zzzzzzzz

 

CLXV
Textos sobre Psicologia
A Ambição e a Compreensão

Nestes momentos vamos tocar a chaga de todos os estudantes gnósticos, pequenos e grandes iniciados, com o objetivo de trazer uma reflexão profunda para com o sentido da Grande Obra e como realizá-la efetivamente.

Todos os Grandes Mestres de todas as épocas sempre afirmaram e reafirmaram que a Obra independe do tempo e que uma Alma poderia realizá-lo em tempo relativamente curto, se tivesse compreensão e anelo verdadeiro para assim fazer tal Obra.

A Verdade é que levamos mais tempo para descobrir a chave de como realizar tal façanha do que realizando realmente.
Por isto que temos tantos irmãos com vinte anos nestes estudos, quarenta anos, e ainda engatinham no sentido de verdadeiros avanços esotéricos, seja iniciáticos, seja de Despertar da Consciência, seja de morte psicológica, alquimia, etc...

O Erro que todos cometem é não compreender o que é a compreensão (8).
O Ego só podemos eliminar, só podemos extrair dele a consciência que tem, por meio da compreensão (8).
Nossos defeitos se alimentam de duas forças, sendo uma positiva (afirmação = 1) e outra negativa (negação = 0).

Isto tem que ficar muito claro no entendimento dos que nos lêem hoje, porque são ensinamentos que não teremos condições de repetir, pois o que está hoje sendo dado tem uma seqüência a ser seguida.
A Força positiva é a afirmação (1), é conhecer o delito e continuar o realizando.
A Força negativa é deixar de cometer o delito sem ter uma compreensão (8) dele, isto é, uma forma negativa (0) da mesma expressão deste defeito.

Afirmar um defeito ou negá-lo é dar alimento e perpetuar suas existência.
Todos somos muito ambiciosos e não percebemos isto. Claro que alguns ambicionam um bom emprego, dinheiro, poder social.
A Questão é que a grande maioria ao conhecer estes estudos apenas muda o ramo da cobiça e desta ambição.
Os que se voltam a estes estudos perpetuam o erro ambicionando conhecimento, poderes esotéricos, mando muitas vezes institucional (em grupos esotéricos), enfim.. ambicionam serem santos, ambicionam morrer psicologicamente, ambicionam terem corpos solares.

O Problema é que continuamos em um mesmo círculo vicioso, ainda que sob outra forma distinta da primeira.
Percebam que realmente existem forças que são vontades e anelos emanados da consciência e do Ser, mas em toda mentira há uma verdade, recordemos que dentro de cada defeito psicológico há uma fração de consciência que ele aprisiona e é isto que dá a dita razão e o sentido "real" que tem o ego a afirmar ou desejar algo.

A Morte quase poderíamos dizer que não é resultado de um esforço para nenhum lado, senão que algo natural e bastante simples já que basta tirar o sentido da existência de um defeito e ele simplesmente não terá mais força para viver.

Certamente todas as pessoas já eliminaram alguma vez algo de suas vidas pelo simples fato de perceber quão tolo ou sem sentido é tal coisa.
Recordem aqueles ilusionistas que fazem coisas que parecem impossíveis, imaginem aquelas argolas que parecem maciças e eles as unem como uma corrente.

Qualquer pessoa que desconheça a técnica ficaria impressionado e identificado. Isto por exemplo é uma forma positiva da ação do ego.
Dizer que aquilo é impossível e não saber como ocorre, igualmente é o alimento negativo do ego.

Agora veja o caso de uma pessoa que compreenda, que veja realmente como o truque é feito... por acaso não perdemos totalmente o interesse pela "mágica" e tal ilusionista?

Pois é o mesmo que devemos aplicar ao Ego, a compreensão da atuação de um defeito, é suficiente muitas vezes para causar sua eliminação, porque perdemos o interesse em suas ações e seus conceitos. O Compreendemos e por isto não o afirmamos nem negamos, apenas não nos faz sentido sua existência.

Por isto que é tão delicado e tão sensível o caminho... tão difícil de encontrar alguém o trilhando, porque ninguém o compreende realmente.

Muitos Pseudo-esoteristas, pseudo-mestres, enfim... charlatões de toda espécie, ambicionam algo, seja serem reconhecidos por sua sabedoria, outros ambicionam a felicidade eterna, são ambições e as pessoas são usadas para realizar estas perigosas ambições destes lunáticos.

Uma pessoa poderia passar fome, se isolar em uma montanha e estar fazendo tudo isto por uma simples ambição, igual a que carrega um homem que trabalha em uma multinacional ou em algum arranha-céu explorando a outras pessoas de distintas formas, ou simplesmente ambicionando algo sem envolver ninguém nisto.

Não podemos continuar cometendo erros e igualmente não podemos apenas os ignorar ou os calar em algum nível, pois continuariam existindo em outros níveis e não sairíamos do lugar.

Muitos místicos se tornaram distintos da humanidade pelo simples fato de ambicionarem ser algo distinto, diferente, revolucionário em relação ao que eram.
No entanto o fazem por uma ambição e continuam tendo os mesmos resultados egóicos, mas sob outro prisma, de um outro ângulo.

Uma pessoa pode ser muito, muito caridosa, mas fazer isto por uma ambição de reconhecimento, por ambicionar ser uma pessoa melhor, por ambicionar a salvação... percebem que o delito se disfarça de mártir?

