zzzzzzzz

 

CLXV
Textos sobre Psicologia
Impulsos Divinos, Impulsos Egóicos

A Auto-observação, esta observação do que ocorre dentro de nós, é a ferramenta, o meio que temos de separar aquilo que são impulsos inferiores, daquilo que é um impulso divino.

Na vida temos diferentes impulsos e a verdade é que a maioria das pessoas se vê empenhada em satisfazer a estes impulsos uns após outros, ainda que muitas vezes sejam contrários aos primeiros e de tipo negativo.
Quantas vezes as pessoas correndo para um lado e fazendo realizações e logo voltam-se ao inverso e destroem todo aquele primeiro que fizeram, isto mostra esta constante mudança do impulso que ela tem dentro.

Mudar não é um problema, certamente quem desperte a consciência, quem realmente perceba que suas realizações provém de um impulso negativo, certamente deixará de fazê-los e provocará uma drástica mudança na forma como leva sua vida.
O Problema é que temos de fazer modificações concretas, permanentes, de nada adianta fazermos grandes modificações, da noite para o dia, sem que tenhamos consciência e vontade suficiente para mantê-las permanentemente.


Cada pessoa tem em si defeitos, falhas, e estes são os que normalmente geram praticamente todos os impulsos que esta tem. É muito difícil atendermos aos impulsos divinos se estamos sempre ocupados e identificados com estes impulsos inferiores.

Conhecer nossos defeitos, identificar a origem de cada um destes impulsos e desejos é pois a solução para deixarmos de ser movidos por estes fios invisíveis tenebrosos.
Muito do que fazemos é movido por defeitos relativos ao Orgulho, ou da Ira, assim há outros impulsos que são originados por sub-partes da Luxúria e da Preguiça.
Conforme identificamos a origem de cada um destes impulsos, encontramos certamente uma falha, um defeito, e seus respectivos agregados os quais colaboram com esta desejada ação ao qual nos impulsionam.

Conforme conhecemos a origem de cada um destes impulsos, podemos selecionar aqueles que provenham de nossa consciência, de frações de nosso Ser e então sim investir nosso tempo, nosso esforço, nossa vontade, e passar por cima de todas estas debilidades e impulsos contrários a realização destes primeiros, que sim tem um valor muito grande pois são voltados sempre para a bem-aventurança de todos os seres.

Existem duas forças no organismo humano, a Luz e o Fogo, o Fogo como energia, poder e a Luz como sabedoria, conhecimento.
Nos organismos egóicos, a luz fica aprisionada ao centro, enquanto o fogo percorre as extremidades. Explicando o significado disto, podemos dizer que a pessoa usa seu poder sobre os demais, tenta modificar os demais de acordo a sua vontade, também que a energia (de tipo sexual) é perdida pois flui para fora, involutivamente. A Sabedoria então fica oculta, perde-se. Este fogo também neste caso representa a energia sendo mal usada a nível de sentimentos e pensamentos, que tal qual uma labareda de fogo causam danos a todos aqueles que se aproximam. É nitidamente um egoísmo, pois pensa em sí, age em benefício de si mesmo, unicamente, exclusivamente.


Nos organismos conscientes a luz tende a periferia para iluminar a todos, e o fogo corre para o centro, para dentro para purificar-nos.
Isto é aquilo mesmo que já explicamos com outras palavras a nível de Misericórdia e Justiça, ou de Psicologia e Filosofia, mas em outros termos, falando de outros princípios.

Normalmente o egóico aplica a filosofia a si mesmo, mas exige a psicologia dos demais, também aplica a misericórdia a si mesmo, mas exige justiça dos demais e sobre os demais.

Se compreendemos a natureza da vida e de tudo aquilo que há mais além da vida como conhecemos, claro que invertemos esta polaridade sabiamente e aplicamos a misericórdia aos demais e a justiça a nós mesmos, também a filosofia aos demais, e a psicologia a nós mesmos.

Recapitulando que isto da Psicologia e da Filosofia, são desdobramentos que tem a compreensão dependendo do rumo que tome.
Naturalmente nos seres auto-conscientes a Consciência ao projetar-se sobre si mesmo, exerce o que chamamos de Psicologia, como forma de autoanálise, e mudanças concretas. Ou seja, há uma rigidez para com nós mesmos e uma exigência verdadeira.
Para com os demais a consciência se manifesta como Filosofia, que é uma compreensão amena da natureza de cada um, do momento e do livre arbítrio que cada um tem.

Quando egóicamente se invertem estas polaridades, criam-se as lutas, as guerras, os problemas.

Falando dos termos "Luz" e "Fogo", falamos como das polaridades "+" e "-", algo mais sutil e mais amplo, do mesmo assunto. A Força elétrica espiritual do Espírito Santo tem esta dupla polaridade que além da sua neutralidade, para que hajam as criações. Recordemos ao Idá e Pingalá do Caduceu de Mercúrio.

O Fogo brota da terra e a luz advém do céu, devemos aprender com a natureza pois a luz se manifesta em todas as partes e o fogo isoladamente e ao centro. Recordemos o centro da terra, recordemos os céus iluminados sobre a terra.
Dentro de nós deve ocorrer o mesmo, este fogo deve ser posto em seu lugar, assim como esta Luz.
Para que haja luz, é necessário ter este fogo bem conservado e bem aceso, antes de mais nada. Isto é o resultado de um trabalho interior.

03/03/14