zzzzzzzz

 

CLXV
Textos sobre Psicologia
Ensinamentos Gnósticos

Se tomamos qualquer um destes livros deixados por estes Sábios Indivíduos, guias da humanidade, encontramos em uma pequena frase material suficiente para escrever um novo livro. Ou muitas vezes a síntese de muitos livros em uma única frase.

Como já dissemos os livros não são a verdade nem a verdadeira sabedoria, mas são guias indicativos que se levados a prática, nos permitem chegar por nós mesmos até esta sabedoria.


Estes livros Gnósticos realmente tem de ser lido com muito carinho, com muita paciência, submetendo cada palavra, cada frase, cada parágrafo a uma profunda reflexão, para que possam chegar até a luz da consciência.
O Normal, o comum é que estes ensinamentos fiquem gravados na memória das pessoas, juntamente com todo o lixo da vida diária, um "algo a mais", como tantos divertimentos e passatempos que tem as pessoas.


Muitas pessoas se desiludem muito rápido em relação ao Gnosticismo, porque supõe de forma equivocada que terão poderes instantâneos, que despertarão a consciência da noite para o dia, dentre tantos erros comuns daqueles que iniciam estes estudos.
Os Poderes vem certamente, mas existem coisas muito óbvias que temos de nos dar conta para entender o funcionalismo destes Divinos Dons que recebemos no caminho.

O Domínio dos elementos, do Fogo, do Ar, da Água, da Terra, e por consequência de tudo quanto seja material ou espiritual é possível. Há muitos relatos ao longo dos séculos de grandes eventos produzidos por Homens autênticos. Não como uma simples demonstração de poder, ou como um ato para convencer incrédulos, mas o exercício de uma vontade individual liberada, unida com uma vontade cósmica.

Nossos defeitos são exatamente esta força que aprisiona nossa consciência, nossa vontade. Cada Eu tem sua vontade, melhor diríamos seu desejo. Por estarmos vidididos em tantas cosias, por estarmos divididos dentro de nos, voltados a tantas coisas, é claro que não temos esta vontade soberana, inquebrantável.
Muito se fala do magnetismo, o magnetismo que tanto já falamos é isto, todas as forças dentro de um objeto voltadas a uma mesma direção.
A Falta de magnetismo é o efeito aonde os polos positivo e negativo dentro de um objeto encontram-se dispersos, apontando para pontos aleatórios.

Este é o motivo que se requer neste caminho certo isolamento muito especial, exatamente para que nada no mundo tome frações desta vontade, nem expressões desta consciência, precisamos nos alinhar e nos voltar ao Espírito, ansiar como o homem que está se afogando anseia pelo Ar, ou como a planta que está germinando ainda no interior da terra, busca pela Luz solar.

Se observamos a questão da planta, é uma vontade individual da planta que se alinha com uma vontade maior que ela, são forças que se unem com um mesmo propósito.
Estes poderes maravilhosos que exerceram publicamente alguns destes homens é o mesmo. Esta vontade emancipada, soberana, une-se por este motivo, funde-se com as correntes cósmicas, com esta vontade universal e então é como surgem os prodígios "do impossível".

Mas não é este rumo que hoje queremos dar a este diálogo, e sim uma destas tantas citações que fazem os Mestres em seus livros.

No livro Tratado de Psicologia Revolucionária, apenas cita o Mestre Samael uma questão muito interessante que ele acaba não aprofundando:
"À medida que o sentido da auto-observação íntima se desenvolve em nós mediante o uso contínuo, poderemos ir vendo todos esses Eus que servem de fundamento básico para o nosso temperamento individual, já seja este último, sanguíneo ou nervoso, fleumático ou bilioso." - Tratado de Psicologia Revolucionária, Samael Aun Weor

Ele comenta primeiramente deste dom muito especial e essencial no caminho que nos permite ver tal qual somos interiormente, este dom que nos permite conhecer cada indivíduo que vive dentro da nossa pessoa. Este foi o motivo de falarmos da questão do magnetismo, deste alinhamento. Se nos voltamos com todas as forças para realmente conhecer a nós mesmos, sinceramente observar e descobrir estas falhas que são originadas em nosso mundo interior, certamente este dom aflorará maravilhosamente.