Se ambicionamos estamos sendo ambiciosos, e ambicionamos não ser ambiciosos, continua sendo uma ambição.
Cria-se um paradigma, um enigma sem saída e sem fim.

Compreender a ambição é a chave para atuarmos livremente, sem impulsos equivocados e gerados pelo ego.
Quando simplesmente renunciamos, nos resignamos frente a ambição, terminaremos para sempre com o martírio do ego e iniciaremos realmente a Grande Obra.


Por isto não façamos mudanças inúteis. Muitos fogem de seus compromissos, sociais e familiares dizendo que para fazer a Obra, sendo que é simplesmente aquele mesmo defeito ou defeitos, encontrando novas formas de sobreviver e de crescer, dentro da pessoa.
Muitos se julgam santos, caridosos, pacientes, mas vivem longe de tudo que poderia testar sua santidade, seu desinteresse, sua ira.

Necessitamos ser verdadeiramente independentes, nossas ações devem ser emanadas de dentro para fora, de cima para baixo e nada que venha de fora de nós, deveria modificar nossas ações ou influenciar-nos.
Somos escravos, todos somos escravos. Uma única palavra, um olhar, uma ação única de outra pessoa pode alterar nossos pensamentos, nossos sentimentos e talvez até mudar drasticamente o rumo de nossas vidas.

Quando nada ambicionamos, quando apenas buscamos a compreensão do verdadeiro e do falso que há em nós, seguimos indiferentes as opiniões e as ações alheias.

O Trabalho é algo interno, não pensem que serão melhores quando a esposa for melhor, quando o grupo que participam for melhor... isto são artimanhas, são falácias do Ego, porque se não lhe incomodam, ele se sente bem, e é o que quer.

Nós por outro lado necessitamos e ficamos felizes se há contrariedade, porque somente diante de forças negativas e até positivas, somos testados verdadeiramente em nossa individualidade sagrada, em nossas capacidades da alma e da consciência.


Muitas coisas neste caminho, temos que falar sem realmente falar, dizer sem permitir que nos entendam, porque são descobertas e entendimentos que não são transmissíveis e que cada pessoa deve procurar encontrar e viver.

Uma pessoa poderia auto-realizar-se simplesmente por se dedicar a estudar e a viver uma única frase, ou o sentido de um punhado de números.
O Problema é que não tem força de vontade e a ambição as leva para todo lado, querem novidades, querem mais e mais e mais... e nada vivem, nada experimentam realmente.

Gostaria de aproveitar para lhes contar uma história de alguns fatos que ocorreram recentemente no plano astral.
É Muito incomum e surpreendente que internamente tenhamos uma vida tão distinta da física. Digo, internamente nossa vida é a soma de todas as vidas que vivemos nas diferentes dimensões inferiores.
Por exemplo, uma noite destas estava no Astral e me dei conta que uma vez fisicamente uma pessoa havia perguntado se eu era Maçom e havia afirmado que não... e no Astral me cobrava porque sabia que era um Maçom, não fisicamente claro porque não participei desta instituição na atual existência, mas internamente sempre participamos de seus ritos já que é nosso raio esotérico, foi a primeira instituição que conhecemos quando trilhamos o caminho em certa época.

Inclusive uma vez no Astral nos recordamos disto e fomos a um templo para receber as instruções como é de costume. Confesso que sempre me pareceu aborrecedor a maioria das reuniões esotéricas nos mundos internos da maçonaria. Apesar de me sentir pleno em seus ritos, as instruções me eram aborrecedoras pois falavam de Política e questões sociais, coisas que não compreendia e que não entendia que me eram úteis.

Esta noite em questão passei a compreender o sentido do que estava sendo ensinado, e realmente entendo que não aceitava tais ensinamentos porque os associava a questões como fisicamente conhecemos, tínhamos conceitos negativos em relação aos governos e as administrações, já que todos são corruptos, ladrões ou coisa pior, já que são sistemas completamente caducos e esquizofrênicos, fisicamente falando.

Espero que possam entender o porque isto está sendo contado neste tema.


Uma outra noite destas fazia uma prática para entrar no Nirvana, almejava libertar-me temporariamente de toda maldade e de todos os veículos físicos e internos, para penetrar na eterna felicidade do Nirvana e estudar mais uma vez esta região.
Confesso que fiz de tudo, meditava, dormia, acordava, saia em astral, nada.. nada... uma longa noite rogando ao Ser, e fazendo práticas e nada de ingressar no Nirvana.

O Resultado foi compreender mais intimamente o sentido do que é a ambição que hoje explicamos e o que é a necessidade e a compreensão de algo.
Já tivemos resultados impressionantes, realmente surpreendentes, mas ocorridos por uma real necessidade e uma compreensão do porque de tal ação.
Posso dizer que poucas vezes não realizamos o que nos propusemos, no campo esotérico. Mas sempre temos que agradecer ao Pai, por nunca nos deixar sem uma resposta, frente ao fracasso de uma prática.

Nesta prática não tivemos resultados por ter sido originada por uma ambição, simplesmente isto. Não havia necessidade, não tínhamos sido instruídos a realizar isto, enfim, foi uma ação, um propósito "divino" emanado das entranhas de algo abismal dentro de nós.

Todo aquele que queira realmente avançar, deve fazê-lo por uma compreensão, com desinteresse, para que não sejam mudanças inúteis criadas como disfarce de algum elemento psicológico.


Paz Inverencial!

06/12/12