inadequado, incorreto, outras vezes não, ainda assim em geral isto fica apenas a nível do que chamamos Personalidade, visto que é algo que fomos ensinados mecânicamente a fazer, e por vezes não tivemos o devido pensamento ou desejo acerca de fazê-lo, senão que apenas fazemos por conta do meio, e da necessidade de uma vida em sociedade.

Bem, falando em desenvolvimento humano, vemos que o indivíduo uma vez que nasce, ele necessita desenvolver uma Personalidade, afinal a própria linguagem, os meios de interagir, o tipo de alimento que deverá ingerir, os costumes da região e da época, precisam ser incorporados pela nova criatura de maneira a formar a Personalidade que é o veículo que usa a Alma para manifestar-se em cada época que vem ao mundo.
A Questão é que tudo isto que aprendemos, aprendemos de maneira mecânica, absorvemos do meio sem capacidade de reflexão, sem autoconsciência, sem nos questionar o benefício ou o prejuízo que isto nos traz, e se queremos ou não assimilar isto, realizar cada uma destas coisas.
É aonde entra a reflexão, o exercício da Consciência em rever todas estas características que assimilamos de maneira involuntária e moldar-se de acordo com esta guiatura interna que naturalmente temos, seja pela Alma-Consciência, seja pelo próprio Íntimo e demais divindades que nos acompanham nesta maravilhosa Jornada Espiritual.

Precisamos realmente reavaliar aquilo que somos, primeiramente precisamos discernir entre o que é a Personalidade e o que é a Alma, então o que são os Defeitos e as Virtudes incrustadas nesta Alma. Conforme vamos aprendendo a observar claramente o que seja uma coisa e outra, vamos desenvolvendo a capacidade de moldar esta natureza, de maneira consciente, nos tornando o que precisamos ser, o que ansiamos no mais profundo de nós mesmos nos tornar.


Muito do sofrimento que tem as pobres pessoas, são exatamente esta discrepância entre o que são, e o que tem de ser. Grande parte da tristeza que lhes consome e das crises que tem, são o resultado de um desvio do que deveriam estar fazendo, e do que fazem, ao longo de sua existência.
E muito disto é resultado de uma Personalidade inadequada, forjada sobre bases falsas, adaptada uma sociedade equivocada e caduca. Também por outro lado, este desvio é também resultado dos Defeitos que temos, dos anseios equivocados que acabamos tendo por conta disto.

Sempre recomenda-se que o indivíduo uma vez que tome Consciência de si mesmo, que busque esta revisão concreta de sua vida, ainda que igualmente lhe cause tristeza ver o quão distante está, do que deveria estar e de ser, o que deveria ser.

É certo que acaba sendo muito sofrido, observar quão errados são os caminhos que tomamos, e ainda mais sofrido transformar o que hoje somos, e aonde estamos, naquilo que deveríamos ser, de chegar até aonde deveríamos estar. E infelizmente são poucas pessoas que tem a coragem, também a força de vontade para encarar este abismo que lhes separa desta nova vida, e destes reais e concretos avanços espirituais.

Mas nada menos do que a Verdadeira Felicidade e a mais concreta Iluminação Espiritual, e tantos divinos dons e bênçãos, recebemos ao longo desta jornada, quando realmente nos propomos em nos colocar nos trilhos deste caminho.
Caminho este que não é algo que alguém nos diga, ou nos ponha, senão que por nós mesmos, por este discernimento interno, vamos compreendendo e vendo, ao longo desta revisão constante daquilo que somos, em nossos dias.

22/06/17