CLXV
Textos sobre Religião
[CLXV] Psalmorum Salutári

Senhor, poderoso Senhor.
Das sombras murmuram vozes contra teu filho.
Erguem-se cadáveres para tentar roubar teu tesouro.
O Sangue dos justos mais uma vez é derramado pelo perseguidor dos Santos.

Mas Tu, ó Senhor, cuida do que é teu.
Tu proteges tua mão e teu pé, pois são partes de ti mesmo.
Tu cuidas de tuas vestes e de teus pertences, pois é teu direito e dever.

Desembainha tua Espada, e aponta teus olhos para aqueles que buscam o teu mal.
Pois pagam a Justiça com injustiças.
Eles transformam a busca pela Paz em uma nova guerra.

Tira destes inimigos sua força.
Faz cessar a vertente de seus mananciais.
Recolhe para ti o pó com que foram criados.
Remove deles o sopro de tua criação.

Pois de ti todas as coisas provém, e para ti todas as coisas retornam.
Destrói aos destruidores, antes que tomem o que é teu.

Sei que para ti que vives mais além do Tempo e do próprio Espaço, nada é grande demais.
E que tais inimigos são como mosquitos na noite.
Mas eles perturbam teu descanso, e afrontam tua Majestade.

A Luz por onde passa perturba as trevas.
E por isto teus inimigos tornaram-se mais numerosos que os grãos de areia do mar.
E eles uniram-se contra ti, porque não conhecem o teu Rosto.
Tentam prejudicar-te porque não conhecem teu Poder.

Teu simples Nome os dispersaria como baratas em fuga.
Assim que mostra a eles tua face.
Faz manifesta tua Luz.

12/11/2018