zzzzzzzz

 

CLXV
Textos sobre Psicologia
Consciência

Dizem os sábios Mestres que o pior não é ignorar algo, mas ignorar que ignoramos. Ou seja, que desconhecemos aquilo que desconhecemos, que não sabemos acerca do que não sabemos. Porque se sabemos o que nos falta, podemos buscar, mas se não temos consciência deste vazio que necessita ser preenchido, permanecemos na ignorância por conta desta incompreensão.

Muito falamos e muito vemos ser ensinado sobre a Consciência mas a verdade é que não temos consciência do significado da consciência e por isto erramos e seguimos errando.

Toda nossa Obra, todo o progresso Espiritual concreto, real, está além de outras coisas, atrelado ao Despertar da Consciência, que em síntese é esta percepção plena das verdades que nos cercam, que nos regem e que regem as regiões tanto internas como externas, superiores e inferiores.

No dia a dia, quando alguém comete um erro, quando alguém rouba, quando causa algum mal mesmo a si mesmo por conta de algum vício, vemos popularmente ser dito que esta pessoa não tem consciência de suas ações. Qualquer pessoa que perca a capacidade de observar ações e consequências e lidar com equilíbrio, dizemos que "perdeu a consciência", como quando alguém desmaia.

Claro que a consciência não é estar acordado, e mesmo as pessoas "de bem", tem por certo a consciência muito bem adormecida.

De qualquer maneira a Consciência desperta em nos gradualmente, conforme vamos exercitando-a e libertando-a dentre os defeitos que a aprisionam.

Ter consciência é ter a devida compreensão, perceber os fluxos e os refluxos de nossas ações, e das ações daqueles que nos rodeiam, bem como as ações que emanam do Grande Invisível.
Quando nos fazemos conscientes de nós mesmos, de nosso organismo físico, de nossos veículos internos, quando compreendemos cada ação e cada consequência, quando temos plena ciência das forças que regem cada momento, dos rumos que dita a Grande Divindade, dos impulsos que nos influenciam, das forças que nos cercam, Despertamos.

Dizemos que o Erro aprisiona a consciência e isto é bastante simples de compreender. Porque um vício, um hábito, para que ele se manifeste, temos de ignorar as consequências deste vício, deste delito. Desta inconsciência, satisfazemos tal desejo, pois de outra maneira, jamais nos renderíamos a tal subjetividade.

Se vemos a consequência do Álcool no organismo humano, fica comprovado o dano tanto físico, psicológico, anímico que este causa, desde as doenças a ele relacionadas, como a perda da razão, o estímulo da maldade humana, dentre tantas coisas tão fáceis de listar, já que são abundantes.
Assim o mesmo ao Fumo, ou a qualquer outro vício que possa o indivíduo ter.

O Problema é que somos pessoas extremamente sensoriais, temos prazer em termos algumas percepções físicas e não temos compreensão do resultado que isto gera em nossas vidas.
Não é errado sentir prazer, isto é um estímulo natural ao organismo para que busque aquela ação, o problema é que ignoramos, que não temos consciência dos limites, e é aonde manifesta-se o defeito.

A Consciência é um impulso natural em realizar algo que corresponde a sua natureza, e que algum defeito se aproveita para exacerbar dita ação.
Como é com o sexo, aonde as pessoas tem o impulso a procriação e a Regeneração por meio da Magia Sexual, mas perdem a energia sexual, repetem o ato sem a devida pausa necessária, e tantas outras coisas que sua natureza não é capaz de naturalmente compreender, porque tem consciência adormecida por seus desejos e impulsos bestiais.

Ter Consciência é ter a devida compreensão, a capacidade de perceber esta realidade, e a naturalidade de cada ação que devemos realizar.
Por isto que dizemos que é tão errado falar quando devemos calar ou tão errado calar quando devemos falar... porque a Consciência é quem capacidade de saber o resultado de nossas palavras ou de nosso silêncio.

Isto não é o resultado de percepções meramente físicas, são percepções também internas que determinam a consequência de cada uma de nossas ações e que pouco a pouco vamos aprendendo a perceber, a nos guiar.

22/10/14