Claro que isto exige que deixemos de nos preocupar com as falhas alheias, com as aparências, com as coisas vãs, e nos voltemos para nosso interior, que nos convertamos em vigilantes de nós mesmos, vigias sempre alertas para qualquer criatura interior que possamos identificar. Somos múltiplos, cada pensamento tem um pensador, cada ação é originada por uma força, que deve ser conhecida, compreendida e eliminada se contrária a Consciência.

E a Consciência não é algo externo, não é algo que outra pessoa nos diga que temos de fazer, senão isto que por este impulso divino somos guiados.

Faço um parênteses para recordar que Biblicamente se diz: "Sede quentes ou frios, porque os mornos vomitarei de minha boca".
Esta frase nos recorda exatamente isto deste magnetismo, voltado para a Luz ou para as Trevas. Aquele que se volta para a Luz são estes Quentes, estes que se voltam com todas as suas forças para as trevas, são os Frios.


Então diz o Mestre Samael que conforme vamos aprendendo a conhecer este mundo interior, estes personagens que habitam dentro de nós, vamos identificar que existem diversos eus que juntos, por sua constante atuação, vem a formar o TIPO DE TEMPERAMENTO que tem a pessoa.
Em outras palavras, o conjunto de forças, de indivíduos que dentro da pessoa se manifestam, formam um tipo de atuação comum, que chamamos Temperamento.

Dos estudos iniciados por Hipócrates e ampliados por Galeno, chegou-se a quatro temperamentos possíveis, relacionados logicamente aos quatro elementos (Ar, Fogo, Água e Terra).
Conforme estes Eus, estas frações que mais dominem o indivíduo, teremos os seguintes Temperamentos:
- Sanguíneo (Sangue): Expansivo, otimista, mas também irritável e impulsivo;
- Fleumático (Linfa): sonhador, pacífico, dócil, também preso aos hábitos e distante das paixões;
- Colérico (Bílis): Ambicioso, dominador e tem propensão a reações abruptas e explosivas;
- Melancólico (Astrabílis): Nervoso e excitável, com tendência ao pessimismo, ao rancor e à solidão.

Estes são ensinamentos relativos aos Trabalhos de Terceira Câmara, ou seja, Trabalhos aonde o indivíduo encontra em si as raízes do Mal, para que possa libertar-se desta natureza inferior que o caracteriza.
Vale relembrar que além desta questão do Temperamento, outro fator essencial para o Trabalho Psicológico é o Traço Psicológico, que é a Cabeça de Legião, o Pecado Capital o qual caracteriza a pessoa.

Existem sete Pecados Capitais, Luxúria, Preguiça, Ira, Gula, Inveja, Cobiça e Orgulho.
Da mesma maneira como ocorre com o Temperamento, temos um centro de gravidade ao redor de um destes Pecados Capitais. O Conjunto dos Eus, dos Defeitos que manifestam-se em nós mesmos, nos caracterizam de maneira a que somos "Luxuriosos, Preguiçosos, Orgulhosos, etc.."

Isto do Traço Psicológico, assim como o Temperamento, são fatores essenciais para podermos dar um rumo concreto ao Despertar da Consciência, também reconhecer que não é porque não somos Cobiçosos, Orgulhosos, que são coisas que transparecem mais nas pessoas, que somos "santos". Levamos o mal tão forte em nós quanto qualquer assassino ou lunático que possamos ver pelas ruas, a questão é que não temos o mesmo Temperamento nem a Cabeça de Legião que nos domina é a mesma ou faz com tanta força sua manifestação. Por isto que reforçamos que é importante conhecer isto, assim não nos auto-enganamos nos crendo de "mocinhos", enquanto supomos que os outros são "bandidos". Há muitas pessoas "boas" que por seu temperamento, por seu Traço Psicológico, deixaram-se levar por algum momento de debilidade por forças muito terríveis. Por isto torna-se indispensável conhecer a este mal que em nós nos caracteriza, para desfazer esta tenebrosa criação interior que se estabeleceu em nós.

Como no caso do Temperamento, o Fleumático pode passar mais desapercebido do que um Sanguíneo, já que este segundo é irritável e impulsivo. Por isto como dissemos, é buscar esta compreensão de nós mesmos, para que possamos nos libertar destas gravitações negativas que estabelecemos em nosso interior.


12/06/14