zzzzzzzz

 

CLXV
Textos sobre Psicologia
Equilíbrio Físico-Espiritual

No caminho dependemos de um equilíbrio constante entre aquilo que é material e aquilo que é espiritual.
Seria muito fácil uma pessoa voltar-se para o espírito e abandonar a parte material, não apenas deixando de lado as questões sociais ou humanitárias como negligenciando questões básicas de sustento físico, etc.
Também e o que comumente acontece, é que muitos atentam excessivamente para a parte material, buscam uma falsa segurança na matéria e abandonam totalmente as Obras do espírito, deixam de lado o impulso espiritual e as vontades que tem o Ser, suas necessidades.

Necessitamos de Obras, mas necessitamos que estas obras sejam executadas pela virtude.
Necessitamos de Virtudes, mas necessitamos que elas se expressem e atuem como Obras.

Toda Virtude é Espiritual. Toda Obra é material, ainda que seja uma matéria mais sutil do que a matéria física como conhecemos, tridimensional.


Nós podemos realizar grandes ações no mundo mas sem a presença do Espírito. Também podemos ter o Espírito latente, as virtudes expressando-se dentro de nós, mas seria em vão isto, seria estéril, se não lhe damos expressão por nossas Obras.

O Excesso de Materialismo é prejudicial.
O Excesso de Internalização-Espiritual é prejudicial.

Precisamos saber chegar a um ponto, estar neste umbral, aonde pode chegar a presença do Espírito e de onde podemos realizar nossas Obras e as Obras d'ELE no mundo.

O Excesso, o excedente de um ou de outro, causa uma fadiga, um desgaste que impulsiona a pessoa ao outro extremo.

O Aprendiz tem excesso de Materialismo;
O Companheiro tem excesso de Espiritualidade;
O Mestre é o que aprendeu a equilibrar a Matéria com o Espírito.

Raros são aqueles que conseguem esta constância para com a Obra, dia e noite, vinte quatro horas do dia, estarem realizando a Obra.

E Não conseguem por uma questão simples chamada fadiga, cansaço, excesso de esforço em um só ponto.
Mesmo dentre os Mestres, conta-se nos dedos aqueles que tiveram a capacidade como foi Hermes Trismegisto, de realizar a Obra de forma constante, implacável, inalterável em sua vontade e em suas Obras. Não que não hajam outros mais recentes que fizeram Obras similares mas é um Mestre que neste caso merece ser citado e nomeado objetivamente.

A Sabedoria de Hermes, estava simplesmente em modificar a forma da manifestação em que realizava a Obra, assim nunca excedendo sua capacidade ou chegando a dita fadiga, fosse física, fosse espiritual.

Há pessoas que oram a todo momento, transformam um momento mágico de falar com sua Divindade ou com outras Divindades, em algo corriqueiro, algo mecânico, sem vida.
Há outros que ignoram o poder da oração, e o poder da fé, e atuam meramente como máquinas humanas, sem qualquer condutor espiritual, sem qualquer impulso espiritual.

Há quem corra pela vida como um cavalo desenfreado e há quem fique a vida toda dentro de seu potreiro. Temos que saber caminhar com as duas pernas e lidar com todas as capacidades que tem a Pessoa.

A Consciência pode expressar-se não apenas por meio de um Intelecto Superior, mas por uma Mente superior, por um instinto ao realizar algo divino por meio de mãos humanas.


Podemos estar com nossa família em um instante de descontração e ainda assim realizando a Grande Obra, porque isto é para ser algo perene e constante. Nem por isto vamos deixar de aproveitar e de nos beneficiar e nos sentirmos felizes por estes momentos de amabilidade familiar.
Um Erro que todos cometem e um erro que pode ser a causa de muitos nunca despertarem é que investem excessivamente no Espírito ou excessivamente na Matéria.
Se o Espírito não precisasse da expressão física para realizar a Obra, não teríamos nascido aqui nesta região que nos encontramos, e a lei é esta, todo anjo que queira tornar-se arcanjo, deve tomar corpo físico, é a lei. Assim para qualquer outra mudança de status divino.

Então não podemos negligenciar as questões da vida, a convivência harmônica, o trabalho honesto, e tudo aquilo que compete as questões físicas.

A Própria Obra, o reflexo do que está ocorrendo internamente com este Iniciado, são ações físicas, e modificações que ele faz no mundo, por um exemplo, por uma força que ele expressa.


Um exemplo prático disto, são dois dons que recebe a Alma Humana, o Dom da Profecia, e o Dom de Falar em Línguas.

Falar em Línguas é falar com a Divindade, com nosso Ser, nossa Consciência, é realmente poder perceber e entender tudo aquilo que é Espiritual.
Profetizar é interpretar para os demais, o que obtemos pelo Dom das Línguas, é traduzir isto e transmitir isto de forma a ser compreensível aos demais.

Então vemos que um é um dom voltado ao Espírito e outro é um dom voltado a Matéria. Feliz do Iniciado que obtenha a graça de poder realizar ambos, equilibrando assim o trabalho com o Espírito e com a Matéria.

Sigam a caridade e procurem os dons espirituais principalmente a profecia. Porque o que fala em línguas, não fala com os homens, a não ser a Deus, porque ninguém o entende, embora em espírito fale mistérios. Mas, o que profetiza, fala com os homens para edificação, exortação e consolação. Quem fala em línguas, a si mesmo edifica; mas, o que profetiza, edifica à Igreja. Assim, quero que todos vós falem línguas, porém, prefiro que profetizem; porque maior é o que profetiza que o que fala línguas, a menos que este as interprete para que a Igreja tome edificação. Agora pois, irmãos, se eu for a vós falando línguas, o que lhes aproveitarei, se não lhes falar, ou com revelação, ou com ciência, ou com profecia, ou com doutrina?” (I Coríntios, 14, 1-6)

Se falar algum em língua estranha, seja isto por dois, ou ao mais três, e por turno; mas a gente interprete. E se não houver intérprete, cale-se na Igreja e fale consigo mesmo e a Deus. Assim mesmo, os profetas falem dois ou três e outros julguem. E, se a outro que estiver sentado, for revelado, cale-se primeiro. Porque podem todos profetizar um por um, para que todos aprendam, e todos sejam exortados. E os espíritos dos que profetizarem, sujeitem-se aos profetas. Porque Deus não é Deus de desordem, mas, sim, de paz; Como em todas as Igrejas dos Santos, estejam caladas as mulheres nas congregações; porque não lhes é permitido falar, mas sim estejam sujeitas, como também a lei diz. O que saiu que nós a palavra de Deus? Ou a vós sozinhos chegou. Se algum a seu parecer, é profeta, ou espiritual, reconheça o que lhes escrevo, porque são mandamentos do Senhor. Mas, o que ignore, ignore. Assim irmãos, procurem profetizar e não impeçam o falar línguas. Porém, faça-se tudo decentemente e com ordem”. (I Coríntios, 14, 27-40).

Paz Inverencial!

24/04/13